Resumo completo- Batista
35 pág.

Resumo completo- Batista


DisciplinaDireito Constitucional II10.122 materiais129.454 seguidores
Pré-visualização11 páginas
político \u2013 direito de votar, de ser candidato, de se filiar a um partido político, manifestação de pensamento político \u2013 art. 14 da CF
Além desses significados temos um outro, qual seja um significado mais amplo, sobre três perspectivas
Cidadania Civil \u2013 reconhecimento do indivíduo como sujeito de direitos \u2013 direito (chave) ao nome.
Cidadania política \u2013 já mencionada
Cidadania Social \u2013 direito a moradia, alimentação, saúde e a justiça. E é justamente nesse ponto que encontra-se a Defensoria Pública.
Dessas três perspectivas, podemos dizer que a mais deficiente é a mencionada anteriormente.
Art. 196 \u2013 direito a saúde é um direito para todos de forma INCONDICIONADA.
Art. 210 \u2013 direito a previdência não é um direito incondicionado \u2013 contribuição
Art. 203 - Assistência social é para quem necessitar
A lógica da DPublica segue basicamente uma lógica assistencial. Isto é, terá direito ao acesso a DF quem for necessitado e não puder pagar pelos serviços de um advogado.
Muito importante notar que anteriormente a 1988 a criação das DFs não era obrigatória. Hoje conforme § 1º e § 2º é dever da união e dos estados criar respectivamente a DFPU e a DFDFT; e as DFPEstados.
Muitos criticam a atuação da DP ao ajuizar ação civil pública. O professor entende que essa atuação é permitida desde que os interessados, ou prejudicados, representem um grupo desfavorecido economicamente.
Advocacia:
Art. 130 - essa inviolabilidade, importante notar se limita ao exercício da profissão.
Importante observar que muitas vezes o que torna legítima a condenação de uma pessoa é a possibilidade dada a ela de ter se defendido.
Princípios da Administração Pública:
A enumeração desses princípios é muito importante para que se possa suprir a não linearidade da atuação da administração pública. Haja visto que na prática as regras estabelecidas não são ou não podem ser cumpridas. Tais princípios servem como um norte de atuação da adm. Pública, para que ao menos haja um caminho de atuação.
Rio, 21/11/2011
Princípio da legalidade:
PEGAR INICIO DA AULA:
Princípio da Legalidade
Art. 59 não esgota as espécies normativas que a OJ brasileiro adota.
Portaria do Min. Da Fazenda \u2013 proibição de importação de carros usados. Tem respaldo no art. 237 da CF. O STF entendeu que dentro desse poder do Min. Da Fazenda (assuntos de comércio exterior) tem poder de legislar. Estamos tratando dos atos da Adm. Pública.
Não é necessária que haja uma lei no sentido estrito para que um cidadão possa ser proibido de se comportar de determinada maneira.
Discricionariedade do Administrador:
Princípio da Moralidade Administrativa:
PROVA
Aqui é necessário que se compreenda a moral como a expectativa ética da sociedade. Não é somente agir de acordo com as leis do país, mas também e essencialmente conforme uma expectativa da coletividade.
Ex: município que no final do ano não tem verba para pagar a todos os servidores o 13º salário. Conforme a expectativa ética da coletividade o correto é que se pague inicialmente os que menos recebem, e não os que menos recebem.
Ex: compra de veículos luxuosos para parlamentares.
Esses exemplos ainda que não sejam ilegais, atentam contra o principio da moralidade administrativa.
A adm. Pública tem que não só cumprir a legislação, mas também a expectativa da sociedade.
Princípio da Impessoalidade:
Concursos públicos (art. 37, VII e exceção art. 37, IX) e Licitações servem bastante a esse princípio.
O art. 37, IX afasta a exigência de concurso púbico, entretanto não afasta a impessoalidade. Afinal de contas a impessoalidade está no caput do art.
Se tal princípio sempre tivesse sido levado mais a sério, não haveria necessidade de uma sumula vinculante para que fosse proibido o Nepotismo.
Afinal de contas, ainda que um cargo de assessoria requeira confiança, não menos importante é um certo distanciamento para que se possa coordenar verdadeiramente o trabalho daquele que exerce tal cargo de confiança.
Princípio da Publicidade:
Este principio não significa somente que todos os atos do poder público devam ser divulgados. Mas também que qualquer cidadão possa pedir, por exemplo para ver os autos de uma licitação pública.
Nem sempre haverão tantos atos públicos assim para que exista um DOU p.e.
Ex: uma prova oral de concurso público são feitas de forma aberta ao público.
Esse princípio talvez fosse melhor denominado de Princípio da Transparência.
Princípio da Eficiência:
A adm. Pública tem que realizar seus gastos de forma eficiente.
Esses princípios alem de permitir uma organização da adm. Pública, vão permitir também um certo controle da mesma.
Afora todas as limitações orçamentárias, físicas e práticas a adm. Pública não pode simplesmente definir o quanto deve dar as pessoas. Ela não pode se auto definir.