Buscar

Artigo Científico - Jusnaturalismo e Direitos humanos

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 6 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 6, do total de 6 páginas

Prévia do material em texto

JUSNATURALISMO E DIREITOS HUMANOS
ARGOLO, Maria
Graduando em Direito – Faculdade Batista Brasileira 
LACERDA, Letícia
Graduando em Direito – Faculdade Batista Brasileira 
RESUMO
Este trabalho apresenta a definição do jusnaturalismo suas fases, características, sistema jurídico, ao qual lhe é inserido, aborda sobre os Direitos humanos, relatando o fato histórico, como surgiu, e sua relação com o jusnaturalismo e o positivismo crítico. É importante possuir o conhecimento pelos nossos Direitos, e suas origens, a mudança de estados, perpassou na história e definiu-se então o Estado Democrático de Direito, ao qual os Direitos humanos esta inserido, o estudo trás uma visão geral, do quão o Direito é complexo, não só baseado em leis. O estudo aqui apresentado baseia-se em referências bibliográficas.
 Palavras-chave: Jusnaturalismo, Positivismo Crítico, Estado Democrático de Direito, Direitos humanos. 
1 Graduando do Curso de Direito - Faculdades Batista Brasileira – Salvador / BA
2 Graduando do Curso de Direito - Faculdades Batista Brasileira – Salvador /BA	
1. INTRODUÇÃO 
Históricamente, o ser humano passou por diversas situções ao qual, teria que chegar a uma conclusão, seja por meio jurídico ou não. Cada dia o ser humano evolui, e com isso a temos uma estrutura de socieade mais complexa, durante a Revolução Industrial no séc XVII, houve um êxodo rural, observamos então uma megaestrutura se formando, conforme essas transformações aconteciam a sociedade era colocada em plano de analise. O jusnaturalismo, colocava o homem como centro, não se prendendo as regras e evoluindo conforme a concepção humana, contudo há uma insegurança jurídica, onde não há regras ditadas, a lei por vezes é injustiça, contudo ela esta legitimada, o positivismo crítico busca a ligação da moral com a lei, após a segunda guerra mundial,surgiu-se então os Direitos humanos, ao qual esta inserido no Estado democrátivo de Direito. A constituição só foi promungada no ano de 1988. A busca histórica de teorias, teses, formações mostra a construção dos fundamentos do Direito.
Portanto, o neste artigo tem por objetivo expor todo o histórico, pelo qual o positivismo passou , onde evoluiu-se percebendo a mudança social, formando então o pós- positivismo ou positivismo critico 
Para o alcance desse objetivo, busca-se retratar características, do positivismo e críticas, para que possamos chegar á conclusão de como ocorreu esta evolulão, quebrando alguns paradigmas defendidos por essa escola do pensamento jurídico. 
A pesquisa utilizar-se-á do metodo argumentativo com a reunião de material bibliográfico sobre o tema. Há uma busca por exclarecimento de idéias de autores, sobre o tema abordado.
O trabalho a ser realizado será teórico e bibliográfico, procurando explicar o tema a partir de referências teóricas documentadas.
2. JUSNATURALISMO
 O Jusnaturalista, encontrava seu fundamento no ideal de justiça, na ordem justa das coisas, tendo por base não uma lei escrita por homens falhos, mas sim valores legítimos oriundos de uma lei ditada pela vontade divina ou pela razão. O jusnaturalismo acredita do Direito natural, os direitos nasceriam com a própria natureza humana, contudo todos os seres humanos carregavam em si, o código de ética e de justiça. 
Como aduz Kelsen:
 A natureza – a natureza em geral ou a natureza do homem em particular – funciona como autoridade normativa, isto é, como autoridade legiferante. Quem observa os seus preceitos, actua justamente. Estes preceitos, isto é, as normas de conduta justa, são imanentes a natureza. Por isso, elas podem ser deduzidas da natureza através de uma análise, ou seja, podem ser encontradas ou por assim dizer, descobertas na natureza – o que significa que podem ser reconhecidas (KELSEN, fl. 94).
Conforme as lições de Kelse, extraídas dacitação acima colada, crítica o jusnaturalismo, afirmando que o “ser” jamais levaria a uma norma, Nesses termos, relativamente ao Direito natural, não há uma explicação exata a um conceito do que seria à própria “natureza”, da qual são os principios do Direito Natural, visto que não há algo fixo, ele não se prende as regras, diante da evolução da concepção humana ele vai se adequando, 
Visto o argumento acima o jusnaturalismo então, passou por fases, aos quais foram mudando conforme a humanidade. Ele possuía quatro fases: a cosmológica, ao qual acreditava-se a harmonia do universo, regido por leis universais, a teológica acreditava que Deus era o detentor da razão tudo seria regido pela vontade de Deus, a racionalista fundamento do Direito natural, ao qual afirmava que a razão iria leva ao ser, a identificar um comportamento justo, o contemporâneo onde podemos ver uma reaproximação do Direito e a moral, onde a constituição permite que o Direito converse com a moral. 
3. POSITIVISMO CRÍTICO
 O objeto dessa corrente filosófica era tratar as ciências humanas como as ciências exatas. Esta funciona através do método descritivo, ou seja, se limita a descrever fenômenos. 
O grande pensador do positivismo era Hans Kelsen, ele foi o grande desenvolvedor do Direito enquanto método científico.
Enquanto ideologia o positivismo jurídico tradicional defendia o direito “livre de valores”, ou seja, o jurista na sua tarefa científica de descrever a ordem jurídica e o juiz na sua tarefa de aplicar a lei, teria que estar livres da influência de qualquer outra ciência e de quaisquer outros valores sobre o Direito. O Positivismo jurídico não admite qualquer tipo de influência da moral. O positivismo jurídico adere ao sistema jurídico Civil Low, ao qual os julgamentos são baseados pela lei.
A parti da metade do séc. XX já não cabia mais o positivismo jurídico, provocando sua queda surgindo então o positivismo crítico trazendo uma nova teoria, porém seus fundadores não aceitava retorna a teoria vaga do jusnaturalismo, e então o positivismo surge com uma remodelagem de conceitos, adaptando- se a sociedade ao qual estava inserido Os princípios constitucionais , passam a ser a síntese dos valores no ordenamento jurídico. Eles promulgam o bem-estar social, o ideológico que perpassa na sociedade evolutiva, onde a constituição passa a garantir esses direitos, um sistema aberto de princípios e regras. A segunda-guerra mundial foi o marco histórico para o surgimento de um novo Direito, uma nova teoria constitucional, as grandes transformações que sofreu, deu inicio ao Direitos humanos colocado na constituição como Direito fundamental, transitando de um Estado Legislativo de Direito para um Estado Constitucional de Direito.
4. DIREITOS HUMANOS E ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO
O Estado Democrático de Direito, surgi baseado no sistema jurídico constituicional e no sistema democrático, efetivado após a segunda guerra mundial, buscou estabelecer paz entre a humanidade, onde o povo emana do poder estabelecendo leis garantindo liberdade e Direitos básicos para o cidadão viver em sociedade. O Decreto n°678 assegura aos cidadãos, direito á liberdade, garantia jurídica, liberdade de fala, direito a indenização, proteção da família etc. Observamos o quão este decreto é importante para a vivência social, pois ele estabelece ordem jurídica, dando toda estrutura organizacional, não só garantindo direitos, como mostrando os deveres do cidadão. A Declaração Universal dos Direitos Humanos, foi adotada em 10 de dezembro de 1948. A ideias universais contidas nos 30 artigos da Declaração enfatiza a dignidade de cada ser, os direitos humanos são “a base da liberdade, justiça e toda paz estabelecida no mundo” os direitos humanos traz um amparo jurídico e moral.
Lenio Streck (2014, p. 39):
O Poder executivo e Legislativo, deveria se basear em programas especificados na constituição, a constituição não está sendo cumprida. O judiciário deve servir uma fiscalização, que o Poder executivo e Legislativo possa representar alguma ameaça, trazendo retrocesso social 
 
Com base acima, no pensamento de Lenio Streck perdura, o descumprimento da leis, e meios para que elas sejam efetivada, é necessárioa sociedade saber seus direitos e buscar reivindica-lós tornando um governo mais efetivo.
5. CONCLUSÃO
 O jusnaturalismo e o positivismo, historicamente foi um dos princípios onde a sociedade se baseava em seus conceitos, garantindo uma organização social, fundamentadas em suas afirmações como “estado”, o jusnaturalismo baseado só pela razão, teve participação para o positivismo crítico , onde a razão começou a trabalhar com a lei.
O objetivo do trabalho, foi mostrar que o positivismo e o jusnaturalismo, teve participação fundamental histórica, para o mundo jurídico atual, tendo como exemplo os Direitos humanos, que trabalha tanto com o jusnaturalismo como o positivismo, e ele é de extrema importância para a vivência social, buscamos mostrar que o poder emana do povo, e que desde a premícia o povo teve e tem papel fundamental no estado. 
REFERÊNCIAS
https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/508144/000992124.pdf?sequence=1 
 https://nacoesunidas.org/direitoshumanos/ 
 http://tmp.mpce.mp.br/esmp/publicacoes/Edital-01- 2015/Articulista/ZenacleideCostaNojosa.pdf
https://jus.com.br/artigos/27962/o-homem-dos-direitos-humanoshttps://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1992/decreto-678-6-novembro-1992-449028-publicacaooriginal-1-pe.html
 STRECK, Lenio Luiz. Hermenêutica jurídica e(m) crise
BOBBIO, Norberto. O positivismo jurídico: lições de filosofia do direito.
BARROSO, Luís Roberto. Fundamentos teóricos e filosóficos do novo direito constitucional brasileiro
1

Outros materiais