Buscar

virus

Prévia do material em texto

Características gerais 
	Menores entidades biológicas (sistemas)
	Acelulares
	Parasitas intracelulares obrigatórios 
Estutura do vírus
	Uma ou mais moléculas de RNA ou DNA
+
	Envoltório constituído de moléculas de proteínas: o capsídio 
Obs: alguns podem apresentar um revestimento externo constituído por proteínas provenientes da fragmentação da membrana celular: o envelope
envelopado
Não envelopado
Genomas virais
	Genoma humano ± 25 mil genes
	Genoma bacteriano ± 4 mil genes
	Genoma do vírus da variola ± 200 genes
	Genoma do HIV ± 10 genes
	DNA 
	Fita dupla
	Contém desoxiribose
	Contém Timina
	RNA
	Fita simples
	Contém ribose
	Contém Uracila
Envoltórios virais
	Capsídio: reveste o ácido nucleico viral
	Nucleocapsidio = ácido nucleico + capsídio 
	Envelope viral: Membrana lipoproteica formada quando a partícula é expelida pela célula hospedeira (também possui proteínas virais provenientes da síntese protéica pelo RNA). 
	O capsídio (nos vírus não envelopados) e o envelope possuem proteínas nas suas membranas chamadas de Ligantes. 
	As proteínas ligantes se “encaixam” em proteínas especificas (receptores virais) da membrana plasmática das células hospedeira.
Ligantes do virus da gripe = Hemaglutinina
Receptores para esse virus = epitélio das vias respiratórias e pulmões.
Penetração dos vírus
	Injeção de DNA
2.	 Fusão do envelope viral 
3.	 Endocitose
Profagos 
	É o nome dado ao DNA viral incorporado ao cromossomo da célula hospedeira.
	A bactéria que transporta um profago é chamada de Lisogênica 
	A multiplicação das bactérias lisogênicas é denominada de Ciclo Lisogênico
	O desprendimento do fago do cromossomo bacteriano inicia a multiplicação do vírus dentro da célula causando a destruição celular (Ciclo Lítico)
Vírus e doenças humanas
	Zoonoses virais = ex: a raiva
	Reservatórios naturais dos vírus = morcego
	Seres humanos = principais reservatórios
Vírus cruzando a barreira entre seres humanos e animais
	Expansão da população humana
	Degradação do ambiente natural 
	Distúrbios no equilíbrio ecológico
Formas de transmissão das doenças virais
	Contato direto entre portador e hospedeiro (simples toque)
		Ex: herpes (pele e mucosas)
	Secreções
		raiva (saliva) 
		HIV (fluidos: esperma e sangue)
		Gripe (gotículas de muco)
	Vírus relacionados ao sistema digestório e são eliminados com as fezes (reservatório - não vivo = solo ou água contaminados pelo esgoto)
	Transmissão por vetores
		Ex: mosquitos (dengue, febre amarela e diversas encefalites)
Partículas subvirais: viróides e príons 
	Viróides: 
	minúsculos segmentos de RNA de cadeia simples e extremidades unidas.
	Não formam envoltórios protéico e não codificam proteínas
	Reproduzem-se dentro da célula hospedeira
	Encontrados em vegetais
	Virusóides = viróides que se utilizam de vírus para infectar.
	Príons:
	São moléculas de proteínas resistentes infecciosas
	Alteram a forma de outras proteínas, fazendo com que elas atuem como príons
Ex: “doença da vaca-louca” (encefalite espongiforme)

Continue navegando

Outros materiais