A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
SAE, PE, NIC, NOC

Pré-visualização | Página 1 de 1

Lara Fernandes – ENFERMAGEM UFRJ – Cuidados II 
SISTEMATIZAÇÃO DA 
ASSISTÊNCIA DE 
ENFERMAGEM 
• Tudo o que podemos fazer para, de alguma forma, 
organizar a assistência: de modo direto ou indireto 
(protocolo, norma, rotina). 
• Modo direto: seria a realização da assistência ao lado 
do paciente, isto é, o Processo de Enfermagem. 
PROCESSO DE 
ENFERMAGEM 
• Quando se está ao lado do paciente realizando a 
assistência: seja ela medicação, punção, higiene etc. 
• Resolução COFEN 358/2009: É um instrumento 
metodológico dividido em etapas que orienta o 
cuidado profissional de Enfermagem e a documentação 
(registro clínico) da prática profissional. 
METODOLOGIA DA 
ASSISTÊNCIA 
• São os instrumentos básicos do cuidado de 
enfermagem. 
SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÃO (TAXONOMIAS) 
• Tudo aquilo que podemos utilizar para padronizar a 
linguagem na enfermagem. 
• Padronizado em: diagnóstico em enfermagem, 
resultados em enfermagem, intervenções em 
enfermagem. 
ETAPAS DO PROCESSO DE ENFERMAGEM 
1. Histórico de enfermagem; 
2. Diagnóstico de enfermagem; 
3. Planejamento de enfermagem; 
4. Implementação; 
5. Avaliação. 
• Tais etapas são sequenciadas e interdependentes, 
formando um ciclo. 
 
HISTÓRICO DE ENFERMAGEM 
• Também conhecido como coleta de dados de 
enfermagem; 
• Pela resolução 358/2009: é um processo deliberado, 
sistemático e contínuo, realizado com auxílio de 
métodos e técnicas variadas que tem por finalidade a 
obtenção de informações sobre a pessoa, família ou 
coletividade humana e sobre suas respostas em um 
dado momento do processo saúde e doença. 
• A coleta pode ser direta – o paciente fornece o dado, 
ou indireta – através do prontuário, exames, conversa 
com familiar ou outro profissional. 
• Os dados podem ser objetivos – consegue avaliar ou 
mensurar de alguma forma, ou subjetivos – relato. 
• Ex.: a dor relatada pelo paciente é um dado subjetivo, 
assim como relato de fome ou náusea. Pressão arterial, 
frequência respiratória, frequência cardíaca, edema... 
são alguns dados objetivos. 
DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM 
• Processo de interpretação e agrupamento de dados 
coletados na primeira etapa. 
• Culmina com a tomada de decisão sobre os conceitos 
diagnósticos de enfermagem que representam com 
mais exatidão as respostas da pessoa, família ou 
coletividade humana em um dado momento do 
processo saúde e doença. Estes constituem a base para 
a seleção das ações ou intervenções com as quais se 
objetiva alcançar os resultados esperados. 
• NANDA-I: classificação que padroniza o diagnóstico de 
enfermagem. Diz que o diagnóstico de enfermagem é 
um julgamento clínico sobre respostas/experiências 
atuais ou potenciais do indivíduo aos problemas de 
saúde. 
• O diagnóstico de enfermagem proporciona a base para 
seleção das intervenções de enfermagem de forma a 
atingir resultados pelos quais o enfermeiro é 
responsável. 
• A classificação NANDA-I apresenta uma estrutura de 13 
domínios, 47 classes e 234 diagnósticos de 
enfermagem. Se atualiza a cada 2 anos. 
Lara Fernandes – ENFERMAGEM UFRJ – Cuidados II 
 
 
 
 
 
 
COMPONENTES DOS DIAGNÓSTICOS DE 
ENFERMAGEM 
1. Título diagnóstico; 
2. Característica definidora (sinais e sintomas); 
3. Condição associada (o enf não pode atuar de fato – 
doença, idade); 
4. Fator relacionado (a causa, motivo do diagnóstico); 
5. Fator de risco e população de risco (vulnerabilidade). 
COMO ESCREVER: 
• Um formato comumente usado quando se aprende o 
diagnóstico de enfermagem inclui: _________ 
(diagnóstico de enfermagem) relacionado a 
__________ (causas/fatores relacionados) evidenciado 
por ___________ (sintomas/características 
definidoras). 
TIPOS DE DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM 
• Foco no problema; 
• Promoção da saúde; 
• Risco (sem característica definidora); 
• Síndrome (no mínimo duas características definidores 
para ser considerado síndrome). 
 
PLANEJAMENTO DE ENFERMAGEM 
• Determinação dos resultados que se espera alcançar, e 
das ações ou intervenções de enfermagem que serão 
realizadas face as respostas do indivíduo em um dado 
momento do processo saúde e doença, identificados 
na etapa de diagnóstico de enfermagem. 
• Utiliza-se o NIC/NOC. 
• PRIORIDADE > RESULTADO > INTERVENÇÃO. 
 
 
Lara Fernandes – ENFERMAGEM UFRJ – Cuidados II 
PRIORIDADE 
 
RESULTADO 
• Utilização da classificação NOC: somente para 
resultados. Renovação a cada 4 anos. 
Níveis: 
1. 7 domínios; 
2. 29 classes; 
3. 540 resultados; 
4. Indicadores; 
5. Escalas de medidas. 
• Indicador do resultado do paciente: estado, conduta 
ou percepção de um indivíduo mais específico que 
serve como base para medir um resultado. Avalia-se 
apenas o que o paciente apresentar. 
• Medida: escala tipo Likert de cinco pontos que 
quantifica um resultado do paciente ou um estado do 
indicador sobre um contínuo de menos a mais 
desejável e proporciona uma pontuação num ponto do 
tempo. Cada indicador da NOC será graduado de 1 a 5, 
sendo o 1 o pior estado e 5 o melhor. 
• Mudança na pontuação: diferença entre a pontuação 
basal do resultado e a(s) pontuação(ões) oós-
intervenção do resultado. 
• Como utilizar? Procurar a característica definidora do 
NANDA, relacionar o resultado ao diagnóstico de 
enfermagem, buscar os indicadores de saúde. 
COMO ESCREVER 
• Título do resultado + qual o indicador (estado inicial e 
onde quer chegar) + tempo. 
• Ex.: cicatrização de feridas: segunda intenção – 
formação de cicatriz (3-5) – 14 dias. 
INTERVENÇÃO 
• Utilização da classificação NIC. Renovação a cada 4 
anos. 
• Classificação atual: estrutura em 4 níveis: 
1. 7 domínios; 
2. 30 classes; 
3. 565 intervenções; 
4. 13000 atividades. 
• As intervenções podem ser diretas: administração de 
medicamentos, cuidado com lesão, musicoterapia, etc. 
• Podem ser indiretas: realizada em prol do paciente, 
mas não diretamente com ele, seria a documentação. 
• As intervenções também podem ser comunitárias (ou 
de saúde pública), que são aquelas realizadas em 
grupo, educação em saúde. 
• Atividade de enfermagem: condutas ou ações 
específicas que devem ser tomadas para chegar ao 
resultado desejado. Essas atividades serão específicas 
para cada paciente, será listado apenas aquilo que será 
feito. 
• Passos: associar ao diagnóstico de enfermagem, 
selecionar as atividades de enfermagem. 
IMPLEMENTAÇÃO 
• Realização das ações ou intervenções determinadas na 
etapa de planejamento de enfermagem. De acordo 
com a resolução 358/2009, a partir dessa etapa entra a 
atuação do técnico de enfermagem. 
AVALIAÇÃO 
• Verificação de mudanças nas respostas do indivíduo no 
processo de saúde e doença, para determinar se as 
ações ou intervenções de enfermagem alcançaram o 
resultado esperado; e de verificação da necessidade de 
mudanças ou adaptações nas etapas do processo de 
enfermagem.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.