A maior rede de estudos do Brasil

Marcos e Camila são solidários? segue a pergunta:

Marcos  e  Camila  possuem  conta  poupança  conjunta  tendo  sido  esta  surpreendida  pelo penhor  em  favor  do  Banco  Poupe  Aqui da  totalidade do  saldo  da  poupança. Alega  o  banco  que os  titulares da  conta  poupança  são  solidários  entre  si  e,  por  isso,  possível  o  penhor  da  totalidade  do  saldo  como garantia de  uma dívida  contraída por  Marcos. Pergunta-se:  há  solidariedade entre os  titulares da  poupança conjunta? Explique sua resposta e nela destaque se o penhor realizado pelo Banco é válido


3 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

Júnior Oliveira Verified user icon

Há mais de um mês

 Depende se a conta-poupança estiver custodiada ou não no Banco Poupe Aqui, que é o credor da dívida e se Camila se obrigou ou não, junto a Marcos, perante o credor.

Isso porque é certo que há solidariedade entre os titulares da conta e o banco em que essa conta está registrada, decorrente do contrato de abertura de conta entre os co-titulares e o banco.

De outro lado, se o Banco Poupe Aqui for um terceiro credor, aí não se poderá considerar a solidariedade.

Isso porque a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça é no sentido de que a solidariedade havida entre os co-titulares da conta se dá somente em relação ao banco em que a conta foi aberta, não necessariamente em relação a eventuais terceiros credores.

Para o STJ, ainda que um dos titulares da conta não consiga comprovar a sua parte pessoal sobre os valores depositados, é ilegal a constrição total do saldo se a dívida não for fruto da participação de todos os co-titulares..

Portanto, seguindo-se o entendimento do STJ, temos as seguintes hipóteses:

a) A conta-poupança foi aberta junto ao Banco Poupe Aqui: nesse caso, é válida a penhora efetivada, pois há solidariedade ativa e passiva entre os co-titulres e o banco em que a conta foi aberta;

b) A conta-poupança não foi aberta no Banco Poupe Aqui: nessa hipótese, o banco é considerado um terceiro credor, de modo que  a penhora integral realizada não será válida, podendo se dar somente à proporção de 50% do saldo existente, isto é, à cota-parte de Marcos (co-titular efetivamente devedor), sendo presumido, na falta de provas, que o saldo é dividido em partes iguais.

No entanto, se Camila tiver participado junto com Marcos na obrigação havida perante o credor, a penhora poderá incidir sobre todo o saldo da conta, independetemente do banco custodiante da conta-poupança, pois, neste caso, terá havido o compromisso de solidariedade passiva entre Camila e Marcos perante o credor.

PROCESSO CIVIL. RECURSO ESPECIAL. EMBARGOS DE TERCEIRO. BLOQUEIO DE VALOR DEPOSITADO EM CONTA CONJUNTA. POSSIBILIDADE DE PENHORA DE 50% DO NUMERÁRIO. NÃO OCORRÊNCIA DE SOLIDARIEDADE PASSIVA EM RELAÇÃO A TERCEIROS.

1. A conta bancária coletiva ou conjunta pode ser indivisível ou solidária. É classificada como indivisível quando movimentada por intermédio de todos os seus titulares simultaneamente, sendo exigida a assinatura de todos, ressalvada a outorga de mandato a um ou alguns para fazê-lo. É denominada solidária quando os correntistas podem movimentar a totalidade dos fundos disponíveis isoladamente.

2. Na conta conjunta solidária prevalece o princípio da solidariedade ativa e passiva apenas em relação ao banco - em virtude do contrato de abertura de conta-corrente - de modo que o ato praticado por um dos titulares não afeta os demais nas relações jurídicas e obrigacionais com terceiros, haja vista que a solidariedade não se presume, devendo resultar da vontade da lei ou da manifestação de vontade inequívoca das partes (art. 265 do CC).

3. Nessa linha de intelecção, é cediço que a constrição não pode se dar em proporção maior que o numerário pertencente ao devedor da obrigação, preservando-se o saldo dos demais cotitulares, aos quais é franqueada a comprovação dos valores que integram o patrimônio de cada um, sendo certo que, na ausência de provas nesse sentido, presume-se a divisão do saldo em partes iguais.

4. No caso, a instância primeva consignou a falta de comprovação da titularidade exclusiva do numerário depositado na conta bancária pela recorrida. Contudo, não tendo ela participado da obrigação que ensejou o processo executivo, não há se presumir sua solidariedade com o executado somente pelo fato de ela ter optado pela contratação de uma conta conjunta, a qual, reitera-se, teve o objetivo precípuo de possibilitar ao filho a movimentação do numerário em virtude da impossibilidade de fazê-lo por si mesma, haja vista ser portadora do mal de Alzheimer.

5. Recurso especial não provido.

REsp 1.184.584/MG. Relator: Ministro Luis Felipe Salomão.

 Depende se a conta-poupança estiver custodiada ou não no Banco Poupe Aqui, que é o credor da dívida e se Camila se obrigou ou não, junto a Marcos, perante o credor.

Isso porque é certo que há solidariedade entre os titulares da conta e o banco em que essa conta está registrada, decorrente do contrato de abertura de conta entre os co-titulares e o banco.

De outro lado, se o Banco Poupe Aqui for um terceiro credor, aí não se poderá considerar a solidariedade.

Isso porque a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça é no sentido de que a solidariedade havida entre os co-titulares da conta se dá somente em relação ao banco em que a conta foi aberta, não necessariamente em relação a eventuais terceiros credores.

Para o STJ, ainda que um dos titulares da conta não consiga comprovar a sua parte pessoal sobre os valores depositados, é ilegal a constrição total do saldo se a dívida não for fruto da participação de todos os co-titulares..

Portanto, seguindo-se o entendimento do STJ, temos as seguintes hipóteses:

a) A conta-poupança foi aberta junto ao Banco Poupe Aqui: nesse caso, é válida a penhora efetivada, pois há solidariedade ativa e passiva entre os co-titulres e o banco em que a conta foi aberta;

b) A conta-poupança não foi aberta no Banco Poupe Aqui: nessa hipótese, o banco é considerado um terceiro credor, de modo que  a penhora integral realizada não será válida, podendo se dar somente à proporção de 50% do saldo existente, isto é, à cota-parte de Marcos (co-titular efetivamente devedor), sendo presumido, na falta de provas, que o saldo é dividido em partes iguais.

No entanto, se Camila tiver participado junto com Marcos na obrigação havida perante o credor, a penhora poderá incidir sobre todo o saldo da conta, independetemente do banco custodiante da conta-poupança, pois, neste caso, terá havido o compromisso de solidariedade passiva entre Camila e Marcos perante o credor.

PROCESSO CIVIL. RECURSO ESPECIAL. EMBARGOS DE TERCEIRO. BLOQUEIO DE VALOR DEPOSITADO EM CONTA CONJUNTA. POSSIBILIDADE DE PENHORA DE 50% DO NUMERÁRIO. NÃO OCORRÊNCIA DE SOLIDARIEDADE PASSIVA EM RELAÇÃO A TERCEIROS.

1. A conta bancária coletiva ou conjunta pode ser indivisível ou solidária. É classificada como indivisível quando movimentada por intermédio de todos os seus titulares simultaneamente, sendo exigida a assinatura de todos, ressalvada a outorga de mandato a um ou alguns para fazê-lo. É denominada solidária quando os correntistas podem movimentar a totalidade dos fundos disponíveis isoladamente.

2. Na conta conjunta solidária prevalece o princípio da solidariedade ativa e passiva apenas em relação ao banco - em virtude do contrato de abertura de conta-corrente - de modo que o ato praticado por um dos titulares não afeta os demais nas relações jurídicas e obrigacionais com terceiros, haja vista que a solidariedade não se presume, devendo resultar da vontade da lei ou da manifestação de vontade inequívoca das partes (art. 265 do CC).

3. Nessa linha de intelecção, é cediço que a constrição não pode se dar em proporção maior que o numerário pertencente ao devedor da obrigação, preservando-se o saldo dos demais cotitulares, aos quais é franqueada a comprovação dos valores que integram o patrimônio de cada um, sendo certo que, na ausência de provas nesse sentido, presume-se a divisão do saldo em partes iguais.

4. No caso, a instância primeva consignou a falta de comprovação da titularidade exclusiva do numerário depositado na conta bancária pela recorrida. Contudo, não tendo ela participado da obrigação que ensejou o processo executivo, não há se presumir sua solidariedade com o executado somente pelo fato de ela ter optado pela contratação de uma conta conjunta, a qual, reitera-se, teve o objetivo precípuo de possibilitar ao filho a movimentação do numerário em virtude da impossibilidade de fazê-lo por si mesma, haja vista ser portadora do mal de Alzheimer.

5. Recurso especial não provido.

REsp 1.184.584/MG. Relator: Ministro Luis Felipe Salomão.

User badge image

Fernanda

Há mais de um mês

No caso exposto os  poupadores  são  credores  solidários  do  banco  onde possuem  conta,  porém não  podem  ser  considerados  devedores  solidários  pois  a  solidariedade  não  se  presume,  para  tal  deveria ter consentimento de Camila, de acordo com o Art. 1.420, § 2º  do CC.

User badge image

weliton

Há mais de um mês

segundo o Art. 264. Há solidariedade, quando na mesma obrigação concorre mais de um credor, ou mais de um devedor, cada um com direito, ou obrigado, à dívida toda. o Art. 265 diz que A solidariedade não se presume; resulta da lei ou da vontade das partes. entao os dois sao solidariamente responsáveis.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas