A maior rede de estudos do Brasil

Pericia trabalho

Quando verificada a necessidade da realização de uma perícia, o juiz nomeará um perito. Esse deve ser um profissional legalmente habilitado e, se necessário, o juiz poderá solicitar sua experiência profissional. O perito poderá recusar a nomeação?

a) Não, o perito não poderá recusar uma nomeação judicial.b) Sim, não comparecendo à audiência.c) Sim, porém uma vez aceito o compromisso ele não poderá se recusar.d) Sim, porém deve comunicar o juiz, o quanto antes, justificando a recusa.  


1 resposta(s)

User badge image

Adriano da silva rosa

Há mais de um mês

Como o próprio nome já sugere, perícia trabalhista serve para esclarecer controvérsias técnicas que ocorrem na relação de trabalho e que não possam ou não tenham sido comprovadas por meio de documentos ou ainda quando existem dúvidas sobre a legitimidade das informações disponíveis.

A perícia trabalhista geralmente analisa aspectos ambientais do trabalho, como insalubridade, periculosidade, grau de exposição a agentes nocivos, entre outros. Dependendo da situação, também pode ser realizada a perícia médica para verificar a ocorrência de acidente de trabalho ou doença ocupacional e ainda a perícia contábil, quando os cálculos do processo forem mais complexos do que o habitual e exigirem conhecimentos específicos.

Para ser considerado válido, o laudo pericial trabalhista deve conter uma descrição detalhada de todos os fatos observados pelo perito e que o levaram à sua conclusão. Deve ser objetivo, claro, conciso, exato e prezar pelo rigor técnico. Deve conter, ainda, a metodologia e os equipamentos utilizados, a resposta aos quesitos formulados pelo juiz e pelas partes e eventuais tabelas, exames ou outros anexos que se façam necessários.

Leia também: Desafios do mercado de cálculos judiciais com a reforma trabalhista

Quanto tempo demora a perícia trabalhista?

A data da perícia é marcada pelo próprio perito e comunicada nos autos do processo. O reclamante e a reclamada receberão uma notificação que indicará a data, horário e local onde será realizada a vistoria, além de uma lista de documentos que deve levar, se for o caso.

No dia, o reclamado normalmente é acompanhado apenas pelos representantes da reclamada (dono, preposto, técnico de segurança, etc). Não existe necessidade do advogado comparecer, no entanto, também não há impedimentos para que ele não compareça, caso o seu cliente faça questão. Já o reclamante, em casos de perícia médica, deve obrigatoriamente comparecer, mas na perícia técnica precisa constar em ata a autorização judicial. A empresa não é obrigada a permitir a entrada do advogado na perícia, então se a intenção do advogado é acompanhar, essa autorização precisa constar expressamente no processo.

Na data da da perícia, o perito faz a vistoria, toma notas e tira fotos. Depois disso, apresenta um laudo que deve ser fundamentado e ter conclusão. Os prazos variam dependendo da organização e do zelo da vara federal e do perito nomeado.

Como o próprio nome já sugere, perícia trabalhista serve para esclarecer controvérsias técnicas que ocorrem na relação de trabalho e que não possam ou não tenham sido comprovadas por meio de documentos ou ainda quando existem dúvidas sobre a legitimidade das informações disponíveis.

A perícia trabalhista geralmente analisa aspectos ambientais do trabalho, como insalubridade, periculosidade, grau de exposição a agentes nocivos, entre outros. Dependendo da situação, também pode ser realizada a perícia médica para verificar a ocorrência de acidente de trabalho ou doença ocupacional e ainda a perícia contábil, quando os cálculos do processo forem mais complexos do que o habitual e exigirem conhecimentos específicos.

Para ser considerado válido, o laudo pericial trabalhista deve conter uma descrição detalhada de todos os fatos observados pelo perito e que o levaram à sua conclusão. Deve ser objetivo, claro, conciso, exato e prezar pelo rigor técnico. Deve conter, ainda, a metodologia e os equipamentos utilizados, a resposta aos quesitos formulados pelo juiz e pelas partes e eventuais tabelas, exames ou outros anexos que se façam necessários.

Leia também: Desafios do mercado de cálculos judiciais com a reforma trabalhista

Quanto tempo demora a perícia trabalhista?

A data da perícia é marcada pelo próprio perito e comunicada nos autos do processo. O reclamante e a reclamada receberão uma notificação que indicará a data, horário e local onde será realizada a vistoria, além de uma lista de documentos que deve levar, se for o caso.

No dia, o reclamado normalmente é acompanhado apenas pelos representantes da reclamada (dono, preposto, técnico de segurança, etc). Não existe necessidade do advogado comparecer, no entanto, também não há impedimentos para que ele não compareça, caso o seu cliente faça questão. Já o reclamante, em casos de perícia médica, deve obrigatoriamente comparecer, mas na perícia técnica precisa constar em ata a autorização judicial. A empresa não é obrigada a permitir a entrada do advogado na perícia, então se a intenção do advogado é acompanhar, essa autorização precisa constar expressamente no processo.

Na data da da perícia, o perito faz a vistoria, toma notas e tira fotos. Depois disso, apresenta um laudo que deve ser fundamentado e ter conclusão. Os prazos variam dependendo da organização e do zelo da vara federal e do perito nomeado.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes