A maior rede de estudos do Brasil

Qual o papel da moléculas do MHC no reconhecimento das células infectadas pelas células NK e qual o significado fisiológico deste reconhecimento ?


2 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

Células B e células T reconhecem diferentes substâncias como antígenos e reconhecem de uma forma diferente. A célula B usa a imunoglobulina ligada à superfície da célula como um receptor e a especificidade deste receptor é a mesma da imunoglobulina que ela é capaz de secretar após a ativação.


Células T estão agrupadas funcionalmente de acôrdo com a classe de moléculas de MHC que se associa com os fragmentos peptídicos da proteína: células T auxiliares reconhecem apenas aqueles peptídios associados com moléculas de MHC classe II, e células T citotóxicas reconhecem apenas aqueles peptídios associados com moléculas de MHC classe I.


O primeiro sinal é obrigatório tanto para as células T CD4 quanto para as T CD8, mas para essas últimas o segundo sinal pode ser diferente.. O Segundo sinal pode ocorrer das seguintes formas:

Direta: células T CD4+ ativadas liberam citocinas diretamente sobre células T CD8+ e estas são ativadas;

Indireta: células T CD4+ ativadas liberam citocinas sobre as células dendríticas, potencializando a ação destas, que passarão a liberar mais citocinas sobre as células T CD8 naives; 

Células B e células T reconhecem diferentes substâncias como antígenos e reconhecem de uma forma diferente. A célula B usa a imunoglobulina ligada à superfície da célula como um receptor e a especificidade deste receptor é a mesma da imunoglobulina que ela é capaz de secretar após a ativação.


Células T estão agrupadas funcionalmente de acôrdo com a classe de moléculas de MHC que se associa com os fragmentos peptídicos da proteína: células T auxiliares reconhecem apenas aqueles peptídios associados com moléculas de MHC classe II, e células T citotóxicas reconhecem apenas aqueles peptídios associados com moléculas de MHC classe I.


O primeiro sinal é obrigatório tanto para as células T CD4 quanto para as T CD8, mas para essas últimas o segundo sinal pode ser diferente.. O Segundo sinal pode ocorrer das seguintes formas:

Direta: células T CD4+ ativadas liberam citocinas diretamente sobre células T CD8+ e estas são ativadas;

Indireta: células T CD4+ ativadas liberam citocinas sobre as células dendríticas, potencializando a ação destas, que passarão a liberar mais citocinas sobre as células T CD8 naives; 

User badge image

Beatriz

Há mais de um mês

Céls infectadas secretam INF-alfa/beta, com ação autócrina na própria cél infectada e com ação parácrina em diversas outras céls alvo. Essa citocina, dentre outras funções, aumenta a expressão de MHC I nas céls infectadas (com o objetivo de melhorar a apresentação dos Ags pras céls T CD8)  e ativas as céls NK. As céls infectadas podem realmente ter mais MHC I em suas membranas ou não. Caso tenha o MHC I, quem vai agir será a cél T CD8 citotóxica, que irá reconhecer e induzir a apoptose. Caso não tenha MHC I (alguns vírus inibem o MHC, por ex, msm com a influência do INF-alfa/beta), a cél NK irá reconhecer essa falta de MHC I como um sinal positivo para induzir a apoptose via degranulação. Ou seja, cél NK depende dos seguintes sinais:

Sinal positivo para morte da cél alvo = molécula KIRK da cél NK não se liga ao MHC I da cél infectada, já que o patógeno (vírus, por ex) está inibindo o MHC.
Sinal negativo para morte da cél alvo = molécula KIRK da cél NK consegue se ligar ao MHC I da cél alvo, e essa ligação inibe a degranulaçao da cél NK.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas