A maior rede de estudos do Brasil

queria saber como fazer a matriz BCG da empresa Le chef gatô.

Planejamento Estratégico

UNIDERP - ANHANGUERA


1 resposta(s)

User badge image

Eliane

Há mais de um mês

BCG

Sabendo os conceitos necessários, a representação gráfica se torna bastante simples e intuitiva.

Basicamente, funciona da seguinte maneira: imagine um plano cartesiano.

O eixo vertical representa a taxa de crescimento do mercado.

O horizontal, a taxa de participação nesse mercado.

Cada eixo desse plano tem dois setores, o que resulta em quatro quadrantes ao todo.

Os dados de cada produto são analisados individualmente e, então, é feita a classificação dele de acordo com os critérios de cada quadrante.

Depois de classificado, é possível planejar estratégias e estabelecer metas a fim de mover os produtos pelos quadrantes conforme seu desempenho.

Para facilitar, veja só como fica a representação gráfica da Matriz BCG:

Classificação dos quadrantes

Como acabamos de explicar, teremos um plano cartesiano para construir a Matriz BCG.

Logo, o portfólio de produtos estará dividido em quatro quadrantes.

Para ajudar você a classificar cada produto, vamos explicar agora o que cada quadrante representa.

Ponto de interrogação

Os produtos deste quadrante são aqueles que ainda não geram muitos lucros, mesmo com um certo grau de investimento em marketing e vendas.

Acontece bastante com produtos em fase de lançamento, os quais ainda não fornecem uma base sólida para dados e nem muito conhecimento por parte do público.

Estrela

Como o próprio nome sugere, são as estrelas do seu portfólio de produtos e geram uma receita alta.

Porém, é necessário um alto investimento para que eles alcancem a performance desejada nas vendas e todo esse lucro.

Vaca leiteira

Esses são aqueles produtos que também geram uma alta receita, mas ao contrário das “estrelas”, a receita vem de forma orgânica e gratuita, sem um alto custo para incentivar as vendas.

Geralmente, são aqueles produtos que já estão bem estabelecidos no mercado e, por terem uma boa percepção por parte dos consumidores, acabam se “autopromovendo” e gerando lucro naturalmente.

Não é à toa que esse é o quadrante preferido e mais almejado de toda a Matriz BCG.

Abacaxis

Como nem todo produto ou serviço é um sucesso entre os consumidores, há aqueles que têm baixa performance nas vendas.

Segundo a Matriz BCG, são classificados como abacaxis.

Temos aí um momento crucial no ciclo de vida desse produto.

Se o plano para recuperar sua força requerer um alto investimento, talvez a saída mais fácil seja o cancelamento da linha e a sua retirada do portfólio.

Como criar sua Matriz BCG

Agora que você sabe o que significa cada quadrante da matriz e como ela funciona, é hora de aprender como montar a Matriz BCG no seu negócio.

Veja só o passo a passo a seguir.

1. Conheça bem seu portfólio

Antes de começar, você precisa conhecer a fundo todos os produtos presentes no portfólio para que não fique nenhum de fora da análise.

Tente listá-los de acordo com a ordem crescente de vendas de cada um.

Isso facilita no momento da classificação dos quadrantes.

2. Desenhe o gráfico

Você com certeza já sabe visualmente o que é um gráfico cartesiano, não é mesmo?

Para montar sua Matriz BCG, então, é preciso traçar um gráfico desses, ou seja, uma linha reta na horizontal cruzando com outra linha reta na vertical, formando ângulos de 90º.

A linha vertical representará a taxa de crescimento do mercado e, a linha horizontal, o desempenho do seu produto no mercado.

Não existe uma fórmula ideal para a graduação dos valores em cada linha.

A taxa de crescimento do mercado pode ser de 0 à 10%, por exemplo.

Já a participação no mercado fica mais difícil de ser estipulada, principalmente por parte das pequenas e médias empresas.

Na época da criação do método, essa participação era mais facilmente encontrada, pois o mercado era comandado por poucas empresas.

Hoje em dia, o aparecimento de vários concorrentes dificultou o processo.

Porém, vamos supor que sua empresa vende 10 vezes mais que o concorrente.

Então, marque como 10x na graduação da linha horizontal.

Se a empresa vende apenas um décimo, marque 0,1x, por exemplo.

O importante é que a graduação seja feita da esquerda para direita, no exemplo: de 10x para 0,1x.

3. Classifique seus produtos

Agora que você tem seu gráfico desenhado, é o momento de pegar cada um dos seus produtos e analisar taxas de crescimento e participação no mercado.

Vamos supor que a taxa de crescimento do mercado foi de 7% e, na participação, você notou que é líder e vende cerca de 50% a mais que o concorrente.

Identifique no gráfico esses dois valores e desenhe no ponto de intersecção entre eles um círculo para simbolizar cada produto.

Ao fazer esse processo, você já estará classificando cada produto em seu devido quadrante.

A disposição dos quadrantes no gráfico pode mudar, mas a mais comum é a seguinte:

  • Ponto de interrogação: quadrante superior direito
  • Estrela: quadrante superior esquerdo
  • Vaca leiteira: quadrante inferior esquerdo
  • Abacaxi: quadrante inferior direito.

4. Estabeleça planos de ação

Tudo certo até agora? Conseguiu classificar corretamente seus produtos?

Com os produtos classificados, é o momento de pensar em estratégias para cada um.

Produtos “vaca leiteira” podem e devem ser mantidos.

Por outro lado, talvez seja melhor para a empresa cancelar “abacaxis”, por exemplo.

Mas não se precipite na análise.

Veremos mais sobre isso no tópico a seguir.

O que fazer depois de encaixar os produtos na Matriz BCG?

Pronto, encaixei meus produtos na Matriz BCG, mas e agora?

Muitas pessoas que estão iniciando podem ter dúvidas nessa parte do processo.

Por isso, este é o momento de pensar estratégias para os produtos de cada quadrante.

Vamos começar com aqueles classificados como pontos de interrogação.

Como vimos, geralmente, são produtos no início da sua vida útil.

Logo, mesmo podendo ter uma alta taxa de crescimento de mercado, ainda não geram receita efetiva para a empresa.

Basicamente, o que você deve fazer é estabelecer um prazo médio para voltar a analisar esse produto e movê-lo de quadrante.

Como acontece de alguns produtos serem muito diferentes dos já existentes no mercado, é bom aproveitar para investir mais neles para conquistar o público.

A partir deste quadrante, os produtos podem ser movidos por dois caminhos possíveis: estrelas ou abacaxis.

Se o produto tem um crescimento positivo e você percebe que ele tem potencial para se tornar uma estrela, deve ser movido para esse segundo.

Como os produtos costumam ficar um longo período no quadrante estrela, o ideal é analisar de tempos em tempos a performance das vendas.

Se o produto está se tornando líder de vendas no segmento, ele tende a se tornar vaca leiteira.

Mas se a performance for ruim, ele pode migrar para abacaxi.

Quando um produto é movido ou se encontra no quadrante do abacaxi, é o momento de mudar a estratégia de vendas para evitar prejuízos.

Por isso, é preciso definir um prazo para que ele se restabeleça no mercado.

Caso falhe, a melhor saída é retirá-lo do portfólio de produtos e poupar gastos desnecessários.

Agora, se o produto está classificado como vaca leiteira, o único caminho a seguir é mantê-lo no seu mix.

Afinal, gera lucros consistentes e ajuda a custear a empresa.

Só não se esqueça de estar sempre evidenciando seus diferenciais para não ser desbancado pelos produtos da concorrência e entrar em declínio.

Vale lembrar que é preciso paciência para mover seus produtos de quadrantes.

Um ponto de interrogação dificilmente vira vaca leiteira da noite para o dia.

Vantagens

Como mencionamos no começo, a Matriz BCG pode ser uma poderosa arma para garantir o sucesso do seu negócio.

Com ela, você consegue perceber quais produtos estão crescendo e quais estão com um fraco desempenho.

A partir daí, é possível alinhar as estratégias e tomar decisões mais assertivas, de acordo com a necessidade de cada um.

Outro ponto positivo da Matriz BCG é que, através da sua análise, você tem noção da sua participação no mercado.

Ou seja, identifica quais produtos estão gerando mais vendas e quais estão parados no estoque.

Além disso, você também tem uma noção sobre a performance dos seus concorrentes no mercado.

Com isso, consegue criar estratégias para superá-los e conquistar os consumidores de forma eficaz.

Desvantagens

A principal desvantagem dessa metodologia é que ela considera apenas a participação no mercado como fator de sucesso ou fracasso do produto.

O mercado é muito dinâmico e, com o tempo, talvez um abacaxi se torne mais lucrativo que uma estrela, por exemplo.

É comum a inversão de papéis conforme o tempo passa e as preferências do consumidor se alterem.

Por isso, esse método é mais bem aproveitado quando utilizado por empresas com um certo tempo de mercado, possuindo um histórico mais completo em relação à performance e ao volume de vendas de cada produto.

Mas isso também não quer dizer que negócios em fase inicial também não podem ser beneficiados pela Matriz BCG.


BCG

Sabendo os conceitos necessários, a representação gráfica se torna bastante simples e intuitiva.

Basicamente, funciona da seguinte maneira: imagine um plano cartesiano.

O eixo vertical representa a taxa de crescimento do mercado.

O horizontal, a taxa de participação nesse mercado.

Cada eixo desse plano tem dois setores, o que resulta em quatro quadrantes ao todo.

Os dados de cada produto são analisados individualmente e, então, é feita a classificação dele de acordo com os critérios de cada quadrante.

Depois de classificado, é possível planejar estratégias e estabelecer metas a fim de mover os produtos pelos quadrantes conforme seu desempenho.

Para facilitar, veja só como fica a representação gráfica da Matriz BCG:

Classificação dos quadrantes

Como acabamos de explicar, teremos um plano cartesiano para construir a Matriz BCG.

Logo, o portfólio de produtos estará dividido em quatro quadrantes.

Para ajudar você a classificar cada produto, vamos explicar agora o que cada quadrante representa.

Ponto de interrogação

Os produtos deste quadrante são aqueles que ainda não geram muitos lucros, mesmo com um certo grau de investimento em marketing e vendas.

Acontece bastante com produtos em fase de lançamento, os quais ainda não fornecem uma base sólida para dados e nem muito conhecimento por parte do público.

Estrela

Como o próprio nome sugere, são as estrelas do seu portfólio de produtos e geram uma receita alta.

Porém, é necessário um alto investimento para que eles alcancem a performance desejada nas vendas e todo esse lucro.

Vaca leiteira

Esses são aqueles produtos que também geram uma alta receita, mas ao contrário das “estrelas”, a receita vem de forma orgânica e gratuita, sem um alto custo para incentivar as vendas.

Geralmente, são aqueles produtos que já estão bem estabelecidos no mercado e, por terem uma boa percepção por parte dos consumidores, acabam se “autopromovendo” e gerando lucro naturalmente.

Não é à toa que esse é o quadrante preferido e mais almejado de toda a Matriz BCG.

Abacaxis

Como nem todo produto ou serviço é um sucesso entre os consumidores, há aqueles que têm baixa performance nas vendas.

Segundo a Matriz BCG, são classificados como abacaxis.

Temos aí um momento crucial no ciclo de vida desse produto.

Se o plano para recuperar sua força requerer um alto investimento, talvez a saída mais fácil seja o cancelamento da linha e a sua retirada do portfólio.

Como criar sua Matriz BCG

Agora que você sabe o que significa cada quadrante da matriz e como ela funciona, é hora de aprender como montar a Matriz BCG no seu negócio.

Veja só o passo a passo a seguir.

1. Conheça bem seu portfólio

Antes de começar, você precisa conhecer a fundo todos os produtos presentes no portfólio para que não fique nenhum de fora da análise.

Tente listá-los de acordo com a ordem crescente de vendas de cada um.

Isso facilita no momento da classificação dos quadrantes.

2. Desenhe o gráfico

Você com certeza já sabe visualmente o que é um gráfico cartesiano, não é mesmo?

Para montar sua Matriz BCG, então, é preciso traçar um gráfico desses, ou seja, uma linha reta na horizontal cruzando com outra linha reta na vertical, formando ângulos de 90º.

A linha vertical representará a taxa de crescimento do mercado e, a linha horizontal, o desempenho do seu produto no mercado.

Não existe uma fórmula ideal para a graduação dos valores em cada linha.

A taxa de crescimento do mercado pode ser de 0 à 10%, por exemplo.

Já a participação no mercado fica mais difícil de ser estipulada, principalmente por parte das pequenas e médias empresas.

Na época da criação do método, essa participação era mais facilmente encontrada, pois o mercado era comandado por poucas empresas.

Hoje em dia, o aparecimento de vários concorrentes dificultou o processo.

Porém, vamos supor que sua empresa vende 10 vezes mais que o concorrente.

Então, marque como 10x na graduação da linha horizontal.

Se a empresa vende apenas um décimo, marque 0,1x, por exemplo.

O importante é que a graduação seja feita da esquerda para direita, no exemplo: de 10x para 0,1x.

3. Classifique seus produtos

Agora que você tem seu gráfico desenhado, é o momento de pegar cada um dos seus produtos e analisar taxas de crescimento e participação no mercado.

Vamos supor que a taxa de crescimento do mercado foi de 7% e, na participação, você notou que é líder e vende cerca de 50% a mais que o concorrente.

Identifique no gráfico esses dois valores e desenhe no ponto de intersecção entre eles um círculo para simbolizar cada produto.

Ao fazer esse processo, você já estará classificando cada produto em seu devido quadrante.

A disposição dos quadrantes no gráfico pode mudar, mas a mais comum é a seguinte:

  • Ponto de interrogação: quadrante superior direito
  • Estrela: quadrante superior esquerdo
  • Vaca leiteira: quadrante inferior esquerdo
  • Abacaxi: quadrante inferior direito.

4. Estabeleça planos de ação

Tudo certo até agora? Conseguiu classificar corretamente seus produtos?

Com os produtos classificados, é o momento de pensar em estratégias para cada um.

Produtos “vaca leiteira” podem e devem ser mantidos.

Por outro lado, talvez seja melhor para a empresa cancelar “abacaxis”, por exemplo.

Mas não se precipite na análise.

Veremos mais sobre isso no tópico a seguir.

O que fazer depois de encaixar os produtos na Matriz BCG?

Pronto, encaixei meus produtos na Matriz BCG, mas e agora?

Muitas pessoas que estão iniciando podem ter dúvidas nessa parte do processo.

Por isso, este é o momento de pensar estratégias para os produtos de cada quadrante.

Vamos começar com aqueles classificados como pontos de interrogação.

Como vimos, geralmente, são produtos no início da sua vida útil.

Logo, mesmo podendo ter uma alta taxa de crescimento de mercado, ainda não geram receita efetiva para a empresa.

Basicamente, o que você deve fazer é estabelecer um prazo médio para voltar a analisar esse produto e movê-lo de quadrante.

Como acontece de alguns produtos serem muito diferentes dos já existentes no mercado, é bom aproveitar para investir mais neles para conquistar o público.

A partir deste quadrante, os produtos podem ser movidos por dois caminhos possíveis: estrelas ou abacaxis.

Se o produto tem um crescimento positivo e você percebe que ele tem potencial para se tornar uma estrela, deve ser movido para esse segundo.

Como os produtos costumam ficar um longo período no quadrante estrela, o ideal é analisar de tempos em tempos a performance das vendas.

Se o produto está se tornando líder de vendas no segmento, ele tende a se tornar vaca leiteira.

Mas se a performance for ruim, ele pode migrar para abacaxi.

Quando um produto é movido ou se encontra no quadrante do abacaxi, é o momento de mudar a estratégia de vendas para evitar prejuízos.

Por isso, é preciso definir um prazo para que ele se restabeleça no mercado.

Caso falhe, a melhor saída é retirá-lo do portfólio de produtos e poupar gastos desnecessários.

Agora, se o produto está classificado como vaca leiteira, o único caminho a seguir é mantê-lo no seu mix.

Afinal, gera lucros consistentes e ajuda a custear a empresa.

Só não se esqueça de estar sempre evidenciando seus diferenciais para não ser desbancado pelos produtos da concorrência e entrar em declínio.

Vale lembrar que é preciso paciência para mover seus produtos de quadrantes.

Um ponto de interrogação dificilmente vira vaca leiteira da noite para o dia.

Vantagens

Como mencionamos no começo, a Matriz BCG pode ser uma poderosa arma para garantir o sucesso do seu negócio.

Com ela, você consegue perceber quais produtos estão crescendo e quais estão com um fraco desempenho.

A partir daí, é possível alinhar as estratégias e tomar decisões mais assertivas, de acordo com a necessidade de cada um.

Outro ponto positivo da Matriz BCG é que, através da sua análise, você tem noção da sua participação no mercado.

Ou seja, identifica quais produtos estão gerando mais vendas e quais estão parados no estoque.

Além disso, você também tem uma noção sobre a performance dos seus concorrentes no mercado.

Com isso, consegue criar estratégias para superá-los e conquistar os consumidores de forma eficaz.

Desvantagens

A principal desvantagem dessa metodologia é que ela considera apenas a participação no mercado como fator de sucesso ou fracasso do produto.

O mercado é muito dinâmico e, com o tempo, talvez um abacaxi se torne mais lucrativo que uma estrela, por exemplo.

É comum a inversão de papéis conforme o tempo passa e as preferências do consumidor se alterem.

Por isso, esse método é mais bem aproveitado quando utilizado por empresas com um certo tempo de mercado, possuindo um histórico mais completo em relação à performance e ao volume de vendas de cada produto.

Mas isso também não quer dizer que negócios em fase inicial também não podem ser beneficiados pela Matriz BCG.


Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes