A maior rede de estudos do Brasil

Qual a diferença entre Inadimplemento absoluto e inadimplemento-mora?

Caracteristas de cada um;


4 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

Passei Direto

Há mais de um mês

Coisas sem dono dão todos os bens que nunca tiveram dono, ou a cuja propriedade o dono renunciou. Os primeiros denominam-se res nullius, ou coisas de ninguém; os segundos, res derelictae ou coisas abandonadas ou renunciadas.

Prevê o art. 1.234 do Código Civil:

Aquele que restituir a coisa achada, nos termos do artigo antecedente, terá direito a uma recompensa não inferior a cinco por cento do seu valor, e à indenização pelas despesas que houver feito com a conservação e transporte da coisa, se o dono não preferir abandoná-la.

 

Parágrafo único. Na determinação do montante da recompensa, considerar-se-á o esforço desenvolvido pelo descobridor para encontrar o dono, ou o legítimo possuidor, as possibilidades que teria este de encontrar a coisa e a situação econômica de ambos.

 

Analisando o artigo acima, o descobridor tem direito a uma recompensa (achádego é o nome dessa recompensa), salvo se o dono da coisa preferir abandoná-la, hipótese em que o descobridor pode ocupar a coisa por se tratar, agora, de res derelictae. Assim, o artigo acima consagra uma obrigação facultativa do dono da coisa/devedor da recompensa. É notório que se o descobridor passar a usar a coisa terminará adquirindo-a pela usucapião e o passar do tempo irá também beneficiá-lo com a prescrição do aludido crime do Código Penal.

Coisas sem dono dão todos os bens que nunca tiveram dono, ou a cuja propriedade o dono renunciou. Os primeiros denominam-se res nullius, ou coisas de ninguém; os segundos, res derelictae ou coisas abandonadas ou renunciadas.

Prevê o art. 1.234 do Código Civil:

Aquele que restituir a coisa achada, nos termos do artigo antecedente, terá direito a uma recompensa não inferior a cinco por cento do seu valor, e à indenização pelas despesas que houver feito com a conservação e transporte da coisa, se o dono não preferir abandoná-la.

 

Parágrafo único. Na determinação do montante da recompensa, considerar-se-á o esforço desenvolvido pelo descobridor para encontrar o dono, ou o legítimo possuidor, as possibilidades que teria este de encontrar a coisa e a situação econômica de ambos.

 

Analisando o artigo acima, o descobridor tem direito a uma recompensa (achádego é o nome dessa recompensa), salvo se o dono da coisa preferir abandoná-la, hipótese em que o descobridor pode ocupar a coisa por se tratar, agora, de res derelictae. Assim, o artigo acima consagra uma obrigação facultativa do dono da coisa/devedor da recompensa. É notório que se o descobridor passar a usar a coisa terminará adquirindo-a pela usucapião e o passar do tempo irá também beneficiá-lo com a prescrição do aludido crime do Código Penal.

User badge image

Yuri Abreu

Há mais de um mês

O Inadimplemento absoluto ocorre quando, devido às circunstâncias, o devedor não conseguiria cumprir a obrigação no tempo, modo e lugar devidos (ex. do meu professor: "Quando eu contrato um buffet para a comemoração do meu aniversário, pagando adiantado, seria inútil para mim se eles realizassem o serviço com 5 horas de atraso, quando provavelmente os convidados inclusive já foram embora."). Já no inadimplemento relativo, inadimplemeto-mora ou inadimplemento moratório, o devedor ainda é capaz de cumprir a obrigação no lugar e no modo devidos, mas fica em mora (atraso) por não cumprir a obrigação no tempo combinado. Dos dois tipos de inadimplemento também decorrem consequências jurídicas distintas para o devedor: no inadimplemento absoluto, o devedor deve ao credor a prestação que o credor lhe pagou mais as perdas e danos causados pelo inadimplemento. Quando acontece inadimplemento relativo, o devedor paga a prestação acrescida dos juros moratórios (decorrentes do atraso no adimplemento) adicionados de correção monetária, dependendo do período de tempo em que o devedor ficou em mora. Espero ter ajudado.

User badge image

Carlos Henrique Guerra

Há mais de um mês

O que se entende pelo princípio pacta sunt servanda

 

 

User badge image

Lia Dagmar Trajano

Há mais de um mês

Ajudou sim...  , e muito.

Resposta clara, objetiva  e portanto bem esclarecedora.

Obrigado.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas