A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
GAMETOGÊNESE HUMANA

Pré-visualização | Página 1 de 1

Medicina - Bruna Siqueira de Arruda
GA����GÊNE�� ��MA��
A GAMETOGÊNESE humana é o processo de formação e desenvolvimento dos
gametas masculinos - espermatozóides - e femininos - oócitos.
Para que haja formação e desenvolvimento dos gametas são observados os
processos de divisões celulares: meiose e mitose.
Mitose: divisão celular que origina 2 células filhas geneticamente iguais à célula-mãe
(parental), portanto de mesma ploidia (2n; 46 cromossomos). Antes que haja
efetivamente a divisão em duas células, o material genético é duplicado visando a
manutenção da quantidade de DNA.
Relembrando as fases:
(1) prófase - preparação para a divisão, como a condensação do DNA (cromátides
irmãs unidas pelo centrômero) e desorganização do núcleo.
(2) metáfase - organização dos cromossomos no fuso mitótico, permitida pelas
fibras do fuso.
(3) anáfase - processo de separação das cromátides-irmãs, garantindo que as duas
células que irão se formar possuam as mesmas informações genéticas.
(4) telófase - período de separação efetiva da célula.
1
Medicina - Bruna Siqueira de Arruda
Meiose: divisão celular que acontece nas células germinativas com o objetivo de
produzir gametas com a metade da quantidade de cromossomos da célula parietal,
ou seja, o resultado é 23 cromossomos. Na meiose, uma célula-mãe produz 4 células
filhas com metade de sua ploidia (haploide). Para que a meiose seja completa são
necessárias 2 fases (meioses I e II), seguindo as mesmas fases de uma mitose, com
algumas peculiaridades.
(1) Meiose I - reducional; marcada pela disjunção cromossômica, na qual o nº de
cromossomos é dividido pela metade (anteriormente, os cromossomos estão
organizados aos pares). A prófase I é marcada pela ocorrência de crossing-over,
processo de troca de bases nitrogenadas (segmentos das cromátides) entre os
cromossomos homólogos, que garante a variabilidade genética.
(2) Meiose II - equacional; separação das cromátides irmãs.
2
Medicina - Bruna Siqueira de Arruda
────────────────── Oogêne�� ─────────────────
Obs.: oogônia e ovogônia são sinônimos.
A oogênese é o processo de formação e desenvolvimento do gameta feminino
(maturação de oôgonias em oócitos). Esse processo se inicia no período fetal, ou seja,
antes do nascimento da criança.
3
Medicina - Bruna Siqueira de Arruda
O processo acontece, basicamente, da maneira descrita abaixo:
○ A célula germinativa primordial (CGP), com a presença cromossomos XX
(característica do sexo biológico feminino), diferencia-se em oogônia. A
oogônia é uma célula-tronco (ou seja, indiferenciada/não especializada) e sofre
muitas mitoses.
○ Ainda na fase fetal, a oogônia sofre diferenciação e origina o ovócito primário/I;
a meiose i se inicia e fica parada em prófase I.
A ovogônia primária é uma célula “pausada” em prófase I (meiose I), isso
significa que não houve término da divisão celular.
○ A partir de quando a puberdade é alcançada, a cada ciclo ovariano, são
recrutados cerca de 15-20 ovócitos primários, mas somente um prossegue a
meiose (continua de prófase I e para em metáfase II) e, posteriormente, é
liberado como ovócito secundário/II através do processo de oocitação. Os
outros ovócitos I que não prosseguem (não são liberados) regridem.
O oócito II ainda não termina o processo meiótico. Esse só finaliza (separação
das cromátides irmãs) quando há a fertilização. Após o término da meiose II
passa a ser denominado de óvulo.
4
Medicina - Bruna Siqueira de Arruda
RESUMO: CGP → ovogônia → ovócito I → ovócito II → óvulo (após fecundação)
A formação do gameta feminino origina 3 corpúsculos polares, que recebem pouco
citoplasma e sofrem degeneração.
5
Medicina - Bruna Siqueira de Arruda
Es�e�m����êne��
A espermatogênese é o processo de formação e desenvolvimento do gameta
masculino, isso é, a transformação de espermatogônias em espermatozoides.
Inicia-se na puberdade, diferentemente do processo de oogênese, que começa
ainda no período gestacional.
O processo acontece, basicamente, da maneira descrita abaixo:
○ A célula germinativa primordial (CGP), com a presença de cromossomos XY
com SRY ativo, diferencia-se em espermatogônia.
○ As espermatogônias sofrem mitoses (algumas voltam sendo células de reserva
e outras sofrem diferenciação). Quando a espermatogônia sofre estímulos
hormonais (puberdade), origina espermatócito primário (diploide), a qual inicia
o processo de meiose. Há uma prófase prolongada e, depois, um término rápido
da meiose I,, originando espermatócito secundário (células haploides)
○ O espermatócito secundário passa pela meiose II (separação de cromátides
irmãs), transformando-se em espermátide, que se diferenciam e formam
espermatozóides, através do processo denominado ESPERMIOGÊNESE.
RESUMO: CGP → espermatogônia → espermatócito I → espermatócito II →
espermátide → espermatozoide
6
Medicina - Bruna Siqueira de Arruda
Nasce com espermatogônia; no início da puberdade, espermatócito I (sofre meiose I).
Es�e�m���êne��: processo de diferenciação da espermátide em espermatozóide.
As modificações são:
● O citoplasma é reduzido; eliminação de citoplasma residual.
● O centríolo forma o flagelo (cauda) do espermatozóide, que garante a
movimentação celular.
● A mitocôndria forma a bainha mitocondrial na porção intermediária, isto é,
entre a cabeça e o flagelo. A concentração de mitocôndrias nessa bainha
garante ATP (respiração celular aeróbica) suficiente para que o flagelo se mova.
● O complexo de golgi forma o acrossomo, cobrindo parte da superfície do
núcleo celular. O acrossomo possui enzimas responsáveis pela fertilização.
7

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.