A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
12 pág.
INFERTILIDADE

Pré-visualização | Página 1 de 4

PROPEDÊUTICA DO 
CASAL INFERTIL 
• CONSIDERAÇÕES GERAIS DE INFERTILIDADE 
• A incidência exata é desconhecida. 
• Há variabilidade na dependência de alguns fatores. Nível socio econômico, estilo de vida, 
fatores geográficos, ambientais e profissionais. 
Contou sobre uma amiga de mestrado relacionou o meio ambiente, alimentação e profissão 
com infertilidade e a conclusão dela foi bem interessante. 
• Média de 15 a 20% com tendência a aumentar. 
• Maior liberdade sexual. AsDSTs estão aumentando pela maior liberdade sexual, e também 
pelo uso de preservativos, que adolescentes, por exemplo, nem pensam em usar, então essa 
é uma questão. 
• Adiamento da gravidez, que tem muito a ver com profissão liberal. 
 
Conta de uma pediatra que ela atendeu com 49 anos que quer engravidar agora, porém não 
tem muito o que dizer considerando que ela jáestá no período de climatério. 
 
• Endometriose. Mioma uterino. 
 
Há aproximadamente um mês fizemos uma cirurgia e tiramos um mioma imenso e ela já 
tinha tido dois abortamentos, então esses miomas podem crescer e estar associados a taxa de 
infertilidade. 
 
• Aumento da incidência de abortamentos, são aquelas pacientes que engravidam e 
perdem o bebe várias vezes. 
• DIP 
• Uso abusivo e irresponsável das ligaduras tubárias 
Conta que as pacientes acham que é como interruptor que pode ligar e desligar as tubas pra 
engravidar quando quiserem, não entendem que é um processo. 
 
 
 
1 
• CAUSAS DE INFERTILIDADE 
 
• Anovulação (10 a 15%): é muito importante. Pensar em SOP, onde sei que anovulação é 
crônica, então paciente que não faz tratamento por conta de não ovular pode ficar um ano 
sem menstruar. No entanto cuidado, não podemos falar pra paciente que tem SOP que ela 
nunca vai engravidar, as vezes podemos dar uma ajuda que vai estimular a ovulação. Essa 
paciente com SOP tem ovário preguiçoso, não consegue produzir o folículo, o ovulo, e 
usando indutor de ovulação consegue ovular. Vamos ver como fazer isso. 
• Fator pélvico(30 a 40%): pode ser uma aderência por conta de cirurgias anteriores. A 
trompa/ tuba fica fixa e não consegue fazer a mobilidade pra captar o ovulo. As vezes a 
paciente, jovem tem vários episódios de doença inflamatória pélvica então ela fica com uma 
obstrução tubária. 
• Fator cervical(10 a 15%): paciente que faz várias cauterizações, 2 ou 3 CAFs por fator 
cervical pode ter uma estenose de cérvice. 
• Fator masculino(30 a 40%): 
No instituto de ginecologia é quando a paciente é matriculada e chamada no ambulatório de 
reprodução humana, tem que apresentar uma histerossalpingografia (nela uma das tubas tem 
q estar permeável) e tem que apresentar o espermograma do marido, senão apresentar não é 
matriculada nesse ambulatório.Alem desses dois exames a paciente tem que se enquadrar 
estando a um ano tentandoengravidar e tendo no máximo 40 anos, completou 40 anos o 
serviço público não atende mais ela. 
 
BONUS: Contou a história da paciente que falou que não conseguia trazer o espermograma do 
marido (pelo machismo, de o homem pensar sempre que o problema nunca é dele) e então essa 
paciente perguntou se podia trazer o espermograma do vizinho porquê de vez em quando ela sai 
com vizinho e pra ela pouco importava de quem seria o filho, ela só queria engravidar kkk 
 
• Inexplicado, ESCA-Esterilidade Sem Causa Aparente(10%): paciente relata que já fez de 
tudo e não sabe o que mais fazer, nessa hora é necessário entrar na intimidade e saber 
como o marido é, se ele é estressado, saber sobre a profissão dele. 
 
Contou sobre um caso que a esposa relatou o marido ser muito estressado e trabalhar 
muito, ser bancário, e então foi orientado por ela a tirarem umas férias, e assim eles 
conseguiram engravidar nessas férias. 
 
• Para falar sobre o ESCA citamos aquele casal que logo após adotar conseguem engravidar, 
eles têm tudo, tubas estão pérvias, espermograma normal. Porém tem uma esterilidade sem 
causa aparente - ESCA 
 
2 
3 
Nosso objetivo primário é identificar a causa. Devemos estar alertas também para a segunda 
linha causal como tireoide, imunológica, psicológica e sistêmica. 
A filo atendeu uma paciente com aborto espontânea anterior, então foi pedido alguns exames e 
o TSH dela estava 25 (referênciaaté 5,5/6), então essa paciente tinha um hipotireoidismo que 
após tratado conseguiu ter a gestação. 
 
Definição de infertilidade: é aquela paciente que consegue engravidar ainda, mas não 
consegue levar uma gestação a termo, até o fim. Existe ainda a infertilidade primaria e a 
infertilidade secundaria. Um exemplo de infertilidade secundaria é aquela mulher que teve 2 
filhos e não consegue mais levar a gravidez até o fim. 
 
Definição de esterilidade:é aquela que não consegue engravidar. Essa é a diferença básica 
entre os termos, mas usamos ambos como forma global.Existe também a esterilidade primaria e 
a secundaria. Exemplo de esterilidade secundaria é a paciente teve um filho que ocorreu tudo 
bem e agora não consegue mais engravidar com esse parceiro. 
 
 
• AVALIAÇÃO INICIAL 
 
• Anamnese é importantíssima. 
• Exame físico é interessante, as vezes a paciente não tem habito de ir ao médico, ela traz o 
preventivo de um ano atrás, você vai avaliar ela tem uma barriga enorme, que as vezes é um 
cisto ovariano grande, uma miomatose uterina, que ela nem sabia que tinha, porque as 
vezes ela fica 1-2anos sem ir ao ginecologista e já é suficiente para aparecer. 
• Idade do casal é importante principalmente pra mulher, porque a mulher tem data de 
validade.A idade dos nossos óvulos é a idade que temos mais 6-7 meses, porque os óvulos já 
existiam desde a época embrionária. 
 
DICA: se você não pretende ter bebe agora, e você já está numa determinada faixa etária, é só 
ter alguns dólares pra congelar o ovulo, isso é interessante, porque quando você decidir 
engravidar você tem os óvulos, mas é importante saber que acima de 34,35 anos não se aceita 
mais óvulos para congelar. 
 
• Duração do casamento (disse não saber muito o que dizer, porém estava no livro) acredita 
ser por ter uma fase que o casal está mais animado e outra mais estabilizado em que o 
casal resolve não ter filhos, mas tem a fase do desespero, que a mulher resolve que quer. 
Porémnão adianta resolver tarde igual a pediatra que procurou a filo aos 49 anos. Tem que 
ser antes, não adianta resolver que quer ter filho tarde. 
4 
DICA: Se o relacionamento está estabilizado, compra uma camisola, muda os moveis do quarto 
de lugar, deixa um bilhetinho pro marido, faz umas táticas assim!! kkkkkk 
 
• Duração da infertilidade 
• História sexual, conjugal e reprodutiva anterior (avaliada separadamente). 
 
Filo disse não gostar muito de marido nas consultas, que pede pelo menos na primeira 
consulta pra atender somente ela.já aconteceu com ela de o casal entrar e contar a história, e 
após pedir pra ele sair pra ela colher o preventivo coletar mais a intimidade da paciente, se ela 
já abortou porquê e as vezes o marido não sabe. É muito importante avaliar a paciente sozinha, 
porque aquela história de abortamento, curetagem anterior pode ter feito lesão tubaria, lesão 
endometrial e ela não conta pro marido que já fez 3 abortamentos de relacionamentos 
anteriores. 
O pior pra ela é quando vai marido e esposa e os dois médicos, mas mesmo assim ela expulsa. 
Por ser colega ele fala que quer ficar na consulta, mas ela expulsa. 
 
• Desenvolvimento puberal e a padrão menstrual (podemos receber uma paciente que 
menstrua de 6 em 6 meses, ela pode estar em uma menopausa precoce e ela não sabe). 
• Contracepcção prévia e métodos empregados (Ex: se a paciente durante o período que 
estava com o DIU fez um doença inflamatória pélvica tendo que retirar-lo). 
• Resultados de exames e tratamentos anteriores 
• Doenças de base como diabetes, DIP, tireodipatias e BK. 
• Cirurgias prévias, apendicectomia, cistos ovarianos, miomectomias, curetagens, 
conizalões,