Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Herbário e montagem de exsicatas

Pré-visualização | Página 1 de 1

Herbário
Herbário - do latim herbarium - é o nome empregado para designar uma
coleção de plantas ou de fungos, ou de parte desses, técnica e cientificamente
preservados. Os herbários são prioritariamente utilizados para estudos da flora
ou micota de uma determinada região, país ou continente, enfocando
morfologia, taxonomia, biogeografia, história e outros campos do
conhecimento.
Entre outras finalidades, os herbários são utilizados para: identificação de
espécimes de plantas e fungos desconhecidos, através do material de
referência; promover a pesquisa científica, atuando como acervo para
documentação científica de pesquisas e, ao mesmo tempo, fornecendo
material de análise; fornecer dados e informações para subsidiar políticas
públicas de preservação ambiental.
Para ter uma coleção, um herbário precisa coletar espécimes de plantas e
fungos, e para isso ele precisa ter autorização de uma instituição competente
(MMA, Ibama, Sisbio).
Coleta
Material necessário para coletas em campo
> Tesoura de poda, podão, canivete ou faca, facão, pá, sacos plásticos, sacos
de papel ou pequenas caixas
> prensa de madeira trançada, folhas de jornais ou outro papel absorvente,
folhas de papelão ou alumínio corrugado
> GPS, altímetro, bússola, mapas, binóculos, caderneta de campo, lápis ou
caneta de tinta indelével, lupa de bolso, fita adesiva, luvas de couro, além de
roupas e sapatos apropriados aos locais de coleta
> Recipientes de vidro com álcool a 70% ou FAA (Formol 40% - 5 ml + Álcool
70% - 90ml + Ácido acético glacial – 5 ml). Sacos plásticos com sílica gel para
materiais delicados (por exemplo: fungos agaricóides, gasteróides,...)
Para árvores muito altas, métodos alternativos como escalada e uso do
estilingue, podem auxiliar na coleta.
Os equipamento de escalada necessários são cordinha pra fixar a corda de
escalada, atiradeira para lançar a cordinha, mosquetão e talvez um estilingue.
Para ramos com baixo alcance, utiliza-se a tesoura de poda, para os ramos em
locais de alto alcance, utiliza-se o podão para obtenção do material.
Para preservar o material, no deslocamento em pequenas distâncias, ele pode
ser armazenado em um saco plástico bem amarrado.
Em longas distâncias ele deve ser prensado com a prensa botânica.
E se o objetivo for preservar o DNA da planta, o ideal é o armazenamento em
um saco plástico com sílica gel e nesse caso o álcool nunca pode ser usado
por modificar o DNA.
As plantas devem ser coletadas em fase reprodutiva, ou seja, com flores e/ou
frutos, soros, etc. visto que estes órgãos, de modo geral, são essenciais para a
classificação dos vegetais.
Cada coleta recebe um número de coleta, associado ao coletor. Amostras
procedentes de um único indivíduo recebem o mesmo número. O número de
coleta fará parte da ficha da exsicata no herbário e será imprescindível para
identificar a amostra.
Na coleta os seguintes dados são necessários: data, nome do coletor e seu
respectivo número de coleta, localização geográfica, preferencialmente
coordenadas geográficas, tipo e estado de conservação da vegetação e textura
do solo.
Há também informações relativas às plantas, que não são perceptíveis através
da exsicata: Características do habitat (aquático, terrestre, palustre); Hábito e
forma de vida (arbóreo, arbustivo, herbáceo, trepadeira, epífita, saprófita,
parasita); Altura do indivíduo coletado; Cor das flores e das folhas, textura, odor
e ocorrência de látex e resinas, etc.
Sempre que possível, as cores devem ser associadas a uma carta de cores
(por exemplo: Horticultural Colour Chart).
Inclusão do material no herbário e montagem
Antes da espécime ser incluída na coleção ela precisa passar pela
herborização, que consiste em uma série de procedimentos, principalmente
prensagem e secagem.
Na prensagem o material é prensado entre folhas de jornal, que são postas
entre folhas de alumínio ou papelão corrugado. Esse conjunto é então colocado
entre placas de madeira trançadas e atado por cordões resistentes, de modo a
ficar sob pressão. Forma-se, desta maneira, a prensa.
A secagem deve ser feita o mais rápido possível a fim de evitar a queda das
folhas e/ou flores e também, no caso de fungos e talos liquênicos, o ataque de
insetos ou outros fungos.
A secagem mais aconselhável é aquela feita em estufas (60ºC) de resistência
elétrica com ou sem circulação de ar ou aquecidas por lâmpadas. O material é
considerado seco quando se apresenta rígido e sem dobrar ao serem
suspensos.
Após a herborização, é feita a montagem das exsicatas.
Um herbário deve sempre estar climatizado e desumidificado,
convencionalmente mantendo a temperatura entre 18 e 23 ºC e a umidade
entre 40 e 55%, para evitar a infestação de insetos e a proliferação de fungos e
bactérias que podem danificar as exsicatas.
Referências Bibliogŕaficas
Manual de procedimentos para herbário. Pedro da Costa Gadelha Neto; José
Roberto de Lima; Maria Regina de V. Barbosa; Marlene de Alencar Barbosa
Mariângela Menezes; Kátia Cavalcanti Pôrto Felipe Wartchow; Tatiana Baptista
Gibertoni. Editora Universitária UFPE, Recife, 2013.