A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Anatomia vias sensoriais - audição

Pré-visualização | Página 1 de 1

AUDIÇÃO 
 
A orelha pode ser dividida em externa, média e interna. 
A orelha média é uma via condutora que conduz esse som até que seja direcionado 
para a parte central do sistema nervoso. 
ORELHA EXTERNA 
A orelha externa é relacionada com a captação e condução das ondas sonoras. É 
composta por orelha (pavilhão ou aurícula) e meato acústico externo. 
É limitada pela membrana timpânica e fixa ao crânio por frágeis músculos e 
ligamentos auriculares. 
 
 
IRRIGAÇÃO 
É irrigada por ramos da artéria carótida externa, como a a. temporal superficial e 
artérias auriculares posteriores. 
INERVAÇÃO 
Nervo auricular magno – C2 e C3. Nervo auriculotemporal – ramo do NC V par. 
MEMBRANA TIMPANICA 
É o limite entre orelha externa e orelha média. 
Possui uma concavidade voltada para a superfície lateral e sua maior parte é 
denominada parte tensa do tímpano. Sua região superior, menos tensionada, é a 
parte flácida. Além disso, possui uma depressão central, o umbigo. 
Possui uma maior parte – denominada parte tensa do tímpano. E uma região superior, 
menos tensionada, denominada parte flácida. Além disso, possui uma depressão 
central – umbigo. 
Irrigação 
A irrigação se da por ramos da artéria maxilar. 
Inervação 
A superfície lateral é inervada pelo nervo auriculotemporal e nervo auricular. Já a 
superfície medial é inervada por ramos do n. glossofaríngeo. 
MEATO ACUSTICO EXTERNO 
Constituído pelo canal sinusóide e termina na membrana timpânica. 
ORELHA MÉDIA 
Transforma a onda sonora em vibrações mecânicas e tem inicio após a membrana 
timpânica. 
CAVIDADE TIMPANICA 
Composta por ossículos, mm. tensores do tímpano (inervados pelo nervo trigêmeo) e 
estapédio (inervado pelo nervo facial), além do n. corda do tímpano. 
É um espaço cheio de ar proveniente da nasofaringe, estando localizada na parte 
petrosa do osso temporal. 
A cavidade timpânica é dividida em duas partes: recesso epiotimpanico e cavidade 
timpânica propriamente dita. 
Limites da cavidade 
• Teto – limite superior: parede óssea fina – parede tegumental. 
• Assoalho: parede jugular 
• Lateral: membranácea 
• Medial: labiríntica, que separa da O.I 
• Posterior: mastoidea 
• Anterior: carótica 
O estimulo que chega é controlado e atenuado pelos mm. Estapedio e tensor do 
tímpano. Atuam como amortecedores e protegem a orelha interna contra ruídos 
elevados. Funcionam como um reflexo de proteção. 
TUBA AUDITIVA 
Há uma abertura voltada para a nasofaringe que é denominada óstio faríngeo da 
tuba auditiva. Que permite a passagem do ar para que ganhe a tuba auditiva e siga 
para a cavidade timpânica. Está relacionada com a região onde estão os ossículos 
da audição – martelo, bigorna e estribo – organizados de forma que direcionem o 
estimulo recebido em estímulos mecânicos atuantes na orelha interna. 
O ar entra pelo ostio, ganha a tuba auditiva e segue para a cavidade timpânica, o 
principal intuito disto é equalizar as pressões, pois isso facilita o mecanismo de 
condução do som. 
ORELHA INTERNA 
Estimula os receptores sensitivos que convertem essa energia em impulsos elétricos 
para alcançarem o SNC. 
É constituída pelos órgãos vestibulares e pela cóclea, responsáveis pelo equilíbrio e 
pela audição. Além disso, a orelha interna é uma serie complexa de espaços cheios 
de liquido: labirinto membranáceo – endolinfa; e labirinto ósseo – perilinfa. O labirinto 
membranáceo está contido no interior no labirinto ósseo e é representado por uma 
série de sacos e ductos intercomunicantes, como os ductos semicirculares e coclear. 
No labirinto ósseo, a principal constituição é pelo vestíbulo – utrículo e sáculo. 
 
 
LABIRINTO ÓSSEO 
O labirinto ósseo é composto por cóclea, vestíbulo e canais semicirculares. A região 
onde está localizado, no osso temporal, é chamada capsula ótica. 
Cóclea 
É onde está contido o ducto coclear do labirinto membranáceo e é dividida em: 
a) modíolo: centro ósseo ao qual o canal espiral faz 2 voltas e meia. Contém vasos 
sanguíneos e ramos do nervo coclear. 
b) rampas: divisões existentes no canal espiral a partir da presença do ducto coclear. 
c) ducto coclear 
LABIRINTO MEMBRANÁCEO 
Está internamente ao labirinto ósseo, sendo envolvido pela perilinfa e preenchido pela 
endolinfa. Possui duas porções: o utrículo e o sáculo, localizados no labirinto ósseo e no 
vestíbulo. Além disso, possui ductos semicirculares – canais semicirculares anterior, 
posterior e lateral. 
VIA AUDITIVA 
Via com quatro neurônios. 
O neurônio um está localizado nos gânglios espirais da cóclea, onde também se 
origina o n. coclear, e segue em direção ao neurônio 2, nos núcleos cocleares onde 
ocorre a formação do lemnisco lateral – neste, há um cruzamento lateral. Depois, 
envia axônio para o N3 localizado no colículo inferior. A nível dessa região, uma parte 
do estimulo volta para o mesmo lado em que foi dado, subindo até o tálamo e a outra 
parte, que não cruzou, segue pelo mesmo lado e também vai para o tálamo. O 
neurônio 4 está no tálamo e esses axônios devem terminar a via na área cortical 
auditiva primária, no lobo temporal, nos giros anteriores transversos que correspondem 
às áreas 41 e 42 de Brodmann.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.