Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
19 pág.
SiafiOrdensBancarias_Módulo 1

Pré-visualização | Página 1 de 2

ORDENS 
BANCÁRIAS
Ficha técnica
Ana Carolina Viana Peixoto (conteudista)
Priscila Campos Pereira (designer instrucional)
Camila Rodrigues de Souza (coordenadora)
Lavínia Cavalcanti Martini T. dos Santos (coordenadora)
Desenvolvimento do curso realizado no âmbito do contrato Enap / Avante Brasil 
Tecnologias Educacionais, 2019.
Módulo 1 .................................................................................................................4
Apresentação ..........................................................................................................4
1. Introdução ...........................................................................................................5
2. Contextualização da ordem bancária dentro do tema da despesa pública .............5
3. Características gerais das ordens bancárias ........................................................7
3.1. Emissão...............................................................................................................7
4. Trânsito das ordens bancárias ...........................................................................13
5. Autorização .......................................................................................................14
6. Resumo .............................................................................................................19
Sumário
4
Módulo 1
Apresentação
Olá!
Seja bem vindo ao curso do Siafi Ordens Bancárias.
Imagine que chegou pelo correio a fatura de telefone do órgão público federal em 
que você trabalha e você se pergunta: como pagar essa fatura? Ou, mais ainda, como 
são feitos os diversos pagamentos dos órgãos públicos federais a seus servidores, 
fornecedores, beneficiários de programas sociais e outros?
 Ao terminar este curso, esperamos que você seja capaz de compreender como são 
realizados os principais tipos de pagamento do governo federal, qual o documento 
utilizado para executar tais pagamentos e como preencher esse documento, de 
acordo com o tipo de pagamento.
Tenha um excelente curso!
5
1. Introdução
Como os órgãos públicos pagam as suas despesas? Como isso funciona?
Para responder a essas perguntas, é importante situar o pagamento e o documento 
pelo qual é realizado dentro do tema despesa pública. Além disso, cabe identificar 
características comuns a todos os tipos de pagamento. Outro ponto importante é 
verificar qual o caminho seguido para que os recursos financeiros relativos aos pa-
gamentos do governo federal cheguem ao seu destino e como esses pagamentos são 
autorizados.
Ao fim deste módulo, esperamos que você seja capaz de entender a que fase da des-
pesa pertence o pagamento, que documento é utilizado para que seja realizado, que 
características são comuns a todos os pagamentos e como são autorizados esses 
pagamentos e enviados os recursos financeiros correspondentes.
2. Contextualização da ordem bancária dentro do tema da 
despesa pública
O que a despesa dos órgãos públicos possui de diferente em relação às despesas que 
você realiza no seu dia a dia? Uma das principais diferenças é que a despesa pública, 
de acordo com a legislação (Lei nº 4.320/1964 e Decreto nº 93.872/1986), deve obe-
decer, obrigatoriamente, a três fases: empenho, liquidação e pagamento.
De acordo com a Lei nº 4.320/1964, o empenho é o ato da autoridade competente 
pelo qual se cria para o Estado a obrigação de pagamento daquela despesa. Essa é a 
fase em que é reservada uma parte no orçamento para pagamento daquela despesa. 
Já a liquidação é a fase em que se verifica, por meio de títulos e documentos, que o 
credor possui o direito de receber os recursos relativos àquela despesa. Ou seja, é 
na liquidação que se verifica se o que se pretendia com a despesa foi feito, quanto 
se deve pagar e a quem se deve pagar. Já o pagamento é a última fase da despesa: 
aquela em que a autoridade competente determina que a despesa seja paga. Em ou-
tras palavras, é a fase em que os recursos financeiros são transferidos ao credor da 
despesa.
6
O Decreto nº 93.872/1986 prevê que o pagamento deve ser realizado por documento 
próprio, assinado pelo ordenador de despesa e pelo agente responsável pelo setor 
financeiro do órgão. Esse documento próprio é um documento contábil denominado 
ordem bancária.
Assim, temos:
DESPESA PÚBLICA 2ª fase – liquidação
3ª fase – pagamento
Documento próprio
Ordem bancária
1ª fase – empenho
Lei nº 4.320/1964:
Art. 58. O empenho de despesa é o ato emanado de autoridade competente que 
cria para o Estado obrigação de pagamento pendente ou não de implemento de 
condição.
Art. 63. A liquidação da despesa consiste na verificação do direito adquirido pelo 
credor tendo por base os títulos e documentos comprobatórios do respectivo cré-
dito. 
§ 1° Essa verificação tem por fim apurar: 
I – a origem e o objeto do que se deve pagar; 
II – a importância exata a pagar; 
III – a quem se deve pagar a importância, para extinguir a obrigação. 
Art. 64. A ordem de pagamento é o despacho exarado por autoridade competente, 
determinando que a despesa seja paga.
7
3. Características gerais das ordens bancárias
Você já sabe que o pagamento é a última fase da despesa pública e que é realizado 
por meio de um documento chamado ordem bancária. Mas, como se faz, na prática, 
um pagamento do governo federal? 
 A Constituição Federal de 1988 determina que as disponibilidades de caixa da União 
sejam depositadas no Banco Central. Ou seja, o “dinheiro” da União está depositado 
no Banco Central em uma única conta. É o que chamamos de Conta Única do Tesouro 
Nacional. 
Isso implica que, para que os pagamentos do governo federal sejam realizados, os 
recursos financeiros devem sair da Conta Única no Banco Central e ser enviados ao 
credor. Nesse sentido, a emissão de uma ordem bancária, em última análise, constitui 
um comando para retirada de recursos da Conta Única e transferência para a conta 
indicada pelo credor.
Decreto nº 93.872/1986:
Art. 5° O pagamento da despesa, obedecidas as normas reguladas neste decreto, 
será feito mediante saques contra a conta do Tesouro Nacional.
3.1. Emissão
Mas você ainda pode questionar: como se faz esse comando para retirada de re-
cursos da Conta Única para transferência ao credor de um pagamento do governo 
federal? Ou, em outras palavras, como se emite uma ordem bancária?
8
A emissão da ordem bancária é realizada por meio do Sistema Integrado de Adminis-
tração Financeira do Governo Federal (Siafi).
Informações sobre o sigilo do Siafi
O Siafi foi implantado em 1987 e vem sendo melhorado com o passar dos anos, com 
as rotinas sendo migradas aos poucos para a sua versão web, o chamado Siafi Web:
Tela de login do Siafi
Para diferenciar um Siafi do outro, costumamos chamar de Siafi Operacional o primeiro 
a ser implantado e de Siafi Web, ou Novo Siafi, a versão web.
9
Saiba mais no site do Tesouro Direto.
Na medida em que o Siafi foi sofrendo melhorias, a emissão de ordens bancárias foi 
ficando mais simples. Uma das melhorias do sistema que afetou a emissão de ordens 
bancárias foi a criação do contas a pagar e receber (CPR). Antes da criação do CPR, 
quem emitisse uma ordem bancária deveria informar eventos e contas contábeis na 
própria ordem bancária. Com a criação do CPR, basta saber que tipo de pagamento 
está sendo realizado e escolher uma situação. Uma vez escolhida a situação correta, 
eventos e contas contábeis da ordem bancária são buscados automaticamente pelo 
Siafi.
Acesse o Manual do Siafi.
O CPR foi o primeiro módulo do Siafi a migrar para o Siafi Web, em 2012. A partir desse 
momento, as ordens bancárias passaram a ser emitidas a partir do Siafi Web. Nessa 
nova configuração, as informações relativas às três fases da despesa (empenho, 
liquidação e pagamento) são inseridas no CPR no que se chama documento hábil:
http://www.tesouro.gov.br/siafi
http://manualsiafi.tesouro.gov.br/manual_completo.pdf/view
10
O documento hábil é incluído por meio de uma
Página12