Buscar

2 01 Apostila da UC 04_ Matemática Básica e Financeira


Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 3, do total de 107 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 6, do total de 107 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 9, do total de 107 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Continue navegando


Prévia do material em texto

Matemática Básica 
e Financeira
MÓDULO BÁSICO
Matemática Básica e 
Financeira
Curso Técnico EaD SENAR
Formação Técnica
SENAR - Brasília, 2020
S474m
 SENAR – Serviço Nacional de Aprendizagem Rural.
	 	 Matemática	básica	e	financeira:	módulo	básico	/	Serviço	Nacional	
de	Aprendizagem	Rural.	–	Brasília,	DF:	SENAR,	2020.
	 105	p.	:	il.	–	(Formação	Técnica)
	 	 Inclui	bibliografia
	 	 ISBN	978-65-86344-34-9
	 	 1.	Agroindústria	–	Estudo	e	ensino.	2.	Matemática.	3.	Finanças.	
I.Título.
CDU	336
Elaborado por Maurício Amormino Júnior – CRB6/2422
Sumário
Introdução à Unidade Curricular  ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 5
Tema 1: Matemática Básica  ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 9
Tópico 1: Conjuntos numéricos  �������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 11
Tópico 2: Operações fundamentais ����������������������������������������������������������������������������������������������������� 14
Tópico 3: Frações ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 31
Tópico 4: Proporcionalidade �������������������������������������������������������������������������������������������������������������������  37
Tópico 5: Potências  ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 44
Tópico 6: Medidas agrárias  ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 50
Encerramento do tema  ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 52
Tema 2: Matemática Financeira  �������������������������������������������������������������������������������������������������������������������  53
Tópico 1: Juros simples  ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 56
Tópico 2: Desconto simples  �������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 64
Tópico 3: Juros compostos  �����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������  71
Tópico 4: Desconto composto  ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 76
Encerramento do tema   ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 81
Tema 3: Estatística e probabilidade  ����������������������������������������������������������������������������������������������������������� 82
Tópico 1: Noções de estatística  ������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 84
Tópico 2: Noções de probabilidade  ���������������������������������������������������������������������������������������������������  94
Encerramento do tema  ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������  101
Encerramento da unidade curricular  ������������������������������������������������������������������������������������������������������ 102
Referências   ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������  103
Gabarito  ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 104
Introdução à Unidade 
Curricular
Curso Técnico EaD SENAR
6
Introdução à Unidade Curricular
Conhecimentos básicos de matemática são essenciais, principalmente nos momentos em que 
é necessário tomar decisões em um negócio rural. 
Nesta unidade curricular de Matemática Básica e Financeira, você estudará diferentes 
assuntos, entre eles os apresentados no quadro a seguir.
Matemática 
básica
Hoje os computadores, os softwares específicos e as calculadoras nos 
ajudam muito nos cálculos, porém é muito importante saber interpretar 
e julgar se os dados correspondem à realidade. Por isso, o objetivo de 
estudar a matemática básica é ter uma boa base de somas, produtos, 
divisões, frações e operações com potências.
Razão e proporção
Este conceito é importante para regra de três simples, que é 
comumente usada em diversas situações do cotidiano de um 
profissional que atua no meio rural, por exemplo, para calcular a 
proporção adequada de insumo.
Matemática 
financeira
É importante saber verificar todos os dados apresentados pelo 
gerente de um banco, por exemplo, para acompanhar e opinar 
ativamente em todo o processo de um financiamento. Por isso, 
é indispensável saber calcular juros simples, juros compostos e 
descontos.
Estatística básica
Conceitos de estatística são vitais para profissionais que oferecem 
consultoria, vendem insumos, pesquisam plantas e novas estratégias 
de agricultura ou administram uma empresa rural.
Noções de 
probabilidade
Sabendo calcular a probabilidade, podemos determinar as chances de 
uma ação apresentar o resultado esperado ou não de acordo com um 
grau de aceitabilidade pré-estabelecido ou, ainda, analisar resultados 
de pesquisas de forma mais eficiente.
Matemática Básica e Financeira
7
Espera-se que você possa utilizar esses conhecimentos de matemática básica e financeira 
para solucionar questões relacionadas ao seu cotidiano profissional. Nesse sentido, lembre-
se de assistir às videoaulas, acessar o AVA e consultar os materiais complementares e os 
exercícios resolvidos disponíveis na biblioteca do AVA.
a
Competências para desenvolver na UC
Ao final desta unidade curricular, você deverá ser capaz de:
• revisar os conceitos fundamentais da matemática básica;
• aplicar os conhecimentos matemáticos em situações concretas da 
administração rural;
• desenvolver o raciocínio lógico;
• conhecer as definições básicas e os principais elementos da estatística.
Antes de começar, saiba que, mesmo sozinho, você pode aprender matemática básica rápido 
e com facilidade. Para isso, confira algumas dicas que podem otimizar os seus estudos:
Crie uma rotina de estudos. Mesmo que 
não disponha de muito tempo, se esforce 
para dedicar um mínimo de trinta minutos 
por dia, desta forma o conteúdo estará 
sempre “fresco” em sua memória.
Tire suas dúvidas! Procure a 
ajuda de colegas de classe e 
dos tutores da unidade, evite 
acumular dúvidas, pois isto 
gera insegurança e prejudica 
seu desempenho. No AVA 
você pode compartilhar 
dúvidas e buscar auxílio.
Escolha um local tranquilo, venti-
lado e bem iluminado, sem 
interferência de aparelhos de 
televisão ou outros elementos 
que possam tirar a sua atenção.
Leia atentamente o material de 
maneira crítica e interrogativa 
antes de praticar os exercícios. 
Refaça os exercícios resolvidos e 
elabore um resumo com suas 
anotações.
Tente resolver o maior número 
de exercícios possíveis. Somente 
assim você colocará em prática 
os conceitos estudados e conse-
guirá compreendê-los da melhor 
forma.
Curso Técnico EaD SENAR
8
Ao resolver os exercícios, primeiramente entenda o enunciado da questão e saiba qual é 
o seu objetivo. O português e a interpretação de textos também são muito importantes. 
Sempre se pergunte: o que o exercício quer? Se possível, leia o enunciado em voz alta, pois 
assim você pode perceber melhor o sentido do exercício. Antes de partir para a solução, 
resgate os seus conhecimentos matemáticos para identificar qual deles será mais efetivo 
na resolução do problema. Divida a resolução em várias etapas e resolvacada uma em 
separado e com total atenção.
 
Não tenha medo de errar. Quando erramos e tentamos compreender 
o motivo, exercitamos mais do que quando chegamos ao resultado 
correto rapidamente.
'
Dica
Você já ouvir falar no “teste da folha em branco”? Essa estratégia é útil quando 
nos aproximamos das avaliações. É bem simples, basta pegar uma folha em 
branco e escrever tudo o que você sabe do conteúdo, sem consulta e sem auxílio. 
Depois compare com o material da apostila e refaça até você estar seguro sobre 
sua compreensão do conteúdo.
Que esta unidade sobre matemática básica e financeira se torne prazerosa e que você possa 
tirar dela o maior proveito possível, levando os conceitos não só para seu dia a dia como 
profissional, mas também para sua vida pessoal.
Bons estudos!
01
Matemática Básica
Curso Técnico EaD SENAR
10
Tema 1: Matemática Básica
Esse tema inicial serve como introdução aos conceitos matemáticos. Nele você verá 
conteúdos fundamentais da matemática, tais como: conjuntos numéricos, operações entre 
números, regra de sinais, frações, razões e proporções, potências e unidades de medidas 
agrárias mais utilizadas. 
O objetivo é relembrar matérias do Ensino Fundamental e do Ensino Médio, fortalecendo os 
fundamentos matemáticos para os próximos temas.
a
Competências
Ao final deste primeiro tema, você deverá ter competência para:
• conhecer os conjuntos numéricos e as operações numéricas com números 
inteiros e decimais, entendendo as regras de sinais;
• diferenciar as operações fundamentais com frações, encontrando o m.m.c. e 
o m.d.c;
• compreender razões e usar regras de três direta e inversamente 
proporcionais;
• conhecer as medidas agrárias mais utilizadas.
Fonte: Shutterstock
Matemática Básica e Financeira
11
Tópico 1: Conjuntos numéricos
Quando ouvimos falar sobre matemática ou nos recordamos de nossas aulas do Ensino 
Fundamental ou Médio, a primeira lembrança que nos vem à cabeça são os números. 
Um dos conceitos mais básicos que temos é o de número. A construção dos conjuntos nu-
méricos se inicia com os números naturais, usados apenas para contar, e chega até os núme-
ros complexos, que possuem aplicação nas engenharias elétricas, nas produções químicas, 
entre outras áreas.
 Conjuntos numéricos
Compreendemos conjunto como uma coleção de objetos, números ou elementos com 
características semelhantes. Assim, os conjuntos numéricos são os conjuntos dos números que 
possuem características semelhantes.
Existem os seguintes conjuntos numéricos: 
• Conjunto dos números naturais (ℕ) – números positivos.
• Conjunto dos números inteiros (ℤ) – números positivos e negativos.
• Conjunto dos números racionais (ℚ) � frações irredutíveis e dízimas periódicas.
• Conjunto dos números irracionais (𝕀) – todos os números que não podem ser escritos 
da forma
 p
q
 
em que p e q são inteiros, ou seja, todos os números que não são racionais. 
Esses números, representados na forma decimal, possuem infinitas casas decimais que 
não se repetem.
• Conjunto dos números reais (ℝ) � reunião de todos os conjuntos anteriores.
Esses conjuntos respeitam uma hierarquia, como mostrado na imagem abaixo.
ℝℚℤℕ
𝕀𝕀
 
Isso representa que o conjunto dos números reais é formado pela união de todos os conjuntos 
anteriores. Veja, a seguir, cada um desses conjuntos em detalhes.
Curso Técnico EaD SENAR
12
1. Números naturais
Os números naturais são os números positivos que utilizamos para contagem e mais o número 
zero. Podemos escrever o conjunto dos naturais da seguinte forma:
ℕ = {0, 1, 2, 3,...}
As reticências indicam que nunca paramos de contar, isto é, o conjunto dos números naturais 
é formado por uma infinidade de números positivos e o número zero.
2. Números inteiros 
O conjunto dos números inteiros é formado por todos os números naturais e seus opostos 
negativos. Temos então:
ℤ = {...,-2, -1, 0, 1, 2,...}
Usamos os números inteiros para indicar dívidas, por exemplo, ou quando queremos subtrair 
valores.
3. Números racionais e irracionais
Os conjuntos de números naturais e inteiros são formados apenas por números “redondos”, 
isto é, sem vírgulas ou casas decimais. Entretanto, existem situações em que precisamos de 
números compreendidos entre outros. Por exemplo, podemos comprar um litro de água ou 
podemos comprar um litro e meio. Perceba que um litro e meio é uma quantidade compreen-
dida entre um litro e dois litros.
Essa noção de números com vírgulas ou frações define o conjunto dos números racionais. 
Esse conjunto é formado por todos os números naturais, todos os números inteiros e todos 
os números na forma decimal exata ou periódica na forma de frações. 
Para compreender forma decimal exata ou periódica na forma de frações, veja os seguintes 
exemplos:
2,5
5
2
=
3,333...
10
3
=
No segundo exemplo, queremos dividir o número 10 em três parcelas 
iguais, entretanto esse valor não é exato. Obtemos como resultado 
três parcelas iguais de valor 3,333..., em que as reticências indicam que 
devemos repetir o número 3 sem parar nunca. Esse número é uma 
dízima periódica. Outros exemplos de dízimas: 0,777..., 1,234234234... 
etc. Dízimas periódicas são números que, em sua representação decimal, 
apresentam uma repetição infinita de termos.
Matemática Básica e Financeira
13
O conjunto dos números racionais pode ser representado por:
ℚ = {todo número do tipo , em que a e b são números inteiros e b não pode ser zero}
Além das formas decimais exatas e das dízimas, temos números como:
π=3,14159265358979323846264338327950288419716939937510… 
Esse número é chamado de pi e possui infinitas casas decimais sem repetição. Dessa forma 
ele não se enquadra no conjunto dos números racionais.
g
O número pi representa a razão entre o perímetro e o diâmetro de uma 
circunferência. Acesse o AVA e veja uma animação que explica esse número.
O conjunto que agrupa os números que, na forma decimal, possuem infinitas casas decimais 
que não se repetem é chamado de conjunto dos números irracionais, geralmente representado 
pela letra 𝕀. Outro exemplo de número irracional é a raiz quadrada de 2. Veja:
√2= 1,41421356237309504880168872420969807856967187537694…
Observe que o conjunto dos números irracionais é formado apenas por números que não 
podem ser escritos como frações exatas ou como dízimas periódicas.
,√3 ,√7 e π.
6
-√2
4. Números reais
O conjunto dos números reais é formado pela reunião de todos os conjuntos de números 
anteriormente citados. Desse modo, o conjunto dos números reais é constituído pela reunião 
de todos os números naturais, inteiros, racionais e irracionais
ℝ = {todos os números dos conjuntos ℕ, ℤ, ℚ, 𝕀}
Atividade 1: Conjuntos numéricos
Considerando os conjuntos estudados nos itens anteriores, indique, para cada número, a 
quais conjuntos numéricos ele pertence.
a) 0
a
b
Curso Técnico EaD SENAR
14
b) 
,√3 ,√7 e π.
6
-√2
c) 
d) 
e) -π
f) 
g) 
h) 
i) 0,47474747…
j) ,√3 ,√7 e π.
6
-√2
Tópico 2: Operações fundamentais
Você viu no tópico anterior que o conjunto dos números reais é formado pelos números 
naturais, inteiros, racionais e irracionais. A partir de agora, você estudará a adição, subtração, 
multiplicação e divisão entre números reais, assim como verá as expressões e regras de 
sinais. Neste tópico trataremos apenas os casos de números com casas decimais exatas. As 
operações para frações serão estudas em outro tópico.
1. Adição, subtração, multiplicação e divisão
1.1. Adição
A adição combina dois números, chamados parcelas, em um único número, a soma ou total, 
isto é:
parcela + parcela = soma ou total
• Quando uma das parcelas da soma é o número zero, o total será o 
valor da outra parcela.
• Na soma não importa a ordem das parcelas.
6
1
3
10
1
3
1000
27
7
2
Matemática Básica e Financeira
15
Exemplos:
1) 0 + 15 = 15
2) 29 + 0 = 29
3) 1 + 4 = 5
4) Por exemplo, para efetuarmos a soma 573 + 238, podemos separar cada número em suas 
unidades, dezenas e centenas,ou seja:
573 = 500 + 70 + 3 e 238 = 200 + 30 + 8
Logo:
573 + 238 = 500 + 70 + 3 + 200 + 30 + 8 =
573 + 238 = (500 + 200) + (70 + 30) + (3 + 8)
= (500 + 200) + (70 + 30) + 11
= (500 + 200) + (70 + 30) + 10 + 1
= (500 + 200) + (70 + 30 + 10) + 1
= (500 + 200) + 110 + 1
= (500 + 200) + 100 + 10 + 1
= (500 + 200 + 100) + 10 + 1
= 800 + 10 + 1 = 811
Ou equivalentemente:
811
 ¹5¹73
+ 238
Note que, quando somamos 3 com 8, obtemos 11, logo “vai 1” para ser somado às dezenas 
(no caso, o 7). Isso ocorre novamente quando somamos as dezenas e “vai 1” para as 
centenas.
5) 3,12 + 6,637 = 9,757
Para resolver esse exemplo com casas decimais, montamos a conta da seguinte forma:
 9,757
 3,120
+ 6,637
Devemos alinhar as parcelas pelas vírgulas, não importa quantas parcelas estivermos 
somando. Para facilitar, completamos com o número zero as casas decimais “vazias”.
6) 4,12 + 3,1 + 2,358 = 9,578
 4,120
9,578
 3,100
+ 2,358
Curso Técnico EaD SENAR
16
1.2. Subtração 
Na operação de subtração, de um valor numérico (minuendo) é removido outro valor 
(subtraendo). O resultado dessa operação é chamado diferença. Temos, assim: 
minuendo – subtraendo = diferença
Na subtração devemos respeitar a ordem em que fazemos a operação.
Exemplos:
1) 7 – 2 = 5
2) 2 – 7 = -5
Observe nos exemplos 1 e 2 como a inversão na ordem da operação de subtração alterou 
o resultado. No exemplo 2, como o subtraendo é um número maior que o minuendo, a 
diferença será um número negativo.
Assim como na soma, caso um dos termos seja o número zero, a diferença será o outro 
número (respeitando o sinal).
3) 0 – 15 = -15
4) 29 – 0 = 29
5) Para efetuarmos 531 – 245, podemos separar cada número em suas unidades, dezenas e 
centenas, assim como feito na soma, isto é:
531 – 245 = 500 + 30 + 1 – (200 + 40 + 5) =
= 500 + 30 + 1 – 200 – 40 – 5 =
= (500 – 200) + (30 – 40) + (1 - 5) =
= (500 - 200) + (20 + 10 - 40) + (1 - 5) =
= (500 - 200) + (20 - 40) + (10 + 1 - 5) =
= (500 - 200) + (20 - 40) + (11 - 5) =
= (500 - 200) + (20 - 40) + 6 =
= (400 + 100 - 200) + (20 - 40) + 6 =
= (400 - 200) + (100 + 20 - 40) + 6 =
= (400 - 200) + (120 - 40) + 6 =
= (400 - 200) + 80 + 6
= 200 + 80 + 6 = 286
Matemática Básica e Financeira
17
Podemos também realizar a mesma conta da seguinte forma
2 8 6
 45²3¹1
- 2 4 5
Observe que não podemos subtrair 5 do número 1. Dessa forma “pedimos 1 emprestado” 
para a casa das dezenas, logo o 1 se torna 11 e podemos subtrair 5. O 3 (a dezena) que 
“emprestou 1” vira 2. Por um raciocínio parecido, “pedimos 1 emprestado” da centena.
6) 6,637 - 3,12 = 3,517
Assim como na soma, para montar a conta de subtração com casas decimais devemos 
alinhar os números por suas vírgulas e é muito importante respeitar a ordem dos 
números. Assim, temos:
3,517
 6,637
- 3,120
7) 4,12 - 3,1 - 1 = 0,02
Quando houver mais de dois termos na subtração, para evitar erros de sinais, a melhor 
estratégia de resolução é fazer a conta em etapas, ou seja, faremos duas contas respeitando 
a ordem. São elas:
a) 4,12 - 3,1 = resultado parcial
b) resultado parcial - 1 = diferença
Temos então:
1,02
 4,12
- 3,10
Assim, vemos que o resultado parcial é 1,02. Vamos realizar agora a última etapa da 
operação, isto é, faremos 1,02 - 1.
0,02
 1,02
- 1,00
1.3. Multiplicação 
Os números numa multiplicação são chamados de fatores; e o resultado da operação, de 
produto. Temos então que:
fator x fator = produto
Curso Técnico EaD SENAR
18
• Quando um dos fatores é o número 0, o produto será 0. Isso significa 
que qualquer número multiplicado por 0 fornece como resultado 0. 
Por exemplo: 17 * 0 = 0 e 0 * 17 = 0.
• Caso um dos fatores seja o número 1, o produto será o outro fator. 
Isso quer dizer que qualquer produto de um número vezes 1 resulta no 
próprio número. Por exemplo: 47 * 1 = 47.
• Podemos representar a operação de multiplicação por três símbolos 
diferentes: x, * ou apenas um ponto entre os números. Por exemplo: 
3 * 2 = 6, ou 3 x 2 = 6, ou 3 · 2 = 6.
• Na multiplicação não importa a ordem dos números. Por exemplo: 
3 * 2 = 2 * 3 = 6.
d
Comentário do Autor
Se os números possuírem casas decimais, somamos a quantidade de casas 
decimais após a multiplicação, no sentido da direita para a esquerda. Você 
entenderá melhor essa lógica quando realizar as contas utilizando frações. Como 
veremos a seguir, e , logo as duas contas seguintes são 
iguais:
0,1*0,1=0,01 e * =10
1
10
1
100
1
Mais adiante você verá expressões numéricas que envolvem parênteses. Quando multiplica-
mos um número de fora dos parênteses pelos que estão dentro, cada número deve ser mul-
tiplicado. Por exemplo: 2 * (2 + 3) = 2 * 2 + 2 * 3 = 4 + 6 = 10.
Para entender melhor esse assunto, confira alguns exemplos. Lembre-se de que para a 
multiplicação você deve saber a tabuada de todos os números.
Exemplos:
1) 6,637 * 3,12 = 20,70744
Uma forma de realizar essa conta é separando um dos números em unidades, dezenas e 
centenas. Escolhendo o número 3,12 para decompor, temos que:
6,637 * 3,12 = 6,637 * (3 + 0,1+ 0,02) =
 =6,637 * 3 + 6,637 * 0,1 + 6,637 * 0,02 =
 = 6,637 * 3 + 6,637 * 0,1+ 6,637 * 0,02 =
 = 19,911 + 0,6637 + 0,13274 = 20,70744
10
1 0,1=
100
1 0,01=
Matemática Básica e Financeira
19
Outra forma de realizar a mesma conta é a seguinte. (Observe que a maneira apresentada 
aqui é apenas mais rápida, mas chega no mesmo resultado.)
13274
 6,637
x 3,12
20,70744
 6637+
19911++
Efetuamos a multiplicação como se não houvesse vírgulas. Ao final do processo, somamos 
cada parcela referente às multiplicações por dois, um e três e acrescentamos a vírgula.
2) 149 * 1,3 * 3 = 581,1
Quando multiplicamos mais de dois números, fazemos cada multiplicação em separado. 
Dessa forma, faremos:
a) 149 * 1,3 = resultado parcial
b) resultado parcial * 3 = produto
Efetuando cada conta, temos:
 149 +
447
 149
x 1,3
193,7
Assim, o resultado parcial é 193,7. Por fim efetuamos a segunda multiplicação:
581,1
193,7
x 3
1.4. Divisão 
Na divisão, o número que está sendo dividido é chamado dividendo e o número que divide é 
o divisor. O resultado da divisão é denominado quociente. Assim temos:
dividendo ÷ divisor = quociente
Por exemplo, 6 ÷ 2 = 3. Nesse caso 6 é o dividendo, 2 o divisor e 3 o quociente.
Embora a divisão seja um processo para conseguir grupos iguais, nem todos os números são 
divididos uniformemente. Damos o nome de resto ao número que sobra depois de dividir 
um número não divisível exatamente. Por exemplo, suponha que queremos dividir uma pizza 
com 12 fatias entre 5 pessoas. Quantas fatias inteiras cada pessoa recebe? Note que essa 
Curso Técnico EaD SENAR
20
operação corresponde a 12 ÷ 5. Para resolvermos essa divisão, buscamos na tabuada de 5 o 
valor que mais se aproxima de 12, no caso o número 2 (pois 5 * 2 = 10). E a diferença entre 
esses dois números é 12 - 10 = 2. Como 2 é um número menor que 5, não podemos dividi-lo 
mais sem obtermos um número com vírgula. Então, como queremos apenas fatias inteiras da 
pizza, concluímos que cada uma das 5 pessoas receberá 2 fatias e restarão 2 fatias.
• O dividendo pode ser o número 0, resultando em 0 como quociente.
• O divisor nunca poderá ser o número 0, isto é, não podemos dividir 
nenhum número por 0.
• Caso o divisor seja o número 1, o resultado será o dividendo.
• A ordem em que a operação é feita é importante, pois, se trocarmos o 
dividendo pelo divisor, obteremos outro resultado.
• A divisão pode ser denotada pelo símbolo ÷, pela barra (/) e também 
por dois-pontos (:).
Para entender melhor esses casos, observe os exemplos. Novamente, é preciso lembrar as 
tabuadas para efetuarmos divisões.
Exemplos:
1) 10 ÷ 5 = 2, ou podemos escrever , ou ainda 10 : 2 = 5.
2) Observe que 10 ÷ 5 = 2, mas 5 ÷ 10 = 0,5.
3) 0 ÷ 5 = 0
4) Não existe a operação 5 ÷ 0 ou qualquer outro número dividido por 0.
5) 31 ÷ 1 = 31
Agora, vamos resolver algumas divisões cujos resultados serão números comvírgulas e 
algumas divisões entre números com vírgulas:
6) 225 ÷ 50
5
10 = 2
Matemática Básica e Financeira
21
Se multiplicarmos 4 por 50, obteremos 200 e, assim, a divisão terá resto 25. Não existe 
um número natural que multiplicado por 50 resulte em 25, então qualquer valor que 
acrescentarmos ao quociente será menor do que 1. Portanto, para prosseguirmos, 
teremos de acrescentar uma vírgula ao quociente e um zero ao resto. Procuramos 
agora um número que multiplicado por 50 resulte em 250. Esse número é o 5. Portanto, 
225 ÷ 50 = 4,5.
225
200
25
_-
__ 50
4 ___
225
200_-
__ 50
4,5
250
250
0
_
É interessante observar que se um “0” é acrescido, o resultado da divisão irá para a casa 
do décimo. Agora, se é necessário acrescentar outro “0”, o resultado irá para a casa do 
centésimo, e assim por diante.
7) 30 ÷ 2,5
Para realizar essa divisão, vamos escrever o número 30 na forma 30,0. Agora que tanto 
o dividendo quanto o divisor têm um número após a vírgula, podemos desconsiderar as 
vírgulas e realizar a divisão entre 300 e 25, obtendo como resultado o quociente 12, como 
mostra a figura a seguir.
30
-
__ 2,5__ _
300
25_-
__ 25
12
50
50
0
_
30,0 __ 2,5
300 __ 25
__ _
___
_
-
Curso Técnico EaD SENAR
22
8) 31,775 ÷ 15,5
Nesse caso, precisamos acrescentar dois zeros ao divisor para que ambos tenham três 
algarismos após a vírgula. Feito isso, nós desconsideramos as vírgulas e realizamos a 
divisão de 31775 por 15500, obtendo como quociente o número 2,05. É importante ter 
em mente que 10 ÷ 50 é a mesma coisa que 100 ÷ 500. Desse modo, podemos multiplicar 
quantas vezes desejarmos o divisor e o dividendo sem interferir na conta. Ora, se queremos 
operar “sem vírgulas”, vamos multiplicar quantas vezes forem necessárias para as vírgulas 
“sumirem”. Como temos até três casas após a vírgula, precisaremos multiplicar ambos os 
números por mil. Veja a seguir o passo a passo dessa divisão:
31,775
-
__ 15,5__ _ _-
7750
0_31,775 __15,500
31775 __15500
__ _
___
_
-
31775
31000
__15500
2,05
77500
77500
0
_-
2. Soma algébrica, regra de sinais e expressões numéricas 
Agora que você relembrou como realizar as operações de soma, subtração, multiplicação e 
divisão para números reais, incluindo números decimais (com vírgulas), vamos estudar as 
somas com números que possuem sinais diferentes. Você verá também as regras de sinais e, 
por fim, juntaremos esses conceitos em expressões numéricas.
2.1 Soma algébrica
Considere a seguinte situação comum em nosso dia a dia. Digamos que você tem um crédito 
na vendinha da esquina. Quanto mais comprar, menor ficará o crédito e, se esgotar o crédito 
e ainda continuar comprando, terá uma dívida ao invés de um crédito, certo? Se mesmo em 
débito continuar comprando, a dívida só irá aumentar. Por outro lado, se começar a pagar 
essa dívida, ela irá diminuir até um ponto em que voltará a ter crédito. 
Matemática Básica e Financeira
23
Por exemplo, se você tem 
crédito de R$ 100,00 e realiza 
uma compra de R$ 75,00, 
então seu saldo passará a 
ser 100 – 75 = 25. Agora, se 
efetuar mais uma compra de 
R$ 50,00, seu saldo passará a 
ser 25 – 50 = –25. Caso faça 
outra compra de R$ 25,00, o 
saldo ficará –25 – 25 = –50. 
Agora, supondo que você 
efetue um pagamento de R$ 
30,00, terá um saldo de –50 + 
30 = –20. E, por fim, fazendo 
um pagamento de R$ 40,00, 
passará a ter um saldo de 
–20 + 40 = 20.
Nome: José da Silva
Crédito
Compra
Saldo
100,00
75,00
25,00
_
_
Compra
Saldo
50,00
25,00
_
Compra
Saldo
25,00
50,00
_
Crédito
Saldo
30,00
20,00
_
Crédito
Saldo
40,00
20,00
_
-
-
-
Esse caso prático ilustra as operações de soma de números com sinais diferentes, em que 
devemos proceder da seguinte forma:
• Sinais iguais � somamos os valores e repetimos o sinal.
• Sinais diferentes – subtraímos os números e damos o sinal do maior número.
Exemplos:
1) 2 + 6 = 8
2) 19 + 3 = 22
3) - 3 - 15 = -18
4) -8 - 9 = -17
5) 15 - 3 = 12
6) -25 + 10 = -15
Curso Técnico EaD SENAR
24
2.2. Regra de sinais
Considere o seguinte exemplo: possuo duas dívidas de R$ 1.000, logo posso representar o 
valor total da dívida por 2 * (-1.000). Assim, ao final terei uma dívida de R$ 2.000, ou seja, 
–R$ 2.000. Analogamente, se temos um crédito de R$ 5.000 e ele triplica, representamos como 
3 * 5.000, logo nosso crédito passa a ser de R$ 15.000.
Quando queremos multiplicar ou dividir números com sinais diferentes, devemos aplicar a 
seguinte regra de sinais:
• Sinais iguais � resultado positivo.
• Sinais diferentes � resultado negativo. 
Isto é:
(+) * (+) = + ou (+) ÷ (+) = +
(-) * (-) = + ou (-) ÷ (-) = +
(+) * (-) = - ou (-) ÷ (+) = -
(-) * (+) = - ou (-) ÷ (+) = -
Se um número não possuir sinal, significa que é positivo. Por exemplo, 
3 = + 3.
Exemplos:
1) 3 * 5 = 15
2) (- 3) * (- 5) = 15
3) 3 * (- 5) = - 15
4) (- 3) * 5 = - 15
5) 6 ÷ (- 2) = -3 
6) (- 6) ÷ 2 = - 3 
7) (- 6) ÷ (- 2) = 3 
Matemática Básica e Financeira
25
 
d
Comentário do Autor
Note que, nas multiplicações - 2 * 2 = - 4, - 2 * 1 = - 2 e - 2 * 0 = 0, quando 
multiplicamos um número negativo por outro número, conforme diminuímos 
a segunda parcela, o resultado aumenta ao invés de diminuir. Logo, se 
continuarmos diminuindo as parcelas, teremos: - 2 * - 1 = 2 e - 2 * - 2 = 4.
2.3. Expressões numéricas
Juntamos agora as somas algébricas com as regras de sinais e, ainda, operações de multiplicação 
e divisão. Para organizar melhor, usamos parênteses ( ), colchetes [ ] ou chaves { }.
Para resolver expressões numéricas, você deve realizar primeiro as 
operações de multiplicação e divisão e depois somas e subtrações. 
Quando aparecerem parênteses, colchetes ou chaves, efetue as operações 
primeiro dos parênteses, depois dos colchetes e por último das chaves. 
Fique atento às regras de sinais também!
Exemplos:
1) 2 + [2 – 5 * (3 + 2) – 1] = 2 + [2 – 5 * 5 – 1] =
2 + [2 – 25 - 1] = 2 + [- 24] = 2 - 24 = - 22 
2) 2 + {3 – [1 + (2 – 5 + 4)] + 8} = 2 + {3 – [ 1 + 1 ] + 8}
 = 2 + {3 – 2 + 8 } = 2 + 9 = 11 
3) {2 – [3 * 4 ÷ 2 – 2 (3 – 1)]} + 1 = {2 – [12 ÷ 2 � 2 * 2]} + 1 
= {2 � [6 – 4]} + 1 = {2 - 2} + 1 = 0 + 1 = 1
3. Mínimo múltiplo comum (m.m.c.) e máximo divisor comum (m.d.c.)
Os cálculos que envolvem mínimo múltiplo comum e máximo divisor comum são relaciona-
dos com múltiplos e divisores de um número natural. Entendemos por múltiplo o produto 
gerado pela multiplicação entre dois números. Assim, podemos dizer que 30 é múltiplo de 5, 
pois 5 * 6 = 30, isto é, existe um número natural que multiplicado por 5 resulta em 30, que é 
o número 6. Indicamos os múltiplos pelo símbolo M( ). Veja mais alguns números e seus múl-
tiplos a seguir.
Curso Técnico EaD SENAR
26
Exemplos: 
 M(3) = 0,3,6,9,12,15,18,21,…
 M(4) = 0,4,8,12,16,20,24,28,32,…
 M(8) = 0,8,16,24,32,40,48,56,…
Observe que os múltiplos de um número formam um conjunto de infinitos elementos.
 
• Todo número inteiro múltiplo de 2 é chamado de par. Exemplos: 
6 = 2 * 3 e 30 = 2 * 15.
• Todo número inteiro que não é múltiplo de 2 é denominado 
ímpar. Exemplos: 15 = 3 * 5 e 21 = 3 * 7.
Um número é considerado divisível por outro quando o resto da divisão entre eles é igual a 
zero. Indicamos os divisores de um número pela notação D( ). Observe alguns números e seus 
divisores. 
Exemplos:
1) D(3) = 1,3
2) D(9) = 1,3,9
3) D(10) = 1,2,5,10
4) D(11) = 1,11
5) D(20) = 1,2,4,5,10,20
6) D(25) = 1,5,25
`
Atenção
Números que são divisíveis apenas pelo número 1 e por eles próprios são 
chamados de números primos. No exemplo anterior podemos verificar que 3 e 
11 são números primos.
Matemática Básica e Financeira
27
3.1. Mínimo múltiplo comum (m.m.c.)
O m.m.c. entre dois números é representado pelo menor valor comum pertencente aos 
múltiplos dos números. Denotamos o mínimo múltiplo comum pela notação m.m.c. ( , ).
Exemplo:
1) Vamos encontrar m.m.c.(4,8). Para isso precisamos encontrar os múltiplos de4 e os 
múltiplos de 8 e o menor número que aparece em ambas as listas, ou seja:
M(4) = 0, 4, 8, 12, 16, 20, 24, 28, 32,…
M(8) = 0, 8, 16, 24, 32, 40, 48, 56,…
Portanto, m.m.c.(4,8)=8.
Podemos calcular de outra forma. Para isso decompomos os números simultaneamente 
por números primos: 2, 3, 5, 7, 11, 13, 17... Vamos refazer o exemplo anterior desta forma:
4 - 8 | 2
2 - 4 | 2
1 - 2 | 2
 1 - 1 | /
Logo:
m.m.c. (4,8) = 2 * 2 * 2 = 8
2) Calcule o m.m.c. (12, 16, 45)
12 - 16 - 45 | 2
 6 - 8 - 45 | 2
 3 - 4 - 45 | 2
 3 - 2 - 45 | 2
 3 - 1 - 45 | 3
 1 - 1 - 15 | 3 
 1 - 1 - 5 | 5 
 1 - 1 - 1 | / 
Dessa forma:
m.m.c. (12, 16, 45) = 2 * 2 * 2 * 2 * 3 * 3 * 5 = 720
O m.m.c. é útil para resolver problemas práticos. Acompanhe!
Exemplos:
1) Três tratores numa colheita percorrem um mesmo trajeto saindo todos ao mesmo tempo, 
do mesmo ponto e com o mesmo sentido. O primeiro faz o percurso em 40 minutos, o 
segundo em 36 minutos e o terceiro em 30 minutos. Gostaríamos de saber em quanto 
tempo os tratores voltam a se encontrar.
Curso Técnico EaD SENAR
28
Para resolver essa questão, precisamos calcular o m.m.c. entre os tempos dos tratores, 
pois esse será o menor múltiplo do tempo entre eles, ou seja, o momento em que se 
encontrarão novamente. Vamos calcular o m.m.c.:
30 - 36 - 40 | 2
15 - 18 - 20 | 2
 15 - 9 - 10 | 2
 15 - 9 - 5 | 3
 5 - 3 - 5 | 3
 5 - 1 - 5 | 5
 1 - 1 - 1 | /
Logo:
m.m.c. (30, 36, 40) = 2 * 2 * 2 * 3 * 3 * 5 = 360 minutos = 6 horas
Portanto o menor tempo em que os três se encontrarão novamente no ponto de partida é 
após 6 horas do início da colheita.
2) Um médico veterinário, ao prescrever uma receita para um bovino, determina que três 
medicamentos sejam ingeridos pelo animal de acordo com a seguinte escala de horários: 
remédio A, de 2 em 2 horas; remédio B, de 3 em 3 horas; e remédio C, de 6 em 6 horas. 
Caso o paciente utilize os três remédios às 8 h da manhã, então o próximo horário em que 
ele tomará os três medicamentos simultaneamente de novo será o valor do m.m.c. (2, 3, 6) 
+ 8 h.
Calculando o m.m.c., temos:
2 - 3 - 6 | 2
1 - 3 - 3 | 3
1 - 1 - 1 | /
Assim, o m.m.c. (2, 3, 6) = 6. Portanto o bovino deverá tomar os três remédios novamente 
às 14 h.
Para entender melhor, veja a representação do m.m.c. no esquema a seguir.
Medicamento 1
Medicamento 2
Medicamento 3
Matemática Básica e Financeira
29
3.2. Máximo divisor comum (m.d.c.)
O máximo divisor comum entre dois números é representado pelo maior valor comum 
pertencente aos divisores dos números, representado por m.d.c.( ,).
Exemplo:
Vamos calcular o m.d.c. (20, 30). Precisamos primeiro encontrar os divisores de 20 e 30 e 
depois o maior valor comum aos dois, isto é:
D (20) = 1, 2, 4, 5, 10, 20
 D (30) = 1, 2, 3, 5, 6, 10, 15, 30
Logo, podemos ver que o m.d.c. (20, 30) = 10.
Também podemos encontrar o m.d.c. utilizando um método por decomposição simultânea 
em fatores primos, ficando:
20 - 30 | 2
10 - 15 | 2
 5 - 15 | 3
 5 - 5 | 5
 1 - 1 |/
Para calcular o mdc multiplicamos apenas os fatores primos que dividiram ambos os 
números, neste caso 2 e 5 (em destaque). Portanto:
m.c.d. (20, 30) = 2 * 5 = 10.
Assim como o m.m.c., o m.d.c. pode ser utilizado em exemplos práticos, confira.
Exemplos:
1) Uma indústria fabrica rolos de arames de mesmo comprimento. Após realizarem os cortes 
necessários, verificou-se que duas bobinas restantes tinham as seguintes medidas: 156 
metros e 234 metros. Gostaríamos de cortar as sobras em partes iguais com o maior 
comprimento possível.
Para encontrarmos esse valor, precisamos calcular o m.d.c. (156, 234). Utilizando o método 
que você aprendeu, temos:
156 - 234 | 2
 78 - 117 | 2
 39 - 117 | 3
 13 - 39 | 3
 13 - 13 | 13
 1 - 1 | /
Logo, o m.d.c. (156, 234) = 2 * 3 * 13 = 78. Portanto devemos cortar os pedaços de arame 
em tamanhos iguais de 78 metros.
Curso Técnico EaD SENAR
30
2) Uma empresa é composta de três áreas. A área administrativa tem 30 funcionários, a 
operacional 48 funcionários e a de vendas 36 funcionários. Se quisermos formar grupos de 
funcionários com o mesmo número de integrantes, devemos calcular o m.d.c. (30, 36, 48). 
Assim:
30 - 36 - 48 | 2
15 - 18 - 24 | 2
 15 - 9 - 12 | 2
 15 - 9 - 6 | 2
 15 - 9 - 3 | 3
 5 - 3 - 1 | 3
 5 - 1 - 1 | 5
 1 - 1 - 1 | /
Portanto o m.d.c. (30, 36, 48) = 2 * 3 = 6. Assim as equipes devem conter 6 funcionários cada.
Atividade 2: Operações fundamentais
Calcule:
a) 2 + 3 � 1
b) – 2 – 5 + 8
c) – 1 – 3 – 8 + 2 – 5
d) 2 * (- 3)
e) (- 2) * (- 5)
f) (- 10) * (- 1)
g) (- 1) * (- 1) * (- 2)
h) 4 : - 2
i) - 8 : 4
Matemática Básica e Financeira
31
j) - 20 / - 10
k) [( 4) * ( 1)] 2
l) [( - 1 + 3 - 5) * (2 - 7)]: -1
m) 2 { 2 - 2 [ 2 - 4 ( 3 * 2 : 3 ) + 2 ] } + 1
n) 8 - { - 20 [ ( - 3 + 3 ) : ( - 58 )] + 2 (- 5)}
o) 0,5 * (0,4 : 0,2)
p) (4 : 16 ) * 0,5
q) m.m.c. (36, 60), m.m.c. (18, 20, 30)
r) m.d.c. (18, 36), m.d.c. (20, 60)
Tópico 3: Frações 
Uma fração é um modo de expressar uma quantidade a partir de uma razão de dois números 
inteiros, ou seja, uma fração é uma divisão. O dividendo é chamado numerador, e o divisor 
recebe o nome de denominador.
fração
numerador
denominador
=
Veja como representar frações em desenhos por meio de pedaços de pizza ou lotes de um 
terreno:
Curso Técnico EaD SENAR
32
1
2
__
4
6
(quatro sextos)__
1
4
__ 1
8
__
5
12
(cinco doze avos)___
18
24
(dezoito vinte e quatro avos)___
22
48
(vinte e dois quarenta e oito avos)___
1. Multiplicação de frações
O conceito de multiplicação é muito usado para calcular percentuais: multiplicar um valor por 
 é o mesmo que multiplicar por 0,5 ou calcular 50% desse valor. 
Para efetuar a multiplicação de frações, multiplicamos os numeradores entre si e os 
denominadores. Obtemos, assim, uma nova fração.
Exemplos:
1) 
2) 
Note que, nas duas últimas parcelas do exemplo 2, fizemos simplificações, isto é, dividimos 
ambas as parcelas por um número em comum, 2 e 3 respectivamente.
1
2
1 1
2 2
3 33
7 7 14
= =* *
*
15
2
4 30
9 9
60
18
= = 10
3
=*
Matemática Básica e Financeira
33
2. Soma e subtração de frações
Para somar ou subtrair duas frações, precisamos ficar atentos aos seus denominadores:
• Frações com denominadores iguais – repetimos o denominador e somamos/subtraímos 
o numerador. Por exemplo, imagine que um terreno é dividido em quatro lotes iguais e 
efetuamos duas compras de lotes: primeiro compramos e depois . A soma dessas 
frações nos fornece quantos lotes do terreno possuímos, isto é, do terreno. Veja a 
ilustração seguinte, que exemplifica essa operação
+
1
4
__
=
2
4
__ 3
4
1
4
2
4
__ = __ + __
Exemplos:
1) 
2) 
3) 
• Frações com denominadores diferentes � quando os denominadores são diferentes, 
precisamos transformar essas frações em frações de mesmo denominador. Isso quer 
dizer que precisamos de frações equivalentes às que tínhamos, mas com o mesmo 
denominador. O mesmo processo deve ser realizado nas subtrações.
Observe, por meio da ilustração a seguir, como procedemos na soma das frações 
1
4
2
43
4
3 3
5 5
6 96
5 5
= =+ +
15 15
7 7
18 3518 2
7 7
7
7= = = = =+ 2
7+ + 5 5 5 = 517
7* * *+
- 1 1
4
3
4
-2
4
-1
2
-1
2
2
2= = = = = -1
2=- 1 - 3
4 12 2*
2* * *
1
5
2
3
e
Curso Técnico EaD SENAR
34
1
5
__
3
15
10
15
13
15
___ + ___ = ___
2
3
__
1
5
2
3
__ + __
1
5
3
15
__ = ___ 2
3
10
15
__ = ___
1
5
2
3
13
15
___ + ___ = ___
A técnica usada para transformar essas frações em frações de mesmo 
denominador se resume a encontrar o m.m.c. entre os denominadores, 
depois dividir o m.m.c. encontrado pelo denominador de cada fração e 
multiplicar pelo seu numerador, respectivamente, para cada fração. Por 
fim, é feita a soma ou subtração entre os novos numeradores.
Exemplos: 
1) 
Primeiro devemos calcular o m.m.c.(2, 3) = 6. Em seguida, para encontrar as novas frações, 
dividimos o m.m.c. pelo denominador e multiplicamos pelo numerador de cada fração. Veja 
como fazer:
1
2
1
3
+
Matemática Básica e Financeira
35
1
2
1
3
1 1
2+ 1
3
13 3
33
2
2+ 1
3
3
6
2
6
5
6+ + +* *1* * *
*
= 1
2 2
1 2
3
*
*2
= = 3 + 2
6
= ==
2) 
Nesse exemplo, vamos aplicar a técnica diretamente, de forma mais prática.
1
2
5
6
2
3+ - Assim como fizemos no exemplo anterior, primeiro calculamos o 
m.m.c. (2, 6, 3) = 6.
1 3 1
6
5 2 2+* * *-
Agora devemos reescrever as frações. Como 6 é o novo denominador, 
dividimos 6 pelos denominadores antigos e multiplicamos o resultado 
pelo numerador. Nesse caso, 6 ÷ 2 = 3, então fazemos 
1 * 3. Em seguida, calculamos 6 ÷ 6 = 1 e então escrevemos 5 * 1. Por 
fim, realizamos 6 ÷ 3 = 2, logo o último numerador fica 2 * 2.
3 + 5 - 4
6 6
4= 3
2= Observe que 6 = 2 * 3 e que 4 = 2 * 2. Dessa forma, 
1 5
2 6
+
3
2-
3
2=
3. Divisão de frações
Quando dividimos duas frações, operamos da seguinte forma:
1
3
5
7
9
3
5
7
9
* *
*
*
=
3
5
7
9
9
7
9
7
9
7
9
7
=
27
35
63
63
=
27
35 27
351
1
= =
3
5
7
9
=
Note que
 
e que, 
 
porque, pela regra de multiplicação, teremos 7
9
9
7 1=* 
e deixaremos de trabalhar com a divisão de frações para trabalhar com o produto, com o qual 
já sabemos como proceder.
Uma maneira mais prática de efetuarmos divisão de frações é “repetindo a fração de cima 
e multiplicado pelo inverso da fração de baixo (invertendo numerador por denominador e 
vice-versa)”.
3
5
7
9
*
*
= 9
7
27
35== 3
5*
9
7
3
5
1
2
5
6
2
3+ -
6
4
3
2=
3/5
7/9
3/5
7/9 1*= 1= 9/7
9/7
Curso Técnico EaD SENAR
36
Exemplos:
1) 
2) 
Atividade 3: Frações
a) 
b) 
c) 
d) 
e) 
f) 
g) 
h) 
1
2
1/2
5/3
3
5
3
10
1 3
2
== =* *
5*
3
7
3/7
2/5
5
2
15
14
3 5
7
== =* *
2*
1
10
1
5
+
4
3
2
3
-
1
3
1
2
- 1
6
+
2
5
1
3 *
1
3
3
7
+ 2
5
+
1
6 *- 2
5
-
1/3
1/2
2
3 : 1
5
-
Matemática Básica e Financeira
37
i) 
j) 
k) 
Tópico 4: Proporcionalidade
Suponha que você precisa comprar determinado produto químico para o controle de uma 
praga. Tal produto apresenta uma recomendação de dose na proporção de dois litros para 
um hectare de lavoura. Considerando que a propriedade possui quatro hectares plantados, 
como encontramos a quantidade ideal a ser aplicada? 
O conceito matemático que nos auxilia na resolução desse problema é chamado de regra 
de três. Para compreender essa regra, primeiro devemos entender os conceitos de razão e 
proporção e o que significam grandezas diretamente ou inversamente proporcionais.
1. Razão
Dados dois números quaisquer, por exemplo, 2 e 3, a razão entre esses números é represen-
tada por: 
2 ou 2/3 ou 2:3
3
De forma genérica, se os números são a e b, denominamos razão entre a e b o quociente a/b. 
É importante lembrar que b nunca poderá ser o número 0. Veja alguns exemplos práticos que 
envolvem razões.
Exemplos: 
1) Suponha que em determinado ano as vendas de frutas de uma fazenda tenham sido de 300 
mil reais e que as vendas do ano seguinte sejam de 450 mil reais. Poderíamos comparar 
esses dois valores dizendo que sua diferença é de 150 mil reais. Porém, a diferença dos 
valores não nos fornece uma ideia do crescimento de vendas entre os dois anos. Para 
avaliarmos esse crescimento, calculamos a razão entre as vendas, isto é:
1,5
450
300 =
Concluímos, assim, que as vendas de frutas do segundo ano são uma vez e meia maiores 
que a do primeiro ano, o que representa um aumento de receitas de 50%.
1
4: *
2
3
1
2
1
2+ :2
4
1
3
1 + 1/3
3
Curso Técnico EaD SENAR
38
2) Ao compararmos mapas de propriedades, representamos as distâncias em escala menor 
que a real. O conceito é dado pela seguinte razão:
escala
medida no mapa
medida real=
Por exemplo, a escala da planta de um terreno na qual o comprimento de 60 m foi 
representado por um segmento de 3 cm é:
3 cm
6.000 cm
1
1 ∶ 2.000
2.000
= =
 
Então nossa escala está na razão de 1 cm para 2.000 cm, ou seja, 1 cm no mapa significa 
2.000 cm no terreno.
3) Velocidade média é a razão entre a distância percorrida e o tempo total de percurso:
velocidade média
distância percorrida
tempo total de percurso=
A distância entre as cidades do Rio de Janeiro e de São Paulo é de, aproximadamente, 400 
km. Um carro levou cinco horas para percorrer esse trajeto. Dessa forma:
400 km
5 h
80 km/h=velocidade média =
2. Proporção
Para compreender melhor o conceito de proporção, vamos nos aprofundar no exemplo 
anterior, da venda de frutas. Você viu que no primeiro ano as vendas de frutas da fazenda 
somaram 300 mil reais e no segundo ano, 450 mil reais. Suponha que as vendas no terceiro 
ano sejam de 600 mil reais e as do quarto ano, 900 mil reais. Dessa forma a razão das vendas 
do quarto ano para as vendas do terceiro ano pode ser calculada pelo quociente: 
1,5
900
600 =
Observe que:
1,5
450
300
900
600= =
Logo, a razão entre as vendas do primeiro e do segundo ano são proporcionais à razão das 
vendas entre o terceiro e o quarto ano.
Matemática Básica e Financeira
39
Conforme vimos, dadas duas razões (b e d não podem ser o número zero), a proporção 
entre elas é a igualdade .
Lemos essa expressão da seguinte forma: “a está para b assim como c está para d”. Toda 
proporção satisfaz a seguinte propriedade:
a
b
c
d
⟹ a d = b c= * *
 
Resumidamente, em toda proporção os produtos cruzados são iguais.
Exemplos:
1) Em virtude da demanda crescente de economia de água, há equipamentos e utensílios, 
como as bacias sanitárias ecológicas, que utilizam 6 litros de água por descarga em vez 
dos 15 litros usados por bacias sanitárias não ecológicas, conforme dados da Associação 
Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Qual será a economia diária de água obtida por 
meio da substituição de uma bacia sanitária não ecológica, que gasta cerca de 60 litros por 
dia com a descarga, por uma bacia sanitária ecológica?
Chamemos de x o número de litros de água despejados pela bacia ecológica. Daí:
⟹ 15 x = 60 6 ⟹ x = = 2415
60
6
x
360
15
= * *
 
O resultado mostra que a bacia ecológica gasta 34 litros, enquanto a não ecológica gasta 
60 litros. Assim a economia será de: 
60 - 24 = 36 litros
3. Grandezas diretamente e inversamente proporcionais 
Definimos como grandeza tudo aquilo que pode ser contado e medido, por exemplo, o tempo, 
a velocidade, o comprimento, o preço, a idade, a temperatura, entre outros. As grandezas são 
classificadas em diretamente proporcionais e inversamente proporcionais.
3.1. Grandezas diretamente proporcionais
São aquelas grandezas em que a variação de uma provoca a variação da outra numa mesma 
razão. Se uma dobra, a outra dobra. Se uma triplica, a outra triplica. Se uma é dividida em 
duas partes iguais, a outra também é dividida à metade.
Exemplos:
1) Se três rastelos custam R$ 80,00, o preço de seis rastelos será R$ 160,00. Observe que, se 
dobramos o número de rastelos, também dobramos o valor final deles.
a
b
c
d
e
a
b
c
d
=
Curso Técnico EaD SENAR
40
2) Para percorrer 30 km, um trator gastou 30 litros de diesel. Nas mesmas condições, o trator 
percorrerá 60 km com 60 litros de diesel. E com 120 litros percorrerá 120 km.
A distância percorrida e o consumo de combustível são diretamente proporcionais: se uma aumenta, a outra também aumenta.
Fonte: Shutterstock
3.2. Grandezas inversamente proporcionais
Uma grandeza é inversamente proporcional quando operações inversas são utilizadas nas 
grandezas. Por exemplo, se dobramos uma das grandezas, temos de dividir a outra por dois. 
Se triplicamos uma delas, devemos dividir a outra por três e assim sucessivamente. 
Exemplos:
1) Para encher um bebedouro de bovinos, são necessárias 30 vasilhas de 6 litros cada 
uma. Se forem usadas vasilhas de 3 litros cada, será preciso 60 vasilhas para encher o 
mesmo bebedouro. Observe que as grandezas “quantidadesde vasilhas” e “capacidade 
das vasilhas” são inversamente proporcionais, pois, ao diminuirmos a capacidade de cada 
vasilha, precisamos de um número maior de vasilhas para encher o mesmo bebedouro.
2) O agricultor Pedro deseja realizar em sua fazenda uma festa junina em comemoração 
à boa colheita que teve. Para isso irá comprar 30 latas de refrigerante com capacidade 
de 200 mL cada uma. Caso ele compre latas de 600 mL, deverá comprar dez latas para 
ter a mesma quantidade de refrigerante. Note que as grandezas “quantidade de latas” e 
“capacidade de cada lata em mL” são inversamente proporcionais, pois, ao comprar latas 
com maior capacidade, Pedro precisou de um número menor de latas para obter a mesma 
quantidade de antes.
Grandezas são muito utilizadas em situações de comparação, o que fazemos com frequência, 
às vezes sem perceber. Nos casos que envolvem proporcionalidade direta e inversa, é de 
extrema importância conhecer a regra de três para a obtenção dos resultados.
Matemática Básica e Financeira
41
4. Regra de três (simples)
Utilizamos regra de três simples na solução de problemas que envolvem grandezas propor-
cionais.
Exemplos:
1) Uma colheitadeira se desloca com velocidade constante, percorrendo 4 km em 1 hora. 
Qual o tempo gasto para percorrer 10 km?
As grandezas envolvidas são diretamente proporcionais, pois, quanto maior a distância, 
maior o tempo necessário. Teremos então uma regra de três simples e direta. Dispomos 
os dados do problema colocando frente à frente aqueles que se correspondem. Marcamos 
x no local do valor procurado, da seguinte forma:
distância
4 km
10 km
1 h
x h
tempo
As setas para baixo nos auxiliam a perceber que ambas as grandezas são proporcionais. 
Sendo a regra de três simples e direta, as grandezas são dispostas na mesma ordem de 
correspondência, desta forma:
⟹ 4 x = 10 1 ⟹ x = ⟹ x = 2,54
10
10
4
1
x
= * *
Portanto o tempo gasto para percorrer 10 km é de 2,5 horas.
2) Dois trabalhadores juntos conseguem capinar certo terreno em 6 horas de trabalho. Se, em 
vez de dois, fossem três trabalhadores, em quantas horas o terreno poderia ser capinado?
Nesse caso, as grandezas são inversamente proporcionais, pois, quanto mais trabalhadores 
tivermos, menos horas serão necessárias para terminar o serviço. Assim, teremos uma 
regra de três simples e inversa. Dispondo os dados do problema com as setas para nos 
ajudar, temos:
horas
6 h
x h
2 trabalhadores
3 trabalhadores
trabalhador
 
Como as grandezas são inversas, invertemos um dos lados para montar a nossa equação, 
Curso Técnico EaD SENAR
42
ficando assim:
⟹ 3 x =2 6 ⟹ x = = 4 ⟹ x = 4
x
6
12
3
2
3
= *
Portanto seriam necessárias 4 horas de 3 trabalhadores para capinar o mesmo terreno.
d
Comentário do autor
Como estão seus estudos até aqui? Lembre-se de que você pode assistir às 
videoaulas e acessar o AVA para se aprofundar. Além disso, conte sempre com 
apoio da Tutoria a distância! Resolva todas as suas dúvidas, pois assim você fica 
mais seguro para estudar os tópicos seguintes.
5. Porcentagem
A porcentagem tem inúmeras aplicações no dia a dia. No mercado financeiro, por exemplo, 
é utilizada para capitalizar empréstimos e aplicações, expressar índices inflacionários e 
deflacionários, descontos, aumentos e taxas de juros. 
Os números percentuais possuem representações na forma de fração com denominador 
igual a 100 e, quando escritos de maneira formal, devem aparecer na presença do símbolo 
de porcentagem (%). Também podem ser escritos na forma de número decimal. Veja três 
representações de porcentagem de um mesmo valor:
1%
1
100
____ 0,01
O símbolo “%” é lido como “por cento” e significa centésimos. Por isso, “5%” lemos “5 por cento”.
Para calcularmos uma porcentagem, é importante lembrarmos o produto de frações, pois 
procedemos da seguinte forma:
x % de y = y
x
100 *
Exemplos:
1) 
2) 
Para transformar frações em porcentagem, realizamos a divisão, depois multiplicamos por 
100 e colocamos o símbolo de porcentagem à sua direita.
5% de um terreno de 80 m2 = 80 = 0,05 80 = 4 m²
5
100 **
4% de 32 litros de leite = 32 = 0,04 32 = 1,28% litro de leite
4
100 **
Matemática Básica e Financeira
43
Exemplos:
1) Se um produtor rural perder da safra de determinado período, podemos dizer que ele 
perdeu 20% da safra, pois:
= 0,2 ⟹ 0,2 100 = 20%
3
15
*
Desse modo, para transformarmos em porcentagem, fazemos a divisão, depois multiplica-
mos por 100 e colocamos o símbolo “%”.
2) Procedendo da mesma maneira que no exemplo anterior, 
18
45 em fração equivale a 40%, 
pois:
18
*= 0,4 ⟹ 0,4 100 = 40%
45
Atividade 4: Proporcionalidade
a) Uma bomba eleva 272 litros de água de um poço em 16 minutos. Quantos litros elevará 
em 1 hora e 20 minutos?
b) Doze operários levaram 25 dias para executar determinada obra num celeiro. Quantos 
dias levarão dez operários para executar a mesma obra?
c) Num armazém existem 200 pilhas de caixas com 30 caixas em cada pilha. Se houvesse 25 
caixas em cada pilha, quantas pilhas teríamos no armazém?
d) Metade de uma obra em um silo foi feita por dez operários em 13 dias. Quantos tempo 
levaria para terminar essa obra com três operários a mais?
e) Converta as frações a seguir para porcentagem: 
f) Calcule as porcentagens a seguir: 15% de 180, 18% de 150, 35% de 126, 100% de 715, 115% 
de 60 e 200% de 48.
3
15
3
15
3 , , ,
4
8
50
45
18
14
42
Curso Técnico EaD SENAR
44
Tópico 5: Potências 
A operação realizada na potenciação é uma multiplicação por um mesmo número repetidas 
vezes e é representada da seguinte forma: 
Um número base a (que será multiplicado) elevado a um expoente n 
(quantidade de vezes que ele será multiplicado):
 a
n 
= “multiplicar a * a por n repetidas vezes”
Exemplos:
1) 23 = 2 * 2 * 2 = 8
2) (-1)2 = (-1) * (-1) = 1
3) 
d
Comentário do autor
Este conceito será muito útil no próximo tema, sobre matemática financeira, 
pois as fórmulas que veremos utilizam potências. Por isso, fique atento às 
propriedades a seguir e à forma como realizamos as operações fundamentais 
para potências.
1. Regras de potencialização
Devemos ficar atentos às seguintes propriedades das potências:
a) Quando o número não possuir expoente, sua potência será 1, isto é, a = a1.
b) Se o expoente for o número 1, o resultado será a própria base: a1 = a.
• 31 = 3 
• 171 = 17
c) Toda potência de 1 é igual a 1 : 1n = 1.
• 17 = 1
• 199 = 1
1
2
21
2
1
2
1
4
1 1
2 2 === * *
*
Matemática Básica e Financeira
45
d) Toda potência de 0 é 0: 0n = 0.
e) Qualquer número, exceto 0, elevado a 0 é igual a 1 : a0 = 1.
• 190 = 1
• 00 não faz sentido, ou seja, não podemos fazer essa conta.
f) Se o expoente for negativo, exceto 0, devemos fazer o inverso do número, isto é: 
• 
• 
g) Em potência de frações, devemos elevar o numerador e o denominador ao mesmo 
expoente:
 
• 
• 
h) Potência de base dez – efetuamos as potências de 10 escrevendo à direita do número 1 
tantos zeros quantas forem as unidades do expoente.
• 103 = 1.000
• 102 = 100 
i) Expoentes pares – uma potência com expoente par será sempre um número positivo.
• (-3)2 = (-3) * (-3) = 9
• 54 = 5 * 5 * 5 * 5 = 625
j) Expoentes ímpares – uma potência com expoente ímpar terá o sinal do número base.
• (-3)3 = -27
• (-2)5 = -32
a-n 1
an
=
2-1 1
2
=
3-2 1
32
= 1
9
=
an
bn
na
b
=
13
33
31
3
= = 1
27
(- 1)5
25
51
2
= =- 1
32
-
Curso Técnico EaD SENAR
46
2. Multiplicação de potências
Ao multiplicar potências, devemos ficar atentos às bases destas. Temos dois casos: potências 
de mesma base e potências de bases diferentes. Por exemplo: 23 e 24 são potências de mesma 
base, enquanto 32 e 72 são de bases diferentes.
Multiplicação de potências de mesma base
Observe o que acontece quando multiplicamos duas potências de mesma base:
22 * 23 = (2* 2) * (2 * 2 * 2) = 4 * 8 = 32
Note que essa operação é igual a:
22+ 3 = 25 = 2 * 2 * 2 * 2 * 2 = 32
Logo, quando multiplicamos potências de mesma base, mantemos a base e somamos os 
expoentes:
an * am = an + m
Exemplos:
1) 23 * 25 = 23 + 5 = 28
2) 45 * 41 = 45 + 1 = 46
Multiplicação de potências de bases diferentes e mesmo expoente
Veja agora o que acontece quando multiplicamos duas potências de bases diferentes e com os 
expoentes iguais:
22 * 32 = (2 * 2) * (3 * 3) = 4 * 9 =36
Isso é o mesmo que fazer:
(2 * 3)2 = 62 = 6 * 6 = 36
Dessa forma, quando multiplicamos potências com bases diferentes e expoentes iguais, nós 
multiplicamos os números base e conservamos o expoente:
an * bn = (a * b)n
Exemplos:
1) 32 * 52 = (3 * 5)2 = 152
2) 33 * 73 = (3 * 7)3 = 213
Matemática Básica e Financeira
47
3. Divisão de potências
Na divisão de potências, procedemos como na multiplicação, isto é, temos dois casos.
Divisão de potências de mesma base
Considere a seguinte divisão entre potências de mesma base: 
24
22
16
4
42 2 2 2
2 2
= = =* * *
*
Observe que essa operação é equivalente a:
24 - 2 = 22 = 4
Assim, quando dividimos potências de mesma base, devemos manter a base e subtrair os 
expoentes (“o de cima menos o de baixo”):
an
am
an-m=
Exemplos:
1) 
2) 
Divisão de potências de bases diferentes e mesmo expoente
Veja o que acontece quando dividimos potências de base diferentes e mesmo expoente:
22
32
4
9
2 2
3 3
= =*
*
Agora, utilizando produto de frações, observe que:
2
3
22
3
2
3
4
9
2 2
3 3
== =** *
Logo, para dividir potências de bases diferentes e mesmo expoente, dividimos os números da 
base e conservamos o expoente:
na
b
an
bn
=
Exemplos:
1) 
2) 
45
42
45 - 2 = 43=
32
3
32 - 1 = 31 = 3=
27
3
72
32
=
38
3
83
33
=
Curso Técnico EaD SENAR
48
4. Potência de potências
Agora vejamos outra operação entre potências. Observe o exemplo a seguir, em que 
calculamos a potência de uma potência:
(22)3 = (22) * (22) * (22) = 4 * 4 * 4 = 64
Por outro lado, também podemos dizer que:
22*3 = 26 =2 * 2 * 2 * 2 * 2 * 2 = 64
Dessa forma, para calcularmos potência de potências, devemos multiplicar os expoentes e 
repetir a base:
(an)m = an * m
Exemplos:
1) (72)4 = 72 * 4 =78
2) (157)2 = 157 * 2 = 1514
'
Dica
Todo número natural pode ser escrito como produto de potências de 
números primos. Esse fato é conhecido como decomposição em fatores 
primos, assim como procedemos para calcular m.m.c. e m.d.c. Ele é muito 
útil para simplificarmos expressões matemáticas.
Exemplos:
1) 4 = 2 * 2 = 22
2) 12 = 2 * 6 = 2 * 2 * 3 = 22 * 3
3) 30 = 2 * 15 = 2 * 3 * 5 
Atividade 5: Potenciação
a) 13
b) 04
c) (-2)3
Matemática Básica e Financeira
49
d) (-4)3
e) 23 * 25
f) 3 * 32 * 34
g) 
h) 
i) (-3)5 * 55
j) 153 : 33
k) (24)2
l) [(52)3]5
m) 
n) 
o) (23 * 53)0
p) 4-2
q) 2 * 3-1
35
34
34 32
35
*
5
3
2
2
32
3
Curso Técnico EaD SENAR
50
Tópico 6: Medidas agrárias
Para encerrarmos este primeiro tema sobre matemática básica, vamos estudar as medidas 
agrárias utilizadas para medir áreas rurais.
Fonte: Shutterstock
As medidas de áreas rurais são diferentes das medidas urbanas: metro, centímetro, decâmetro, 
hectômetro etc., mas elas se relacionam entre si. Por isso, primeiro vamos relembrar as 
medidas de comprimento mais usadas e, em seguida, veremos as medidas agrárias.
1. Unidades de medidas 
De acordo com o Sistema Internacional de Unidades (SI), o metro (m) é considerado a unidade 
principal de medida de comprimento. Os múltiplos do metro são o quilômetro (km), o 
hectômetro (hm) e o decâmetro (dam) e os submúltiplos são o decímetro (dm), o centímetro 
(cm) e o milímetro (mm). 
Para converter uma unidade em outra, procedemos como no esquema a seguir.
x 10
: 10 : 10 : 10 : 10 : 10 : 10
x 10 x 10 x 10 x 10 x 10
Quilômetro
km
Hectômetro
hm
Decâmetro
dam
Metro
m
Decímetro
dm
Centímetro
cm
Milímetro
mm
Matemática Básica e Financeira
51
Da esquerda para a direita – devemos multiplicar pelo número 10 o número de vezes de 
casas que devemos andar.
• 15 km correspondem a 150 hm (andamos apenas uma casa, dessa forma multiplicamos 
por 10) ou equivalem a 15.000 m (3 casas = multiplicar por 10 três vezes, ou seja, por 1.000).
• 1 dm equivale a 100 mm (andamos duas casas e, por isso, multiplicamos por 10 duas 
vezes, isto é, por 100).
Da direita para a esquerda – devemos dividir pelo número 10 o número de casas que 
tivermos de andar.
• 7 cm corresponde a 0,07 m, pois tivemos de andar duas casas para a esquerda e, dessa 
forma, dividimos por 10 duas vezes.
'
Dica
Você pode usar a mesma tabela para conversão de áreas, mas ao invés 
de 10, deve multiplicar ou dividir por 100. Você também pode usar para 
conversão de volumes, mas nesse caso, multiplique ou divida por 1000.
2. Unidades de medidas agrárias
As unidades de medidas agrárias se relacionam com as unidades de medidas de superfície da 
seguinte forma: 
• 1 are (a) = 100 m²
• 1 a * 100 = 1 hectare (ha) = 100 a = 10.000 m²
• = 1 centiare (ca) = 1 centésimo de are = 1 m²
No Brasil, a medida oficial de terras é esse sistema decimal, e o 
hectare é a medida mais usada.
Outra medida de superfície comumente utilizada no Brasil é o alqueire, que tem como 
principais variações regionais:
• 1 alqueire do norte = 27.225 m² = 2,72 ha
• 1 alqueire mineiro = 48.400 m² = 4,84 ha
• 1 alqueire paulista = 24.200 m² = 2,42 ha
• 1 alqueire baiano = 96.800 m² = 9,68 ha
1 a
100
Curso Técnico EaD SENAR
52
Exemplos:
1) Uma propriedade com 11 hectares é equivalente a uma propriedade com 110.000 m², pois: 
1 ha = 10.000 m2 ⇒ 11 ha = 11 * 10.000 m2 = 110.000 m2
2) Um terreno com 2,42 hectares é equivalente a um terreno com 242 a, visto que:
2,42 * 100 = 242 a
3) Um lote de 5,5 alqueires paulistas é equivalente a um lote com 133.100 m², porque: 
 5,5 * 24.200 m2 = 133.100 m²
Encerramento do tema
Ao longo deste tema você estudou e praticou os conceitos fundamentais da matemática básica. 
Aprendeu os diferentes conjuntos de números e como realizar operações entre números com 
vírgulas ou frações. Conheceu proporcionalidade, regras de três e potências. Fechamos o 
tema com as principais unidades de medidas agrárias.
No próximo tema, você estudará a matemática financeira. Para isso, certifique-se de ter 
compreendido bem os conceitos que viu até aqui, pois eles auxiliarão no entendimento das 
fórmulas e na resolução dos cálculos que virão.
02
Matemática 
Financeira
Curso Técnico EaD SENAR
54
Tema 2: Matemática Financeira
A matemática financeira é muito importante dentro de uma empresa, pois ela fornece os 
instrumentos necessários para avaliar os recursos mais viáveis em termos de custo e os 
investimentos que podem ser mais rentáveis a curto ou longo prazo. Em outras palavras, a 
matemática financeira é essencial para que uma organização possa minimizar os custos e 
maximizar os resultados.
Contudo, sua aplicação não se restringe apenas às empresas. A matemática financeira é uma 
importante aliada para cálculos pessoais, como a melhor forma de efetuar o pagamento de 
uma casa, de um carro ou até mesmo de eletrodomésticos e das compras do mês.
Fonte: Shutterstock
Matemática Básica e Financeira
55
De modo geral, há momentos em que precisamos guardar e capitalizar o dinheiro e momentos 
nos quais necessitamos gastar com bens e serviços. Quando nosso objetivo é formar um capital 
em uma data futura, temos um processo de capitalização (que pode ser simples ou composto).
a
Competências
Ao longo deste tema, você estudará diferentes conceitos de modo que 
desenvolva competências para:
• compreender e calcular juros simples e montante, juros exatos e comerciais;
• diferenciar os tipos de descontos simples;
• calcular a taxa média e o prazo médio em operações de desconto;
• realizar cálculos de montantes e taxas equivalentes;
• compreender os tipos de desconto composto.
d
Comentário do Autor
No decorrer deste tema você verá muitos exemplos resolvidos, mas nem todos 
os cálculos estão detalhados. Oobjetivo é que você compreenda os passos da 
resolução, e por isso algumas etapas apresentam números aproximados. Desse 
modo, mesmo sendo um exemplo resolvido, procure refazer as contas sem 
arredondar os números, pois eles podem mudar o resultado final. Ao término 
você pode considerar aproximações de números com vírgulas, escrevendo o 
sinal igualdade (≈), que deve ser lido como “aproximadamente”.
Antes de prosseguir, considere que a maioria das fórmulas presentes neste tema utiliza 
potências e que, em alguns casos, será preciso calcular raízes. Para isso, você necessitará de 
uma calculadora científica, dos modelos mais simples. Com ela você poderá calcular potências 
e raízes de quaisquer números.
c
Leitura complementar
Para fortalecer seus estudos e lembrar como são é realizado o cálculo de raízes, 
acesse a biblioteca do AVA e confira o conteúdo complementar sobre radiciação. 
Lá, você também encontrará um tutorial de como calcular raízes e potências com 
a calculadora do Windows. 
Curso Técnico EaD SENAR
56
Tópico 1: Juros simples
O conceito de juros surgiu no momento em que o homem percebeu a existência de uma 
relação entre o dinheiro e o tempo.
Juros é o “aluguel” que pagamos pelo tempo em que determinada quan-
tia de dinheiro fica emprestada a nós. Também é o pagamento que rece-
bemos quando emprestamos dinheiro a alguém.
O regime de juros simples, ou capitalização simples, consiste em somar os juros mensais ao 
capital no fim do prazo da operação financeira. Contudo, vale salientar que, atualmente, o 
sistema financeiro utiliza o regime de juros compostos, por ser mais lucrativo. Você verá esse 
assunto no Tópico 3.
1. Conceitos 
Antes de partir para os cálculos e exemplos, veja alguns conceitos importantes do universo 
financeiro:
Juros (j)
Juros é o valor cobrado pelo detentor do dinheiro para cedê-lo a quem 
o necessite. Em outras palavras, é um tipo de aluguel cobrado pela 
pessoa ou instituição que possui o dinheiro da pessoa ou instituição 
que precisa do dinheiro.
Capital (P)
Capital é a importância ou o dinheiro disponível para emprestarmos 
a quem dele necessite (do ponto de vista de um investidor) ou que 
necessitamos (do ponto de vista de quem toma emprestado).
Período (n)
Período é o intervalo de tempo em que o capital estará disponível 
para aplicação ou empréstimo.
Montante (F)
Montante é o valor resultante, ao final do período, da soma do capital 
(ou da aplicação financeira), com os juros recebidos (ou pagos), isto é:
montante = capital + juros
Usando as letras F para montante, P para capital e j para juros, 
podemos escrever a fórmula do montante do seguinte modo:
F = P + j
Matemática Básica e Financeira
57
Taxa de juros (i)
Taxa de juros é a razão entre os juros recebidos (ou pagos) e o capital 
empregado, ou seja:
i
juros
capital
= j
P
=
As taxas de juros podem ser escritas de duas formas:
• Taxa percentual – utilizando a porcentagem, como 12% ao 
ano, ou 12% a.a.
• Taxa unitária – usando uma representação decimal, como 
0,12 ao ano, ou 0,12 a.a.
`
Atenção
lembre-se da forma de transformação que você estudou sobre porcentagem. A 
conversão entre taxa percentual e unitária é feita da seguinte maneira:
• Taxa percentual em taxa unitária – dividimos a taxa por 100 e tiramos o 
símbolo %. Por exemplo: uma taxa percentual de 1,25% equivale a taxa unitária 
de 0,0125, pois:
0,0125
1,25
100
=
• Taxa unitária em taxa percentual – multiplicamos a taxa unitária por 100 e 
colocamos o símbolo %. Por exemplo, uma taxa 1,53 unitária equivale a 153%, 
visto que:
Nas fórmulas, todos os cálculos são efetuados utilizando a taxa unitária 
de juros e tanto o prazo da operação quanto a taxa de juros devem 
estar na mesma unidade de tempo. Por exemplo, se a taxa for anual, 
o prazo (n) também deve estar em anos, mantendo-se, assim, o mesmo 
parâmetro de tempo. Usaremos sempre o ano comercial com 360 dias e 
o mês comercial com 30 dias.
Curso Técnico EaD SENAR
58
Para entender melhor, acompanhe este exemplo: qual a taxa de juros cobrada em um 
empréstimo de insumos agrícolas no valor de R$ 1.000 resgatado por R$ 1.200 ao final de 
um ano?
O enunciado nos fornece os seguintes dados:
• Capital inicial: P = 1.000
• Juros: j = 1.200 – 1.000 = 200
Portanto a taxa de juros ( i ) é dada por:
i = = 0,20 a.a., ou 20% a.a.
200
1.000
2. Cálculo de juros simples e do montante
2.1. Cálculo de juros simples
No critério de juros simples, em cada período os juros são calculados sobre o capital inicial, 
sendo diretamente proporcionais ao valor e ao tempo de aplicação. O valor dos juros simples 
é obtido pela fórmula:
juros simples = (capital) * (taxa de juros) * (período)
Utilizando j para juros, P para capital, i para a taxa juros e n para período, podemos reescrever 
a fórmula anterior assim:
j = P * i * n 
Exemplos:
1) Calcular o valor dos juros correspondentes a um empréstimo para a compra de um trator 
de R$ 12.500 pelo prazo de 18 meses à taxa de 1,5% ao mês (por abreviação, a.m.).
Vejamos os dados que o problema nos fornece:
• Capital: P = 12.500
• Período: n = 18 meses
• Taxa de juros: i = 1,5% a.m. = 0,015 a.m.
• Juros: j = ?
Note que o período e a taxa de juros estão na mesma unidade de tempo, ou seja, em 
meses. Aplicando diretamente a fórmula anterior, calcularemos os juros simples:
j = 12.500 * 18 * 0,015 = 3.375
Portanto, o valor dos juros é R$ 3.375. 
Matemática Básica e Financeira
59
2) Calcular o valor de um empréstimo para a reforma de um celeiro, à taxa de 36% ao ano e 
pelo prazo de 8 meses, sendo pagos R$ 12.000 de juros.
Dados do problema:
• Taxa de juros: i = 36% a.a. = 0,36 a.a. 
• Período: n = 8 meses
• Juros: j = 12.000
• Capital: é o valor do empréstimo que desejamos calcular, isto é, P = ?
Antes de aplicarmos a fórmula e encontrarmos P, precisamos fazer uma conversão na taxa 
de juros, pois o período é dado em meses e a taxa ao ano. Como em um ano temos 12 
meses, para encontrar a taxa de juros ao mês devemos dividir o valor que temos por 12:
i = 36% a.a. = = 3% a.m. = 0,03 a.m.
36% a.a.
12
Vamos utilizar os dados na fórmula e isolar P:
12.000 = P * 0,03 * 8 ⟹ P = = 50.000
12.000
0,24
 
Portanto o valor do empréstimo, ou seja, do capital, é R$ 50.000.
3) Uma aplicação numa letra de crédito do agronegócio (LCA) de R$ 19.000, pelo prazo de 
120 dias, obteve um rendimento de R$ 1.825. Qual a taxa anual de juros simples dessa 
aplicação?
Dados:
• Capital: P = 19.000
• Período: n = 120 dias
• Juros: aqui indicado pela palavra “rendimento”, j = 1.825
• Taxa de juros: queremos calcular a taxa ao ano, i = ? a.a.
Vamos utilizar a fórmula dos juros simples isolando o termo i:
1.825 = 19.000 * i * 120 ⟹ i = = 0,0008
1.825
2.280.000
Portanto encontramos uma taxa de juros de aproximadamente 0,08% ao dia, já que nosso 
período foi dado em dias. Mas precisamos da taxa anual. Como em um ano temos 360 
dias, basta multiplicar a taxa diária que encontramos por 360. Dessa forma:
i = 0,08 * 360 = 28,8
Portanto a taxa de juros é de 28,8% ao ano.
Curso Técnico EaD SENAR
60
2.2. Cálculo do montante
O montante é o valor resultante, ao final do período, da soma do empréstimo (ou da aplicação 
financeira) com os juros pagos no período, isto é: 
montante = capital + juros
Usando a fórmula dos juros simples e considerando F para montante, P para capital, i para 
taxa de juros e n para período, o montante é calculado por:
F = P * (1 + i * n)
Note que a fórmula de juros simples e esta são iguais. Dependendo dos dados que tivermos 
em mãos, podemos usar uma ou outra.
Exemplos:
1) Um fazendeiro aplicou R$ 2.700 em uma LCA a uma taxa de juros simples de 2,8% ao mês 
pelo prazo de 3 meses. Quanto resgatou?
Temos os seguintes dados:
• Capital: P = 2.700
• Taxa de juros: i = 2,8% a.m. = 0,028 a.m.
• Período: n = 3 meses
• Montante: será o valor resgatado, logo F = ?
Note que o período e a taxa de juros são indexados em meses.Assim basta aplicar direta-
mente a fórmula anterior:
F = 2.700 * (1 + 0,028 * 3) = 2.700 * 1.084 = 2.926,80
Portanto o fazendeiro resgatou R$ 2.926,80.
2) Calcular o valor dos juros e do montante de um capital de R$ 7.500 aplicado a uma taxa de 
juros simples de 20% a.a., por 220 dias.
Dados:
• Capital: P = 7.500
• Taxa de juros: i = 20% a.a. = 0,2 a.a.
• Período: n = 220 dias
• Juros: j = ?
• Montante: será o valor resgatado, logo F = ?
Matemática Básica e Financeira
61
Note que o período é dado em dias e a taxa de juros ao ano, logo precisamos fazer uma 
conversão. Como em um ano temos 360 dias, dividimos a taxa anual por 360, isto é:
i = 20% a.a. = = 0,0005 a.d.
0,2 a.a.
360
Nesse exemplo é mais fácil usarmos a primeira fórmula para o montante, que é: 
F = P + j
Porém ainda não sabemos os juros. Utilizando a fórmula dos juros simples, temos:
j = 7.500 * 0,0005 * 220 = 825
Dessa forma o valor dos juros é R$ 825. Por fim, vamos calcular o montante:
F = 7.500 + 825 = 8.325
Portanto o valor dos juros é R$ 825 e o do montante R$ 8.325.
3. Juros exato e comercial
Juros exato (JE)
São calculados quando o período n está expresso em dias. Utilizamos 
o ano civil com 365 dias, e a taxa é expressa ao ano:
JE = P * i * a.a.
n
365
Juros comercial 
(JC)
São calculados quando o período n está expresso em dias. Usamos o 
ano comercial com 360 dias, e a taxa é expressa ao ano:
JC = P * i * a.a.
n
360
Exemplos:
1) Calcular o juro exato e o juro comercial de um capital de R$ 5.000 aplicado pelo prazo 40 
dias à taxa de 36% a.a. por um fazendeiro que espera a entressafra.
Dados do problema:
• Capital: P = 5.000
• Período: n = 40 dias
• Taxa de juros: i = 36% a.a. = 0,36 a.a.
Curso Técnico EaD SENAR
62
Aplicando agora as fórmulas do JE e JC, temos que:
JE = = = 197
72.000
365
5.000 * 0,36 * 40
365
JC = = = 200
72.000
360
5.000 * 0,36 * 40
360
2) Calcular o juro exato e o juro comercial de um capital de R$ 4.000 aplicado em 16/04/2001 
e resgatado em 23/07/2001 à taxa de 48% a.a. 
Dados:
• Capital: P = 4.000
• Taxa de juros: i = 48% a.a. = 0,48 a.a.
• Período: n = ?
• Juros: JE = ? e JC = ?
Primeiro devemos encontrar o período, isto é, o número de dias entre as duas datas. Para 
isso, devemos usar a tabela de contagem de dias, que pode ser encontrada na biblioteca 
do AVA. Consultando a tabela, vemos que:
• até 23/07 temos 204 dias; 
• até 16/04 temos 106 dias.
Logo:
n = 204 - 106 = 98 dias
Por fim basta aplicar as fórmulas de juros exato e comercial:
JE = = = 515,51
188.160
365
4.000 * 0,48 * 98
365
JC = = = 522,67
188.160
360
4.000 * 0,48 * 98
360
3) Um fazendeiro realizou um empréstimo de R$ 4.500 em 20/07/2001 e foi pago decorridos 
148 dias. Sabendo que a taxa encontrada é de 45% a.a., calcule:
a) a data de vencimento do empréstimo;
b) o valor pago pelo juro exato;
c) o valor pago pelo juro comercial.
Matemática Básica e Financeira
63
Inicialmente vamos anotar os dados do problema:
• Capital: P = 4.500
• Taxa de juros: i = 45% a.a. = 0,45 a.a.
• Período: n = 148 dias
Vamos resolver cada item em separado agora.
a) Utilizando a tabela de contagem de dias que se encontra na biblioteca do AVA, temos que 
até 20/07 são 201 dias. Dessa forma:
data de vencimento = 201 + 148 = 349 dias
Novamente pela tabela, temos que o vencimento do empréstimo é 15/12/2001.
b) Pela fórmula do montante, o valor pago pelo empréstimo considerando o juro exato é:
F = 4.500 * (1 + * 148) = 4.500 * (1 + 0,1824) = 5.321,10
0,45
365
c) Pela fórmula do montante, o valor pago pelo empréstimo considerando juro comercial é:
F = 4.500 * (1 + * 148) = 4.500 * (1 + 0,1850) = 5.332,50
0,45
360
Atividade 1: Juros simples
a) Quanto obterei ao final de um ano, três meses e quinze dias se aplicar um capital de R$ 
2.500 a juros simples de 18% a.a.?
b) Um agricultor aplicou R$ 4.500 à taxa de 10% a.a., gerando um montante de R$ 9.000. 
Calcule o prazo da aplicação.
c) Determine o capital necessário para gerar um montante de R$ 7.950 ao final de 1 ano e 9 
meses a uma taxa de 4,5% ao trimestre.
d) O capital de R$ 3.500 aplicado pelo período de 1 ano e 6 meses formou um montante de 
R$ 4.200,00. Calcule a taxa semestral de juros.
e) Um empréstimo de R$ 8.000 foi realizado por um produtor rural em 27/02/2001 e foi pago 
em 03/08/2003. Sabendo que a taxa contratada é 38% a.a., determine:
• o valor pago em 03/08/2003 pelo juro exato;
• o valor pago em 03/08/2003 pelo juro comercial.
f) Determine o montante gerado pela aplicação de um capital no valor de R$ 3.500 aplicado 
no período de 18/05/2001 até 07/03/2003 e com taxa de juros comercial de 36% a.a.
Curso Técnico EaD SENAR
64
Tópico 2: Desconto simples
No sistema financeiro, as operações de empréstimo são muito utilizadas pelas empresas e 
pessoas. Essas operações geram ao credor um título de crédito, que é a garantia da dívida. 
Como exemplos de títulos, podemos citar:
Duplicata
Papel emitido por pessoas jurídicas contra clientes físicos ou jurídicos 
especificando vendas de mercadorias com prazo ou prestação de 
serviços a serem pagos mediante contrato firmado entre as partes.
Nota promissória
Título que comprova uma aplicação com vencimento determinado. 
Este produto é muito utilizado entre duas pessoas físicas e ou entre 
pessoas físicas e instituições financeiras credenciadas.
Letra de câmbio
Como a promissória, é um título que comprova uma aplicação com 
estabelecimento prévio do vencimento. No caso da letra, o título 
ao portador somente é emitido por uma instituição financeira 
credenciada.
Letra de Crédito 
do Agronegócio
A LCA é um título de crédito de livre negociação e com promessa 
de pagamento em dinheiro que pode ser emitido por instituições 
financeiras públicas e privadas. Em geral, é um título de renda fixa 
oferecido por agentes financeiros e isento de IOF e imposto de renda 
(IR) para os investidores.
Cédula de 
Produtor Rural
A CPR, criada em 1994 pela Lei no 8.929, é um título de crédito 
lastreado em garantia real que pode ser emitido tanto pelo produtor 
rural como por uma cooperativa de crédito. Esse é um título para uma 
venda a termo, ou seja, uma venda que será concluída no futuro.
Em outras palavras, podemos dizer que o título é “conta a ser paga” ou “boleto de pagamento”. 
Esses títulos possuem datas de vencimento predeterminadas, mas o devedor tem o direito de 
antecipar o pagamento. Caso isso aconteça, um abatimento chamado de desconto é efetuado. 
O desconto pode ser:
• Comercial – calculado sobre o valor nominal.
• Racional – calculado sobre o valor atual.
1. Valor nominal (N) e atual (V) de um título
Antes de iniciarmos os descontos simples, é preciso entendermos a diferença entre valor 
nominal e valor atual.
Matemática Básica e Financeira
65
Data atual Data
do vencimento
Valor nominal de 
um título (N): É o 
valor do título na
 data do seu
 vencimento.
Valor atual de 
um título (V):
É o valor que um
título tem em
uma data que
antecede ao
seu vencimento.
Para calcular o valor nominal ou o valor atual de um título, utilizamos a seguinte fórmula:
N = V * (1 + i * n)
Em que N é o valor nominal, V o valor atual, i a taxa de juros e n o período.
Exemplos:
1) Calcular o valor nominal de um título de R$ 5.000 assinado hoje, com vencimento daqui a 
9 meses, com taxa de juros de 36% a.a.
Dados do problema:
• Valor atual: V = 5.000
• Período: 9 meses
• Taxa de juros: i = 36% a.a. = 0,36 a.a.
• Valor nominal: N = ?
Antes de aplicarmos a fórmula, devemos mudar a taxa de juros para “ao mês”, pois o 
período é dado em meses. Nossa taxa é ao ano, e em um ano há 12 meses. Logo, para 
encontrar a taxa mensal, temos de dividir a taxa anual por 12, isto é:
i =