A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
40 pág.
AULA3 Inorganica

Pré-visualização | Página 1 de 2

QUÍMICA INORGÂNICA I 
Tabela Periódica e propriedades 
periódicas dos elementos 
 
 Parte 3 
 
• A tabela periódica 
• Propriedades Periódicas 
 - Raios atômicos e iônicos 
 - Energia de ionização 
 - Afinidade Eletrônica 
 - Eletronegatividade 
 - outras prop. periódicas 
Prof. Priscila Silva 
Parte deste material foi elaborado pelo Prof. Jairo Tronto 
A TABELA PERIÓDICA 
É o arranjo dos elementos em ordem crescente de número atômico. 
 
Reflete tendências nas propriedades dos elementos. 
Colunas verticais: 
 Grupos 
Família de elementos 
numerados de acordo 
com o no de elétrons 
de valência (da última 
camada ocupada) 
Linhas horizontais: Períodos numerados de acordo com o 
 no quântico principal (n) da última camada ocupada 
Número atômico 
Massa atômica 
2 
Qui Inorg 1 – Parte 3 - Prof. Priscila Silva - UFV- CRP set./2010 
Configurações Eletrônicas 
do Estado Fundamental dos Elementos n
s
1
 
n
s
2
 
n
s
2
n
p
1
 
n
s
2
n
p
2
 
n
s
2
n
p
3
 
n
s
2
n
p
4
 
n
s
2
n
p
5
 
n
s
2
n
p
6
 
d
1
 
d
5
 
d
1
0
 
Metal 
Semi-Metal 
Não metal 
5f 
4f 
3 
Qui Inorg 1 – Parte 3 - Prof. Priscila Silva - UFV- CRP set./2010 
Formato da Tabela Periódica com os lantanídeos e 
actinídeos inseridos 
bloco-s bloco-f bloco-d bloco-p 
4 regiões da tabela periódica 
4 
Qui Inorg 1 - Parte 3 - Prof. Priscila Silva - UFV- CRP set./2010 
+
1
 
+
2
 
+
3
 
-1
 
-2
 
-3
 
Cátions e Ânions dos Elementos Representativos 
Perdem ou ganham elétrons 
5 
Qui Inorg 1 - Parte 3 - Prof. Priscila Silva - UFV- CRP set./2010 
 
1 – Carga Nuclear Efetiva 
 
2 - Raio Atômico/ Raio iônico 
 
3 – Energia de ionização 
 
4- Afinidade Eletrônica 
 
Variação Periódica das Propriedades Físicas 
Tendência ao longo dos grupos 
e dos períodos. 
6 
Qui Inorg 1 – Parte 3 - Prof. Priscila Silva - UFV- CRP set./2010 
1 – CARGA NUCLEAR EFETIVA 
Carga Nuclear Efetiva (Zef) é a carga sentida por um elétron 
0 < s < Z 
7 
Z 
Efeito de blindagem: elétrons mais internos blindam 
elétrons mais externos da atração pelo núcleo 
Determinação da Carga Nuclear Efetiva 
Regras de Slater 
 
1) Escreva a configuração eletrônica dos elementos na 
seguinte ordem e grupos: (1s) (2s, 2p) (3s, 3p) (3d) (4s, 
4p) (4d) (4f) (5s, 5p) etc. 
 
2) Elétrons em qualquer grupo à direita do grupo (ns, np) não 
contribuem para a constante de blindagem. 
 
3) Todos os outros elétrons no grupo (ns, np) blindam o 
elétron de valência de 0,35 cada. 
 
4) Todos os elétrons na camada (n - 1) contribuem com 0,85 
cada. 
 
8 
Qui Inorg 1 – Parte 3 - Prof. Priscila Silva - UFV- CRP set./2010 
Continuação das Regras de Slater 
 
5) Todos os elétrons (n - 2) ou em camadas mais baixas 
blindam completamente, ou seja, contribuem com 1 para o 
fator de blindagem. Quando o elétron que está sendo 
blindado pertence a um grupo (nd) ou (nf), as regras 2 e 3 
são as mesmas, mas as regras 4 e 5 tornam-se: 
 
6) Todos os elétrons nos grupos à esquerda do grupo (nd) ou 
(nf) contribuem com 1,0 para o fator de blindagem. 
 
A carga nuclear efetiva é estimada a partir da equação: 
Zef = Z – S 
 
Z = nº atômico do elemento S = efeito de blindagem 
9 
Qui Inorg 1 – Parte 3 - Prof. Priscila Silva - UFV- CRP set./2010 
Determinação da Carga Nuclear Efetiva 
Cálculos da carga Nuclear Efetiva 
Calcule a carga nuclear efetiva do 5B, 11Na e 19K.
 
 
 
10 
Qui Inorg 1 – Parte 3 - Prof. Priscila Silva - UFV- CRP set./2010 
11Na: 1s
2 2s22p6 3s1 
 
 
5B: 1s2 2s22p1 
 
19K: 1s
2 2s22p6 3s23p6 4s1 
 
2 x 0,35 = 0,70 
2 x 0,85 = 1,70 
Zef = Z – S = 5 – 2,40 = 2,60 
8 x 0,85 = 6,80 2 x 1,0 = 2,0 
Zef = Z – S = 11 – 8,80 = 2,20 
8 x 0,85 = 6,80 10 x 1,0 = 10,0 
Zef = Z – S = 19 – 16,80 = 2,20 
Limitações das regras de Slater para cálculo da 
 Carga Nuclear Efetiva 
11 
Qui Inorg 1 – Parte 3 - Prof. Priscila Silva - UFV- CRP set./2010 
Funciona ao longo dos períodos, mas falha ao longo dos grupos! 
Necessidade de algumas modificações! 
Determinação da Porcentagem de Blindagem 
Regras de Waldron: 
 
Modificação da 4ª regra de Slater: 
4) Para o cálculo dos elétrons s e p, os elétrons d da 
camada (n - 1) são contados como 0.50 cada. Todos os 
elétrons f são contados como 0.69 cada. As regras para 
calcular os valores dos elétrons d e f permanecem as 
mesmas. Ou seja, elétrons na mesma camada contam 
0,35 e os outros contam como 1,0. 
 
A porcentagem de blindagem(PB) é dada por: 
 
PB = S / Z x 100% 
 
 12 
Qui Inorg 1 – Parte 3 - Prof. Priscila Silva - UFV- CRP set./2010 
Cálculos da Porcentagem de Blindagem 
Calcule a porcentagem de blindagem do 5B, 11Na e 19K.
 
 
 
13 
Qui Inorg 1 – Parte 3 - Prof. Priscila Silva - UFV- CRP set./2010 
11Na: 1s
2 2s22p6 3s1 
 
 
5B: 1s2 2s22p1 
 
19K: 1s
2 2s22p6 3s23p6 4s1 
 
2 x 0,35 = 0,70 
2 x 0,85 = 1,70 
PB = S / Z x 100% = 
 2,40/5 x 100% = 48% 
8 x 0,85 = 6,80 2 x 1,0 = 2,0 
PB = S / Z x 100% = 
8,80 / 11 x 100% = 80% 
8 x 0,85 = 6,80 10 x 1,0 = 10,0 
PB = S / Z x 100% = 
 16,80 / 19 x 100% = 88,4% 
14 
Qui Inorg 1 – Parte 3 - Prof. Priscila Silva - UFV- CRP set./2010 
Porcentagens de blindagem 
Limitações 
15 
Qui Inorg 1 – Parte 3 - Prof. Priscila Silva - UFV- CRP set./2010 
- Penetração dos orbitais; 
- Blindagem ineficiente dos elétrons d e f 
Penetração 
16 
Qui Inorg 1 – Parte 3 - Prof. Priscila Silva - UFV- CRP set./2010 
É possível encontrar elétrons do 
subnível 3s em locais onde 
predominantemente estão os 
elétrons do 1s. 
16 
Cálculo para carga nuclear efetiva 
17 
Qui Inorg 1 – Parte 3 - Prof. Priscila Silva - UFV- CRP set./2010 
EIZ-1 é a (Z - 1)ésima energia de ionização. 
Rh é a constante de Rydberg, igual a 13,6 eV. 
Estimativa da carga nuclear efetiva a partir da 
modificação da equação de Rydberg 
Para metais: raio atômico é 
definido como metade da 
distância entre os centros de 
dois átomos de metal 
adjacentes. 
Para elementos que existem 
como moléculas diatômicas: 
raio atômico é definido como 
metade da distância entre os 
centros dos átomos na 
molécula. 
2 – RAIO ATÔMICO 
18 
Qui Inorg 1 – Parte 3 - Prof. Priscila Silva - UFV- CRP set./2010 
A
um
e
nt
o 
d
o 
ra
io
 a
tô
m
ic
o 
Aumento do raio atômico 
19 
Qui Inorg 1 – Parte 3 - Prof. Priscila Silva - UFV- CRP set./2010 
R
ai
o 
at
ôm
ic
o 
(p
m
) 
Número atômico 
Raio Atômico 
D
im
in
ui
 a
o 
lo
ng
o 
d
o 
pe
rí
od
o 
20 
Qui Inorg 1 – Parte 3 - Prof. Priscila Silva - UFV- CRP set./2010 
Aumento do Raio Atômico ao longo da Tabela Periódica 
21 
Qui Inorg 1 – Parte 3 - Prof. Priscila Silva - UFV- CRP set./2010 
 Raio Iônico 
 Os raios dos cátions são menores do que os raios dos seus 
respectivos átomos. 
 
 Os raios dos ânions são maiores do que os raios dos seus 
respectivos átomos. 
22 
Qui Inorg 1 – Parte 3 - Prof. Priscila Silva - UFV- CRP set./2010 
Número atômico Número atômico 
R
a
io
 (
pm
) 
R
a
io
 (
pm
) 
Comparação: Raio Atômico x Raio Iônico 
23 
Qui Inorg 1 – Parte 3 - Prof. Priscila Silva - UFV- CRP set./2010 
 Raio Iônico 
AMBOS SÃO ÍONS ISOELETRÔNICOS 
24 
Qui Inorg 1 – Parte 3 - Prof. Priscila Silva - UFV- CRP set./2010 
Espécies Isoeletrônicas: 
apresentam o mesmo número de elétrons 
Íon O2- F- Na+ Mg2+ 
No de elétrons 10 10 10 10 
No de prótons 8 9 11 12 
r(íon)/pm 126 119 116 86 
Aumento do raio 
25 
Qui Inorg 1 – Parte 3 - Prof. Priscila Silva - UFV- CRP set./2010 
É a energia necessária para remover 
1 elétron de um átomo no estado gasoso: 
 
 A (g)  A + (g) + e- 
EI1 primeira energia de ionização 
EI2 segunda energia de ionização 
EI3 terceira energia de ionização 
EI1 < EI2 < EI3 
3- ENERGIA DE IONIZAÇÃO (EI) 
EI1 + X(g) X
+
(g) + e
- 
EI2 + X(g) X2
+
(g) + e
- 
EI3 + X(g) X3
+
(g) +