A maior rede de estudos do Brasil

Existe diferença entre Erro de tipo permissivo e Descriminante Putativa?


3 resposta(s)

User badge image

Fabiano

Há mais de um mês

depende da teoria adotada para definir a culpabilidade. Na teoria normativa pura da culpabilidade existem a limitada e a extremada. para a primeira a descriminante putativa seria erro de tipo permissivo (fica isento de pena se inevitável ou responde por culpa -culpa imprópria- se evitável) para a extremada tem se erro de proibição (isenta de pena se inevitável ou reduz de 1/6 a 1/3).
depende da teoria adotada para definir a culpabilidade. Na teoria normativa pura da culpabilidade existem a limitada e a extremada. para a primeira a descriminante putativa seria erro de tipo permissivo (fica isento de pena se inevitável ou responde por culpa -culpa imprópria- se evitável) para a extremada tem se erro de proibição (isenta de pena se inevitável ou reduz de 1/6 a 1/3).
User badge image

Raquel

Há mais de um mês

Descriminantes são excludentes de ilicitude; putativo traduz aquilo que aparenta ser verdadeiro. Desse modo, as descriminantes putativas são as excludentes da ilicitude que aparentam estar presentes em uma determinada situação, quando, na realidade, não estão.

As descriminantes putativas dividem-se em três espécies.

1) Erro quanto aos pressupostos fáticos de uma causa de exclusão de ilicitude. Neste caso, o agente pensa estar em situação de se defender, porque lhe representa, por exemplo, o assédio de um mendigo um ataque, que, na verdade, não existe.

2) Erro quanto à existência de uma causa excludente de ilicitude. Essa situação ocorre quando, por exemplo, alguém, crendo estar aprovado um novo Código Penal, prevendo e autorizando a eutanásia, apressa a morte de um parente desenganado pela medicina. Atuou em falsa realidade, pois a excludente não existe, por enquanto, no nosso ordenamento jurídico.

3) Erro quanto aos limites de uma excludente de ilicitude. É possível que o agente, conhecedor de uma excludente (legítima defesa, por exemplo), creia poder defender a sua honra, matando aquele que a conspurca. Trata-se de um flagrante excesso, portanto, um erro nos limites impostos pela excludente.

 

Contudo, em relação ao erro quanto aos pressupostos fáticos da excludente de ilicitude, não existe um consenso doutrinário, havendo divisão entre os defensores da teoria limitada da culpabilidade, que considera o caso um erro de tipo permissivo, permitindo a exclusão do dolo, tal como se faz no autêntico erro de tipo, e os que adotam a teoria extremada da culpabilidade, segundo a qual o caso é um erro de proibição, logo, sem exclusão do dolo.

User badge image

Vegeta

Há mais de um mês

Parece-me que o primeiro é espécie e a segunda o gênero.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes