A maior rede de estudos do Brasil

o que revisão criminal?


2 resposta(s)

User badge image

Natália M. Ribeiro

Há mais de um mês

A revisão criminal é uma ação autônoma de impugnação de competência originária dos tribunais. Tem o objetivo de rever decisão condenatória com trânsito em julgado, em decorrência de algum erro judiciário.Ela está embrionariamente prevista no art. 5º, LXXV, Constituição Federal: “o Estado indenizará o condenado por erro judiciário, assim como o que ficar preso além do tempo fixado na sentença”. Trata-se de um dispositivo constitucional que, conquanto se refira ao caráter indenizatório, também pode ser lido no sentido de que os erros judiciários não podem perdurar.A revisão criminal, o polo passivo terá o Estado, com o Ministério Público atuando na função de “custos legis” (art. 625, §5º, do Código de Processo Penal).

Tendo em vista que a revisão criminal atinge a coisa julgada, que é constitucionalmente protegida, considera-se que o rol do artigo 621 do CPP é taxativo:

Art. 621. A revisão dos processos findos será admitida: I – quando a sentença condenatória for contrária ao texto expresso da lei penal ou à evidência dos autos; II – quando a sentença condenatória se fundar em depoimentos, exames ou documentos comprovadamente falsos; III – quando, após a sentença, se descobrirem novas provas de inocência do condenado ou de circunstância que determine ou autorize diminuição especial da pena.

Quando a decisão desfavorável contrariar o texto expresso da lei penal (art. 621, I, do CPP), deve-se interpretar incluindo as decisões contrárias à lei processual penal. Assim, não se deve limitar ao Direito Penal material.

A revisão criminal é uma ação autônoma de impugnação de competência originária dos tribunais. Tem o objetivo de rever decisão condenatória com trânsito em julgado, em decorrência de algum erro judiciário.Ela está embrionariamente prevista no art. 5º, LXXV, Constituição Federal: “o Estado indenizará o condenado por erro judiciário, assim como o que ficar preso além do tempo fixado na sentença”. Trata-se de um dispositivo constitucional que, conquanto se refira ao caráter indenizatório, também pode ser lido no sentido de que os erros judiciários não podem perdurar.A revisão criminal, o polo passivo terá o Estado, com o Ministério Público atuando na função de “custos legis” (art. 625, §5º, do Código de Processo Penal).

Tendo em vista que a revisão criminal atinge a coisa julgada, que é constitucionalmente protegida, considera-se que o rol do artigo 621 do CPP é taxativo:

Art. 621. A revisão dos processos findos será admitida: I – quando a sentença condenatória for contrária ao texto expresso da lei penal ou à evidência dos autos; II – quando a sentença condenatória se fundar em depoimentos, exames ou documentos comprovadamente falsos; III – quando, após a sentença, se descobrirem novas provas de inocência do condenado ou de circunstância que determine ou autorize diminuição especial da pena.

Quando a decisão desfavorável contrariar o texto expresso da lei penal (art. 621, I, do CPP), deve-se interpretar incluindo as decisões contrárias à lei processual penal. Assim, não se deve limitar ao Direito Penal material.

User badge image

Estudante PD

Há mais de um mês

Revisão criminal é uma ação autônoma que tem por objetivo verificar um erro processual ou material que ocorreu no processo penal para beneficiar o réu que foi condenado de certo modo injustamente. A revisão criminal pode ser proposta nos seguintes casos:

I - quando a sentença condenatória for contrária ao texto expresso da lei penal ou à evidência dos autos;

II - quando a sentença condenatória se fundar em depoimentos, exames ou documentos comprovadamente falsos;

III - quando, após a sentença, se descobrirem novas provas de inocência do condenado ou de circunstância que determine ou autorize diminuição especial da pena.

A propositura pode se dar depois da extinção da pena e até depois da morte do condenado para a reabilitação de sua memória. A revisão está prevista nos artigos 621 a 631 do Código de Processo Penal e é julgada pelo Tribunal e não pelo juiz singular. 

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes