A maior rede de estudos do Brasil

Behaviorismo Radical

Vi que o pragmatismo é uma característica forte no behaviorismo radical. Ela é a única ou exitem outras?


1 resposta(s)

User badge image

Yoone

Há mais de um mês

Behaviorismo radical, postulado por B.F. Skinner e adotada por vários outros psicólogos, como Ferster, Sidman, Schoenfeld, Catania, Hineline, Jack Michael, etc., surgiu dentro da Psicologia como uma proposta filosófica e com um projeto de pesquisa em oposição ao behaviorismo metodológico de orientação positivista. É o campo filosófico da análise do comportamento. As questões trabalhadas no Behaviorismo Radical avaliam a repercussão e a validade das pesquisas científicas experimentais no estudo do comportamento. Skinner teve como referência as idéias dos filósofos da ciência, incluindo Percy Bridgeman, Ernst Mach e Jules Henri Poincaré. Estes criaram novos modelos de pensamento explanatório que não dependiam de nenhuma subestrutura metafísica. No decorrer de sua obra, Skinner teorizou que a lógica do modelo de seleção natural de Darwin também poderia ser aplicada ao comportamento dos indivíduos, como um novo modelo causal diferente do mecanicismo. 

Para Skinner, o behaviorismo radical seria um caso especial da filosofia da ciência: "não é a ciência do comportamento humano, é a filosofia dessa ciência". 

O behaviorismo radical busca compreender questões humanas como "comportamento", "liberdade" e "cultura" dentro do modelo de seleção por consequências e rejeitando o uso de variavéis não-físicas (sem dimensão no tempo-espaço). 

Um filósofo behaviorista radical defende que as diferentes explicações sobre o comportamento humano deveriam ser resolvidas na base de evidências refutáveis e não de abstratas especulações. O behaviorismo radical foi concebido em experimentos realizados sob o rigor da produção de conhecimento científico (cuja característica principal é o uso de um método passível de reaplicação), ou seja, foi desenvolvido dentro de um laboratório, sob condições controladas. O Behaviorismo radical, entendido como pensamento filosófico, não deve ser confundido com a análise do comportamento por alguns motivos: enquanto o behaviorismo radical teve sua origem cientifica em ambiente controlado (laboratório)a análise do comportamento é a aplicação prática das técnicas desenvolvidas a partir do behaviorismo radical e, obviamente, em se tratando de ciência do comportamento, sua aplicação prática não se dá em ambiente sob condições controladas, e sim, no ambiente comum a todos os homens e mulheres: o planeta que habitamos. O termo behaviorismo tem sua origem no termo inglês behavior (comportamento) e ilustra bem o objeto de estudo do behaviorismo radical:o comportamento, sendo esse entendido como a relação entre o indivíduo e seu ambiente,físico-químico ou social. O "radical" do behaviorismo se deve ao fato de que as técnicas ali descritas não apelam para estados mentais como causa iniciadora do comportamento, mas sim, vê os estados mentais como estágio inicial do próprio comportamento, adquirindo assim o status técnico de resposta emitida, encoberta ou não, e não de causa autônoma ou mental do comportamento, se diferenciando fundamentalmente das outras correntes de pensamento dentro da psicologia. O behaviorismo radical também é conhecido como skinneriano, pois foi B. F. Skinner quem desenvolveu sua teoria, com base em seus estudos de laboratório. Por ser uma ciência natural, a análise do comportamento procura entender a relação entre indivíduo/ambiente em termos de comportamentos que podem ter sua probabilidade de emissão diminuida ou aumentada, conforme a história de condicionamento do indivíduo e a apresentação ou retirada de estímulos ambientais.

Behaviorismo radical, postulado por B.F. Skinner e adotada por vários outros psicólogos, como Ferster, Sidman, Schoenfeld, Catania, Hineline, Jack Michael, etc., surgiu dentro da Psicologia como uma proposta filosófica e com um projeto de pesquisa em oposição ao behaviorismo metodológico de orientação positivista. É o campo filosófico da análise do comportamento. As questões trabalhadas no Behaviorismo Radical avaliam a repercussão e a validade das pesquisas científicas experimentais no estudo do comportamento. Skinner teve como referência as idéias dos filósofos da ciência, incluindo Percy Bridgeman, Ernst Mach e Jules Henri Poincaré. Estes criaram novos modelos de pensamento explanatório que não dependiam de nenhuma subestrutura metafísica. No decorrer de sua obra, Skinner teorizou que a lógica do modelo de seleção natural de Darwin também poderia ser aplicada ao comportamento dos indivíduos, como um novo modelo causal diferente do mecanicismo. 

Para Skinner, o behaviorismo radical seria um caso especial da filosofia da ciência: "não é a ciência do comportamento humano, é a filosofia dessa ciência". 

O behaviorismo radical busca compreender questões humanas como "comportamento", "liberdade" e "cultura" dentro do modelo de seleção por consequências e rejeitando o uso de variavéis não-físicas (sem dimensão no tempo-espaço). 

Um filósofo behaviorista radical defende que as diferentes explicações sobre o comportamento humano deveriam ser resolvidas na base de evidências refutáveis e não de abstratas especulações. O behaviorismo radical foi concebido em experimentos realizados sob o rigor da produção de conhecimento científico (cuja característica principal é o uso de um método passível de reaplicação), ou seja, foi desenvolvido dentro de um laboratório, sob condições controladas. O Behaviorismo radical, entendido como pensamento filosófico, não deve ser confundido com a análise do comportamento por alguns motivos: enquanto o behaviorismo radical teve sua origem cientifica em ambiente controlado (laboratório)a análise do comportamento é a aplicação prática das técnicas desenvolvidas a partir do behaviorismo radical e, obviamente, em se tratando de ciência do comportamento, sua aplicação prática não se dá em ambiente sob condições controladas, e sim, no ambiente comum a todos os homens e mulheres: o planeta que habitamos. O termo behaviorismo tem sua origem no termo inglês behavior (comportamento) e ilustra bem o objeto de estudo do behaviorismo radical:o comportamento, sendo esse entendido como a relação entre o indivíduo e seu ambiente,físico-químico ou social. O "radical" do behaviorismo se deve ao fato de que as técnicas ali descritas não apelam para estados mentais como causa iniciadora do comportamento, mas sim, vê os estados mentais como estágio inicial do próprio comportamento, adquirindo assim o status técnico de resposta emitida, encoberta ou não, e não de causa autônoma ou mental do comportamento, se diferenciando fundamentalmente das outras correntes de pensamento dentro da psicologia. O behaviorismo radical também é conhecido como skinneriano, pois foi B. F. Skinner quem desenvolveu sua teoria, com base em seus estudos de laboratório. Por ser uma ciência natural, a análise do comportamento procura entender a relação entre indivíduo/ambiente em termos de comportamentos que podem ter sua probabilidade de emissão diminuida ou aumentada, conforme a história de condicionamento do indivíduo e a apresentação ou retirada de estímulos ambientais.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes