Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
10 pág.
Hayands - 22.08.2022 RESENHA - Historiografia Piauiense (relações entre a escrita historica e as instituições)

Pré-visualização | Página 1 de 4

COORDENAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA 
 
HAYANDS BATISTA ALVES 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Fonte imagem: https://images.app.goo.gl/C2oxYoDTNPX5iMKJ8 
 
RESENHA 
HISTORIOGRAFIA PIAUIENSE: 
RELAÇÕES ENTRE ESCRITA HISTÓRICA E INSTITUIÇÕES POLÍTICO- CULTURAIS 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
TERESINA (PI) / 2022 
https://images.app.goo.gl/C2oxYoDTNPX5iMKJ8
 
MOURA, Iara Conceição Guerra de Miranda. Historiografia piauiense: relações entre 
escrita histórica e instituições político-culturais. Teresina. 251 fls. Dissertação (Mestrado em 
História do Brasil) Universidade Federal do Piauí, 2010. 
O referido artigo relata um apanhado histórico, a respeito das instituições político-
culturais da cidade de Teresina (PI) no que se refere à produção e divulgação de obras sobre a 
História do Piauí, durante o período de 1950 a 1980, que abordam a historiografia e a questão 
cultural política piauiense. Estas mesmas políticas culturais resumem-se a um conjunto de 
intervenções realizadas pelo Estado pelas instituições civis e grupos comunitários organizados, 
para a transformação social econômico-cultural piauiense, bem como a contribuição 
participativa dos Historiadores para o crescimento do estado, no decorrer de 30 anos. 
A referida dissertação aborda em seu primeiro capítulo a participação dos historiadores 
na construção e legitimação para que a economia do estado se desenvolvesse, pois a economia 
piauiense enfrentava uma crise financeira sem precedentes, assim historiadores piauienses 
dispuseram de seu intelectos para criarem instituições culturais assim como publicações de 
periódicos, através de revistas impressos de cunho informativo, para enaltecer a importância 
que o estado poderia beneficiar aos cofres públicos do país e assim legitimar o estado, como 
um lugar a ser visualizado como um novo polo econômico e assim formatar um novo destino 
para o Piauí. 
Durante os anos de 1950 e 1960, o Estado do Piauí enfrentava uma de suas maiores 
crises econômicas por conta do fim das exportações de borracha de maniçoba, babaçu e 
carnaúba. Procurando reestabelecer o estado e reagir a essa situação econômica, os intelectuais 
piauienses passaram a formular projetos de desenvolvimento para a região. E nesta 
oportunidade decidiram criar a revista Econômica piauiense, a Faculdade Católica de Filosofia, 
o Centro de estudos piauiense e o Movimento de revolução cultural. O propósito destas 
instituições seria o de compreender os problemas socioeconômicos que mais afetavam a 
população no período, através de debates e palestras, assim como a produção de livros e 
revistas, assessorando assim o progresso ao estado. 
Comemorações das cidades aniversariantes foi por vezes criticadas por parte dos grupos 
políticos de oposição, pois eles destacavam que tais festejos eram desperdício de recursos pois 
poderiam ser usados para a melhoria de vida da população piauiense, sendo esta uma 
preocupação constante por parte de suas autoridades locais, pois pessoas de ilustres de todo o 
país eram convidadas a visitar a capital piauiense, para prestigiar as comemorações. 
Com relação ao Centro de Estudos Piauiense, acreditando no papel de Teresina como 
centro dinâmico e propulsor do desenvolvimento econômico e da evolução cultural, uma nova 
 
geração de intelectuais piauienses procurou renovar as formas de produção histórica e literária 
piauiense, ajudando, direta e/ou indiretamente, na criação de algumas instituições culturais, 
como: a Academia Mafrensiana de Letras (AML), 69 o Centro de Estudos Piauienses (CEP), 
70 o Movimento de Renovação Cultural (MRC) 71 e o Círculo Literário Piauiense (CLIP). 
Instituições estas dotadas de intelectuais interessados na produção da história e da 
memória para a sociedade da qual fazem parte, seriam, verdadeiros lugares da memória. Neste 
contexto, a Academia Piauiense de Letras (APL-1917), a Faculdade de Direito (FADI-1931) e 
a Faculdade Católica de Filosofia (FAFI-1957), transformaram-se nos centros de idealização e 
propagação das instituições, locais onde muitos desses intelectuais aperfeiçoaram o seu ofício 
de produtores culturais, bem como as personalidades ilustres que ajudaram a desenvolver o 
território piauiense, tentando assim, conhecer e entender o passado, aquilo que ajuda a constituir 
o que chamamos de identidade e/ou piauiensidade. 
Na busca de contribuir com os estudos para favorecer a economia, sociedade e cultura 
piauiense, o Centro de Estudos CEP decidiu apoiar vários trabalhos históricos importantes com 
o objetivo de proporcionar a ascensão de uma nova era de desenvolvimento cultural no Piauí, 
promovendo a diminuição de distanciamento e falta de conhecimento entre os municípios 
piauienses, realizando uma integração destes objetos de estudos sobre a História do Piauí, 
favorecendo uma contribuição intelectual para a identidade e memória histórica Piauiense. 
Portanto, pode-se considerar que as atividades realizadas pelo CEP, Revistas 
historiográficas, intelectuais piauienses com suas obras e projetos culturais contribuíram de 
forma satisfatória para o aprofundamento do conhecimento da história do Piauí, com o 
propósito de solucionar medidas para elencar fatores que poderiam favorecer o investimento 
da economia sociocultural do estado. Com o objetivo de incentivar o cultivo às letras, as 
atividades realizadas por estes grupos de profissionais, nada mais eram uma forma 
incentivatória de trazer o progresso para o estado através de uma escrita ligada às seguintes 
temáticas: economia, sociedade e administração estadual, e que buscava a compreensão da 
formação econômico-social do Piauí, a partir do período colonial. bem como, a identificação 
de soluções para os problemas do presente, a partir do estudo e da análise dos acontecimentos 
que marcariam o passado de uma sociedade. Pois os fatores responsáveis pela falta de um bom 
desempenho econômico no Piauí, eram o seu isolamento, assim como a falta de integração 
com os demais mercados regionais, assim como, a dependência da maioria dos municípios 
piauiense às verbas federais, aplicações incorretas do dinheiro público no Estado, e a 
inexistência de políticas públicas federais voltadas para o investimento da região Nordeste. 
A referida dissertação aborda mais adiante sobre a influencia da Academia piauiense 
 
de Letras como um espaço para a atuação dos historiadores nesse processo sociocultural, 
visando divulgar as produções dos literatos piauienses, e de dialogar a respeito das demais 
manifestações culturais realizadas pelos mais destacados homens de letras do país, sempre 
constituiu parte integrante de seu regimento, fazendo com que os acadêmicos piauienses 
elegessem sócios correspondentes em outros Estados da federação, tendo como principal 
objetivo cultivar a língua portuguesa, o estudo e o desenvolvimento da literatura piauiense, 
divulgar os autores piauienses, organizar uma biblioteca para consulta pública, criar arquivos 
e museus sobre a vida dos acadêmicos e respectivos patronos, publicar uma revista com 
artigos, resenhas e poesias de seus membros, além de suas notícias acadêmicas, para registro 
de suas atividades. E a referida Academia considera seus membros imortais pela diversidade 
cultural provenientes de sua intelectualidade e isso favoreceu de forma satisfatória o 
crescimento e a qualidade da historiografia piauiense na produção de obras com escritas leves, 
pois tinham autenticidades e subjetividades. 
Desta forma é pertinente considerar que os discursos de posse, como lugares de 
memória, possuem características materiais, simbólicas e funcionais, que ao mesmo tempo, 
conserva-se seu significado em sua existência, são capazes de evocar diversos tipos de 
sentimentos (saudade, admiração, etc) e, ainda de expressar uma ordem pedagógica, ao elogiar 
boas formas de comportamentos e ações dos patronos das respectivas cadeiras da APL, pois 
estes representavam
Página1234