Buscar

02_Resumo - Interação com o hospedeiro



Continue navegando


Prévia do material em texto

Transmissão e porta de entrada 
A disseminação pessoa a pessoa ocorre pela 
transferência de secreções respiratórias, saliva, 
sangue ou sêmen e pela contaminação fecal de 
água e de alimentos. Até mesmo por contato 
direto ou indireto (fômites). 
Suas portas de entrada são variadas, por 
exemplo, pelo trato respiratório, trato 
gastrointestinal, pele, trato genital, sangue e 
transplacentária. 
 
Penetração nas células (tropismo) 
 
Replicação do vírus e danos às células 
Disseminação do vírus para outras células e 
órgãos 
 
Morte celular ou não 
e 
Ativação da imunidade 
 
Os organismos possuem um sistema 
denominado sistema imunológico, cuja principal 
função é combater os patógenos de forma a de 
manter a saúde, garantindo a sobrevivência. 
Ele está dividido em sistema imune inato e 
sistema imune adaptativo; mas, apesar da 
divisão, as imunidades inata e adaptativa 
atuam em conjunto. 
o Imunidade inata (não específica): inclui 
a primeira e segunda linha de defesa. Esse 
tipo de imunidade já nasce com a pessoa, 
representada por barreiras físicas, químicas 
e biológicas. 
• Ex: pele, muco, suor, lágrimas, 
plaquetas, cílios e suco gástrico. 
• Representada pelas células: Natural 
Killer (NK), Macrófago e Dentríticas. 
Os principais mecanismos da imunidade 
inata são fagocitose, liberação de mediadores 
inflamatórios e ativação de proteínas. 
Se a imunidade inata não funciona ou não 
é suficiente, a imunidade adquirida entra em 
ação. 
o Imunidade adaptativa (específica): 
inclui a terceira linha de defesa. É a defesa 
adquirida ao longo da vida, tanto adquirida 
ativamente por exposição ao vírus quanto 
adquirida passivamente pela transferência 
de soro imune. 
• Constitui mecanismos desenvolvidos 
para expor as pessoas com o objetivo 
de fazer evoluir as defesas do corpo. 
• Depende da ativação de células 
especializadas, os linfócitos. 
• Representada pelas células: 
Linfócitos T e Linfócitos B. 
• Apresenta um componente de 
memória. 
Existem dois tipos de imunidade adquirida: 
 
 
Ambas as partes da imunidade adaptativa 
envolvem o reconhecimento de antígenos 
específicos, seguido pela ativação e pela 
expansão clonal das células imunes, o que 
resulta na produção de células efetoras e de 
memória. 
Imunidade humoral – envolve anticorpos 
produzidos pelas células B. Têm como alvo 
antígenos localizados fora das células, como 
bactérias em multiplicação nos espaços 
extracelulares. 
Imunidade celular – envolve as células T. Têm 
como alvo antígenos localizados no interior das 
células, por exemplo, uma célula infectada por 
vírus. 
 
Os mediadores químicos são substâncias 
que se encontram distribuídas por todo o 
organismo. Um exemplo disso são as citocinas, 
proteínas que medeiam a comunicação química 
intercelular. Produzidas principalmente pelos 
macrófagos e linfócitos ativados como os 
Interferons (α, β e γ) – existem outras mas o 
foco principal é nelas, alfa e beta. 
Os interferons são citocinas que inibem o 
crescimento viral por bloquearem a tradução de 
proteínas virais. 
Indução e ação do interferon 
 
 
o A: A infecção viral induz a síntese de 
interferon, o qual é então liberado pela 
célula infectada. 
o B: O interferon liga-se ao receptor de 
superfície de uma célula não infectada e 
induz a síntese de três novas enzimas 
celulares (proteínas antivirais). 
o C: Um novo vírion penetra na célula; 
entretanto, a tradução do mRNA viral é 
inibida pelas proteínas antivirais induzidas 
pelo interferon. Uma dessas proteínas 
antivirais é uma ribonuclease que degrada 
o mRNA viral, mas não o mRNA celular. 
A atividade dessas moléculas vai fazer com 
que outras células ao lado dessa célula que foi 
infectada entre em um estágio de resistência 
antiviral. 
Uma vez que os interferons são produzidos 
em poucas horas após a iniciação da replicação 
viral, podem atuar na fase precoce das doenças 
virais, limitando a disseminação dos vírus. 
Contrariamente, os anticorpos começam a 
surgir no sangue vários dias após a infecção. 
Observações: 
Alfa e Beta interferons apresentam ação 
antiviral mais intensa quando comparados ao 
gama interferon. 
O Gama atua principalmente como uma 
interleucina que ativa os macrófagos. 
 
https://www.infoescola.com/bioquimica/proteinas/
https://www.infoescola.com/citologia/macrofagos/
https://www.infoescola.com/citologia/linfocitos/
 
 
1) Células Natural Killer (NK) 
Principal função: destruição de células-alvo por 
citólise e apoptose. 
o Encontradas no sangue, no baço, nos 
linfonodos e na medula óssea vermelha. 
o Capacidade de destruir ampla variedade de 
células infectadas do corpo e certas células 
tumorais. 
• Atuam secretando citotoxinas 
(perforinas1 e granzimas2) que fazem 
a célula-alvo se romper (citólise)1 
e/ou sofrer apoptose2. 
o Não possuem memória imunológica, 
enquanto às células T citotóxicas, sim. 
o Sua ação é potencializada na presença de 
anticorpos. 
o As células NK possuem receptores que 
detectam a presença de proteínas MHC 
classe I na superfície celular. 
• Células infectadas por vírus ou 
células tumorais apresentam uma 
quantidade menor de proteínas MHC 
I, sendo reconhecidas e mortas pelas 
células NK. 
 
2) Macrófagos 
Principal função: fagocitose (diferenciada de 
monócitos). 
o Fagocítica → Ingere e mata partículas 
infecciosas, e também eliminam células 
velhas do sangue. 
o São células apresentadoras de antígenos 
(APCs) do sistema imunológico, 
especializadas em apresentar antígenos para 
uma célula T. 
• Produz proteínas MHC de classe II, 
responsáveis pela apresentação de 
antígenos extracelulares às células T 
auxiliares. Auxiliando a imunidade 
adquirida. 
o Geralmente encontrados em um estado de 
repouso, mas que são ativados pela ingestão 
de material antigênico ou pela produção de 
citosinas por uma célula T auxiliar ativada. 
• Uma vez ativados, os macrófagos são 
mais eficazes como fagócitos e como 
APCs. 
o Possuem comportamento sentinela → produz 
mediadores químicos, como citocinas “pró-
inflamatórias”: 
• IL-1 (Interleucina 1) - ativa Células T 
auxiliares. 
• TNF (Fator de Necrose Tumoral) – 
importante mediador inflamatório. 
 
3) Células Dendríticas 
Principal função: fagocitose e início da resposta 
imune adaptativa. 
o Abundantes na epiderme da pele, nas 
membranas mucosas, no timo e nos 
linfonodos. 
o Também são células apresentadoras de 
antígenos (APCs), isto é, expressam 
proteínas MHC II e apresentam antígenos 
às células T auxiliares. 
o Consistem nos principais indutores da 
resposta primária de anticorpos. 
o Destroem os micróbios por fagocitose e 
iniciam a resposta imune adaptativa. 
• Fazendo a conexão de imunidade inata e 
adaptativa. 
 
 
 
 
1) Linfócitos T 
Principal função: imunidade celular. 
Desempenham várias funções importantes, 
que podem ser divididas em duas categorias 
principais: regulatória e efetora. 
o Funções regulatórias – são mediadas 
principalmente por células T CD4+, que 
produzem interleucinas (que vão estimular ou 
ativar algo). 
• Auxilia as células B na produção de 
anticorpos. 
• Promove respostas inflamatórias. 
• Imunidade mediada por células 
(ativação de macrófagos ou linfócitos T 
citotóxicos CD8+). 
o Funções efetoras – são realizadas por células 
T CD8+, que matam células infectadas por 
vírus, células tumorais e aloenxertos. 
• Desempenham funções citotóxicas 
(liberação de perforinas), destruindo as 
membranas celulares, ou indução por 
apoptose. 
 
2) Linfócitos B 
Principal função: produção de anticorpos. 
o Diferenciam-se em plasmócitos que produzem 
anticorpos (imunoglobulinas), após serem 
ativados por antígenos. 
o Após a ligação dos antígenos, a célula B é 
estimulada a proliferar e originar um clone 
celular (produz células de memórias). 
• Imunidade mediada por células. 
o Também são células apresentadorasde 
antígenos (APCs). 
 
o Indução da resposta imune para fabricação 
de anticorpos específicos. 
o Inoculação do próprio agente viral 
modificado (atenuado ou morto) ou parte 
deste. 
o Tempo de imunidade varia de acordo com 
as características dos respectivos vírus, 
tornando necessária, em muitos casos, a 
reimunização (reforço vacinal).