Buscar

Hora_Verdade_SEFAZ-MG(CGE)

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 112 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 6, do total de 112 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 9, do total de 112 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Prévia do material em texto

HORA DA VERDADE
SEFAZ-MG
CONTABILIDADE GERAL
Prof. Gilmar Possati
EMENTA
Prof. Gilmar Possati
Edital SEFAZ-MG
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
#1 ESTRUTURA CONCEITUAL
Prof. Gilmar Possati
Padrão de exigência da FGV
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
a) LITERALIDADE DO CPC 00
Pontos mais importantes: definições, RCPGs, características qualitativas.
Exemplos de exigência: TRT16 (8 questões!!)
(FGV/TRT16/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
De acordo com a NBC TG Estrutura Conceitual-Estrutura Conceitual para Relatório Financeiro,
entre as finalidades da Estrutura Conceitual está
a) compatibilizar as normas contábeis com as tributárias.
b) indicar aos usuários a melhor estratégia de alocação de recursos.
c) determinar a adoção da melhor política contábil relacionada a uma transação.
d) alterar o texto de um pronunciamento contábil já emitido quando forem verificadas
possibilidades de melhoria.
e) auxiliar o desenvolvimento das normas internacionais de contabilidade para que tenham
base em conceitos consistentes.
A finalidade desta Estrutura Conceitual é:
(a)auxiliar o desenvolvimento das Normas Internacionais de Contabilidade (IFRS) para que tenham base em
conceitos consistentes;
(b)auxiliar os responsáveis pela elaboração (preparadores) dos relatórios financeiros a desenvolver políticas contábeis
consistentes quando nenhuma norma se aplica à determinada transação ou outro evento, ou quando a norma
permite uma escolha de política contábil; e
(c)auxiliar todas as partes a entender e interpretar as normas.
(FGV/TRT16/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
O objetivo do relatório financeiro para fins gerais é fornecer informações financeiras sobre a
entidade que reporta que sejam úteis a seus principais usuários, conforme definidos na norma,
em sua tomada de decisões.
Entre essas decisões está
a) oferecer bonificações aos colaboradores.
b) precificar os produtos e serviços oferecidos.
c) reconhecer e adotar as melhores práticas contábeis.
d) determinar o melhor mix de produtos a serem vendidos.
e) conceder ou liquidar empréstimos ou outras formas de crédito.
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
1.2 O objetivo do relatório financeiro para fins gerais é fornecer informações financeiras sobre
a entidade que reporta que sejam úteis para investidores, credores por empréstimos e
outros credores, existentes e potenciais, na tomada de decisões referente à oferta de
recursos à entidade. Essas decisões envolvem decisões sobre:
(a) comprar, vender ou manter instrumento de patrimônio e de dívida;
(b) conceder ou liquidar empréstimos ou outras formas de crédito; ou
(c) exercer direitos de votar ou de outro modo influenciar os atos da administração
que afetam o uso dos recursos econômicos da entidade.
(FGV/TRT16/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
De acordo com a NBC TG Estrutura Conceitual- Estrutura Conceitual para Relatório Financeiro,
ativo é um recurso econômico presente controlado pela entidade como resultado de eventos
passados, sendo que recurso econômico é um direito que tem o potencial de produzir
benefícios econômicos.
Um direito que tem o potencial de produzir benefícios econômicos e que não corresponde à
obrigação de outra parte são os direitos de
a) receber caixa.
b) utilizar propriedade intelectual.
c) receber produtos ou serviços.
d) trocar recursos econômicos com outra parte em condições favoráveis.
e) beneficiar-se de obrigação de outra parte para transferir um recurso econômico se ocorrer
evento futuro incerto especificado.
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
4.6 Direitos que têm o potencial de produzir benefícios econômicos assumem muitas formas,
incluindo:
(a) direitos que correspondem à obrigação de outra parte (ver item 4.39), por exemplo:
(i) direitos de receber caixa;
(ii)direitos de receber produtos ou serviços;
(iii) direitos de trocar recursos econômicos com outra parte em condições favoráveis.
Esses direitos incluem, por exemplo, contrato a termo para comprar um recurso econômico em
condições que são atualmente favoráveis ou a opção de comprar um recurso econômico;
(iv) direitos de beneficiar-se de obrigação de outra parte para transferir um recurso
econômico se ocorrer evento futuro incerto especificado (ver item 4.37);
(b) direitos que não correspondem à obrigação de outra parte, por exemplo:
(i) direitos sobre bens corpóreos, tais como imobilizado ou estoques. Exemplos desses direitos
são direito de utilizar bens corpóreos ou direito de beneficiar-se do valor residual de objeto
arrendado;
(ii)direitos de utilizar propriedade intelectual.
(FGV/TRT16/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
O primeiro critério para a existência de um passivo é que a entidade tenha a obrigação. Em
relação à obrigação, assinale a afirmativa correta.
a) Deve ser estabelecida por contrato.
b) Depende de ação passada praticada pela entidade.
c) É devida à outra parte, cuja identidade deve ser conhecida.
d) Representa o dever ou responsabilidade que a entidade não tem a capacidade prática de
evitar.
e) Para que um valor específico seja reconhecido e mensurado, deve haver reconhecimento de
um ativo por outra parte pelo mesmo valor.
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
4.28 O primeiro critério para o passivo é que a entidade tenha a obrigação.
4.29 A obrigação é o dever ou responsabilidade que a entidade não tem a capacidade prática de evitar. A obrigação é
sempre devida à outra parte (ou partes). A outra parte (ou partes) pode ser uma pessoa ou outra entidade, grupo de
pessoas ou outras entidades, ou a sociedade em geral. Não é necessário conhecer a identidade da parte (ou partes)
para quem a obrigação é devida.
4.30 Se a parte tem obrigação de transferir um recurso econômico, ocorre que outra parte (ou partes) tem o direito de
receber esse recurso econômico. Contudo, um requisito para uma parte reconhecer o passivo e mensurá-lo a um
valor específico não implica que outra parte (ou partes) deve reconhecer um ativo ou mensurá-lo pelo mesmo valor.
Por exemplo, determinadas normas podem conter diferentes critérios de reconhecimento ou requisitos de mensuração
para o passivo de uma parte e o ativo correspondente da outra parte (ou partes) se esses critérios ou requisitos
diferentes são consequência de decisões destinadas a selecionar as informações mais relevantes que representam
fidedignamente o que pretendem representar.
4.31 Muitas obrigações são estabelecidas por contrato, legislação ou meios similares e são legalmente exigíveis pela parte
(ou partes) para quem são devidas. Obrigações também podem resultar, contudo, de práticas usuais, políticas
publicadas ou declarações específicas da entidade se a entidade não tem capacidade prática de agir de modo
inconsistente com essas práticas, políticas ou declarações. A obrigação que surge nessas situações é denominada, às
vezes, “obrigação presumida”.
(FGV/TRT16/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
De acordo com a NBC TG Estrutura Conceitual- Estrutura Conceitual para Relatório Financeiro,
patrimônio líquido é a participação residual nos ativos da entidade após a dedução
a) do capital próprio.
b) de todos os seus passivos.
c) da distribuição do resultado.
d) das despesas reconhecidas no período.
e) do saldo entre as receitas e as despesas.
4.63 Patrimônio líquido é a participação residual nos ativos da entidade após a dedução de
todos os seus passivos.
(FGV/TRT16/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Segundo a NBC TG Estrutura Conceitual- Estrutura Conceitual para Relatório Financeiro, as
receitas e as despesas são os elementos das demonstrações contábeis de uma entidade que se
referem a(o)
a) Posição financeira.
b) Posição econômica.
c) Situação patrimonial.
d) Desempenho financeiro.
e) Desempenho econômico.
4.71 Receitas e despesas são os elementos das demonstrações contábeis que se referem ao desempenho
financeiro da entidade. Os usuários das demonstraçõescontábeis precisam de informações tanto sobre
a posição financeira da entidade como de seu desempenho financeiro. Assim, embora receitas e
despesas sejam definidas em termos de mudanças em ativos e passivos, informações sobre receitas e
despesas são tão importantes como informações sobre ativos e passivos.
(FGV/TRT16/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
As receitas são aumentos nos ativos ou reduções nos passivos que resultam em aumentos no
patrimônio líquido, com exceção
a) dos ganhos.
b) das variações monetárias.
c) dos tributos sobre os lucros.
d) das que acontecem de modo não recorrente.
e) das contribuições de detentores de direitos sobre o patrimônio.
4.68 Receitas são aumentos nos ativos, ou reduções nos passivos, que resultam em aumentos no patrimônio
líquido, exceto aqueles referentes a contribuições de detentores de direitos sobre o patrimônio.
(FGV/TRT16/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
De acordo com a NBC TG Estrutura Conceitual- Estrutura Conceitual para Relatório Financeiro,
as decisões sobre o reconhecimento dos ativos e dos passivos no balanço patrimonial são
restringidas
a) pelo tempo.
b) pelo custo.
c) pelo uso de estimativas.
d) pelo julgamento da administração.
e) pela complexidade das transações.
2.39 O custo é uma restrição generalizada sobre as informações que podem ser fornecidas pelo
relatório financeiro. O relatório de informações financeiras impõe custos, e é importante que esses
custos sejam justificados pelos benefícios de apresentar essas informações. Há vários tipos de custos e
benefícios a serem considerados.
(FGV/SEAD-AP/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
De acordo com o Pronunciamento Técnico CPC 00 (R2)- Estrutura Conceitual para Relatório
Financeiro, o custo é uma restrição generalizada sobre as informações que podem ser
fornecidas pelo relatório financeiro. No entanto, devido à subjetividade inerente, as avaliações
de diferentes indivíduos sobre os custos e benefícios da apresentação de itens específicos de
informações financeiras variam. Nesse caso, procura-se
a) enfatizar os esforços envolvidos na análise e interpretação das informações fornecidas.
b) considerar custos e benefícios em relação ao relatório financeiro, de modo geral.
c) considerar todos os custos e benefícios individualmente, de acordo com as entidades que
reportam.
d) considerar custos e benefícios conforme os interesses dos usuários primários do relatório
financeiro.
e) enfatizar os esforços envolvidos na coleta, processamento, verificação e disseminação de
informações financeiras.
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
2.43 Devido à subjetividade inerente, as avaliações de diferentes indivíduos sobre os custos e benefícios da
apresentação de itens específicos de informações financeiras variam. Portanto, procura-se
considerar custos e benefícios em relação ao relatório financeiro, de modo geral, e, não apenas,
em relação a entidades individuais que reportam. Isto não significa que as avaliações de custos e
benefícios sempre justificam os mesmos requisitos de relatório para todas as entidades. Diferenças
podem ser apropriadas por conta dos diferentes portes das entidades, diferentes formas de obtenção
de capital (pública ou privada), diferentes necessidades dos usuários ou outros fatores.
(FGV/SEAD-AP/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
De acordo com o Pronunciamento Técnico CPC 00 (R2)- Estrutura Conceitual para Relatório
Financeiro, o custo é uma restrição generalizada sobre as informações que podem ser
fornecidas pelo relatório financeiro. No entanto, devido à subjetividade inerente, as avaliações
de diferentes indivíduos sobre os custos e benefícios da apresentação de itens específicos de
informações financeiras variam. Nesse caso, procura-se
a) enfatizar os esforços envolvidos na análise e interpretação das informações fornecidas.
b) considerar custos e benefícios em relação ao relatório financeiro, de modo geral.
c) considerar todos os custos e benefícios individualmente, de acordo com as entidades que
reportam.
d) considerar custos e benefícios conforme os interesses dos usuários primários do relatório
financeiro.
e) enfatizar os esforços envolvidos na coleta, processamento, verificação e disseminação de
informações financeiras.
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
6.7 O custo histórico de ativo é atualizado ao longo do tempo para refletir, se aplicável:
(a) o consumo da totalidade ou parte do recurso econômico que constitui o ativo (depreciação ou
amortização);
(b) pagamentos recebidos que extinguem a totalidade ou parte do ativo;
(c)o efeito de eventos que fazem com que a totalidade ou parte do custo histórico do ativo não seja mais
recuperável (redução ao valor recuperável); e
(d) provisão de juros para refletir qualquer componente de financiamento do ativo.
# 2 BALANÇO PATRIMONIAL
Prof. Gilmar Possati
Padrão de exigência da FGV
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
a) ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL
Descrição de contas contábeis + saldos → solicita o total a ser evidenciado em determinado
grupo/subgrupo→ AC, AÑC (ARLP, Investimentos, Imobilizado, Intangível), PC, PÑC, PL.
Exemplos de exigência: PC-AM, SEFAZ-AM, SEFAZ-ES, SEAD-AP
b) FATO CONTÁBIL x IMPACTO NO BP
Descrição de um fato contábil→ solicita o impacto em algum grupo/subgrupo do BP.
Exemplos de exigência: MPE-GO
c) CPC 26
Tópicos sobre BP presentes no CPC 26.
Exemplos de exigência: IMBEL, FunSaúde
(FGV/PC-AM/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Uma sociedade empresária apresentava os seguintes saldos em 31/12/X0:
• Caixa e equivalente de caixa: R$ 50.000.
• Empréstimo a diretor com recebimento em 60 dias: R$ 25.000.
• Receita de vendas recebida antecipadamente com prazo de realização de 70 dias:
55.000.
• Estoques previstos para serem vendidos em 120 dias: 40.000,00.
• Clientes, com recebimento em 180 dias: 60.000,00.
• Aluguel pago antecipadamente, com apropriação linear e mensal por 24 meses: R$
48.000.
• Terreno destinado à valorização: R$ 100.000.
• Perdas estimadas com teste de recuperabilidade do terreno: R$ 10.000.
• Perdas estimadas com desvalorização de estoques: R$ 4.000.
• Perdas estimadas com crédito de liquidação duvidosa: R$ 3.000.
Com base nos saldos acima, assinale a opção que indica o ativo circulante da empresa em
31/12/X0.
a) R$ 143.000. b) R$ 167.000. c) R$ 174.000. d) R$ 192.000. e) R$ 223.000.
(FGV/SEFAZ-AM/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Uma sociedade empresária apresentava os seguintes saldos em seu balanço patrimonial, em
31/12/X0.
• Caixa: R$20.000;
• Estoque previsto para ser vendido em 390 dias: R$50.000;
• Despesa de seguros dos veículos paga antecipadamente em 31/12/X0 e que será
apropriada mensalmente de forma linear por dois anos: R$12.000;
• Contas a receber em 120 dias: R$60.000;
• Empréstimo a acionista com prazo de recebimento de 180 dias: R$15.000;
• Veículos utilizados no transporte de funcionários com vida útil estimada em 5 anos:
R$80.000;
• Depreciação acumulada dos veículos: R$54.000;
• Perdas estimadas nos estoques: R$5.000; e
• Perdas estimadas com crédito de liquidação duvidosa: R$3.000.
Assinale a opção que indica o ativo realizável a longo prazo da sociedade empresária, em
31/12/X0:
a) R$51.000. b) R$66.000. c) R$72.000. d) R$77.000. e) R$92.000.
(FGV/SEFAZ-ES/2021)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Uma entidade que presta serviços de consultoria apresentava os seguintes saldos em seu ativo,
em 31/12/X0.
• Disponibilidades: R$ 50.000;
• Empréstimo concedido a sócio da entidade para pagamento em 3 meses: R$ 20.000;
• Crédito Fiscal: R$ 15.000;
• Automóveis utilizados no negócio: R$ 30.000;
• Depreciação Acumulada dos automóveis: R$ 10.000;
• Seguro antecipado dos automóveis, com vigência de dois anos: R$ 24.000.
Assinale a opção que indica o valor do ativo realizável a longo prazo, em 31/12/X0.
a) R$ 27.000
b) R$ 32.000
c) R$ 47.000
d) R$ 59.000
e) R$ 79.000
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Naquestão, o crédito fiscal diz respeito ao imposto de renda diferido, de acordo com o
Pronunciamento Técnico CPC 32 - Tributos sobre o Lucro.
De acordo com o Pronunciamento Técnico CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis,
estes não devem ser classificados como ativo circulante.
Na literatura contábil (ALMEIDA, 2014; GELBCKE et. al.2018), os impostos a recuperar, tais como
ICMS, IPI, PIS e CONFINS, são evidenciados no balanço patrimonial como impostos a recuperar
(como “ICMS a recuperar”, “IPI a recuperar”).
Portanto, o gabarito deve ser mantido.
Logo, para a FGV, "Crédito Fiscal" equivale ao Imposto de Renda Diferido e deve ser classificado no
Ativo Não Circulante - Realizável a Longo Prazo.
(FGV/SEAD-AP/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Uma sociedade empresária apresentava, em seu patrimônio líquido, capital social de R$500.000.
Este representa, em termos financeiros, o capital
a) realizado.
b) autorizado.
c) a subscrever.
d) a integralizar.
e) subscrito a realizar.
(FGV/MPE-GO/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Em 01/01/X0, uma sociedade empresária tomou um empréstimo bancário no valor de R$6
milhões, sendo que R$3 milhões foram recebidos em 01/01/X0 e o restante será recebido em
01/01/X1. O pagamento do empréstimo será feito em parcelas semestrais ao longo de cinco
anos, a partir de 01/01/X2.
Assinale a opção que indica, respectivamente, o aumento no passivo circulante e no passivo não
circulante da sociedade empresária na data da contração do empréstimo.
a) Zero e zero.
b) Zero e R$3 milhões.
c) R$3 milhões e zero.
d) R$3 milhões e R$3 milhões.
e) Zero e R$6 milhões.
(FGV/IMBEL/2021)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
No balanço patrimonial de uma empresa devem ser considerados diversos tipos de bens. As
máquinas industriais utilizadas nos processos produtivos são exemplos de bens
a) de investimento.
b) imobilizados.
c) de venda.
d) de renda.
e) intangíveis.
(FGV/TCE-PI/2021)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Na apresentação do Balanço Patrimonial, as contas que compõem o grupo do Ativo
representam:
a) aplicações de recursos e devem ter saldo total igual ao Passivo mais Patrimônio Líquido;
b) aplicações de recursos e a riqueza líquida da entidade;
c) aplicações de recursos financiadas por capital de terceiros;
d) origens de recursos e devem ter saldo total igual ao Passivo;
e) origens de recursos para uso nas atividades operacionais.
(FGV/FunSaúde/2021)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
O Balanço Patrimonial apresenta os ativos, os passivos e o patrimônio líquido de uma entidade.
O Ativo não Circulante é subdividido em
a) Realizável a Longo Prazo, Investimentos, Imobilizado e Intangível.
b) Realizável a Longo Prazo, Investimentos, Imobilizado e Diferido.
c) Exigível a Longo Prazo, Permanente, Imobilizado e Diferido.
d) Exigível a Longo Prazo, Permanente, Imobilizado e Intangível.
e) Financeiro, Investimentos, Permanente e Diferido.
(FGV/IMBEL/2021)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
No balanço patrimonial de uma entidade, nos casos apresentados a seguir o ativo deve ser
classificado como circulante, à exceção de um. Assinale-o.
a) É mantido essencialmente com o propósito de ser negociado.
b) É utilizado na atividade operacional da empresa.
c) Espera-se que, após a data do balanço, seja realizado em até doze meses.
d) Espera-se que seja realizado ou vendido ou consumido no decurso normal do ciclo
operacional da entidade.
e) É caixa ou equivalente de caixa, a menos que sua troca ou uso para liquidação de passivo seja
vedada durante os doze meses após a data do balanço.
(FGV/FunSaúde/2021)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
De acordo com o Pronunciamento Técnico CPC 26 (R1)- Apresentação das Demonstrações
Contábeis, quando o ciclo operacional de uma entidade não for claramente identificável,
pressupõe-se que sua duração seja de
a) 30 dias.
b) 90 dias.
c) 12 meses.
d) 18 meses.
e) 4 anos.
# 3 DRE
Prof. Gilmar Possati
Padrão de exigência da FGV
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
a) ESTRUTURA DA DRE
Descrição de contas contábeis → solicita em qual parte da estrutura deve constar na DRE.
Exemplos de exigência: SEFAZ-ES, PC-AM, SEFAZ-AM, FunSaúde-CE
b) CÁLCULO DE RESULTADOS
Descrição de contas contábeis e respectivos saldos → solicita determinado resultado (financeiro,
bruto, líquido...).
Exemplos de exigência: SEFAZ-AM (2)
c) CPC 26
Tópicos sobre DRE presentes no CPC 26.
Exemplos de exigência: SEFIN-RO, CODEBA
(FGV/SEFAZ-ES/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Assinale a opção que indica apenas os tributos que incidem sobre as vendas e que são
contabilizados como dedução da Receita Bruta na Demonstração do Resultado do Exercício.
a) PIS e CSLL.
b) IPI e IR.
c) ICMS e ISS.
d) ISS e CSLL.
e) IR e ICMS.
(FGV/PC-AM/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Uma entidade que presta serviços de consultoria incorreu em R$ 20.000 referentes a despesa
de juros sobre empréstimos bancários.
Assinale a opção que indica o reconhecimento contábil dessa despesa na Demonstração do
Resultado do Exercício.
a) Despesas Operacionais.
b) Outras Despesas Operacionais.
c) Despesas Financeiras.
d) Distribuição do lucro.
e) Dedução da receita.
(FGV/SEFAZ-AM/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Uma indústria vendeu uma de suas máquinas por R$50.000, com o intuito de adquirir
maquinário mais moderno.
Assinale a opção que indica a contabilização da receita com a venda na Demonstração do
Resultado do Exercício da indústria.
a) Receitas comerciais.
b) Receitas financeiras.
c) Receitas operacionais.
d) Outras receitas operacionais.
e) Receitas não operacionais.
(FGV/FunSaúde/2021)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Assinale a opção que indica a contabilização na Demonstração do Resultado do Exercício que
foi instituída a partir das alterações da Lei nº 6.404/1976.
a) Contabilização das perdas estimadas com crédito de liquidação duvidosa como “Dedução da
Receita Bruta”.
b) Contabilização da despesa de depreciação como “Despesas Operacionais”.
c) Contabilização da venda do ativo imobilizado como “Outras receitas operacionais”.
d) Contabilização da receita de aluguel como “Receitas Financeiras”.
e) Contabilização da distribuição dos dividendos como “Despesas não Operacionais”.
(FGV/SEFAZ-AM/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Uma sociedade empresária, que presta serviços de consultoria, apresentou os seguintes saldos
em sua Demonstração do Resultado do Exercício, em 31/12/X0:
Receita de serviços: R$500.000;
Descontos concedidos: R$15.000;
Abatimentos: R$10.000;
Juros auferidos: R$50.000;
Prêmio de resgate de debêntures: R$16.000;
Receita com equivalência patrimonial: R$20.000;
Receita de títulos vinculados ao mercado aberto: R$21.000;
Custo dos Serviços Prestados: R$200.000;
Despesas gerais: R$80.000;
Comissões e despesas bancárias: R$8.000; e
Variações monetárias das obrigações: R$18.000.
Assinale a opção que indica o resultado financeiro da sociedade empresária, em 31/12/X0.
a) R$9.000. b) R$32.000. c) R$38.000. d) R$46.000. e) R$54.000.
(FGV/SEFAZ-AM/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Uma padaria apresentou os seguintes saldos em 31/12/X0:
Receita de Vendas: R$100.000; Perdas estimadas com crédito de liquidação duvidosa: R$3.000;
vendas canceladas: R$10.000; custo das mercadorias vendidas: R$50.000; Receita com a venda
de veículo que era utilizado para entregas: R$40.000; custo do veículo vendido: R$30.000;
impostos incidentes sobre as vendas de produtos: R$15.000.
Assinale a opção que indica o lucro bruto da padaria em 31/12/X0, evidenciado em sua
Demonstração do Resultado do Exercício.
a) R$22.000.
b) R$25.000.
c) R$35.000.
d) R$40.000.
e) R$50.000.
(FGV/Câmara de Taubaté/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Uma entidade apresentava os seguintes saldos em 31/12/X0: Receita de vendas: R$80.000;
Receitas financeiras: R$30.000; Custo das mercadorias vendidas: R$15.000; Despesas
financeiras: R$12.000; Despesas operacionais:R$35.000; Outras receitas e despesas
operacionais: R$28.000; Imposto de renda e contribuição social: R$25.840.
Assinale a opção que indica o lucro bruto da entidade na data.
a) R$30.000.
b) R$50.160.
c) R$58.000.
d) R$65.000.
e) R$76.000.
(FGV/SEFIN-RO/2018)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
A Cia. LOL elaborou sua Demonstração do Resultado do Exercício pelo método da natureza da
despesa.
Assinale a opção que contém apenas as contas classificadas de acordo com esse método.
a) Despesa com Benefícios a Empregados e Despesas Comerciais.
b) Variação do Estoque e Custo dos Produtos Vendidos.
c) Despesa de Depreciação e Consumo de Matéria Prima.
d) Despesa de Vendas e Despesas Administrativas.
e) Despesas Administrativas e Despesa de Amortização.
(FGV/CODEBA/2016)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
De acordo com o Pronunciamento Contábil CPC 26 (R1) - Apresentação das Demonstrações
Contábeis, as despesas de uma entidade devem ser subclassificadas a fim de destacar
componentes do desempenho que podem diferir em termos de frequência, potencial de ganho
ou de perda e previsibilidade.
Em relação à classificação das despesas, assinale a afirmativa correta.
a) Existem três formas de análise, o método da natureza da despesa, o método da função da
despesa e o método do setor da despesa.
b) Custos dos produtos vendidos, despesa com empregados e despesa com depreciação são
exemplos de despesas classificadas pelo método da natureza da despesa.
c) Despesas de vendas, despesas administrativas e despesas financeiras são exemplos de
despesas classificadas pelo método do setor da despesa.
d) As entidades que classificam seus gastos por função devem divulgar informação adicional
sobre a natureza das despesas, que é útil ao prever os futuros fluxos de caixa.
e) O Comitê dos Pronunciamentos Contábeis recomenda fortemente que a entidade utilize o
método do setor da despesa.
#4 RESERVAS E DIVIDENDOS
Prof. Gilmar Possati
Padrão de exigência da FGV
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
a) LITERALIDADE + DOUTRINA
Literalidade da Lei 6.404/64 + doutrina
Exemplos de exigência: PC-AM, SEFAZ-AM, SEAD-AP
b) CÁLCULO DE RESERVAS
Exemplos de exigência:
c) CÁLCULO DE DIVIDENDOS
Apresenta um BP + eventos → solicita o valor dos dividendos mínimos obrigatórios
Exemplos de exigência: SEMSA-Manaus
(FGV/PC-AM/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Assinale a opção que indica a contabilização da contrapartida do lançamento da reversão da
reserva de lucros a realizar constituída em anos anteriores, quando os lucros nela contidos forem
realizados financeiramente.
a) Dividendos a pagar.
b) Lucros acumulados.
c) Reserva de lucros.
d) Ações em Tesouraria.
e) Reserva de Ágio.
(FGV/SEFAZ-AM/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Assinale a opção que indica a reserva constituída no patrimônio líquido de uma sociedade
empresária com o objetivo de segregar uma parcela de lucros, correspondente a prováveis
perdas extraordinárias futuras, que deverão diminuir o resultado em exercícios futuros.
a) Legal.
b) Estatutárias.
c) Para contingências.
d) De lucros a realizar.
e) De lucros para expansão.
(FGV/TRT13/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
No exercício de X0, uma sociedade empresária constituiu reserva para contingências, no valor
de R$20.000, pois previa uma perda extraordinária futura.
Assinale o efeito que pode ocorrer em decorrência da constituição desta reserva.
a) Antecipação de possíveis prejuízos.
b) Obediência ao regime de competência.
c) Economia de imposto de renda a pagar.
d) Reconhecimento de perdas possíveis realizadas.
e) Uniformização dos dividendos anuais distribuídos.
(FGV/PC-AM/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Em 05/01/X1, uma entidade declarou dividendos referentes ao período contábil de X0 aos
detentores de instrumentos de patrimônio, em um montante superior ao valor obrigatório. A
parcela excedente ao montante obrigatório deve ser reconhecida como
a) passivo circulante.
b) passivo não circulante.
c) patrimônio líquido.
d) redutor do patrimônio líquido.
e) sem reconhecimento no balanço patrimonial.
(FGV/SEAD-AP/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Uma sociedade empresária apresentava o seguinte balanço patrimonial em 01/01/X0:
Em 31/12/X0, ela apurou prejuízo de R$35.000 em sua Demonstração do Resultado do
Exercício. Assinale a opção que indica a composição do patrimônio líquido após a absorção do
prejuízo, além do Capital Social, que era de R$200.000.
a) Reserva Legal: R$5.000.
b) Reserva Estatutária: R$5.000.
c) Prejuízos Acumulados: R$7.000; Reserva Legal: R$12.000.
d) Prejuízos Acumulados: R$3.000; Reserva Estatutária R$8.000.
e) Prejuízos Acumulados R$15.000; Reserva Legal R$12.000; Reserva Estatutária R$8.000.
(FGV/FunSaúde/2021)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
No Patrimônio Líquido, os valores recebidos por uma entidade para reforço de capital e que
não transitam pelo Resultado como receitas, são contabilizados como
a) Capital Social.
b) Reservas de Capital.
c) Ajustes de Avaliação Patrimonial.
d) Reservas de Lucros.
e) Reservas de incorporação.
(FGV/SEMSA-Manaus/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Uma sociedade empresária apresentava o seguinte balanço patrimonial em 31/12/X0:
No ano de X1 a sociedade empresária reconheceu os seguintes eventos:
• Receita líquida de vendas: R$80.000;
• Custo das mercadorias vendidas: R$20.000;
• Despesas operacionais: R$10.000;
• Receita financeira: R$15.000;
• Imposto de renda e contribuição social sobre o lucro: 20% do lucro antes do imposto de
renda e contribuição social.
Além disso, de acordo com o estatuto da sociedade empresária, ela deve distribuir dividendos
mínimos obrigatórios de 25% do lucro líquido ajustado. Todas as receitas são tributáveis e as
despesas dedutíveis.
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Assinale a opção que indica o valor dos dividendos distribuídos pela sociedade empresária em
31/12/X1.
a) R$12.350.
b) R$12.500.
c) R$12.850.
d) R$15.438.
e) R$16.250.
(FGV/SEFIN-RO/2018)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Em 31/12/2015, a Cia. WWW apresentava o seguinte balanço patrimonial:
No ano de 2016, a sociedade empresária auferiu receitas e incorreu em despesas, gerando um lucro
líquido de R$ 160.000.
Dado que a Cia. WWW distribuiu dividendos mínimos obrigatórios de 25% do lucro líquido ajustado,
assinale a opção que indica o valor dos dividendos a pagar, em 31/12/2016.
a) R$ 30.000.
b) R$ 33.750.
c) R$ 38.000.
d) R$ 38.750.
e) R$ 40.000.
#5 DFC
Prof. Gilmar Possati
Padrão de exigência da FGV
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
a) CLASSIFICAÇÃO NOS FLUXOS
Apresenta alguns fatos (às vezes com saldos) e solicita a classificação/impacto nos fluxos
(operações, investimentos e financiamentos)
Exemplos de exigência: SENADO, SEFAZ-ES, PC-AM, TJ-TO, MPE-GO, SEFAZ-AM
b) LITERALIDADE DA NBC TG/CPC 03
Explora tópicos literais da norma/pronunciamento
Exemplos de exigência: PC-AM, TRT16, TJDFT
c) CÁLCULO LUCRO AJUSTADO/FLUXO DAS OPERAÇÕES
Explora tópicos literais da norma/pronunciamento
Exemplos de exigência: SENADO, TRT16, TCE-TO
Classificação nos Fluxos
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
(FGV/Senado/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
No ano de X0, os sócios de uma sociedade empresária aumentaram o seu capital social, integralizando
R$100.000, sendo R$40.000 em estoques e R$60.000 em terreno destinado à valorização. No ano de X1,
metade do estoque foi vendida por R$50.000 à vista, enquanto o terreno foi vendido por R$80.000 à vista.
Assinale a opção que indica, respectivamente, o fluxo de caixa gerado pelas atividades operacional, de
investimento e de financiamento, contabilizados na Demonstração dos Fluxos de Caixa da sociedade
empresária, em 31/12/X1.
(A) R$50.000 / R$80.000 / zero.
(B) R$50.000 / zero / R$80.000.
(C) Zero / R$80.000 / R$50.000.
(D) Zero / zero / R$100.000.
(E) Zero / zero / R$130.000.
(FGV/SEFAZ-ES/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Uma sociedadeempresária do ramo imobiliário possuía um edifício com salas comerciais.
Enquanto não conseguia vender as salas, ela as alugava a terceiros.
Em dezembro de X0, as salas foram vendidas por R$ 100.000. Do valor, metade foi recebido à
vista e o restante, em janeiro de X1.
Assinale a opção que indica o impacto da venda na Demonstração dos Fluxos de Caixa da
sociedade empresária, em 31/12/X0.
a) Aumento de R$ 100.000 na atividade de investimento.
b) Aumento de R$ 100.000 na atividade de financiamento.
c) Aumento de R$ 50.000 na atividade de investimento.
d) Aumento de R$ 50.000 na atividade de financiamento.
e) Aumento de R$ 50.000 na atividade operacional.
(FGV/PC-AM/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Uma entidade do setor de varejo recebe juros por aplicações financeiras. De acordo com o CPC
03 (R2) – Demonstração dos Fluxos de Caixa, na Demonstração dos Fluxos de Caixa elaborada
pelo método direto, o montante recebido em dinheiro é contabilizado como fluxo de caixa
gerado pela atividade
a) operacional, apenas.
b) de investimento, apenas.
c) de financiamento, apenas.
d) operacional ou de financiamento.
e) operacional ou de investimento.
(FGV/TJ-TO/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Na estrutura de apresentação da Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC), os fluxos de caixa
advindos das atividades operacionais são basicamente derivados das principais atividades
geradoras de receita da entidade. Na apuração do fluxo de caixa líquido das atividades
operacionais, devem ser considerados(as):
a) adiantamentos em caixa e empréstimos feitos a terceiros (exceto se feitos por instituição
financeira);
b) caixa recebido pela emissão de ações ou outros instrumentos patrimoniais;
c) caixa recebido pela emissão de debêntures, empréstimos, notas promissórias, hipotecas de
curto e longo prazos;
d) recebimentos e pagamentos de caixa de contratos mantidos para negociação imediata ou
disponíveis para venda futura;
e) recebimentos de caixa provenientes da venda de instrumentos patrimoniais de outras
entidades e participações societárias em joint ventures.
(FGV/MPE-GO/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Em janeiro de X0, uma entidade comprou, à vista, móveis para o seu escritório, por R$20.000.
Na data, pagou o frete e o seguro para o transporte dos móveis até a sede da empresa, no
valor de R$500 e de R$800, respectivamente.
Assinale a opção que indica o fluxo de caixa consumido, respectivamente, pela atividade
operacional e pela atividade de investimento, apresentado na Demonstração dos Fluxos de
Caixa da entidade, elaborada pelo Método Direto.
a) Zero e R$21.300.
b) R$500 e R$20.000.
c) R$800 e R$20.000.
d) R$1.300 e R$20.000.
e) R$21.300 e zero.
(FGV/SEFAZ-AM/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Em 01/01/X0, uma sociedade empresária contrai um empréstimo bancário de longo prazo no
valor de R$100.000. Pelo empréstimo, ela reconhece e paga juros trimestrais de R$10.000.
Na elaboração de sua Demonstração dos Fluxos de Caixa, os contadores da sociedade
empresária optam por não seguir o encorajamento do Pronunciamento Técnico CPC 03 (02) -
Demonstração dos Fluxos de Caixa, evidenciando o fato em nota explicativa.
Assinale a opção que indica o impacto gerado na Demonstração dos Fluxos de Caixa da
sociedade empresária, em 31/12/X0.
a) Aumento de R$60.000 na atividade operacional.
b) Aumento de R$60.000 na atividade de investimento.
c) Aumento de R$60.000 na atividade de financiamento.
d) Aumento de R$100.000 na atividade de financiamento e diminuição de R$40.000 na
atividade operacional.
e) Aumento de R$100.000 na atividade de investimento e diminuição de R$40.000 na atividade
operacional.
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
33. Os juros pagos e recebidos e os dividendos e os juros sobre o capital próprio recebidos são
comumente classificados como fluxos de caixa operacionais em instituições financeiras. Todavia,
não há consenso sobre a classificação desses fluxos de caixa para outras entidades. Os juros pagos
e recebidos e os dividendos e os juros sobre o capital próprio recebidos podem ser classificados
como fluxos de caixa operacionais, porque eles entram na determinação do lucro líquido ou
prejuízo. Alternativamente, os juros pagos e os juros, os dividendos e os juros sobre o capital
próprio recebidos podem ser classificados, respectivamente, como fluxos de caixa de
financiamento e fluxos de caixa de investimento, porque são custos de obtenção de recursos
financeiros ou retornos sobre investimentos
Encorajamento/Recomendação (CPC 03)
Juros Recebidos ou pagos: Atividades Operacionais
Dividendos e Juros sobre o capital próprio recebidos: Atividades operacionais
Dividendos e Juros sobre o capital próprio pagos: Atividades de financiamento
Literalidade da NBC TG/CPC 03
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
(FGV/PC-AM/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
A Demonstração dos Fluxos de Caixa deve apresentar os fluxos de caixa do período
classificados como atividades operacionais, de investimento e de financiamento. Assinale a
opção que indica uma transação que pode incluir fluxos de caixa classificados em mais de uma
atividade, de acordo com as recomendações do Pronunciamento Técnico CPC 03 (R2) –
Demonstração dos Fluxos de Caixa.
a) Captação de debênture de longo prazo.
b) Aumento de capital social pelos acionistas, sendo uma parte em dinheiro e o restante por
meio de imóveis.
c) Pagamento de dividendos obrigatório e adicionais aos acionistas.
d) Pagamento simultâneo de principal e juros de empréstimo bancário.
e) Pagamentos a investidores para adquirir ou resgatar ações da entidade.
(FGV/PC-AM/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Uma sociedade empresária reconheceu e pagou imposto de R$ 2.000 referente à venda de um
veículo que era utilizado em sua atividade operacional.
Na Demonstração dos Fluxos de Caixa da sociedade empresária, o imposto pago deve ser
reconhecido como
a) Ajuste do lucro.
b) Caixa e equivalentes de caixa.
c) Atividade Operacional.
d) Atividade de Investimento.
e) Atividade de Financiamento.
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
36. Os tributos sobre o lucro (IR e CSLL) resultam de transações que originam fluxos de caixa que são
classificados como atividades operacionais, de investimento ou de financiamento na demonstração dos
fluxos de caixa. Embora a despesa com impostos possa ser prontamente identificável com as atividades
de investimento ou de financiamento, torna-se, às vezes, impraticável identificar os respectivos fluxos de
caixa dos impostos, que podem, também, ocorrer em período diferente dos fluxos de caixa da transação
subjacente. Portanto, os impostos pagos são comumente classificados como fluxos de caixa das
atividades operacionais. Todavia, quando for praticável identificar o fluxo de caixa dos impostos com uma
determinada transação, da qual resultem fluxos de caixa que sejam classificados como atividades de
investimento ou de financiamento, o fluxo de caixa dos impostos deve ser classificado como atividade de
investimento ou de financiamento, conforme seja apropriado. Quando os fluxos de caixa dos impostos
forem alocados em mais de uma classe de atividade, o montante total dos impostos pagos no período
também deve ser divulgado.
(FGV/TRT16/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
De acordo com a NBC TG 03 (R3) – Demonstração dos Fluxos de Caixa, os tributos sobre o
lucro resultam de transações que originam fluxos de caixa que são classificados como atividades
operacionais, de investimento ou de financiamento na demonstração dos fluxos de caixa.
Quando for impraticável identificar o fluxo de caixa dos impostos com determinada transação,
deve-se classificar os impostos pagos como
a) Ajustes ao lucro líquido.
b) Caixa e equivalente de caixa.
c) Fluxo de caixa gerado pela atividade operacional.
d) Fluxo de caixa gerado pela atividade de investimento.
e) Fluxo de caixa gerado pela atividade de financiamento.
(FGV/TRT16/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
As despesascom depreciação e com provisões são apresentadas na Demonstração dos Fluxos
de Caixa quando ela é elaborada pelo método
a) direto, apenas.
b) indireto, apenas.
c) direto e indireto.
d) fixo, apenas.
e) variável, apenas.
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
19. Pelo método direto, as informações sobre as principais classes de recebimentos brutos e de
pagamentos brutos podem ser obtidas alternativamente:
(a) dos registros contábeis da entidade; ou
(b) pelo ajuste das vendas, dos custos dos produtos, mercadorias ou serviços vendidos (no caso de
instituições financeiras, pela receita de juros e similares e despesa de juros e encargos e similares) e
outros itens da demonstração do resultado ou do resultado abrangente referentes a:
(i) variações ocorridas no período nos estoques e nas contas operacionais a receber e a pagar;
(ii) outros itens que não envolvem caixa; e
(iii) outros itens tratados como fluxos de caixa advindos das atividades de investimento e de
financiamento.
20. De acordo com o método indireto, o fluxo de caixa líquido advindo das atividades operacionais é
determinado ajustando o lucro líquido ou prejuízo quanto aos efeitos de:
(a) variações ocorridas no período nos estoques e nas contas operacionais a receber e a pagar;
(b) itens que não afetam o caixa, tais como depreciação, provisões, tributos diferidos, ganhos e perdas
cambiais não realizados e resultado de equivalência patrimonial quando aplicável; e
(c) todos os outros itens tratados como fluxos de caixa advindos das atividades de investimento e de
financiamento.
(FGV/TJDFT/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Na perspectiva da Demonstração dos Fluxos de Caixa, os equivalentes de caixa são mantidos
com a finalidade de atender a compromissos de caixa de curto prazo. Quanto a esse
componente, o Pronunciamento CPC 03 dispõe que:
a) a gestão de caixa desconsidera o investimento do excesso de caixa em equivalentes de caixa;
b) há circunstâncias em que saldos bancários a descoberto são incluídos como componente de
caixa e equivalentes de caixa;
c) um investimento normalmente deve ser enquadrado como equivalente de caixa se for
resgatável a partir de noventa dias;
d) o risco de mudança de valor é um fator secundário na qualificação de um investimento como
equivalente de caixa;
e) investimentos em instrumentos patrimoniais são considerados como equivalentes de caixa se
forem resgatáveis no curto prazo.
Cálculos Lucro Ajustado/Fluxo Operacional
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
(FGV/Senado/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Uma sociedade empresária apresentou a seguinte Demonstração do Resultado do Exercício em 31/12/X0.
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
As despesas administrativas têm a seguinte composição:
• Despesa de depreciação: R$50.000
• Salários (pagos imediatamente): R$100.000
Já as despesas comerciais têm a seguinte composição:
• Comissão de vendedores (pagas à vista): R$25.000
• Perdas estimadas com crédito de liquidação duvidosa: R$20.000
• Depreciação: R$35.000
Já as outras receitas e despesas operacionais têm a seguinte composição:
• Receita com a venda de ativos imobilizados (à vista): R$85.000
• Baixa dos ativos imobilizados vendidos: R$55.000
Assinale a opção que indica o lucro ajustado calculado para efeito da Demonstração dos Fluxos de Caixa,
elaborada pelo método indireto.
(A) R$324.600.
(B) R$389.600.
(C) R$424.600.
(D) R$444.600.
(E) R$474.600.
(FGV/TRT16/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Uma entidade apresentava os seguintes saldos em seu balanço patrimonial em 01/12/X0:
Caixa: R$100.000; Clientes: R$40.000; Terrenos: R$30.000; Capital Social: R$170.000.
Em dezembro de X0, aconteceram os seguintes fatos:
• Recebimento do saldo de clientes.
• Pagamento de R$36.000, referente a um ano de aluguel antecipado, com início
imediato.
• Aumento de capital social de R$25.000 em dinheiro.
• Contração de empréstimo bancário no valor de R$15.000.
• Compra de R$50.000 em estoque, para pagamento em 90 dias.
• Venda à vista de metade do estoque por R$48.000.
• Compra de moto que será utilizada para entregas por R$32.000 à vista.
Assinale a opção que indica o fluxo de caixa gerado pela atividade operacional da entidade
nesse mês.
a) R$20.000.
b) R$35.000.
c) R$52.000.
d) R$67.000.
e) R$85.000.
(FGV/TCE-TO/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
As variações entre dois Balanços Patrimoniais de uma empresa demonstraram as seguintes
mutações:
O caixa era de R$ 378.511 no início do ano e de R$ 418.819 no fim do ano. A empresa não
vendeu nenhum imobilizado durante o ano, e o lucro líquido foi de R$ 474.378.
Considerando que não houve outra operação que afetou o ativo circulante e o passivo
circulante, o fluxo de caixa das atividades operacionais foi de:
a) R$ 40.308;
b) R$ 347.803;
c) R$ 474.378;
d) R$ 835.860;
e) R$ 1.143.355.
#6 DVA
Prof. Gilmar Possati
Padrão de exigência da FGV
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
a) ESTRUTURA DA DVA
Descrição de contas contábeis → solicita em qual parte da estrutura deve constar na DVA.
Exemplos de exigência: PC-AM, IMBEL, SEFAZ-ES, FunSaúde-CE
b) CÁLCULO DO VALOR ADICIONADO (PARTE I DA DVA)
Rol de contas e saldos → solicita o valor adicionado (recebido em transferência, bruto, líquido)
Exemplos de exigência: IMBEL, FunSaúde-CE
c) CÁLCULO DA DISTRIBUIÇÃO DO VALOR ADICIONADO (PARTE II DA DVA)
BP + fatos → solicita a distribuição
Exemplos de exigência: SEFAZ-AM, IMBEL
d) LITERALIDADE NBC TG/CPC 09:
Tópicos literais da norma/CPC
Exemplos de exigência: SEFAZ-ES
Estrutura da DVA
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
(FGV/PC-AM/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Na elaboração da Demonstração do Valor Adicionado, são incluídos em “Insumos Adquiridos
de Terceiros” e considerados para a obtenção do Valor Adicionado Bruto:
a) créditos de liquidação duvidosa.
b) depreciação, amortização e exaustão.
c) perda e recuperação de valores ativos.
d) resultado de equivalência patrimonial.
e) receita relativa à construção de ativos próprios.
(FGV/SEFAZ-ES/2021)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Uma sociedade empresária reconhece um terreno mantido para valorização pelo seu valor justo.
Em 31/12/X1 a sociedade empresária constatou que o valor justo do terreno passou de R$
100.000 para R$ 120.000. Assinale a opção que indica a correta contabilização destes R$ 20.000
na Demonstração do Valor Adicionado da empresa, em 31/12/X1.
a) Outras Receitas.
b) Valor Adicionado recebido em transferência.
c) Remuneração de capital próprio.
d) Remuneração de capital de terceiros.
e) O valor não é evidenciado na Demonstração do Valor Adicionado.
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
17. Os resultados da empresa são afetados sempre que houver a realização dos respectivos
ativos reavaliados ou avaliados ao valor justo. Quando a realização de determinado ativo
ocorrer pelo processo normal de depreciação, por consequência, a DVA também é afetada.
Assim, no momento da realização da reavaliação ou da avaliação ao valor justo, deve-se incluir
esse valor como “outras receitas” na DVA, bem como se reconhecem os respectivos tributos
na linha própria de impostos, taxas e contribuições.
(FGV/FunSaúde-CE/2021)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Na elaboração da Demonstração do Valor Adicionado, os valores relativos a ajustes por
avaliação a valor de mercado de investimentos, devem ser reconhecidos como
a) outras receitas.
b) insumos adquiridos de terceiros.
c) valor adicionado recebido em transferência.
d) remuneração de capitais de terceiros.
e) remuneração de capitais próprios.
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Insumos adquiridos de terceiros
Perda e recuperação de valores ativos - inclui valores relativos a ajustes por avaliação a valor de mercado
de estoques, imobilizados, investimentos, etc. Também devem ser incluídos os valores reconhecidos no
resultado do período, tanto na constituição quanto na reversão de provisão para perdas por
desvalorização de ativos, conforme aplicação doCPC 01 – Redução ao Valor Recuperável de Ativos (se no
período o valor líquido for positivo, deve ser somado).
• Ganho por avaliação a Valor Justo = Outras Receitas
• Ajuste por avaliação a valor de mercado = Perdas/recuperações de valores ativos (Insumos Adquiridos de
Terceiros)
(FGV/FunSaúde-CE/2021)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Em X1, uma sociedade empresária resolveu distribuir como dividendos, parte do lucro auferido
no ano de X0.
Assinale a opção que indica o tratamento contábil destes dividendos na Demonstração do Valor
Adicionado, em 31/12/X1.
a) Ajustes de exercícios anteriores.
b) Remuneração de capitais de terceiros.
c) Remuneração de capitais próprios.
d) Valor adicionado recebido em transferência.
e) Não devem ser contabilizados.
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Remuneração de capitais próprios - valores relativos à remuneração atribuída aos sócios e acionistas.
Juros sobre o capital próprio (JCP) e dividendos - inclui os valores pagos ou creditados aos sócios
e acionistas por conta do resultado do período, ressalvando-se os valores dos JCP transferidos
para conta de reserva de lucros. Devem ser incluídos apenas os valores distribuídos com base no
resultado do próprio exercício, desconsiderando-se os dividendos distribuídos com base em lucros
acumulados de exercícios anteriores, uma vez que já foram tratados como “lucros retidos” no
exercício em que foram gerados.
Dividendos referente ao resultado do exercício: remuneração de capitais próprios
Dividendos de exercícios anteriores: não entram na DVA
(FGV/IMBEL/2021)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Uma entidade comercial incide em tributos sobre as vendas ao realizar as suas operações. Na
Demonstração do Valor Adicionado, os valores destes tributos devem ser contabilizados em
a) receitas de vendas de mercadorias.
b) insumos adquiridos de terceiros.
c) valor adicionado recebido em transferência.
d) distribuição da riqueza-impostos, taxas e contribuições.
e) distribuição da riqueza-remuneração de capitais de terceiros.
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Tributos incidentes sobre a venda (ICMS, por exemplo): entra no grupo “receitas” da DVA (1ª parte).
Tributos incidentes sobre o lucro (IR/CSLL): entra na distribuição da riqueza (2ª parte da DVA).
ICMS sobre vendas = compõe a receita = grupo “receitas” da DVA
ICMS sobre compras = compõe o CMV = grupo “insumos adquiridos de terceiros” da DVA
Apenas o efetivamente recolhido é que vai constar na 2ª parte da DVA como distribuição
(ICMS s/ vendas – ICMS s/ Compras).
Segundo o CPC 09,
[...] Os impostos não cumulativos devem ser considerados pelos valores efetivamente
recolhidos ou devidos ao fisco [...]
Cálculo do Valor Adicionado (Parte I da DVA)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
(FGV/SEAD-AP/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Uma entidade apresentava os seguintes saldos em sua Demonstração do Valor Adicionado em
31/12/X0: Receita de Vendas: R$200.000; Receitas com juros: R$20.000; Custo das mercadorias
vendidas: R$80.000; Despesas com juros: R$25.000; Despesas de salários: R$50.000; Despesas
de aluguel: R$36.000; Resultado de equivalência patrimonial: R$50.000; Variações cambiais
ativas: R$18.000. Assinale a opção que indica o valor adicionado recebido em transferência em
31/12/X0.
a) R$38.000.
b) R$50.000.
c) R$63.000.
d) R$70.000.
e) R$88.000.
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Valor adicionado recebido em transferência
Resultado de equivalência patrimonial – o resultado da equivalência pode representar receita ou
despesa; se despesa, deve ser considerado como redução ou valor negativo.
Receitas financeiras – inclui todas as receitas financeiras, inclusive as variações cambiais ativas,
independentemente de sua origem.
Outras receitas – inclui os dividendos relativos a investimentos avaliados ao custo, aluguéis, direitos de
franquia, etc.
(FGV/IMBEL/2021)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Uma empresa de consultoria auferiu as seguintes receitas, em determinado período.
• Prestação de serviços: R$ 200.000
• Venda de ativo imobilizado: R$ 100.000
• Equivalência Patrimonial: R$ 50.000
• Financeiras: R$ 30.000
• Aluguel: R$ 20.000
Assinale a opção que indica o valor adicionado recebido em transferência, evidenciado na
Demonstração do Valor Adicionado da entidade.
a) R$ 50.000
b) R$ 70.000
c) R$ 100.000
d) R$ 150.000
e) R$ 200.000
(FGV/IMBEL/2021)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Uma empresa apresenta a seguinte Demonstração do Resultado do Exercício, em 31/12/X0.
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Em relação à Demonstração do Valor Adicionado da empresa, em 31/12/X0, assinale a
afirmativa correta.
a) O valor adicionado bruto é de R$ 270.000.
b) O valor adicionado a distribuir é de R$ 230.000.
c) O valor adicionado recebido em transferência é de R$ 20.000.
d) A remuneração de capital de terceiros é de 37,04% do valor adicionado a distribuir.
e) A remuneração do capital próprio é de 41,56% do valor adicionado a distribuir.
Dica para resolução rápida: Partimos das informações presentes na DRE. No caso dessa questão,
temos:
Lucro líquido = remuneração de capitais próprios
Despesa financeira = remuneração de capitais de terceiros
IRCS = Impostos, taxas e contribuições
Salários (empregados próprios) = pessoal
O total desses valores será a nossa distribuição do valor adicionado (270.000,00). Aí bastaria
executar a participação (12.200/270.000).
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
DESCRIÇÃO
1 – RECEITAS 520.000,00
1.1 Vendas de mercadorias, produtos e serviços 500.000,00
1.2 Outras receitas 20.000,00
2 – INSUMOS ADQUIRIDOS DE TERCEIROS 
(inclui os valores dos impostos – ICMS, IPI, PIS e COFINS)
200.000,00
2.1 CMV 200.000,00
3 – VALOR ADICIONADO BRUTO (1-2) 320.000,00
4 – DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO E EXAUSTÃO 50.000,00
5 – VALOR ADICIONADO LÍQUIDO PRODUZIDO PELA ENTIDADE (3-4) 270.000,00
6 – VALOR ADICIONADO RECEBIDO EM TRANSFERÊNCIA 0,00
7 – VALOR ADICIONADO TOTAL A DISTRIBUIR (5+6) 270.000,00
8 – DISTRIBUIÇÃO DO VALOR ADICIONADO 270.000,00
8.1) Pessoal 60.000,00*
8.2) Impostos, taxas e contribuições 57.800,00**
8.3) Remuneração de capitais de terceiros 40.000,00***
8.4) Remuneração de capitais próprios 112.000,00****
* salários; **IR/CSLL; *** despesa financeira; **** Lucro líquido
Remuneração de capitais próprio corresponde a: 12.200/270.000 = 41,56%
(FGV/FunSaúde-CE/2021)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Uma entidade apresentou os seguintes saldos em 31/12/X0:
• Receita com a venda de mercadorias: R$ 70.000;
• Custo da mercadoria vendida: R$ 20.000;
• Receita com a venda de ativo imobilizado: R$ 25.000;
• Custo do ativo imobilizado vendido: R$ 12.000;
• Despesa de salários de empregados próprios: R$ 15.000;
• Despesa de salários de empregados terceirizados: R$ 8.000;
• Despesa de depreciação: R$ 6.000;
• Despesa de aluguel: R$ 12.000;
• Despesa com perdas estimadas com crédito de liquidação duvidosa: R$ 5.000.
Assinale a opção que indica o Valor Adicionado Bruto da entidade, em 31/12/X0.
a) R$ 32.000
b) R$ 38.000
c) R$ 44.000
d) R$ 50.000
e) R$ 63.000
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
1 – Receitas 78.000,00
Vendas de mercadorias 70.000,00
Resultado Venda imobilizado 13.000,00 (25.000-12.000)
PECLD – Constituição (5.000,00)
2 - Insumos Adquiridos de Terceiros 28.000,00
CMV 20.000,00
Despesa salários (terceirizados)8.000,00
3 - Valor Adicionado Bruto (1-2) 50.000,00
Fique alerta!
Despesa de salários de empregados próprios: Não entra na primeira parte da DVA. Entra na segunda
parte (distribuição a pessoal)
Despesa de salários de empregados terceirizados: Entra como “serviços de terceiros” (primeira parte
da DVA)
Distribuição do Valor Adicionado (Parte II da DVA)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
(FGV/SEFAZ-AM/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Uma sociedade empresária apresenta o seguinte balanço patrimonial, em 31/12/X0.
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
O investimento rende juros de R$12.000ao ano.
No ano de X0 aconteceram os seguintes fatos:
• Pagamento dos dividendos que estavam no passivo.
• Venda de todo o estoque por R$160.000 à vista.
• Reconhecimento e pagamento de despesa de salários no valor de R$54.000, sendo
R$20.000 a empregados próprios e, R$34.000, para mão de obra terceirizada.
• Reconhecimento e pagamento de despesas de aluguel de sala comercial utilizada no
ano, no valor de R$36.000.
• Reconhecimento da receita de juros do investimento.
• Reconhecimento do imposto sobre a renda com base na alíquota de 24% do lucro antes
do imposto sobre a renda.
• Distribuição de 25% do lucro líquido a título de dividendos.
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Os contadores elaboraram a Demonstração do Valor Adicionado do seguinte modo:
Com base nas informações acima, assinale a opção que indica o preenchimento correto da
tabela de A a D, considerando que não há diferença entre o tratamento contábil e o tributável.
a) 16,67%; 8,40%; 38,33%; 36,60%.
b) 18,18%; 9,16%; 32,73%; 39,93%.
c) 18,52%; 9,33%; 42,56%; 29,56%.
d) 20,41%; 10,29%; 36,73%; 32,57%.
e) 23,24%; 11,71%; 41,83%; 23,22%.
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
DRE
Receita Líquida de Vendas 160.000
(-) CMV (40.000)
= Lucro Bruto 120.000
(-) Despesas salários (54.000)
(-) Despesas aluguel (36.000)
(+) Rec. Financeiras 12.000
(=) LAIR 42.000
(-) IR 10.080 (42.000 x 24%)
(=) Lucro Líquido do Exercício 31.920
DVA
Receitas 160.000
(-) Insumos de Terceiros (74.000) (40.000 + 34.000)
(=) Valor Adicionado Bruto 86.000
(-) Retenções (zero)
(=) Valor Adicionado Líquido 86.000
(+) VA Recebido em Transferência 12.000
(=) Valor Adicionado a Distribuir 98.000
Pessoal = 20.000,00 (despesa com empregados próprios)
Governo (impostos, taxas e contribuições) = 10.080,00 (Imposto de Renda da DRE)
Capital de Terceiros = 36.000,00 (despesa de aluguel)
Capital Próprio = 31.920,00 (dividendos de 7.980,00 – 25% do lucro líquido – e o restante de lucros retidos)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Resposta FGV:
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Dicas para resolução rápida:
1) sempre observar o padrão das respostas. Nesse caso, o examinador facilitou, pois os percentuais são
diferentes, logo bastaria você calcular uma distribuição e pronto!
2) Você não precisaria desenvolver a DRE. Poderia elaborar a DVA e encontrar o valor adicionado a
distribuir (no caso 98.000). Pegar a remuneração direta (20.000) e achar o percentual (20/98).
3) Alternativamente, você não precisaria desenvolver a DVA. Poderia elaborar a DRE e dela extrair a
distribuição para governo (10.080 do IR) e a distribuição para capitais próprios (31.920 do lucro). Além disso, no
enunciado você já possui as informações sobre a distribuição para pessoal (20.000 da remuneração direta) e a
distribuição para terceiros (36.000 do aluguel). Logo, bastaria pegar uma dessas distribuições e dividir pela soma
de todas as distribuições (20.000 + 10.080 + 36.000 + 31.920).
(FGV/IMBEL/2021)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Uma entidade construiu uma máquina para utilizar em seus negócios. Na construção, ela
incorreu nos seguintes gastos:
• Materiais: R$ 30.000.
• Juros sobre empréstimos tomados para a construção da máquina: R$ 8.000.
• Mão de obra da entidade: R$ 40.000.
• Mão de obra terceirizada: R$ 15.000.
Assinale a opção que indica a contabilização dos fatores incorridos durante a construção na
Demonstração do Valor Adicionado da entidade.
a) Insumos adquiridos de terceiros: R$ 30.000; Distribuição do Valor Adicionado: R$ 63.000.
b) Insumos adquiridos de terceiros: R$ 38.000; Distribuição do Valor Adicionado: R$ 55.000.
c) Insumos adquiridos de terceiros: R$ 45.000; Distribuição do Valor Adicionado: R$ 48.000.
d) Insumos adquiridos de terceiros: R$ 53.000; Distribuição do Valor Adicionado: R$ 40.000.
e) Insumos adquiridos de terceiros: R$ 85.000; Distribuição do Valor Adicionado: R$ 8.000.
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
Ativos construídos pela empresa para uso próprio
19. A construção de ativos dentro da própria empresa para seu próprio uso é procedimento comum. Nessa
construção diversos fatores de produção são utilizados, inclusive a contratação de recursos externos (por
exemplo, materiais e mão-de-obra terceirizada) e a utilização de fatores internos como mão-de-obra, com
os conseqüentes custos que essa contratação e utilização provocam. Para elaboração da DVA, essa
construção equivale a produção vendida para a própria empresa, e por isso seu valor contábil integral
precisa ser considerado como receita. A mão-de-obra própria alocada é considerada como distribuição
dessa riqueza criada, e eventuais juros ativados e tributos também recebem esse mesmo tratamento. Os
gastos com serviços de terceiros e materiais são apropriados como insumos.
• Materiais = Insumos Adquiridos de Terceiros (R$ 30 mil)
• Juros s/ empréstimos tomados p/ construção máquina = Distribuição Valor
Adicionado (R$ 8 mil)
• Mão de obra da entidade = Distribuição Valor Adicionado (R$ 40 mil)
• Mão de obra terceirizada = Insumos Adquiridos de Terceiros (R$ 15 mil)
Literalidade da NBC TG/CPC 09
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
(FGV/SEFAZ-ES/2022)
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
De acordo com a NBC TG 09 – Demonstração do Valor Adicionado, a DVA está fundamentada
em conceitos macroeconômicos, buscando apresentar a parcela de contribuição que a entidade
tem na formação do Produto Interno Bruto (PIB).
O conceito econômico e o conceito contábil irão convergir quando
a) não existirem estoques inicial e final.
b) toda a receita auferida pela venda do estoque for recebida.
c) todas as despesas forem pagas à vista.
d) não incidirem tributos sobre a venda.
e) a entidade utilizar o regime de competência para reconhecimento de suas transações.
@profgilmarpossati @canalcontabilizando
11. Existem, todavia, diferenças temporais entre os modelos contábil e econômico no cálculo do valor
adicionado. A ciência econômica, para cálculo do PIB, baseia-se na produção, enquanto a contabilidade
utiliza o conceito contábil da realização da receita, isto é, baseia-se no regime contábil de competência.
Como os momentos de realização da produção e das vendas são normalmente diferentes, os valores
calculados para o PIB por meio dos conceitos oriundos da Economia e os da Contabilidade são
naturalmente diferentes em cada período. Essas diferenças serão tanto menores quanto menores forem as
diferenças entre os estoques inicial e final para o período considerado. Em outras palavras, admitindo-se a
inexistência de estoques inicial e final, os valores encontrados com a utilização de conceitos econômicos e
contábeis convergirão.
Instagram: @profgilmarpossati
Telegram: @canalcontabilizando
Canal You Tube: Contabilizando

Outros materiais

Materiais relacionados

Perguntas relacionadas

Materiais recentes

Perguntas Recentes