Buscar

Geografia II -21

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 5 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Prévia do material em texto

Aula 30 – Formação Étnica – Os índios Ontem e Hoje 
 
 
 
 
 
97 VestCursos – Especialista em Preparação para Vestibulares de Alta Concorrência 
 
 
Questão 07 
 
 
Fonte: Adap. Simielli, 2000. 
 
Correlacione os mapas apresentados, quanto à questão indígena no Brasil e analise a relação entre a 
área das terras e as populações indígenas nas regiões I e II. 
 
Questão 08 
Do ponto de vista sociológico, o Brasil se constituiu sobre o mito da democracia racial principalmente 
depois da publicação de casa grande e senzala de gilberto freyre (2003). De acordo com florestan 
fernandes (1965) o ideal de miscigenação fora difundido como mecanismo de absorção do mestiço 
não para a ascensão social do negro, mas para a hegemonia da classe dominante. O mito da 
democracia racial assentou-se sobre dois fundamentos: 1) o mito do bom senhor; 2) o mito do escravo 
submisso. 
Analise as afirmações: 
I. a crença no bom senhor exalta a vulgaridade das elites modernas, como diria contardo calligaris, e 
juntamente com uma espécie de pseudocordialidade seriam responsáveis pela manutenção e o 
aprofundamento das diferenças sociais. 
II. o mito do escravo submisso fez com que a sociedade de um modo geral não encarasse de frente a 
violência da escravidão, fez com que os ouvidos se ensurdecessem aos clamores do movimento 
negro, por direitos e por justiça. 
III. as proposições legislativas sobre a inclusão de negros vão desde o projeto de lei que reserva aos 
negros um percentual fixo de cargos da administração pública, aos que instituem cotas para negros 
nas universidades públicas e nos meios de comunicação. 
 
Assinale a alternativa correta: 
a) todas as afirmações são verdadeiras. 
b) apenas a afirmação II é verdadeira. 
c) as afirmações I e III são verdadeiras. 
d) as afirmações I e II são falsas. 
e) todas as afirmações são falsas. 
 
 
 
 
 
Anotações 
 
 
 
 
 
 98 VestCursos – Especialista em Preparação para Vestibulares de Alta Concorrência 
CURSO ANUAL DE GEOGRAFIA – (Prof. Fernandes Epitacio) 
 
EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 
 
Questão 01 (UERJ) 
As mesmas forças produtivas engajadas no desenvolvimento 
extensivo e intensivo do capitalismo produzem tanto a integração 
como a fragmentação. As muitas variações de formas sociais de 
vida e de trabalho, compreendendo grupos e classes, etnias e 
minorias, nações e nacionalidades, religiões e línguas, são 
frequentemente recriadas. 
Octavio Ianni- Adaptado de Sociedade global. Rio de Janeiro: Civilização 
Brasileira,1999. 
 
A ilustração e o texto expressam diferentes pontos de vista acerca 
do processo de globalização. Essa diferença se manifesta pela 
contradição entre: 
a) polarização e dispersão econômica 
b) elitização e popularização financeira 
c) homogeneização e diversidade cultural 
d) especialização e flexibilidade profissional 
 
Questão 02 (UERJ) 
No I Congresso Mundial das Raças, ocorrido em Londres em 1911, 
o médico João Baptista de Lacerda ilustrou suas reflexões sobre a 
sociedade brasileira analisando a tela “A redenção de Cam”, que 
retrata três gerações de uma família. 
Essa pintura foi utilizada na época para indicar a seguinte 
tendência demográfica no Brasil: 
a) controle de natalidade 
b) branqueamento da população 
c) equilíbrio entre faixas etárias 
d) segregação dos grupos étnicos 
 
Questão 03 (PUC-SP) 
Leia: Por causa do risco iminente de extinção, a UNESCO produziu 
o Livro Vermelho das Línguas Ameaçadas, hoje substituído pelo 
Atlas das línguas ameaçadas do mundo [...] Os países que têm o 
maior número de línguas em risco de desaparecimento, segundo o 
Atlas, são: 
Tendo em conta os processos e as localizações geográficas 
implicadas na questão das línguas ameaçadas de extinção, nota-
se que 
a) várias das línguas ameaçadas são línguas de grupos nativos 
preexistentes em países originários da colonização europeia, nos 
quais houve a imposição da língua do colonizador. 
b) essa perda iminente da diversidade linguística, nos países 
listados, deve-se à necessidade de eliminar a própria diversidade 
cultural, condição necessária para o desenvolvimento social em 
ambientes mais comunicativos. 
c) no Brasil, as línguas ameaçadas são várias das indígenas, em 
função do interesse dos falantes dessas línguas de pertencer ao 
conjunto da sociedade moderna e romper com o isolamento social 
em que vivem. 
d) as línguas ameaçadas, nos países listados, sobrevivem por 
esforço dos estados, visto que as sociedades desses locais 
defendem que existam políticas públicas para preservar as culturas 
minoritárias. 
e) a modernização e a globalização dominante da sociedade 
contemporânea tendem a reverter o processo de ameaça de 
extinção de várias línguas nativas, pela sua lógica de valorização 
da diversidade cultural. 
 
Questão 04 (UENP) 
Leia atentamente o fragmento de texto a seguir. Trata-se de uma 
entrevista com o sociólogo Zigmunt Bauman. 
Poderia falar mais amplamente sobre os riscos da modernidade? 
Uma das características do que chamo de "modernidade sólida" 
era que as maiores ameaças para a existência humana eram muito 
mais óbvias. Os perigos eram reais, palpáveis, e não havia muito 
mistério sobre o que fazer para neutralizá-los ou, ao menos, aliviá-
los. Era óbvio, por exemplo, que alimento, e só alimento, era o 
remédio para a fome. 
Os riscos de hoje são de outra ordem, não se pode sentir ou tocar 
muitos deles, apesar de estarmos todos expostos, em algum grau, 
a suas consequências. Não podemos, por exemplo, cheirar, ouvir, 
ver ou tocar as condições climáticas que gradativamente, mas sem 
trégua, estão se deteriorando. O mesmo acontece com os níveis 
de radiação e de poluição, a diminuição das matérias-primas e das 
fontes de energia não renováveis, e os processos de globalização 
sem controle político ou ético, que solapam as bases de nossa 
existência e sobrecarregam a vida dos indivíduos com um grau de 
incerteza e ansiedade sem precedentes. 
Diferentemente dos perigos antigos, os riscos que envolvem a 
condição humana no mundo das dependências globais podem não 
só deixar de ser notados, mas também deixar de ser minimizados 
mesmo quando notados. As ações necessárias para exterminar ou 
limitar os riscos podem ser desviadas das verdadeiras fontes do 
perigo e canalizadas para alvos errados. Quando a complexidade 
da situação é descartada, fica fácil apontar para aquilo que está 
mais à mão como causa das incertezas e das ansiedades 
modernas. Veja, por exemplo, o caso das manifestações contra 
imigrantes que ocorrem na Europa. Vistos como "o inimigo" 
próximo, eles são apontados como os culpados pelas frustrações 
da sociedade, como aqueles que põem obstáculos aos projetos de 
vida dos demais cidadãos. A noção de "solicitante de asilo" 
adquire, assim, uma conotação negativa, ao mesmo tempo em que 
as leis que regem a imigração e a naturalização se tornam mais 
restritivas, e a promessa de construção de "centros de detenção" 
para estrangeiros confere vantagens eleitorais a plataformas 
políticas. 
Para confrontar sua condição existencial e enfrentar seus desafios, 
a humanidade precisa se colocar acima dos dados da experiência 
a que tem acesso como indivíduo. Ou seja, a percepção individual, 
para ser ampliada, necessita da assistência de intérpretes munidos 
com dados não amplamente disponíveis à experiência individual. E 
a Sociologia, como parte integrante desse processo interpretativo 
— um processo que, cumpre lembrar, está em andamento e é 
permanentemente inconclusivo —, constitui um empenho 
constante para ampliar os horizontes cognitivos dos indivíduos e 
uma voz potencialmente poderosa nesse diálogo sem fim com a 
condição humana. 
PALLARES-BURKE, Maria Lúcia Garcia. Entrevista com Zigmunt Bauman. Tempo 
soc. [online]. 2004 
 
Sobre a questão dos imigrantes na Europa, julgue a veracidade 
das proposições abaixo. 
I. A França começou a ser lentamente islamizada, em 
consequência de ondas sucessivas de novas migrações, 
nomeadamente das suas antigas colônias africanas,na sua 
maioria islamizadas. O número de muçulmanos não parou de 
aumentar (cerca de 10% da população francesa). Os grandes 
valores republicanos, com que a França integrava facilmente os 
imigrantes europeus, começaram a não surtirem efeito. A França 
Aula 30 – Formação Étnica – Os índios Ontem e Hoje 
 
 
 
 
 
99 VestCursos – Especialista em Preparação para Vestibulares de Alta Concorrência 
 
 
começou então a depurar as suas referências culturais para se 
ajustar a esta nova realidade. 
II. A Inglaterra e a Holanda adotaram um modelo próprio de 
integração: o multiculturalismo, isto é, cada imigrantes pode ter os 
valores que quiser, viver como entender, praticar a sua religião, 
mas não pode é interferir na ordem instituída. Tudo isto em nome 
da tolerância e dos direitos do indivíduo. A verdade é que essas 
sociedades acabaram por entrar numa lógica segregacionista: 
naturais para um lado, estrangeiros para outro. 
III. A Alemanha e a Suíça levaram até às últimas consequências o 
modelo segregacionista, impondo uma clara separação entre 
"naturais" e "imigrantes. Estes últimos são mantidos, desde a sua 
chegada, a distância, sendo-lhes dito que não passam de mão-de-
obra descartável, sempre que a situação o exija. Apesar do 
elevado número de imigrantes turcos existentes na Alemanha, a 
verdade é que apenas um pequeno número conseguiu naturalizar-
se alemão. 
Pode-se afirmar que é(são) verdadeira(s): 
a) todas d) apenas I e III 
b) apenas II e III e) nenhuma 
c) apenas I e II 
 
Questão 05 (UNESP) 
Soweto viu a Copa do Mundo. Em um Mundial questionado por seu 
impacto social apenas limitado e por excluir grande parte da 
população africana dos benefícios, os 4 milhões de moradores da 
cidade nas proximidades de Johannesburgo só souberam um dia 
antes que a seleção brasileira faria seu único treino aberto em 
Soweto. 
(O Estado de S.Paulo, 04.06.2010. Adaptado.) 
 
Considere as afirmações seguintes. 
 I. Soweto está localizado na região metropolitana de 
Johanesburgo e foi a maior township da África do Sul. 
II. As townships nasceram durante o período do apartheid, devido à 
separação espacial entre negros e brancos. 
III. Dentre os Prêmios Nobel da Paz, estão Nelson Mandela e o 
Arcebispo Desmond Tutu, que viveram em Soweto. 
IV. Berço da luta contra o apartheid, durante o regime racista, 
Soweto conseguiu resolver seus problemas sociais, integrando-se 
totalmente ao restante da capital. 
Estão corretas apenas as afirmações 
a) I, III e IV. 
b) III e IV. 
c) I, II e III. 
d) I e II. 
e) II, III e IV. 
 
Questão 06 (UFF) 
A seleção alemã de futebol da Copa do Mundo de 2010 apresentou 
cinco atletas nascidos fora da Alemanha e seis filhos de imigrantes, 
num total de 23 jogadores. “É a verdadeira nação arco-íris”, 
estampou um jornal de Johannesburgo, brincando com a 
expressão utilizada pelo bispo Desmond Tutu para designar a 
África do Sul pós-apartheid. Para o sociólogo alemão Martin Curi, a 
inserção de estrangeiros, principalmente de turcos, na equipe 
alemã ocorre até com certo atraso. Mesut Ozil e Sedar Tasci são 
os primeiros turcos a jogarem uma Copa do Mundo pelo país, 40 
anos após ser registrado o maior fluxo migratório da Turquia para a 
Alemanha. 
 Folha de São Paulo, 
03/07/2010, p. D-28. Adaptação. 
Com relação à inserção de jogadores estrangeiros destacada no 
texto, conclui-se, adequadamente, que ela 
a) representa a flexibilização do mercado de trabalho na União 
Europeia. 
b) mostra a inexistência da xenofobia por parte da população 
nativa original. 
c) dificulta os fluxos migratórios para o país mais desenvolvido da 
Europa. 
d) expressa o caráter pluriétnico da sociedade alemã 
contemporânea. 
e) reflete a falta de programas sociais para a juventude alemã 
desportiva. 
 
Questão 07 (UFF) 
EM 5 ANOS, NOVA ORLEANS RENASCE BRANCA 
“A tragédia do furacão Katrina em Nova Orleans completa cinco 
anos neste mês com um legado que vai muito além das casas 
ainda destruídas da cidade: o equilíbrio de poder foi totalmente 
realinhado, a clivagem racial, aprofundada. A maioria negra, que 
sofreu retirada forçada durante a enchente ocorrida após o furacão, 
viu sua dominância sobre a política das últimas décadas ir se 
esvaindo até que praticamente todos os órgãos eletivos locais 
“embranqueceram”. (...) Moradores e estudiosos afirmam que a 
virada é resultado de um esforço deliberado. O primeiro plano de 
reconstrução da cidade previa fazer parques nos bairros negros 
devastados. Pra onde os antigos moradores voltariam? De 
referência, para lugar nenhum.” 
Folha de São Paulo, 08/08/2010, p. A24. 
 
Para além dos efeitos imediatos do furacão Katrina, a reportagem 
focaliza a dinâmica de “embranquecimento” de Nova Orleans, 
diretamente associada a processos de 
a) nomadismo urbano. 
b) densificação urbana. 
c) segregação espacial. 
d) exploração demográfica. 
e) migração sazonal. 
 
Questão 08 (UEG) 
Um dos grandes desafios do século XXI para tornar o mundo 
melhor é o de aprender a conviver com os outros, aceitar e 
respeitar os que são diferentes na cultura, na religião, nos 
costumes, na sexualidade etc. A intolerância, os preconceitos, as 
discriminações e o racismo, no entanto, vêm crescendo. 
Sobre esse assunto, é CORRETO afirmar: 
a) o princípio de que todos os seres humanos são iguais, 
independentemente de sexo, cor da pele, orientação sexual, local 
de nascimento, valores culturais, existe de direito e de fato nas 
sociedades democráticas. 
b) o racismo consiste numa tendência a desvalorizar certos grupos 
étnicos, sociais ou culturais, atribuindo-lhes características 
inferiores e manifesta-se na segregação e rejeição de valores 
culturais. 
c) os neonazistas, os carecas, os arianos, entre outros, são grupos 
organizados que visam combater os preconceitos, sobretudo 
contra migrantes pobres. 
d) a xenofobia e a homofobia atingem em maior grau os indígenas, 
os negros e a mulher, considerados inferiores em determinadas 
sociedades. 
 
 
 
 
 
 100 VestCursos – Especialista em Preparação para Vestibulares de Alta Concorrência 
CURSO ANUAL DE GEOGRAFIA – (Prof. Fernandes Epitacio) 
Questão 09 (UERJ) 
Cada um, de cada lugar do mundo, tem de assinalar em seu 
endereço eletrônico o país onde mora e de onde fala (.br, .ar, .mx, 
etc.); aquele que fala a partir dos EUA não precisa apor .us ao seu 
endereço e, assim, é como se falasse de lugar-nenhum, tornando 
familiar que cada qual se veja, sempre, de um lugar determinado, 
enquanto haveria aqueles que falam como se fossem do mundo e 
não de nenhuma parte específica. 
 Adaptado de 
Carlos Walter Porto-Gonçalves 
In: LANDER, Edgardo (org.). A colonialidade do saber. Buenos Aires: CLACSO, 
2005. 
 
O texto acima contém uma reflexão acerca de um aspecto 
importante das redes mundiais de produção e circulação de 
conhecimento. Segundo o autor, essas redes são marcadas pelo 
conceito de: 
a) pluralismo 
b) autoritarismo 
c) nacionalismo 
d) etnocentrismo 
 
Questão 10 (UERJ) 
Cada um, de cada lugar do mundo, tem de assinalar em seu 
endereço eletrônico o país onde mora e de onde fala (.br, .ar, .mx 
etc.); aquele que fala a partir dos EUA não precisa apor .us ao seu 
endereço e, assim, é como se falasse de lugar nenhum, tornando 
familiar que cada qual se veja, sempre, de um lugar determinado, 
enquanto haveria aqueles que falam como se fossem do mundo e 
não de nenhuma parte específica. 
 Adaptado de Carlos Walter Porto-Gonçalves In: LANDER, Edgardo (org.). 
A colonialidade do saber. Buenos Aires: CLACSO, 2005. 
 
O texto acima contém uma reflexão acerca de um aspecto 
importante das redes mundiais de produção e circulação de 
conhecimento. 
Segundo o autor, essas redes são marcadas pelo conceito de: 
a) pluralismo 
b) autoritarismo 
c) nacionalismo 
d) etnocentrismo 
 
Questão 11 (UFF) 
“Choque de civilizações” é o título do livrode autoria do cientista 
norte-americano Samuel Huntington, no qual são identificados 
conjuntos civilizacionais e seus possíveis enfrentamentos, 
conforme ilustrado no mapa abaixo: 
 Fonte: BONIFACE, Pascal e VÉDRINE, Hubert. Atlas do 
Mundo Global. São Paulo: Estação Liberdade, 2009. 
 
A partir da análise do mapa, outro título adequado às ideias de 
Samuel Huntington é: 
a) “O mundo Ocidental em risco” 
b) “A ascensão dos nacionalismos periféricos” 
c) “O triunfo global do mundo africano” 
d) “O fim da história e da ideologia” 
e) “O declínio das religiões imperiais” 
 
Questão 12 (UERJ) 
Um dos grandes desafios do século XXI para tornar o mundo 
melhor é o de aprender a conviver com os outros, aceitar e 
respeitar os que são diferentes na cultura, na religião, nos 
costumes, na sexualidade etc. A intolerância, os preconceitos, as 
discriminações e o racismo, no entanto, vêm crescendo. 
Sobre esse assunto, é CORRETO afirmar: 
a) o princípio de que todos os seres humanos são iguais, 
independentemente de sexo, cor da pele, orientação sexual, local 
de nascimento, valores culturais, existe de direito e de fato nas 
sociedades democráticas. 
b) o racismo consiste numa tendência a desvalorizar certos grupos 
étnicos, sociais ou culturais, atribuindo-lhes características 
inferiores e manifesta-se na segregação e rejeição de valores 
culturais. 
c) os neonazistas, os carecas, os arianos, entre outros, são grupos 
organizados que visam combater os preconceitos, sobretudo 
contra migrantes pobres. 
d) a xenofobia e a homofobia atingem em maior grau os indígenas, 
os negros e a mulher, considerados inferiores em determinadas 
sociedades. 
 
Questão 13 (UNIFACS) 
“O BRAZIL QUEM USA SOU EEUU” 
Essa frase, retirada de uma grafite de parede de uma cidade 
brasileira, é uma crítica 
a) à crise nas escolas públicas brasileiras. 
b) ao alto índice de analfabetismo da sociedade. 
c) à obrigatoriedade do ensino do Inglês nas escolas. 
d) à influência da cultura norte-americana no Brasil. 
e) ao excessivo número de filmes norte-americanos na televisão. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
CURSO ANUAL DE GEOGRAFIA I 
Prof. Fernandes Epitácio 
VestCursos – Especialista em Preparação para Vestibulares de Alta Concorrência 
 
 
A IMIGRAÇÃO BRASILEIRA E AS MIGRAÇÕES 
INTERNAS 
Imigração no Brasil refere-se ao conjunto de povos que imigraram 
para o Brasil ao longo de sua história. Ela deixou fortes marcas na 
demografia, na cultura e na economia do país. Um dos primeiros 
povos a ocupar o território que hoje forma o Brasil foram os índios, 
que são geneticamente de origem asiática. Segundo a tese mais 
aceita, a sua chegada ao continente americano deu-se através do 
estreito de Bering, em data ainda controversa, mas durante a Idade 
do Gelo. As estimativas quanto ao número de indígenas que 
existiam no Brasil à época do descobrimento do país por Portugal 
variam de 1,8 milhão a 6 milhões de indígenas. John Hemming 
estimou o número de indígenas no Brasil, à época do 
descobrimento, em 3,2 milhões. Em 1500, desembarcaram, no 
atual litoral brasileiro, os primeiros portugueses. Estima-se que, até 
o fim do Brasil Colônia, em 1822, entre 500 e 700 mil lusitanos se 
deslocaram para o Brasil. 
 
Um navio abarrotado de imigrantes italianos partindo para o Brasil. 
 
Em decorrência do tráfico negreiro, entre meados do século XVI 
até a sua extinção, em 1850, entre 4 e 5 milhões de africanos 
foram levados ao Brasil na condição de escravos, o que torna o 
Brasil o país que mais recebeu africanos em toda a História. 
No século XIX, teve início a imigração de outros povos europeus 
para o Brasil, em particular da Itália, rivalizando numericamente 
com os portugueses, seguidos por fluxos de espanhóis e de 
alemães. No início do século XX, intensificou-se o fluxo migratório 
oriundo da Ásia, particularmente de japoneses e de sírio-libaneses. 
A maior parte desses imigrantes foi destinada a plantações de café 
no estado de São Paulo, embora muitos tenham tido, como 
destino, os centros urbanos, em particular São Paulo e Rio de 
Janeiro, bem como colônias rurais no Brasil meridional. Entre 1884 
e 1959, entraram, no Brasil, 4 734 494 imigrantes, sendo 1 507 695 
italianos e 1 391 898 portugueses. 
Na década de 1960, o Brasil deixou de ser um grande receptor de 
imigrantes, passando a ser um país expulsor de trabalhadores, a 
partir da década de 1980, sobretudo para os Estados Unidos, o 
Paraguai, a Europa e o Japão. Essa tendência manteve-se 
constante até recentemente, uma vez que vem sendo observado o 
crescimento da imigração para o Brasil, em particular de países 
como Portugal, a Bolívia e o Haiti. 
A IMIGRAÇÃO NO BRASIL COLÔNIA 
O território nacional não foi imediatamente ocupado pelos 
europeus a partir do Descobrimento do Brasil em 1500. A 
colonização começou somente a partir de 1532. Antes disso, havia 
apenas feitorias nas quais o pau-brasil era armazenado esperando 
os navios que vinham da Metrópole. Apenas alguns degredados, 
desertores e náufragos haviam se estabelecido em definitivo no 
Brasil, vivendo e se miscigenando com as tribos indígenas. 
A maior parte dos colonos que vieram para o Brasil não foram os 
degredados. Quem de fato promoveu a colonização inicial foram as 
famílias ricas de Portugal. Todavia, não havia uma hegemonia 
socioeconômica entre os colonos. Ao mesmo tempo em que houve 
um predomínio de 90% de famílias de classe alta nas zonas mais 
ricas, como Pernambuco e Bahia, nas regiões periféricas, como o 
Maranhão, a esmagadora maioria dos portugueses era pobre. 
Para efetuar a colonização, o rei de Portugal dividiu a colônia em 
capitanias hereditárias que foram entregues a nobres portugueses, 
denominados donatários. As tentativas de exploração dos 
ameríndios como escravos nas plantações e engenhos de cana-
de-açúcar levaram a vários conflitos de modo que apenas duas 
capitanias hereditárias prosperaram: Pernambuco e São Vicente. 
Apesar disto, a presença portuguesa se consolidou no século XVI 
com a criação do Governo Geral do Brasil. Embora em número 
bastante reduzido, os colonos portugueses conseguiram ocupar o 
litoral e os ameríndios, perseguidos ou assolados por epidemias, 
foram migrando para o Sertão e a Amazônia. Aqueles que 
restaram foram escravizados, aculturados e se misturaram aos 
portugueses, formando uma população híbrida, mestiça, de 
mamelucos. 
No século XVI, desembarcaram, no Brasil, em torno de 50 mil 
portugueses e 50 mil africanos. 
O desenvolvimento da cultura de cana-de-açúcar faz crescer o 
número de escravos africanos desembarcados nas colônias 
portuguesas das Américas, vindos sobretudo de Angola e da Costa 
da Mina para o litoral do atual nordeste brasileiro. A imigração 
portuguesa continuou reduzida, tendo em vista que o Reino de 
Portugal não tinha população suficiente para mandar grande 
número de colonos para ocupar suas possessões nas Américas. A 
população se concentrou nas regiões litorâneas que formam as 
atuais regiões nordeste e sudeste do Brasil. O restante das 
possessões portuguesas nas Américas segue sem ocupação 
europeia, abrigando povos indígenas estabelecidos e também 
aqueles refugiados das regiões litorâneas. 
No século XVII, desembarcaram 550 mil africanos e 50 mil 
portugueses. 
O desenvolvimento da mineração trouxe para o Brasil centenas de 
milhares de africanos, que foram escravizados na extração de 
ouro. Um fato novo foi, pela primeira vez na História da colônia, a 
vinda de um enorme contingente de colonos portugueses. Tal surto 
migratório deve-se a alguns fatores: Portugal e, em particular, a 
região do Minho, teve uma alta taxa de crescimento populacional e, 
em consequência, superpopulação. As notícias de que na colônia 
sul-americana estava ocorrendo a exploração da mineração serviu 
Estimativa da imigração portuguesa para o Brasil-Colônia 
Período 1500-1700 1701-1760 1808-1817 
Quantidade 100 000 600 000 24 000 
 
https://pt.wikipedia.org/wiki/Povo
https://pt.wikipedia.org/wiki/Imigra%C3%A7%C3%A3ohttps://pt.wikipedia.org/wiki/Brasil
https://pt.wikipedia.org/wiki/Hist%C3%B3ria_do_Brasil
https://pt.wikipedia.org/wiki/Demografia
https://pt.wikipedia.org/wiki/Cultura
https://pt.wikipedia.org/wiki/Economia
https://pt.wikipedia.org/wiki/Povos_ind%C3%ADgenas_do_Brasil
https://pt.wikipedia.org/wiki/Gen%C3%A9tica
https://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%81sia
https://pt.wikipedia.org/wiki/Continente_Americano
https://pt.wikipedia.org/wiki/Estreito_de_Bering
https://pt.wikipedia.org/wiki/Idade_do_Gelo
https://pt.wikipedia.org/wiki/Idade_do_Gelo
https://pt.wikipedia.org/wiki/Descoberta_do_Brasil
https://pt.wikipedia.org/wiki/Litoral_do_Brasil
https://pt.wikipedia.org/wiki/Portugueses
https://pt.wikipedia.org/wiki/Brasil_Col%C3%B4nia
https://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Italiane.JPG
https://pt.wikipedia.org/wiki/Imigra%C3%A7%C3%A3o_italiana_no_Brasil
https://pt.wikipedia.org/wiki/Tr%C3%A1fico_negreiro
https://pt.wikipedia.org/wiki/Escravo
https://pt.wikipedia.org/wiki/It%C3%A1lia
https://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%81sia
https://pt.wikipedia.org/wiki/Imigra%C3%A7%C3%A3o_japonesa_no_Brasil
https://pt.wikipedia.org/wiki/Imigra%C3%A7%C3%A3o_%C3%A1rabe_no_Brasil
https://pt.wikipedia.org/wiki/Estados_Unidos
https://pt.wikipedia.org/wiki/Paraguai
https://pt.wikipedia.org/wiki/Europa
https://pt.wikipedia.org/wiki/Jap%C3%A3o
https://pt.wikipedia.org/wiki/Bol%C3%ADvia
https://pt.wikipedia.org/wiki/Haiti
https://pt.wikipedia.org/wiki/Europa
https://pt.wikipedia.org/wiki/Descobrimento_do_Brasil
https://pt.wikipedia.org/wiki/Feitoria
https://pt.wikipedia.org/wiki/Pau-brasil
https://pt.wikipedia.org/wiki/Degredados
https://pt.wikipedia.org/wiki/Desertor
https://pt.wikipedia.org/wiki/N%C3%A1ufrago
https://pt.wikipedia.org/wiki/Miscigena%C3%A7%C3%A3o
https://pt.wikipedia.org/wiki/Degredo
https://pt.wikipedia.org/wiki/Fam%C3%ADlia
https://pt.wikipedia.org/wiki/Riqueza
https://pt.wikipedia.org/wiki/Portugal
https://pt.wikipedia.org/wiki/Classe_alta
https://pt.wikipedia.org/wiki/Pernambuco
https://pt.wikipedia.org/wiki/Bahia
https://pt.wikipedia.org/wiki/Periferia
https://pt.wikipedia.org/wiki/Maranh%C3%A3o
https://pt.wikipedia.org/wiki/Pobreza
https://pt.wikipedia.org/wiki/Capitanias_do_Brasil
https://pt.wikipedia.org/wiki/Nobre
https://pt.wikipedia.org/wiki/Amer%C3%ADndios
https://pt.wikipedia.org/wiki/Engenho
https://pt.wikipedia.org/wiki/Cana-de-a%C3%A7%C3%BAcar
https://pt.wikipedia.org/wiki/Cana-de-a%C3%A7%C3%BAcar
https://pt.wikipedia.org/wiki/Capitania_de_Pernambuco
https://pt.wikipedia.org/wiki/Capitania_de_S%C3%A3o_Vicente
https://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%A9culo_XVI
https://pt.wikipedia.org/wiki/Estado_do_Brasil
https://pt.wikipedia.org/wiki/Epidemia
https://pt.wikipedia.org/wiki/Migra%C3%A7%C3%A3o
https://pt.wikipedia.org/wiki/Sert%C3%A3o_brasileiro
https://pt.wikipedia.org/wiki/Amaz%C3%B4nia
https://pt.wikipedia.org/wiki/Escravid%C3%A3o_no_Brasil
https://pt.wikipedia.org/wiki/Acultura%C3%A7%C3%A3o
https://pt.wikipedia.org/wiki/Mesti%C3%A7o
https://pt.wikipedia.org/wiki/Mameluco
https://pt.wikipedia.org/wiki/Cana-de-a%C3%A7%C3%BAcar
https://pt.wikipedia.org/wiki/Com%C3%A9rcio_atl%C3%A2ntico_de_escravos
https://pt.wikipedia.org/wiki/Am%C3%A9rica_portuguesa
https://pt.wikipedia.org/wiki/Am%C3%A9rica_portuguesa
https://pt.wikipedia.org/wiki/Angola
https://pt.wikipedia.org/wiki/Costa_da_Mina
https://pt.wikipedia.org/wiki/Costa_da_Mina
https://pt.wikipedia.org/wiki/Regi%C3%A3o_Nordeste_do_Brasil
https://pt.wikipedia.org/wiki/Reino_de_Portugal
https://pt.wikipedia.org/wiki/Reino_de_Portugal
https://pt.wikipedia.org/wiki/Am%C3%A9rica_portuguesa
https://pt.wikipedia.org/wiki/Regi%C3%A3o_Sudeste_do_Brasil
https://pt.wikipedia.org/wiki/Brasil
https://pt.wikipedia.org/wiki/Am%C3%A9rica_portuguesa
https://pt.wikipedia.org/wiki/Povos_amer%C3%ADndios
https://pt.wikipedia.org/wiki/Escravid%C3%A3o_no_Brasil
https://pt.wikipedia.org/wiki/Reino_de_Portugal
https://pt.wikipedia.org/wiki/Minera%C3%A7%C3%A3o
https://pt.wikipedia.org/wiki/Minho_(prov%C3%ADncia)
https://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Italiane.JPG�
	SEMANA 31 - GEOGRAFIA I - IMIGRAÇÃO BRASILEIRA - FERNANDES

Outros materiais