Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Embriologia do Sistema Esquelético

Pré-visualização | Página 1 de 1

- Sistema Esquelético - 
| Embriologia | 
 
Introdução 
O desenvolvimento do sistema esquelético 
embrionário se comunica com o desenvolvimento 
muscular. 
Os primórdios do sistema esquelético aparecem 
na 3ª semana gestacional, a partir do mesoderma 
paraxial. 
O mesoderme paraxial origina os somitos. Esses 
somitos geram os primórdios dos esqueletos 
(esclerótomo), músculos e pele (dermomiótomo). 
 
Todos os ossos são formados a partir do processo 
de ossificação endocondral ou a partir do 
processo de ossificação intramembranosa. 
Desenvolvimento dos Ossos 
Os ossos se desenvolvem a partir dos somitos, 
especificamente do esclerótomo, que se localiza 
na região ventromedial, responsável pela 
formação das vértebras e as costelas. 
A partir da 4ª semana do desenvolvimento 
embrionário, as células do esclerótomo formam o 
mesênquima, que é o tecido conjuntivo que 
permite a formação de ossos. A condensação 
dessas células mesenquimais formam os moldes 
ósseos para que após ocorra a ossificação 
intramembranosa ou ossificação endocondral. 
A ossificação intramembranosa ocorre a partir do 
mesênquima, onde há a bainha membranosa de 
osteoblastos (eixo inicial para o desenvolvimento 
ósseo). Nesse processo, os osteoblastos 
produzem a matriz óssea e se diferenciam em 
osteócitos. Além disso, os osteoclastos controlam 
o processo, realizando a reabsorção óssea, que 
regula o crescimento do osso e o modela. 
Esse processo é responsável, 
principalmente, pela formação de ossos 
chatos, como os ossos do crânio. 
A ossificação endocondral ocorre a partir de um 
modelo cartilaginoso. O centro primário de 
ossificação é chamado de diáfise, enquanto o 
centro secundário são as placas de cartilagem 
epifisárias. O centro secundário permite o 
crescimento ósseo ao longo do crescimento do 
indivíduo. A matriz óssea é formada pela 
hipertrofia e calcificação dos condrócitos. 
Esse tipo de ossificação é mais comum nos 
ossos longos. 
Desenvolvimento das Cartilagens 
As cartilagens surgem a partir da 5ª semana de 
desenvolvimento embrionário e têm origem 
mesenquimal. 
Há centros de condrificação, e os condroblastos, 
células cartilaginosas, produzem a substância 
fundamental (matriz extracelular) se diferenciam 
em condrócitos, que realizam a manutenção desse 
tecido ao longo da vida do indivíduo. 
Três tipos principais de cartilagens: cartilagem 
hialina (presente nas articulações), fibrocartilagem 
(presente nos discos intervertebrais) e a 
cartilagem elástica (presente no pavilhão auricular 
externo). 
Desenvolvimento do Esqueleto Axial 
O esqueleto axial como a se desenvolver a partir 
da 4ª semana gestacional. São formados os ossos 
do crânio, a coluna vertebral, as costelas e o 
esterno. 
Origina-se do esclerótomo que circunda o tubo 
neural e a notocorda. 
 
 
Desenvolvimento do Esqueleto 
Apendicular 
O esqueleto apendicular é formado pelos ossos da 
cintura escapular, que são as clavículas e as 
escápulas, ossos da cintura pélvica, que são os 
quadris, e os ossos dos membros inferiores e 
superiores. 
O desenvolvimento dos membros superiores e 
inferiores ocorre a partir da 5ª semana, através 
de centros de condrificação, que formam moldes 
de ossos em cartilagem hialina. 
A clavícula é o primeiro osso a sofrer o processo 
de ossificação, porém, aqui ocorre a ossificação 
intramembranosa, semelhante aos ossos da calota 
craniana. 
A cintura escapular e os membros superiores 
passam pela ossificação antes que a pelve e os 
membros inferiores. Isso porque, a ossificação 
segue um padrão crânio caudal e proximal-distal. 
A continuação do crescimento do esqueleto 
apendicular, após o nascimento, é promovida pelos 
centros de ossificação secundários, que são 
placas de cartilagem epifisária, localizadas entre a 
epífise e diáfise dos ossos longos.