Caderno_alvaro-(Aula Batista)
33 pág.

Caderno_alvaro-(Aula Batista)


DisciplinaDireito do Trabalho II6.868 materiais24.455 seguidores
Pré-visualização11 páginas
que seu empregado volte do período de férias descansado e pronto para o trabalho. Por outro lado é necessário cuidado ao lermos esse dispositivo, pois na prática não se aplicará a alguns tipos de empregado. Como por exemplo àqueles que recebem um salário mínimo somente.
Rio, 21/09/2011
Poder de concessão de férias:
Art. 136, § 1º e § 2º 
Ao analisarmos o dispositivo percebemos que a situação não é tão arbitrária como parece a primeira vista.
Vale lembrar, por exemplo, que a convenção 132 da OIT exige que o empregador consulte anteriormente o empregado.
As férias podem ser divididas em períodos? \u2013 art. 134, § 2º. Entretanto a regra geral é a do caput. O parágrafo primeiro fala em um critério de excepcionalidade. 
Segundo o professor tal termo deve ser entendido do ponto de vista do empregador. Mas quando o grande interessado é o empregado? Entende-se que tal situação foge ao critério de excepcionalidade. Ex: quando por exemplo um empregado trabalha em outro estado e deseja ver sua família 2 x por ano.
Podemos dizer que o disposto no art. 135 e 145 são normas de ordem pública mas somente em relação ao empregador. 
Abono ou \u201cvenda\u201d de férias: art. 143
Se o empregado desejar vender suas férias. Ao trabalhar mais ele recebe mais. Quanto as férias ele receberá como se nelas estivesse. Pelos 10 dias em que trabalhou ele receberá como dias normais. Em suma, o que ele recebe a mais é decorrente simplesmente dos dias que trabalhou quando deveria estar descansando. Lembrando que o recebimento por esses dias será o mesmo de dias normais de trabalho.
Férias Coletivas:
Até agora analisamos as férias na perspectiva individual. 
Aproveitam mais aos grandes empregadores.
Art. 134, § 1º x art. 139, § 1º - comparando estes dois dispositivos percebemos que o fracionamento em dois períodos nas férias coletivas pode ser imposta pelo empregador independentemente de excepcionalidade.
Por essa e outras razões não podemos generalizar as diferenças entre as férias individuais e a as coletivas, pois na verdade, representam regimes diferentes.
Quanto ao abono de férias nas férias coletivas:
Art. 143, § 2º - o silencio do empregado faz com que prevaleça determinado acordo coletivo. Entretanto caso o empregado não fique inerte e não concorde, o abono de férias não pode ser imposto pelo empregador
Férias Indenizáveis:
Hipótese em que determinado contrato de trabalho é extinto que se tenham sido conferidas a férias devidas.
Ex: Vamos supor que um empregado trabalha direto durante 48 meses. Quais são as indenizações devidas ao empregado.
Onde x = salário mensal
3 períodos 2 (x + 1 / 3 )
1 período x + 1/ 3
- Vamos supor que ao invés de 4 anos, fossem 4 anos e 7 meses. Nesse caso teríamos um período aquisitivo incompleto. É o caso das Férias Proporcionais.
 A CLT afirma que as férias proporcionais devem ser pagas dependendo do motivo da extinção do contrato de trabalho. A férias proporcionias são uma expectativa.b
A convecção 132 da OIT dispõem diferentemente: Súmula 171 e 261 do TST. Para ela as férias devem independentemente do motivo da extinção do contrato de trabalho serem pagas segundo a respectiva proporcionalidade.
Rio, 26/09/2011
Retomando as férias adquiridas:
Mesmo que um indivíduo seja despedido por JUSTA causa lhe são devidas as suas férias adquiridas.
Retomando as férias proporcionais:
O que diz a CLT: art. 146, p.u. e art. 147.
Requisitos: contrato de trabalho em vigência por mais de doze meses. Somente não receberia as férias proporcionais se fosse despedido por justa causa.
Ex: 4 períodos aquisitivos completos e mais 8 meses \u2013 como o ultimo período aquisitivo.
Férias adquiridas: pagas sempre (x1 se o contratto se extingue durante o determinado período concessivo \u2013 e x2 se após o período concessivo)
Essas férias devem ser pagas, sempre. Independentemente da causa de extinção do contrato de trabalho.
Férias Proporcionais:
A CLT as trata como uma mera expectativa de direito.
+12 Meses sem falta grave - são devidas (Regra)
+ 12 Meses com falta grave \u2013 não são devidas (Exceção)
- 12 Meses \u2013 A regra geral é que as férias proporcionais não devem ser pagas, com exceção das hipóteses do art. 147
E quanto ao empregado que pede demissão sem motivo?
Antes de 12 meses \u2013 art. 147
Mais de 12 meses \u2013 art. 146, § 1º.
Súmulas 176 e 261 do TST
Ao contrario da CLT a Convenção 132 da CLT considera que as férias proporcionais são \u201cproporcionalmente adquiridas\u201d, sendo devidas em qualquer hipótese, mesmo em caso de despedida por justa causa.
O conflito entre a CLT e a Convenção levou a questão ao TST. Que por sua vez afirmou:
Quanto as férias as férias adquiridas nada mudaria.
Quanto as férias proporcionais o sistema ficou híbrido: O TST decidiu que não mais era necessário considerar o tempo de vigência do contrato, seja este tempo, inferior ou superior a 12 meses. Manteve entretanto a influencia da falta grave do empregado na não aquisição das férias proporcionais.
OBS: O terço constitucional existirá sempre. Bem como a consideração de 14 dias como o mês inteiro.
Cuidado: não podemos nos esquecer do aviso prévio. Se não for dado pelo empregador devem ser pagos mais 30 dias ao empregado \u2013 OAB
Pensemos agora na situação em que durante um período aquisitivo um empregado deixa o emprego:
Art. 133
 I - Se tal interrupção do contrato de trabalho for superior a 60 dias \u2013 se o empregado voltar ao emprego, deve se iniciar um novo período aquisitivo.
Caso volte com menos de 60 dias, o empregado aproveitará o período aqusitivo. Lembrando que o empregador pode deduzir o que já pagou proporcionalmente quando o empregado deixou o emprego.
II \u2013 ok
III \u2013 O professor não concorda com este inciso pois considera que tal situação é risco que corre o empregador.
IV - O professor também não concorda com este inciso pois trata o período de tratamento da doença como de repouso.
Rio, 28/09/2011
Direito Ambiental do Trabalho
Art. 7, XXII
Art. 200, VIII
Como em qualquer área do direito ambiental, a lógica e a da prevenção e a da precaução.
Prevenção - identificado o risco, se procederá de forma a atenuá-lo.
Precaução \u2013 medidas de cautela que se toma para se defender do imprevisto.
Ex: empresa que tem funcionários trabalhando no pátio de aviões.
Prevenção \u2013 proteção auricular
Ex: empresas de Plataformas de Petróleo tem de respeitar a exigência de terem um profissional de saúde. E de fato respeitam, colocando normalmente um enfermeiro. O professor fala que embora a lei não exija um médico, esta postura seria uma medida de precaução.
Snorkel X Máscara full face.
 Uma situação que muito se vê na prática é: muitas pessoas, exercendo funções diferentes compartilhando um mesmo local de trabalho. Uma medida preventiva seria elaborar um plano de evacuação em caso de incêndio, independentemente do tipo de pessoas que naquele local de trabalho estão.
O caput do art. 7º da CRFB fala em trabalhadores e não em empregados, razão pela qual não podemos fazer uma diferenciação quanto aqueles que devem ser protegidos pelo direito ambiental do trabalho.
A pro1teção tem que ser dada a todos independentemente do regime jurídico
Art. 39, § 3º 
11Nova lei sobre o estágio \u2013 proteção do ambiente de trabalho.
É necessário dizer, todavia que apesar de tais normas de proteção terem de ser aplicadas a todos empregados existem empregos que são inevitavelmente insalubres, porque essenciais. É o que chamamos de Monetização do Risco. Isto é as circunstancias insalubres existem por motivo de importância e necessidade social. É nesses casos que começamos a presenciar os chamados adicionais por insalubridade.
Art. 7º, XXVIII \u2013 Proteção Previdenciária. A responsabilidade ambiental é sempre objetiva do ponto de vista do empregador poluidor.
Art. 154 \u2013 Medicina e Segurança do Trabalho
Este campo do direito do direito do trabalho recebe contribuições de muitos campos do conhecimento, como da medicina, engenharia por exemplo. Não bastam simplesmente princípios constitucionais.
Estudar direito ambiental é se basear em princípios constitucionais, observando o que dis11põem a lei e especialmente