A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
14 pág.
Farmacocinetica

Pré-visualização | Página 2 de 3

ao longo da célula 
endotelial (forma paredes). Esses poros permitem a passagem de substâncias químicas 
pequenas e de água. Membrana basal é contínua. 
→ Capilares contínuos - Não possuem fenestras, o local de junção entre um endotélio e 
outro possui junções de oclusão fortes e a membrana basal é contínua. Podem ser 
encontrados em barreiras, como a barreira hematoencefálica 
Barreiras corporais 
→ Alguns órgão podem servir como barreiras, como o SNC e na placenta 
Mucosa gastrointestinal: 
→ Todo revestimento interno ou externo é epitelial e podem ser estruturas que vão 
ajudar ou dificultar a entrada de fármacos. 
→ As células apresentam grande quantidade de canais e de proteínas transportadoras e 
os fármacos utilizam esse mecanismo. 
→  Substancias químicas devem se difundir somente através das membranas celulares, 
em vez de passarem entre as células. 
→  Este é o motivo pelo qual as substancias químicas devem ser solúveis na membrana 
para ultrapassar a barreira gastrointestinal. 
Barreiras epiteliais da pele, córnea e bexiga 
→ Essas células são muito fortes impedindo a passagem de substancias químicas entre os 
espaços intercelulares. 
→  Ocorre a difusão para substâncias apolares e o uso de proteínas carreadoras para 
dentro da célula. 
Barreias hematoencefálica 
→ Forma uma mais seletiva para as substancias que estão no sangue, vários fármacos 
tem dificuldade de chegar no SNC. 
→ Capilares com paredes contínuas. 
→ Impedimento de substancias polares ou de maior peso molecular adentrem no SNC. 
Barreira hematotesticular 
→ Forma junções íntimas entre o endotélio. 
→   Celular de sertoli funcionam como uma barreira que separa a lamina germinativa 
basal do lúmen do túbulo seminífero no interior do testículo. 
→ Substancias pouco polares com capacidade de atravessar as membranas celulares - 
difusão ou transporte ativo. 
Barreira placentária 
→ Substancias químicas de baixo peso molecular e lipossolúveis atravessam as camadas 
celulares que separam o feto da mãe por simples difusão, podendo também fazer uso de 
difusão facilitada, transporte ativo ou mesmo pinocitose. 
→   Fármaco com alto grau de lipossolubilidade tem a capacidade de atravessar as 
barreiras placentárias e causar efeito no feto. 
Vias de administração dos fármacos 
→ Podem ser Enteral ou digestivas: 
- Oral 
- Sublingual 
- Retal 
- Ruminal 
Nos animais poligástricos, de forma oral não é o mais indicado pois o fármaco irá se 
diluir alterando a velocidade de absorção e o pH do rúmen também irá influenciar. As 
bactérias do rúmen podem alterar ou inativar o fármaco. 
Nos carnívoros e onívoros, quando se tem maior velocidade de esvaziamento, tem uma 
velocidade de absorção mais rápida. A microbiota também pode interferir na 
absorção. 
O intestino delgado é o principal local de absorção de medicamentos administrados 
por via oral, pois possui uma extensa área a é uma área rica em absorção, pois é uma 
área altamente vascularizado própria para absorver os nutriente. 
Via Oral 
→ Fácil administração para a maioria das espécies. 
→ Desvantagens: 
- Oscilação marcantes entre o pH da maioria das espécies 
- Esvaziamento gástrico 
- Controle da velocidade de absorção 
Via retal 
→ Sofre efeito parcial da primeira passagem, vai direto para a corrente sanguínea sem 
passar pelo fígado. 
→ Desvantagens: 
- Absorção irregular incompleta 
- Pode desencadear reflexo evacuação 
- Irritação mucosa anal 
→ Vantagens: 
- Pacientes com irritação gástrica e vomito 
Efeito de primeira passagem 
→ Ocorre com todo fármaco que é administrado por via oral e é absorvido pelo 
intestino, pois os vasos do intestino vão ser absorvidos pela a veia porta que passa 
obrigatoriamente pelo fígado e todas as substancias químicas vai sofrer metabolismo 
antes da sua ação e vai perder parte da sua concentração. 
→ Metabolismo que o fármaco sofre antes da sua distribuição. 
Via ruminal 
→ Uso restrito a medicamentos com ação no rúmen, como exemplo, alguns anti-
helmínticos. 
→ Podem ser administrados diretamente no rúmen 
→ Aplicado e agulha específicos para essa finalidade 
Vias de administração de fármacos 
→ Parenteral 
- Intravenosa 
- Intramuscular 
- Subcutânea 
Intravenosa: 
→ Efeito mais rápido 
→ Não tem absorção pois ele é administrado direto no sangue 
→ 100% de biodisponibilidade, ele não se perde pelo caminho, é todo aproveitado 
→ Administração de grandes volumes 
→ Controle total da dose administradas 
→ Drogas poucos absorvidas ou instáveis no trato gastrointestinal 
→ Administração de drogas irritantes (necrosastes - quimioterápicos) 
Desvantagens: 
- Imprópria para a administração de substancias oleosas e insolúveis 
- Via invasiva, risco de infecção 
Via intramuscular: 
Vantagens: 
- Absorção relativamente rápida 
- Volumes moderados 
Desvantagens: 
- Dor 
- Não suporta grandes volumes 
- Lesão musculares (formação de abcessos, aplicação de substancias irritantes) 
Via Subcutânea: 
→ pH do fármaco deve ser semelhante ao do tecido 
→ Absorção se dá por difusão 
→ Vantagens: 
- administração de medicamentos de absorção lenta e continua 
Outras vias parenterais: 
→ Intradérmica 
- testes diagnósticos 
→ Intra-articular 
- Uso de analgésicos, anti-inflamatórios e antibióticos. 
→ Epidural 
- Analgesia de determinadas partes do corpo animal. 
- Anestesia de determinados seguimentos. 
Via de administração: 
Tópica e transdérmica 
Drogas que possuem baixa lipossolubilidade 
→ Tópica - efeito local 
→ Transdérmica - efeito sistemico 
Desvantagens: 
- Pode causar irritação na pele 
- Quanto maior a temperatura, maior a absorção 
Via inalatória 
→ Principal utilização - anestesia 
→ Pequenos animais - nebulização 
Via transmamária 
→ Utilizados na medicina veterinária principalmente em casos de mastite 
Excreção de medicamentos 
Medicamentos: 
→ Biotransformados 
- Sua forma inalterada 
SLIDE 
Depuração total (Clearance) 
→   Descreve a eficiência com que ocorre a eliminação de um medicamento em um 
organismo. 
→ Depuração total é a eliminação de um medicamento não modificado - forma original 
pelas vias de excreção. 
→ Cl total = Clrenal + Cl extrarenal (porque esse fármaco pode ser encontrada tanto na 
urina como no suor). 
Excreção renal 
→ Ela envolve os fármacos que tem carga elétrica (polares) e hidrossolúveis ou 
que tenham baixa solubilidade e vão conseguir sofrer filtração através do rim e 
serão facilmente eliminados pela urina. 
→ O processo de secreção contribui com a excreção do fármaco. É quando ocorre 
o transporte das substancias do sangue para o interior do túbulo do néfron. Porém 
esses medicamentos podem concorrer entre eles e utilizar as mesmas bombas e 
proteínas transportadoras causando um prejuízo na excreção de um deles. 
→   A depuração renal é diferente para cada medicamento, depende das 
características químicas de cada medicamento. 
→ A excreção renal depende de 3 processos: 
- Filtração glomerular 
- Secreção tubular proximal 
- Absorção tubular distal 
→ CLrenal = filtração + secreção - reabsorção 
Influencia do pH na polaridade de medicamentos 
→  O medicamento na forma molecular é mais absorvido e na forma ionizada é 
menos absorvido. 
→ Quando um fármaco está em um meio com pH ácido, favorece sua forma 
molecular aumentando sua absorção. 
→ Quando um fármaco é um ácido fraco e está em pH ácido é mais absorvido. Já 
quando ele é colocado em um ambiente alcalino, aumenta a forma ionizada e 
diminui a molecular, logo ele sofre menos reabsorção. 
→ Quando um animal está intoxicado e o medicamento é excretado pela urina, 
deve-se utilizar agente alcalinizastes para aumentar a excreção. 
→ Quando o fármaco é base fraca e está em pH ácido se ioniza, logo ele é menos 
absorvido. Aumentando sua excreção. 
→ Ácidos fracos são mais excretados pela urina, quando o pH da urina está 
alcalino. 
 
Filtração glomerular 
→ 10% do sangue é filtrado 
→   Os fármacos hidrossolúveis