A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
15 pág.
ARTIGO SOBRE A DITADURA “CIVIL-MILITAR

Pré-visualização | Página 8 de 8

todas as 
necessidades (de uma certa categoria) de 
seu público, mas pretende também criar e 
desenvolver estas necessidades e, 
conseqüentemente, em certo sentido, 
gerar seu público e ampliar 
progressivamente sua área.
42
 
 
Mas isso nem sempre é eficiente, e capaz de 
moldar as opiniões políticas de setores 
expressivos da sociedade, como denota o 
fato de que embora já fosse a mais 
importante corporação empresarial na área 
das comunicações, as empresas da família 
Marinho não tenham logrado sucesso em 
evitar que a oposição ao regime tenha 
conquistado amplas parcelas da população 
 
41
 GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere, Vol. 3. 
Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007, p.350. 
42
 GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere, Vol.2. 
Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000, p.197. 
brasileira para os maiores movimentos de 
massas da história do país nos anos 1980 
(que compreenderam desde a campanha das 
Diretas já!, e um cenário ascendente da luta 
de classes, em meio a uma crise sem 
precedentes na economia brasileira). 
 
Considerações finais 
 
A primeira parte do documentário de 
Patricio Guzman, A batalha no Chile, cujo 
tema é o golpe contra Salvador Allende, 
denomina-se “A insurreição da burguesia”.43 
Como o próprio subtítulo indica, seu autor 
atribuiu ao 11 de setembro de 1973 não 
simplesmente uma intervenção militar 
contra um governo de esquerda 
constitucional; nem simplesmente uma 
intervenção de “civis” e militares 
interrompendo o regime democrático. Tal 
como ocorreria em diversos outros países da 
América do Sul nos anos 1960 e 1970, 
também ali se tratou de uma ação das 
classes dominantes chilenas, em conluio as 
Forças Armadas e as forças do imperialismo 
estadunidense. Para além do terrorismo de 
Estado, o caráter de classe do golpe chileno 
seria logo evidenciado pela rápida 
implantação de políticas econômicas 
neoliberais.
44
 Ocorrido quase uma década 
antes, o golpe de 1964 no Brasil foi lido por 
uma série de críticos numa chave muito 
próxima, embora por aqui, certamente, o 
projeto vencedor não tenha sido o 
neoliberal. 
O propósito deste trabalho foi o de 
problematizar e questionar as formulações 
de certa historiografia recente que, sob o 
invólucro do termo impreciso “civil-
 
43
 GUZMAN, Patrício. A batalha no Chile (Cuba, 
Chile, França, 1975). 
44
 HARVEY, David. O Neoliberalismo: história e 
implicações. 2ª edição. São Paulo: Loyola, 2011, 
p.17-19. 
DOSSIÊ DITADURAS DE SEGURANÇA NACIONAL E TERRORISMO DE ESTADO 
 
Espaço Plural • Ano XIII • Nº 27 • 2º Semestre 2012 • p. 39-53 • ISSN 1518-4196 
militar”, deslocou o sentido dado por um 
dos pioneiros do seu uso, René Dreifuss. 
Além de descolar a explicação do processo 
político da dinâmica do capitalismo e de 
suas contradições, tais historiadores ainda 
introduzem noções algo perigosas, como a 
de que a “sociedade brasileira” teria sido 
cúmplice daqueles anos terríveis. 
Especialmente em tempos de Comissão 
Nacional da Verdade e desses bem vindos 
movimentos de jovens conhecidos como 
escrachos, as responsabilidades éticas 
intrínsecas à disciplina cujo propósito é a 
investigação e o esclarecimento sobre o 
passado devem ser levadas em conta. 
Ao distribuir a “culpa” ao conjunto 
da sociedade (a esquerda e a direita, os 
torturadores e os torturadores, os que deram 
o golpe e os que o sofreram) tal 
revisionismo histórico acaba por incorrer, no 
campo construção do conhecimento 
histórico, no mesmo tipo de mistificação 
conservadora que engendrou a Lei de 
Anistia e o pacto de conciliação que presidiu 
a transição para o atual regime democrático 
brasileiro. Recolocar o capitalismo no centro 
da reflexão sobre a ditadura parece ser a 
tarefa premente do pensamento crítico nos 
embates que temos pela frente. Dito isto, 
melhor seria que em vez de “civil-militar” 
nos habituássemos a utilizar uma outra 
caracterização também feita por Dreifuss, e 
que talvez capture com mais precisão a 
natureza daquele regime: uma ditadura 
empresarial-militar implantada a partir de 
uma insurreição contra-revolucionárias das 
classes dominantes. 
 
Recebido em: 16/11/2012 
Aceito em: 20/11/2012

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.