Buscar

2 01 - Apostila da UC 11



Continue navegando


Prévia do material em texto

OPERAÇÃO DAS CADEIAS 
PRODUTIVAS DO AGRONEGÓCIO
MÓDULO ESPECÍFICO I
Custo, Mercado e Transporte
Curso Técnico EaD Senar
Formação Técnica
SENAR - Brasília, 2021
Custo, Mercado e 
Transporte
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) 
(eDOC BRASIL, Belo Horizonte/MG)
S491c
 SENAR – Serviço Nacional de Aprendizagem Rural.
 Curso técnico EaD SENAR: custo, mercado e 
transporte / Serviço Nacional de Aprendizagem Rural. – 
Brasília, DF: SENAR, 2022.
 142 p. : il. ; 21 x 29,7 cm – (SENAR Formação 
Técnica)
 
	 	 Inclui	bibliografia
 ISBN 978-65-86344-54-7
 
 1. Agronegócio. 2. Ensino a distância. 
3. Produtividade Agrícola. I. Título. II. Série.
CDU 630
Elaborado por Maurício Amormino Júnior – CRB6/2422
Sumário
Introdução à Unidade Curricular –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 7
Tema 1: O mercado agropecuário –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 12
Tópico 1: Noções de mercado ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 13
1.1 Fundamentos do mercado agropecuário ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 13
1.2 Mercado agropecuário brasileiro –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 15
1.3 Variáveis estratégicas do agronegócio –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 15
Atividades de aprendizagem –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 17
Tópico 2: Instrumentos de mercado para a comercialização de 
produtos agropecuários –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 18
2.1 A concorrência no setor agropecuário ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 20
2.2 A utilização da tecnologia na comercialização e no abastecimento 
do mercado agropecuário –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 21
Atividades de aprendizagem –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 22
Tópico 3: Novas estratégias econômicas para desenvolvimento do 
agronegócio brasileiro –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 23
3.1 Estratégias econômicas do mercado para o agronegócio –––––––––––––––––––––––––– 23
3.2 Conhecer as tendências econômicas no agronegócio ––––––––––––––––––––––––––––––––– 26
Atividades de aprendizagem –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 32
Tópico 4: A gestão de pessoas no mercado do agronegócio –––––––––––––––––––––––––– 32
4.1 Planejamento da gestão de equipe ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 32
4.2 Treinamentos e motivação –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 33
4.3 Ferramentas de gestão da qualidade da equipe de trabalho ––––––––––––––––––––– 34
4.4 Desenvolvimento de liderança na equipe ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 35
Atividades de aprendizagem –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 37
Encerramento do tema ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 38
Tema 2: Os custos no setor agropecuário brasileiro –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 40
Tópico 1: Fundamentos de custos –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 41
1.1 Noções dos custos –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 41
1.2 Custos no setor agropecuário ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 45
1.3 Custos da empresa rural ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 51
Atividades de aprendizagem –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 54
Tópico 2:	A	precificação	nas	principais	cadeias	produtivas	 
do agronegócio –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 56
2.1	A	precificação	das	principais	cadeias	produtivas	do	agronegócio	
brasileiro ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 59
Atividades de aprendizagem –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 68
Tópico 3: Contabilidade gerencial ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 70
3.1 Introdução à contabilidade ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 70
3.2 Técnicas de contabilidade gerencial –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 71
3.3 Sistema de custeio nas empresas rurais –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 72
3.4 Controle dos custos produtivos –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 75
3.5 Orçamento de plano de contas –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 76
Tópico 4:	O	uso	de	ferramentas	na	gestão	financeira	do	
empreendimento rural –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 77
4.1 Fatores da composição do custo de produção no agronegócio ––––––––––––––––– 79
4.2 Planilhas de custo de produção de pecuária de leite e de soja: 
modelagem tradicional ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 85
4.3 Planilhas de custo de produção: modelagem denominada custo 
dinâmico ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 90
4.4 Mecanismos referenciadores: payback descontado e break even 
point (ponto de equilíbrio) ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 92
Tópico 5: Crédito rural –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 95
5.1	Os	agentes	financeiros	do	crédito	rural	no	Brasil ––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 100
5.2 Formatos de projetos para a obtenção do crédito rural –––––––––––––––––––––––––– 101
5.3 As operações de crédito rural para o agronegócio ––––––––––––––––––––––––––––––––––– 102
5.4 Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) ––––––––––––––––– 104
5.5 Cédula do Produto Rural e demais títulos do agronegócio: o 
financiamento	privado	da	agropecuária –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 105
5.6 Endividamento por causa do crédito rural: como prevenir ––––––––––––––––––––– 106
Encerramento do tema –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 107
Tema 3: Transporte no setor agropecuário –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 109
Tópico 1: Gestão da cadeia de suprimentos –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 110
1.1 Apresentação da cadeia de suprimentos ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 110
1.2 Planejamento da cadeia de suprimentos ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 111
1.3 Cadeias de suprimentos versus cadeias produtivas do setor 
agropecuário ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 112
1.4 A armazenagem e a conservação na gestão da cadeia de 
suprimentos –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 113
1.5	Identificação	dos	tipos	e	a	seleção	de	fornecedores –––––––––––––––––––––––––––––––– 114
1.6 O papel do intermediário na cadeia de suprimentos ––––––––––––––––––––––––––––––– 115
Atividades de aprendizagem ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 116
Tópico 2: O sistema logístico brasileiro ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 1172.1 Noções do sistema logístico brasileiro –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 117
2.2 Gestão de distribuição e transporte de produtos agropecuários ––––––––––– 121
Atividades de aprendizagem ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 122
Tópico 3: Logística de distribuição no agronegócio ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 123
3.1 Modais de transporte –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 124
3.2 Legislação para a distribuição de produtos agropecuários ––––––––––––––––––––– 125
3.3 Documentos dos serviços modais ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 126
3.4 Conhecimento dos custos de transporte –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 127
Atividades de aprendizagem ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 128
Encerramento do tema –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 129
Encerramento da Unidade Curricular ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 130
Referências –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 131
Gabarito das atividades de aprendizagem –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 134
Tema 1: O mercado agropecuário –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 134
Tema 2: Os custos no setor agropecuário brasileiro ––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 138
Tema 3: Transporte no setor agropecuário ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 140
Introdução à Unidade 
Curricular
7OPERAÇÃO DAS CADEIAS PRODUTIVAS DO AGRONEGÓCIO 
Custo, Mercado e Transporte
Introdução à Unidade Curricular
A Unidade Curricular Custo, Mercado e Transporte aborda temas de grande impacto 
para o agronegócio, isso porque os empreendimentos agropecuários possuem um enorme 
diferencial	em	relação	aos	empreendimentos	da	área	urbana	por	ter	a	influência	da	
natureza	(luz	solar,	chuva,	calor	etc.)	na	produtividade	e	na	finalização	dos	produtos,	
sejam	eles	bovinos,	suínos,	aves,	leite,	verduras,	legumes,	madeira,	flores,	grãos,	
entre outros.
Para ter sucesso na empresa rural é 
preciso levar em consideração diver-
sos fatores, como: uma correta ad-
ministração, uma boa comercializa-
ção, uma equipe de trabalho 
engajada e motivada, além do uso 
de técnicas e tecnologias adequadas. 
Por	isso,	as	relações	de	confiança	
que se criam entre os participantes 
da cadeia produtiva do agronegócio 
são importantes e podem ser deter-
minantes no sucesso da ativi-
dade rural.
Neste material, você conhecerá o que é necessário para realizar uma boa gestão de 
custos e de pessoas dentro da empresa rural, com foco na perspectiva de mudanças 
de processos e de comportamentos da equipe, para aumentar os lucros e reduzir os 
custos. Como futuro técnico em agronegócio, é importante você saber que além de 
produzir	os	diversos	produtos	agrícolas,	é	preciso	ter	eficiência	para	entregá-los	com	
qualidade nos mais diversos mercados consumidores.
Capacidades técnicas
Ao	finalizar	esta	Unidade,	você	terá	desenvolvido	capacidades	
técnicas e de gestão e terá conhecimentos referentes ao mercado 
agropecuário, aos custos e ao transporte desse setor.
Com carga horária de 60 horas, a Unidade foi organizada em três temas, com diversos 
tópicos	e	subtópicos	relevantes	para	a	sua	formação	profissional.
Fonte: Getty Images.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR8
TEMAS TÓPICOS SUBTÓPICOS
Tema 1: 
O mercado 
agropecuário
Tópico 1: 
Noções de mercado
1.1 Fundamentos do mercado 
agropecuário
1.2 Mercado agropecuário 
brasileiro
1.3 Variáveis estratégicas do 
agronegócio
Tópico 2: 
Instrumentos de 
mercado para a 
comercialização 
de produtos 
agropecuários
2.1 A concorrência no setor 
agropecuário 
2.2 A utilização da tecnologia na 
comercialização e no abastecimento 
do mercado agropecuário
Tópico 3: 
Novas estratégias 
econômicas para 
desenvolvimento do 
agronegócio brasileiro
3.1 Estratégias econômicas do 
mercado para o agronegócio
3.2 Conhecer as tendências 
econômicas no agronegócio
Tópico 4: 
A gestão de pessoas 
no agronegócio
4.1 Planejamento da gestão 
de equipe
4.2 Treinamentos e motivação 
4.3 Ferramentas de gestão da 
qualidade da equipe de trabalho
4.4 Desenvolvimento de liderança 
na equipe 
Tema 2: 
Os custos no setor 
agropecuário 
brasileiro
Tópico 1: 
Fundamentos de 
custos
1.1 Noções de custos
1.2 Custos no setor agropecuário
1.3 Custos da empresa rural
Tópico 2: 
A	precificação	nas	
principais cadeias 
produtivas do 
agronegócio
2.1	A	precificação	das	principais	
cadeias produtivas do agronegócio 
brasileiro
Tópico 3: 
Contabilidade 
gerencial 
3.1 Introdução à contabilidade
3.2 Técnicas de contabilidade 
gerencial 
3.3 Sistema de custeio nas 
empresas rurais
3.4 Controle dos custos produtivos
3.5 Orçamento de plano de contas 
9OPERAÇÃO DAS CADEIAS PRODUTIVAS DO AGRONEGÓCIO 
Custo, Mercado e Transporte
TEMAS TÓPICOS SUBTÓPICOS
Tema 2: 
Os custos no setor 
agropecuário 
brasileiro
Tópico 4: 
O uso de ferramentas 
na	gestão	financeira	
do empreendimento 
rural
4.1 Fatores da composição do 
custo de produção no agronegócio
4.2 Planilhas de custo de produção 
de pecuária de leite e de soja: 
modelagem tradicional
4.3 Planilhas de custo de 
produção: modelagem denominada 
custo dinâmico
4.4 Mecanismos referenciadores: 
playback descontado e break even 
point (ponto de equilíbrio)
Tópico 5: 
Crédito rural
5.1	Os	agentes	financeiros	do	
crédito rural no Brasil
5.2 Formatos de projetos para a 
obtenção do crédito rural
5.3 As operações de crédito rural 
para o agronegócio
5.4 Programa de Garantia da 
Atividade Agropecuária (Proagro)
5.5 Cédula do Produto Rural e 
demais títulos do agronegócio: 
o	financiamento	privado	da	
agropecuária
5.6 Endividamento do crédito rural: 
como prevenir
Tema 3: 
Transporte no setor 
agropecuário
Tópico 1: 
Gestão da cadeia de 
suprimentos
1.1 Apresentação da cadeia de 
suprimentos
1.2 Planejamento da cadeia de 
suprimentos
1.3 Cadeias de suprimentos 
versus cadeias produtivas do setor 
agropecuário 
1.4 A armazenagem e a 
conservação na gestão da cadeia 
de suprimentos 
1.5	Identificação	dos	tipos	e	a	
seleção de fornecedores
1.6 O papel do intermediário na 
cadeia de suprimentos
Tópico 2: 
O sistema logístico 
brasileiro
2.1 Noções do sistema logístico 
brasileiro
2.2 Gestão de distribuição 
e transporte de produtos 
agropecuários
Tópico 3: 
Logística de 
distribuição no 
agronegócio
3.1 Modais de transporte 
3.2 Legislação para a distribuição 
de produtos agropecuários 
3.3 Documentos dos serviços 
modais
3.4 Conhecimento dos custos de 
transporte
CURSO TÉCNICO EAD SENAR10
Certifique-se	de	estudar	todo	o	conteúdo	com	atenção	e,	se	precisar,	conte	com	o	apoio	
da tutoria a distância desta Unidade Curricular.
Para	fixar	seu	conhecimento,	você	vai	encontrar,	ao	final	de	alguns	tópicos,	atividades	
para colocar em prática o aprendizado imediatamente após passar pelos conceitos 
e teorias.
Comentários do autor
Todas as atividades respeitam seu ritmo de aprendizagem e são 
coerentes com o que você será capaz de fazer depois de estudar 
os assuntos abordados.
Nas	páginas	finais	desta	apostila	está	um	gabarito	para	que	você	verifique	suas	respostas.
Bons estudos!
O mercado 
agropecuário
01
CURSO TÉCNICO EAD SENAR12
Tema 1: O mercado agropecuário
O tema de aula O mercado agropecuário vai mostrar a você noções básicas do 
mercado agropecuário, as ferramentas que devem ser utilizadas na gestão, as novas 
estratégias econômicas para o desenvolvimento do setor e o papel que o técnico em 
agronegócio tem no lucro do negócio rural.
Fonte: Getty Images.
Capacidades técnicas
Com os conhecimentos adquiridos, você desenvolverá as se-
guintes capacidades:
• identificar	as	diferentes	formas	de	comercialização;
• incentivar a comunicação entreos indivíduos, visando à 
integração do grupo no ambiente social e laboral;
• indicar inovações tecnológicas como estratégia para a com-
petitividade comercial;
• elaborar o planejamento agrícola e produtivo;
• reconhecer a demanda e a concorrência de mercado; e
• valorizar o trabalho em equipe.
13OPERAÇÃO DAS CADEIAS PRODUTIVAS DO AGRONEGÓCIO 
Custo, Mercado e Transporte
Tópico 1: Noções de mercado
O mercado, como um todo, é movimentado por duas forças: a oferta e a demanda. 
Você sabe qual a função delas?
Glossário
Oferta: é a quantidade de produtos que as empresas oferecem.
Demanda (ou procura): é a quantidade de produtos que os 
consumidores querem comprar.
As duas são necessárias para a economia acontecer, pois de um lado a oferta traz as 
técnicas e os custos da produção e, de outro, a demanda com suas receitas, ou seja, 
com os ganhos da empresa.
A união dessas duas forças é o que vai determinar o preço que os produtos terão no 
mercado. Interessante, não é mesmo?
1.1 Fundamentos do mercado agropecuário
O mercado agropecuário tem como foco de análise: o produto; o tempo de plantio ou 
da colheita; e a região em que está localizado ou o valor do produto em determinado 
momento. Por conta disso, o mercado agropecuário pode ser dividido em três tipos. 
Confira	no	infográfico	a	seguir	cada	um.
Fonte: Elaborado pelo autor (2021).
É referente à análise do 
produto em questão. 
Ex.: Mercado da carne.
Diz respeito à utilidade 
do tempo forma.
Ex.: O mercado do milho 
em fevereiro.
É aquele referente 
ao local em que o 
produto está.
Ex.: O mercado do 
Mato Grosso.
Mercado do produto Mercado temporal Mercado geográfico
1 2 3
CURSO TÉCNICO EAD SENAR14
É importante levar em consideração que o mercado varia bastante. Por exemplo, às 
vezes é preciso saber o valor que o produtor rural recebeu pela saca de soja no norte 
do Mato Grosso do Sul e, em outros momentos, vai ser preciso analisar o preço que a 
saca de soja tem no mercado internacional.
A demanda e a concorrência de mercado
Ao pensar em oferta e demanda, você sabia que é preciso entender que existe um dire-
cionamento	em	relação	à	estrutura	do	mercado,	que	reúne	características	que	ajudam	
a	definir	o	tipo	de	concorrência	e	a	formação	de	preço	dos	produtos?
Confira,	no	quadro	a	seguir,	como	as	características	podem	ser	diferenciadas:
Grau de concentração de vendedores e 
compradores:	número	e	tamanho	de	cada	 
um no mercado.
Grau de diferenciação do produ-
to: quanto um produto vendido no 
mercado é considerado diferente ou 
não homogêneo pelos compradores.
No mercado agrícola, os produtores rurais estão começando a diferenciar um produto 
do outro, por exemplo as frutas com sementes e as frutas sem sementes.
O que vai diferenciar cada mercado são os proces-
sos de precificação e de troca. Tudo isso depende 
do grau de relacionamento e de dependência que 
existe entre o produtor e o comprador, seja na 
forma do produto, no período ou no local onde a 
mercadoria é comercializada.
15OPERAÇÃO DAS CADEIAS PRODUTIVAS DO AGRONEGÓCIO 
Custo, Mercado e Transporte
1.2 Mercado agropecuário brasileiro
O mercado agropecuário brasileiro está em destaque tanto no cenário nacional quanto 
internacional. Aqui no país, ele é destacado como o setor de abastecimento de uma 
grande população. Internacionalmente, o Brasil é um dos principais fornecedores do 
comércio de produtos agropecuários de commodities como a soja, o café e carnes.
Glossário
Commodity:	termo	inglês	que	significa	“mercadoria”	-	é	um	
produto de origem primária (matéria-prima), padronizado, pro-
duzido em grande escala, e que tem seu preço determinado pela 
oferta e pela procura internacional.
Por conta de sua participação mun-
dial, o setor agropecuário brasileiro 
tem	grande	influência	e	resultado	
na balança comercial (IBGE, 2021).
É importante ressaltar que o agro-
negócio é um segmento vital para a 
economia do país, porque ele gera 
emprego e renda, além de contribuir 
para a estabilidade macroeconômica, 
que	ajuda	a	amenizar	o	déficit	co-
mercial causado por outros setores 
de produção (SOARES apud GAS-
QUES et al., 2004).
1.3 Variáveis estratégicas do agronegócio
Uma	gestão	agrícola	que	valoriza	o	produto	final	é	a	responsável	por	criar	valor	para	o	
consumidor e pode ser uma ferramenta de grande ajuda para o produtor rural em sua 
tomada de decisões.
Fonte: Getty Images.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR16
Fonte: Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil. Foto: Marcos Giesteira.
Ao criar valor, é preciso ter em mente estratégias que envolvam todos os setores do 
agronegócio: ambiental, setorial e empresarial. Entre as estratégias que existem, é 
possível destacar:
• associativismo e cooperativismo;
• otimização dos recursos de produção;
• investimentos em pesquisas, em desenvolvimento, em tecnologia e em inovação;
• práticas de sustentabilidade;
• melhoria no tratamento de resíduos;
• visão ambiental, com foco na preservação ambiental;
• manejo	correto	da	terra	e	eficaz	comercialização	da	produção;
• busca por melhores técnicas de estocagem, para venda posterior, com ganhos na 
economia de escala;
• utilização de práticas do Controle da Qualidade Total (TQC, sigla em inglês); e
• atenção às tendências e ao comportamento da economia, tanto nacional quanto 
internacional.
A agropecuária brasileira está aumentando constantemente o seu ranking no mercado 
em que atua, mostrando-se como um grande produtor de alimentos tanto nacional 
quanto internacionalmente. Impressionante, não é?
17OPERAÇÃO DAS CADEIAS PRODUTIVAS DO AGRONEGÓCIO 
Custo, Mercado e Transporte
Para	finalizar	este	tópico,	que	tal	fixar	seus	conhecimentos?	Realize	as	atividades	pro-
postas a seguir.
Atividades de aprendizagem
1. No Brasil, a agropecuária é um dos segmentos de maior importância para a econo-
mia, sendo responsável por quase 1/3 do PIB nacional, e com tendência ao cres-
cimento. Qual das práticas têm ajudado para que esses dados sejam concretos? 
Assinale a alternativa correta.
a) A agricultura sustentável.
b) O agronegócio.
c) A agricultura familiar, com uso de tecnologia.
d) A agricultura itinerante.
e) A fruticultura.
2. O agronegócio no Brasil iniciou sua fase de modernização em meados dos anos 
1960 e, de lá para cá, vem crescendo e se desenvolvendo. Isso demanda dos pro-
prietários rurais mais estratégias para administrar e gerir suas propriedades.
Marque a alternativa que cita de forma correta algumas das estratégias que ajudam 
o proprietário rural.
a) Interação de cadeias produtivas, atreladas à produção agrícola de caráter familiar 
exploratório e com uma gestão voltada para os mercados regionais.
b) Interação de cadeias produtivas formadas por agentes econômicos que possuem 
vínculos	comerciais	nas	agroindústrias.
c) Produtividade voltada para a sustentabilidade, com processo produtivo executado 
pelos agricultores familiares com trabalho assalariado.
d) Melhoria da produção voltada à qualidade total e exploração da produção nas áreas 
de assentamentos rurais.
e) Otimização dos recursos de produção de forma sustentável, com investimentos em 
pesquisa e desenvolvimento, para efetuar um melhor manejo da terra e disposição 
correta dos resíduos.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR18
Tópico 2: Instrumentos de mercado para a comercialização 
de produtos agropecuários
Diversas atividades fazem parte do dia a dia de uma empresa rural, como: comandar, 
negociar, comprar e vender, empreender ao movimentar grandes quantidades de pro-
dutos	e	volumes	financeiros.
Por isso, é preciso compreender a 
estrutura dos mercados e o compor-
tamento dos agentes econômicos 
envolvidos na comercialização de 
produtos agrícolas, pois, em qual-
quer atividade rural, eles sempre 
estarão expostos a riscos e incerte-
zas que impactam diretamente os 
custos de produção e a lucratividade 
dos negócios.
Esses	riscos	estão	relacionados	às	atividades	rurais	específicas	e	podem	ser	divididos	
em três tipos:
Riscos relacionados 
à produção
Riscos relacionadosao crédito
Riscos relacionados 
aos preços
Saiba mais
Para saber mais e aprofundar seus conhecimentos sobre os 
riscos na agricultura, acesse: https://www.embrapa.br/
visao/riscos-na-agricultura
Fonte: Getty Images.
https://www.embrapa.br/visao/riscos-na-agricultura
https://www.embrapa.br/visao/riscos-na-agricultura
19OPERAÇÃO DAS CADEIAS PRODUTIVAS DO AGRONEGÓCIO 
Custo, Mercado e Transporte
Como	você	pode	perceber,	os	produtos	agrícolas	estão	expostos	a	inúmeras	dificuldades.	
Pensando	nisso,	foram	criados	instrumentos	públicos	que	apoiam	a	comercialização	
agropecuária e garantem uma Política de Preços Mínimos.
Para isso acontecer, os produtores rurais contam com o Governo Federal, que oferece 
linhas de crédito para comercialização, possibilitando, assim, a estocagem dos produtos 
enquanto os agricultores aguardam por melhores preços de comercialização no mer-
cado.	Confira	na	tabela	a	seguir	os	principais	instrumentos	de	apoio	à	comercialização	
e suas características.
Instrumentos de apoio 
ao comércio Característica
Preços mínimos São	 valores	 fixados	 antes	 do	 plantio	 para	
ajudar os produtores.
Aquisição do Governo Federal (AGF) É a venda direta da produção para o governo.
Empréstimo do Governo Federal (EGF)
É	um	financiamento	para	a	estocagem,	que	
permite ao produtor aguardar uma época 
mais propícia para a venda da produção.
Contrato de opção de venda É uma modalidade de seguro (proteção) 
contra a queda de preços.
Cédula do Produto Rural (CPR) com liqui-
dação física É a promessa de entrega de produtos rurais.
CPR	com	liquidação	financeira É o pagamento em dinheiro na data de ven-
cimento do título.
Prêmio de Escoamento de Produto (PEP) 
São garantidos preços ao produtor e às co-
operativas, sem a necessidade de aquisição 
da produção.
Linha Especial de Comercialização (LEC) É destinado a aumentar a liquidez na 
comercialização.
Nota Promissória Rural (NPR) e Duplicata 
Rural (DR)
São títulos emitidos para a compra e a venda 
de produtos de natureza agrícola, extrativa 
ou pastoril.
Programa de Aquisição de Alimentos 
(PAA) da Agricultura Familiar
É um programa, implementado pelo Minis-
tério do Desenvolvimento Social, de apoio 
e incentivo à agricultura familiar. Por meio 
dessa iniciativa, agricultores, cooperativas 
e associações vendem seus produtos para 
órgãos	públicos. 
Interessante, não é mesmo? E todos esses instrumentos são voltados para uma melhor 
possibilidade de investimento no agronegócio.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR20
Saiba mais
Para saber mais sobre o Programa de Aquisição de Alimentos 
(PAA) da Agricultura Familiar, implementado pelo Ministério do 
Desenvolvimento Social (MDS), acesse: https://www.gov.br/
pt-br/noticias/agricultura-e-pecuaria/2020/01/entenda-
como-funciona-o-programa-de-aquisicao-de-alimentos
Para ter acesso à cartilha do PAA, visite o site:
https://www.conab.gov.br/images/arquivos/
agricultura_familiar/Cartilha_PAA.pdf
2.1 A concorrência no setor agropecuário
A concorrência no setor agropecuário acontece por alguns fatores como o preço, a qua-
lidade do produto, a disponibilidade nos pontos de venda e a imagem que o produto 
tem junto aos consumidores.
A forma como os compradores e ven-
dedores se relacionam, trocando 
informações (principalmente sobre 
preços) e negociando, depende bas-
tante do tamanho da estrutura 
do mercado.
Papel da comercialização e do abastecimento
A comercialização e o abastecimento são fatores associados à transferência dos pro-
dutos agropecuários aos consumidores, agregando valor ao longo desse caminho. Os 
dois estão relacionados principalmente ao tempo de armazenamento e a forma de 
processamento no decorrer da cadeia produtiva.
A seguir, são listados alguns dos arranjos intitucionais necessários para que os produtos 
cheguem até o consumidor:
Fonte: Getty Images.
https://www.gov.br/pt-br/noticias/agricultura-e-pecuaria/2020/01/entenda-como-funciona-o-programa-de-aquisicao-de-alimentos
https://www.gov.br/pt-br/noticias/agricultura-e-pecuaria/2020/01/entenda-como-funciona-o-programa-de-aquisicao-de-alimentos
https://www.gov.br/pt-br/noticias/agricultura-e-pecuaria/2020/01/entenda-como-funciona-o-programa-de-aquisicao-de-alimentos
https://www.conab.gov.br/images/arquivos/agricultura_familiar/Cartilha_PAA.pdf
https://www.conab.gov.br/images/arquivos/agricultura_familiar/Cartilha_PAA.pdf
21OPERAÇÃO DAS CADEIAS PRODUTIVAS DO AGRONEGÓCIO 
Custo, Mercado e Transporte
• estocagem e armazenagem;
• venda de estoques de produtos agropecuários;
• equalização de preços e custos.
Essas atividades e arranjos institucionais são conhecidos como funções do sistema 
de comercialização	e	definem-se	como	as	atividades	desempenhadas	por	instituições	
especializadas, durante as diversas fases da comercialização de um produto (MENDES; 
PADILHA JUNIOR, 2007).
Funções da comercialização agrícola
Fonte: Adaptado de MENDES; PADILHA FILHO, 2007.
Tenha em mente que o Governo Federal possui o poder de intervir no mercado agrícola 
para regulação ou abastecimento, podendo disponibilizar os estoques dos produtores 
rurais para venda ou doação em casos de calamidade	pública,	emergência	nacional	ou	
programas	específicos	de	abastecimento.
2.2 A utilização da tecnologia na comercialização e no abastecimento do 
mercado agropecuário
Você sabia que a tecnologia está avançando constantemente no ramo da agropecuária? 
Em pesquisa feita pela Embrapa (2020), foi percebido que 40,5% dos agricultores 
utilizam tecnologias digitais para atividades de compra e venda.
Estão relacionadas à 
posse dos produtos 
agrícolas, envolvendo a 
criação de preços a 
partir da relação entre 
as funções de compra e 
de venda.
Estão relacionadas à 
geração de utilidade 
para os produtos 
agrícolas, no que diz 
respeito ao tempo 
(armazenagem), ao 
lugar (transporte) e à 
forma (processamento).
São aquelas que facilitam 
ou complementam o 
processo de 
comercialização dos 
produtos agropecuários, 
tais como: padronização, 
financiamento, seguro, 
informações e pesquisas 
de mercado.
Funções de troca Funções físicas Funções auxiliares
CURSO TÉCNICO EAD SENAR22
Atenção
A tecnologia na agricultura permite controlar a produção, o 
processamento, o estoque, o abastecimento e a distribuição, 
possibilitando ao produtor maior rentabilidade no seu negócio.
Para	fixar	os	conhecimentos	desenvolvidos	neste	tópico,	realize	as	atividades	propos-
tas a seguir.
Atividades de aprendizagem
1. Pensando nas inúmeras dificuldades às quais os produtos agrícolas estão expos-
tos, foram criados instrumentos públicos de apoio à comercialização agropecuária 
para garantir uma Política de Preços Mínimos. Cite, no mínimo, três dos principais 
instrumentos de apoio à comercialização e descreva suas características.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
2. A comercialização e o abastecimento estão relacionados ao envio dos produtos 
agropecuários para os consumidores e são denominados funções do sistema de co-
mercialização. Assinale a alternativa que descreve a definição das funções auxiliares.
a) Estão relacionadas à geração de utilidade para os produtos agrícolas, no que diz 
respeito à armazenagem, ao transporte e ao processamento.
b) Estão relacionadas à posse dos produtos agrícolas, envolvendo a formação dos 
preços a partir da relação entre as funções de compra e de venda.
c) São aquelas que facilitam ou complementam o processo de comercialização dos 
produtos agropecuários.
d) Estão relacionadas à posse dos produtos agrícolas, envolvendo armazenagem, 
transporte e processamento.
e) São aquelas que facilitam ou complementam o processo, envolvendo a formação 
dos preços a partir da relação entre as funções de compra e de venda.
23OPERAÇÃO DAS CADEIAS PRODUTIVAS DO AGRONEGÓCIO 
Custo, Mercado e Transporte
Tópico 3: Novas estratégias econômicas para 
desenvolvimento do agronegócio brasileiro
Hoje em dia, estão disponíveis muitas tecnologias e inovações para o mercado do agro-
negócio, como é o caso da inteligência artificial.
Com esse recursoo produtor rural 
pode atingir alta precisão de per-
formance no campo e, como conse-
quência, aumentar a produtividade.
A	seguir,	você	verá	como	identificar	
as novas tecnologias de gestão exis-
tentes no mercado para o setor agro-
pecuário e poderá entender como as 
inovações tecnológicas podem surgir 
como estratégias para a competiti-
vidade comercial do agronegócio.
3.1 Estratégias econômicas do mercado para o agronegócio
Você já parou para pensar por que as estratégias econômicas são fundamentais para o 
sucesso da empresa rural no mercado do agronegócio que está em constante mudança?
Antes de mais nada, pense que começar um negócio sem 
um planejamento poderá fazer você passar por muito mais 
dificuldades	do	que	se	iniciá-lo	com	as	estratégias corretas.
Glossário
Estratégia: é uma palavra com origem no termo grego strategia, 
que	significa	“plano,	método,	manobras	ou	estratagemas	usados	
para	alcançar	um	objetivo	ou	algum	resultado	específico”.
Fonte: Getty Images.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR24
Em tempos de tantas mudanças nos aspectos políticos, econômicos, sociais e tecnoló-
gicos, em um mercado altamente competitivo, sobreviver com resultados diferenciados 
exige muita organização, controle e inovação dos produtores rurais.
Para	o	agronegócio	é	muito	importante	definir	quais	serão	as	estratégias	econômicas,	
pois ao conhecer as potencialidades e as limitações de cada operação será possível 
evitar falhas e alcançar melhores resultados para a empresa.
Atenção
Em um ambiente de constantes mudanças, é necessário efetivar 
processos de reestruturação para sobrevivência, lucratividade 
e competitividade.
O planejamento produtivo
O planejamento é uma das ferramentas mais importante para a tomada de decisão em 
qualquer tipo de negócio.
Atenção
Elaborar planejamentos faz parte das boas práticas de gestão. 
Quanto mais se faz, mais precisos e relevantes eles se tornam 
para a tomada de decisão da empresa.
No planejamento produtivo diversos fatores são considerados, sistematizando as áreas 
operacionais com os setores mais estratégicos, como armazenamento, transporte, ven-
das e administrativo. Isso porque ele é formado por diversas ações e determinações, 
que auxiliam na rentabilidade do agronegócio.
Manejo sustentável
Ao possuir um planejamento de qualidade, também é possível 
determinar estratégias na gestão rural com o objetivo de redu-
zir custos, aumentar a produtividade e gerar sustentabilidade 
ao negócio.
https://www.totvs.com/blog/gestao-agricola/o-que-e-agronegocio/
25OPERAÇÃO DAS CADEIAS PRODUTIVAS DO AGRONEGÓCIO 
Custo, Mercado e Transporte
Entender a economia de escala no agronegócio
Uma das estratégias para que a empresa rural tenha maior rentabilidade está direta-
mente relacionada à economia de escala, que é utilizada quando existe um aumento 
de	produção	rural,	mas	os	custos	fixos	permanecem	iguais.
Glossário
Economia de escala: é um conceito utilizado dentro da Eco-
nomia, que representa a possibilidade de se reduzir os custos 
de	determinado	produto	diluindo	os	custos	fixos	na	quantidade	
de unidades produzidas.
A economia de escala acontece quando uma propriedade rural alcança o seu máximo 
na quantidade de produção, sem aumentar seus custos. Por conta disso, o custo médio 
de cada produto tende a ser menor. E quais são as vantagens da economia de escala?
A maior vantagem é a redução de 
gastos, junto com o aumento dos 
lucros, já que o custo médio de pro-
dução por unidade é reduzido.
Vale lembrar que o benefício da re-
dução de gastos se insere também 
em outras ações da empresa rural, 
como campanhas de marketing, con-
trole	financeiro	e	distribuição.	Van-
tajoso, não é mesmo?
Fonte: Getty Images.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR26
Para refletir
Imagine que para a produção de 10 toneladas de amendoim, o 
custo seja de R$ 10.000,00 (ou seja, R$ 1.000,00 por tonelada 
produzida) e, ao aumentar a produção para 20 toneladas de 
amendoim, o valor para produzir passe para R$ 15.000,00 (ou 
seja, R$ 750,00 por tonelada produzida). Nesse cenário, o lucro 
aumenta. Se o valor da tonelada do amendoim para venda no 
mercado for de R$ 1.500,00, o lucro sobe de R$ 5.000,00 para R$ 
15.000,00. Tudo isso graças a economia de escala na produção.
3.2 Conhecer as tendências econômicas no agronegócio
No ano de 2020, do ponto de vista produtivo, o agronegócio foi um setor que cresceu 
bastante em virtude da crise causada pela pandemia da Covid-19. Segundo dados da 
Companhia Nacional de Abastecimento (Conab, 2021), o Brasil deverá continuar produ-
zindo e crescendo, cada vez mais, no setor agrícola, aumentando assim a expectativa 
dos produtores rurais.
Fonte: Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil. Foto: Daniel Fagundes/Trilux.
27OPERAÇÃO DAS CADEIAS PRODUTIVAS DO AGRONEGÓCIO 
Custo, Mercado e Transporte
Esse	crescimento	na	produção	do	agronegócio	fica	evidente	ao	analisar	o	aumento	da	
produção dos principais produtos agrícolas em 2020:
• trigo (32%)
• café (25%)
• arroz (7%)
• feijão (7%)
• soja (4,5%)
• milho (4,5%)
Informação extra
Nos próximos anos, a tendência é que o Brasil torne-se o maior 
exportador mundial de grãos, superando os Estados Unidos. A 
informação está em levantamento feito pela Embrapa (2021), 
com a produção de grãos saltando de 270 milhões de toneladas 
para mais de 318 milhões de toneladas, uma alta de 27% até 
2030, de acordo com projeções do Ministério da Agricultura, 
Pecuária e Abastecimento (Mapa).
Segundo estimativas do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (Usda, na sigla 
em inglês), no período entre 2029-2030, o Brasil deverá ter participação de destaque 
no mercado mundial com diferentes produtos, como: soja (51,98%), carne de frango 
(35,3%), milho (23,2%), algodão (22,7%) e carne suína (9,7%).
As tendências econômicas do agro-
negócio brasileiro estão de acordo 
com as do Mercosul e da União Eu-
ropeia, e isso pode auxiliar a entra-
da do país no mercado europeu. 
Além disso, vale lembrar que no 
mercado chinês o consumo de carne 
bovina vem aumentando, o que pode 
favorecer a pecuária brasileira.
Fonte: Getty Images.
https://www.usda.gov/
https://www.usda.gov/
CURSO TÉCNICO EAD SENAR28
Além do investimento em desenvolvimento de pesquisas para novas tecnologias, o 
Brasil tem uma agricultura de qualidade, com alta produtividade e quantidade, capaz 
de atender às necessidades de alimentos tanto nacional quanto internacionalmente.
Saiba mais
Para saber mais sobre as projeções de longo prazo do Ministério 
da Agricultura, Pecuária e Abastecimento para o agronegócio 
brasileiro, no período de 2019/2020 a 2029/2030, acesse:
https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/politi-
ca-agricola/todas-publicacoes-de-politica-agricola/pro-
jecoes-do-agronegocio/projecoes-do-agronegocio_2019_
20-a-2029_30.pdf
Agricultura 4.0. e Agricultura 5.0
A	Agricultura	4.0	é	um	conjunto	de	tecnologias	que	se	baseia	em	conteúdo	digital,	por	
meio do processamento e da análise do grande volume de dados produzido em todas 
as áreas que contribuem com o desenvolvimento agrícola, como a biotecnologia, as 
mudanças climáticas, as geotecnologias e as ciências agrárias.
Assim, os conhecimentos adquiridos serão aplicados em todos os elos da cadeia pro-
dutiva, com o objetivo de melhorar o desenvolvimento da produção, desde a pré até a 
pós-produção (EMBRAPA, 2020).
Fonte: Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil. Foto: Wenderson Araujo/Trilux.
https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/politica-agricola/todas-publicacoes-de-politica-agricola/projecoes-do-agronegocio/projecoes-do-agronegocio_2019_20-a-2029_30.pdf
https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/politica-agricola/todas-publicacoes-de-politica-agricola/projecoes-do-agronegocio/projecoes-do-agronegocio_2019_20-a-2029_30.pdf
https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/politica-agricola/todas-publicacoes-de-politica-agricola/projecoes-do-agronegocio/projecoes-do-agronegocio_2019_20-a-2029_30.pdf
https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/politica-agricola/todas-publicacoes-de-politica-agricola/projecoes-do-agronegocio/projecoes-do-agronegocio_2019_20-a-2029_30.pdf29OPERAÇÃO DAS CADEIAS PRODUTIVAS DO AGRONEGÓCIO 
Custo, Mercado e Transporte
Comentários do autor
O	termo	Agricultura	4.0	é	uma	referência	à	Indústria	4.0,	ex-
pressão	que	começou	a	ser	usada	na	indústria	automobilística	
alemã para denominar a completa automatização dos processos 
produtivos por meio das tecnologias digitais. A Agricultura 5.0 
segue o mesmo princípio.
Algumas das tecnologias empregadas na Agricultura 4.0 são:
• internet das coisas;
• robótica;
• veículos autônomos;
• sensores;
• drones;
• satélites.
A agricultura 4.0 possibilita a cone-
xão de softwares e sistemas digitais 
às máquinas, automatizando e oti-
mizando a gestão da propriedade e 
reduzindo o tempo de trabalho.
É importante ter em mente que a 
mecanização do campo eleva a pro-
dutividade no meio rural, mas o uso 
de tantas tecnologias é responsável 
pela substituição dos trabalhadores 
por máquinas, causando também, 
indiretamente, o êxodo rural.
Fonte: Getty Images.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR30
Saiba mais
A Emater publicou um artigo que demonstra o que fazer para 
diminuir o êxodo rural. O material está disponível no link:
http://www.emater.ro.gov.br/siteemater/arquivos/pu-
blicacoes/13042011110759.pdf
No Brasil, 85% dos indivíduos da zona rural acessam ou já acessaram a internet, o que 
demonstra como as pessoas do campo estão conectadas e com acesso às tecnologias 
(EMBRAPA,	2020).	Confira,	a	seguir,	as	fases	da	evolução	da	agricultura.
Fases da evolução da agricultura
Fonte: Adaptado de MASSRUHA, 2020.
Dica
Um caminho de acesso viável para o pequeno e médio produ-
tor rural será a capacitação e a adoção dessas tecnologias na 
produção agrícola por meio de cooperativas e de associações 
de produtores.
Baixa produtividade
Mão de obra familiar
Instrumento manual
Subsistência
Venda do excedente
Agricultura 1.0
Monocultura
Monodisciplinar
Commodities
Insumos sintéticos
Pesquisa adaptativa
Agricultura 2.0
Intensificação
Multidisciplinar
Alimento seguro
Eficiência
Pesquisa sistêmica
Agricultura 3.0
Sistemas complexos
Transdiciplinar
Multifuncionalidade
Insumos biológicos
Pesquisa complexa
Agricultura 4.0
Tração animal Revolução verde Sistemas integrados Agricultura de Base 
Biológica
1900-1950 1950-1990 1990-2015 2015-...
http://www.emater.ro.gov.br/siteemater/arquivos/publicacoes/13042011110759.pdf
http://www.emater.ro.gov.br/siteemater/arquivos/publicacoes/13042011110759.pdf
31OPERAÇÃO DAS CADEIAS PRODUTIVAS DO AGRONEGÓCIO 
Custo, Mercado e Transporte
Agora,	imagine	um	cenário	em	que	a	tomada	de	decisão	ficará	cada	vez	mais	destinada	
às máquinas e menos ao agricultor, proporcionando, assim, maior precisão e até mesmo 
maior performance e produtividade: essa é a Agricultura 5.0, a	última	geração	dos	
modelos de produção agrícola existentes.
São utilizados big data e inteligên-
cia	artificial	para	atingir	alta	precisão	
e performance no campo, contribuin-
do para o aumento da produtividade 
agrícola.
Glossário
Big data: é a capacidade de reunir e analisar grandes volumes 
de informações com rapidez e qualidade, fazendo uso de ferra-
mentas tecnológicas estatísticas e computacionais.
Entre os serviços realizados por essa nova geração de tecnologia agrícola, estão a aná-
lise de solo georreferenciada, o mapeamento de áreas por satélite, a pulverização com 
drones,	a	biomedicina	de	alta	precisão	e	as	inúmeras	técnicas	avançadas	de	plantio,	
fertilização e irrigação.
A tecnologia está surgindo cada vez mais forte para facilitar o trabalho humano nas 
produções agrícolas. No próximo tópico serão abordados os agentes mais importantes 
para que todo esse processo rural aconteça: as pessoas.
Antes	de	continuar	seus	estudos,	que	tal	fixar	os	conhecimentos?	Para	isso,	realize	as	
atividades propostas a seguir.
Fonte: Getty Images.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR32
Atividades de aprendizagem
1. “Acontece quando uma propriedade rural alcança o seu máximo de quantidade de 
produção, sem aumentar os custos desta produção. Com isso, o custo médio de 
cada produto tende a ser menor.”
Assinale a alternativa que apresenta de forma correta a qual definição se refere a 
frase acima.
a) Comercialização.
b) Economia de escala.
c) Agronegócio.
d) Agricultura 5.0.
e) Abastecimento.
2. Temos visto que muitos trabalhadores rurais estão se conectando às tecnologias. 
Ao mesmo tempo, a mecanização vem se tornando cada vez mais presente nas 
propriedades rurais, aumentando, de um lado, a produtividade e, do outro, a subs-
tituição dos trabalhadores rurais e isso ocasiona profundas transformações nos 
espaços geográficos do Brasil. Indique a alternativa que apresente, de forma cor-
reta, qual a principal consequência identificada por conta dessas transformações.
a) O processo de êxodo rural, o homem do campo indo para a cidade.
b) A reorganização democrática do campo.
c) O êxodo urbano.
d) O processo de distribuição de terras agrícolas.
e) A subordinação da cidade em relação ao campo.
Tópico 4: A gestão de pessoas no mercado do agronegócio
A gestão de pessoas é um setor que está evoluindo dentro do agronegócio. Por conta 
disso,	existem	alguns	desafios	específicos	que	ainda	precisam	ser	superados.
4.1 Planejamento da gestão de equipe
Ter uma equipe comprometida e um bom plano de gestão podem ser as melhores for-
mas de solucionar problemas e cumprir as metas na empresa rural. Por conta disso, a 
gestão de equipe é algo essencial para que a empresa seja referência para colabora-
dores, fornecedores e clientes.
33OPERAÇÃO DAS CADEIAS PRODUTIVAS DO AGRONEGÓCIO 
Custo, Mercado e Transporte
A área de recursos humanos e os 
proprietários do negócio devem sem-
pre levar em consideração o plane-
jamento da gestão de equipe para 
capacitar e desenvolver os colabo-
radores. Com isso em prática, é pos-
sível conquistar os objetivos propos-
tos pela empresa.
Ou seja, o foco é administrar o comportamento dos colaboradores e desenvolver con-
dições de bem-estar para alcançar os objetivos das tarefas diárias.
4.2 Treinamentos e motivação
Um	dos	maiores	desafios	de	qualquer	empreendimento,	inclusive	na	empresa	rural,	é	
o de aperfeiçoar e encorajar os seus colaboradores. Tenha em mente que investir em 
treinamentos e motivação pode proporcionar melhor qualidade de vida, incentivar o 
crescimento	profissional	e	promover	maior	dedicação	dos	profissionais	na	empresa.	
O retorno desse investimento pode ser o aumento da produtividade e o lucro do seu 
empreendimento. Interessante, não é mesmo?
Atenção
O treinamento e a motivação são baseados em pilares e metas 
futuras,	com	foco	em	desenvolver	os	profissionais	e	promover	
o engajamento de todos na empresa.
Quer algumas dicas de como manter os colaboradores treinados, motivados e compro-
metidos	com	a	empresa	rural?	Confira	a	tabela	a	seguir.
Treinamento motivacional Avalie a necessidade do treinamento para manter os 
colaboradores motivados e dedicados à empresa.
Recompensas, premiações 
e reconhecimento
Você pode recompensar os colaboradores pelas me-
tas atingidas. 
Fonte: Confederação da Agricultura e Pecuária do 
Brasil. Foto: Wenderson Araujo/Trilux.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR34
Incentivo ao 
trabalho em equipe
Uma equipe unida é um fator essencial para evitar 
problemas	 de	 comunicação,	 superar	 dificuldades	 e	
alcançar metas.
Apostas em tecnologias O uso da tecnologia pode oferecer um ambiente de 
aprendizagem contínua para seus colaboradores.
Capacitação da equipe Identifique	os	pontos	fortes	e	pontos	fracos	da	equipe	
e reconheça os possíveis líderes.
Agora que você tem as dicas em mente, que tal tentar aplicar na empresa rural?
4.3 Ferramentas de gestão da qualidade da equipe de trabalho
Para se tornar uma empresa rural de qualidade é preciso que todos os colaboradores 
estejam comprometidos e envolvidos com os ideais de excelência dos produtos ofer-
tados para o mercado.
Você sabia que existem algumas ferramentas que auxiliam no processo de ter qualidade 
no trabalho de equipe? Veja, no esquema abaixo, como você podeutilizá-las na empresa.
Disseminar a política da qualidade: demonstre que o tra-
balho dos colaboradores tem um propósito maior e que eles 
são	pessoas	de	confiança.
Saber se comunicar adequadamente: tenha uma comu-
nicação aberta com todos, de maneira que ideias sejam com-
partilhadas e colocadas em prática.
Saber ouvir os colaboradores:	identifique	como	as	diferentes	
opiniões podem trazer benefício para toda equipe.
35OPERAÇÃO DAS CADEIAS PRODUTIVAS DO AGRONEGÓCIO 
Custo, Mercado e Transporte
Ser proativo: mostre que trabalhar em equipe exige que o 
profissional	seja	ativo	e	disposto	a	participar	das	tarefas	para	
ajudar a equipe a alcançar os objetivos.
Ser flexível:	tenha	flexibilidade	para	lidar	com	as	necessidades	
e as mudanças que surgem ao longo da execução das tarefas.
Ser comprometido: demonstre disposição para trabalhar 
até que os objetivos da empresa sejam alcançados. É neces-
sário ter motivação constante para continuar se dedicando e 
incentivando os colaboradores.
Com	essas	ferramentas	em	mãos	fica	mais	fácil	ter	uma	gestão	de	qualidade	na	equipe	
de trabalho, não é mesmo?
4.4 Desenvolvimento de liderança na equipe
Quando	as	empresas	possuem	um	líder,	fica	mais	fácil	administrar	a	equipe	e	manter	
todos motivados. Por conta disso, é preciso desenvolver a liderança no ambiente empre-
sarial, para que uma pessoa tome a frente e incentive a união dos colaboradores, fazendo 
com que trabalho em equipe tenha a qualidade que se espera em uma empresa rural.
Veja, no esquema abaixo, algumas dicas para estimular corretamente o desenvolvi-
mento de líderes na equipe.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR36
Fonte: Adaptado de SOLIDES, 2021.
1 2
Valorize a 
equipe interna
Ao valorizar, em um primeiro 
momento, alguns funcionários e 
deixar claro que isso acontecerá 
com todos, é possível motivar os 
colaboradores, e como 
consequência, melhorar o 
desempenho das equipes.
Desenvolva competências 
técnicas e habilidades
O conhecimento técnico e a 
habilidade para trabalhar na sua 
propriedade são aspectos essenciais. 
Lembre-se de que os treinamentos 
são uma oportunidade 
de desenvolvimento 
profissional.
3 4
Encoraje a 
comunicação
A comunicação é importante 
para qualquer líder. Por meio 
dela, é possível criar um 
relacionamento saudável entre 
todas as equipes de trabalho 
e gerar confiança.
Incentive o trabalho 
em equipe
O trabalho em equipe é 
primordial para as empresas 
rurais que desejam obter 
melhores resultados.
5 6
Estimule a cultura do retorno 
das informações (feedback)
O estímulo ao feedback ajuda na 
formação e na identificação de 
lideranças, pois, um bom líder 
deve saber como lidar com 
críticas, sugestões e 
reclamações relacionadas 
a alguma atividade.
Dê oportunidades para a 
tomada de decisão
É necessário encorajar os 
colaboradores a tomarem 
decisões, mesmo que possa 
parecer difícil.
7 8
Ouça a sua 
equipe
O desenvolvimento da 
liderança precisa passar pela 
capacidade de ouvir as 
vontades das equipes, só 
assim é possível perceber 
qual caminho seguir.
Atente-se para 
a organização
A organização é outro ponto 
crucial para o desenvolvimento de 
um bom líder, pois com tudo 
estruturado fica mais fácil saber 
qual parte precisa de mais 
atenção em cada momento.
37OPERAÇÃO DAS CADEIAS PRODUTIVAS DO AGRONEGÓCIO 
Custo, Mercado e Transporte
Promover	a	liderança	na	equipe	é	algo	benéfico	para	a	empresa	rural,	pois	possibilita	
o	desenvolvimento	profissional	de	cada	colaborador	e	também	dá	a	oportunidade	de	
reconhecimento pessoal.
Antes	de	encerrar	este	tema,	realize	as	atividades	propostas	a	seguir	para	fixar	seu	
aprendizado.
Atividades de aprendizagem
1. O treinamento e a motivação são considerados grandes forças das empresas rurais. 
Assinale a alternativa que apresenta de forma correta uma das dicas para manter 
os colaboradores treinados, motivados e comprometidos com a empresa rural.
a) Disseminar a política da qualidade.
b) Incentivo ao trabalho em equipe.
c) Ser proativo.
d) Ser	flexível.
e) Ser comprometido.
2. Negócios bem-sucedidos tendem a crescer muito em um ano e depois estagnar. 
A consistência de resultados ao longo do tempo é um imenso desafio para as em-
presas. A experiência de grandes organizações mostra que, para enfrentar essa 
barreira, é preciso estar apoiado em três pilares: estratégia, liderança e motivação. 
Liderar é ter a habilidade de se comunicar com toda a organização para que cada 
funcionário entenda seu papel dentro de determinada estratégia e esteja engajado 
com os objetivos do negócio. Porém, é preciso que o líder seja alguém empático, 
um ótimo ouvinte, que considere a opinião da equipe nas decisões e conheça pro-
fundamente o ambiente de negócio. Ou seja, ele deve passar a todos a segurança 
de que a companhia está em boas mãos e não apenas dar ordens sem nunca ouvir. 
Ótimos líderes garantem para as organizações seu ativo mais importante: o com-
prometimento e a motivação de seus colaboradores (Texto adaptado da Revista 
Globo Rural, set. 2021).
Com base na leitura deste texto vemos a importância da liderança e da motivação das 
pessoas na empresa rural. Agora, explique como acontece o desenvolvimento da lide-
rança na equipe de trabalho e descreva cinco dicas que estimulam o desenvolvimento 
de líderes na empresa rural.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
CURSO TÉCNICO EAD SENAR38
Encerramento do tema
Você encerrou o tema O mercado agropecuário, no qual teve a oportunidade de 
aprender	o	que	é	o	mercado	rural;	pôde	identificar	instrumentos	de	desenvolvimento	e	
comercialização; além de dicas de como gerir, liderar e motivar pessoas no agronegócio.
Os custos no setor 
agropecuário 
brasileiro
02
CURSO TÉCNICO EAD SENAR40
Tema 2: Os custos no setor agropecuário 
brasileiro
No tema de aula Os custos no setor agropecuário brasileiro, você verá que na 
economia moderna, o mercado agropecuário encontra-se cada vez mais globalizado 
e competitivo. Muitos itens produzidos pela agropecuária brasileira vêm sendo nego-
ciados na bolsa de valores e, portanto, com preços baseados nos mercados nacional e 
internacional.
Por	conta	disso,	o	produtor	rural	precisa	se	adaptar,	de	modo	eficiente,	às	mudanças	
que ocorrem diariamente. Isso faz com que a importância de estudar temas que o 
ajudem a alcançar algum tipo de vantagem competitiva, como aperfeiçoar a forma de 
gerenciamento da empresa rural, inclusive quanto aos custos, se torne cada vez maior.
Fonte: Getty Images.
Os principais aspectos relacionados aos custos de empreendimentos rurais brasileiros, 
assim como outras particularidades dessa temática, serão apresentados ao longo des-
te tema. Com isso, esperamos que você consiga sempre analisar os custos visando à 
maximização dos lucros em uma empresa rural.
41OPERAÇÃO DAS CADEIAS PRODUTIVAS DO AGRONEGÓCIO 
Custo, Mercado e Transporte
Capacidades técnicas
A partir dos conhecimentos obtidos neste tema, você desenvol-
verá as seguintes capacidades:
• reconhecer	a	gestão	de	produção	e	de	precificação;
• identificar	a	rentabilidade	e	os	custos	do	negócio	para	pre-
cificar	os	produtos;
• identificar	o	objetivo	da	produção	e	a	margem	de	lucro	que	
se deseja alcançar;
• entender a legislação e as normas aplicadas à cadeia do 
agronegócio.
Tópico 1: Fundamentos de custos
No primeiro tópico deste tema, você vai aprender mais sobre custos, iniciando com 
os	conceitos	aplicados	de	custos	de	produção	e	de	fluxo	de	caixa.	Em	seguida,	verá	a	
importância de calcular o custo de produção e os custos gerais do setor agropecuário, 
suas	classificações	e	como	atribuir	preços	na	empresa	rural.
1.1 Noções dos custos
O conceito de custo pode ser confundido com vários outros termos, como preço, des-
pesa,	desembolso	financeiro,	gasto,	perda,	desperdício,	entre	outros.	Para	não	gerar	
nenhuma confusão no seu entendimento, que tal ver a diferença entre cada um deles?
Termo Definição Exemplos
Custo
É o gasto com bens ou serviços uti-
lizados para a produção de outros 
produtos.
O fertilizante usado nalavoura.
Gasto
É o desembolso com que a empresa ru-
ral arca para a obtenção de um produto 
ou serviço qualquer.
O valor das matérias-pri-
mas	 compradas	 no	 últi-
mo mês.
Despesa
É o valor dos bens e serviços que não 
estão ligados ao processo produtivo da 
empresa.
Contratação de mão de 
obra temporária.
Desembolso Pagamento resultante da aquisição de 
bem ou serviço. O salário dos funcionários.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR42
Desperdício
Corresponde aos gastos incorridos de 
forma	não	eficiente	no	processo	produ-
tivo e administrativo. São lançados no 
custo de produção ou em despesas. Por 
isso, o não aproveitamento de todos os 
recursos e atividades desenvolvidas 
que não agregam valor ao produto ou 
serviço, representam custos desneces-
sários ou despesas adicionais que ser-
virão apenas para reduzir o lucro.
A mão de obra ociosa e o 
material desperdiçado no 
processo de produção de 
itens defeituosos.
Investimento É o gasto em função de benefícios que 
virão em períodos futuros.
A	compra	de	uma	benefi-
ciadora de arroz, que vai 
auxiliar no processo de 
produção.
Perda É o bem ou serviço consumido de for-
ma anormal e involuntária.
Perda de parte da produ-
ção por falta de energia 
elétrica.
Custos diretos
Custos que podem ser diretamente 
relacionados aos produtos, para isso, 
basta haver uma medida. São custos 
facilmente	identificados	com	o	produto.
Quilograma de materiais 
consumidos ou o tempo 
de mão de obra utilizada 
na produção.
Custos indiretos
Custos que não podem ser relacionados 
diretamente ao produto; e, qualquer 
tentativa de fazê-lo, será realizada de 
maneira estimada e, muitas vezes, ar-
bitrária.	Não	são	facilmente	identificá-
veis com o produto.
Aluguel de um espaço ou 
o salário do contador.
Muita	coisa,	não	é?	Mas,	agora	que	você	já	conhece	a	definição	de	cada	termo,	não	vai	
mais se confundir com os conceitos e as funções próprias dos custos.
Fluxo de caixa
O	fluxo	de	caixa	pode	ser	definido	como	a	relação de entradas e saídas de recursos 
financeiros de uma empresa, que ocorre em um determinado período de tempo.
De	acordo	com	Crepaldi	(2012),	os	principais	objetivos	de	se	realizar	o	fluxo	de	caixa	
de uma propriedade rural são:
a) saber com antecedência os períodos em que haverá necessidade de captação de 
recursos	financeiros	para	saldar	compromissos;
b) garantir ao produtor um prazo maior para a tomada de decisões sobre o setor de 
finanças	do	empreendimento;
c) permitir	ao	empresário	rural	trabalhar	com	uma	margem	de	segurança	financeira.
43OPERAÇÃO DAS CADEIAS PRODUTIVAS DO AGRONEGÓCIO 
Custo, Mercado e Transporte
Para	facilitar	a	compreensão,	veja	o	exemplo	simplificado	do	fluxo	de	caixa	de	uma	
propriedade rural leiteira hipotética (valores expressos em reais - R$).
Itens Previsto Realizado
ENTRADAS 55.000,00 43.500,00
Venda de leite 50.000,00 40.000,00
Venda de animais 5.000,00 3.500,00
SAÍDAS 25.000, 00 21.100,00
Alimentação concentrada 18.000,00 14.400,00
Mão de obra 5.000,00 5.000,00
Energia elétrica 1.200,00 1.100,00
Manutenção 800,00 600,00
FLUXO (entradas - saídas) 30.000,00 22.400,00
As	informações	do	fluxo	de	caixa	dessa	empresa	hipotética	mostram	as	transações	
financeiras	da	atividade	agropecuária	da	propriedade.
Importância do cálculo do custo de produção
É	sempre	importante	lembrar	que	o	produtor	rural	é	incapaz	de	influenciar	o	preço	de	
mercado do produto agropecuário comercializado. Portanto, uma das formas de o em-
presário rural maximizar a renda e a lucratividade do seu empreendimento é por meio 
do controle dos custos de produção da atividade agropecuária.
O fluxo de caixa é um importante instrumento de 
gerência, que ajuda no processo de gestão e de 
tomada de decisão do empresário rural.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR44
Por meio desse controle dos custos 
de produção da propriedade é pos-
sível emitir relatórios que fornecerão 
um	fluxo	contínuo	de	informações	
sobre os mais variados aspectos eco-
nômicos	e	financeiros	da	empresa	
rural, permitindo que o produtor ava-
lie a situação atual do seu empreen-
dimento e compare com o que foi 
planejado inicialmente.
Crepaldi	(2012)	aponta	as	dez	principais	finalidades	de	se	calcular	os	custos	de	produção	
em uma propriedade rural. Acompanhe e veja se alguma o surpreende!
Fonte: Adaptado de CREPALDI, 2012.
No	infográfico	você,	certamente,	se	deparou	com	o	termo liquidez. Mas, você sabe o 
que	ele	significa?
Fonte: Getty Images.
Medir o desempenho econômico-financeiro da empresa rural 
e de cada atividade produtiva individualmente.
Controlar as transações financeiras do empreendimento 
agropecuário.
Apoiar o processo de tomada de decisão sobre o planejamento 
da produção, das vendas e dos investimentos.
Auxiliar nas projeções de fluxo de caixa e nas necessidades 
de obtenção de crédito.
Permitir a comparação da performance da empresa rural em 
determinado período de tempo, bem como avaliar seu desempenho 
em relação às concorrentes (outros produtores rurais).
Orientar as despesas pessoais do proprietário rural 
e de sua família.
Acompanhar a liquidez e a capacidade de pagamento da empresa 
para os agentes financeiros e outros credores.
Servir de base para o cálculo de seguros, arrendamentos 
e outros contratos.
Gerar informações para a declaração do Imposto de 
Renda do empresário rural.
Vantagens de 
calcular os custos 
de produção
2
3
4
5
6
7
8
9
10
Orientar as operações agrícolas e pecuárias.1
45OPERAÇÃO DAS CADEIAS PRODUTIVAS DO AGRONEGÓCIO 
Custo, Mercado e Transporte
Glossário
Liquidez: pode ser caracterizada como a facilidade com que 
um ativo é convertido em dinheiro. O estoque de sacas de grãos 
de milho, por exemplo, tem maior liquidez do que um trator, já 
que pode ser comercializado mais rapidamente.
1.2 Custos no setor agropecuário
O acompanhamento dos custos no setor agropecuário é uma ferramenta relevante para 
o controle das atividades de produção e de gerenciamento, pois pode gerar informações 
para	a	tomada	de	decisões.	Para	obter	o	máximo	de	eficácia	e	eficiência	na	adminis-
tração da propriedade rural, é muito importante saber e conhecer os resultados dos 
gastos com cada etapa do processo produtivo.
Processo de gerenciamento de custos no setor agropecuário
O gerenciamento das atividades administrativas e produtivas de uma propriedade é 
realizado a partir do processo de tomada de decisão do proprietário rural ou do pro-
dutor rural.
Fonte: Getty Images.
É possível agrupar as principais atividades executadas pelo empresário rural em 
cinco áreas:
CURSO TÉCNICO EAD SENAR46
a) comercialização (venda dos produtos agropecuários);
b) finanças	(recursos	financeiros);
c) marketing (divulgação dos produtos agropecuários);
d) produção (sistema produtivo); e
e) recursos humanos (gestão da mão de obra empregada).
Atenção
É essencial que o produtor rural decida sobre o que, quanto, 
quando e como produzir. Ele também deve controlar a ação 
após o início das atividades, avaliar os resultados alcançados e 
compará-los com os previstos inicialmente. Conhecer cada fase 
da produção e saber o custo operacional é importante, pois eles 
servem como indicadores na tomada de decisões.
Nesse cenário, Crepaldi (2012) recomenda ao produtor ou técnico rural as seguintes ações:
Fonte: Adaptado de CREPALDI, 2012.
1 Tomar a decisão sobre o que 
produzir.
5 Avaliar se os resultados obtidos com a 
comercialização dos produtos agropecuários 
resultam em lucros ou prejuízos.
2 Decidir o quanto se 
deve produzir.
4 Controlar a ação desenvolvida 
na propriedade rural, ou seja, 
realizar as práticas 
agropecuárias recomendadas.
3 Estabelecer o modo 
como se vai produzir.
Ações do 
produtor rural
47OPERAÇÃO DAS CADEIAS PRODUTIVAS DO AGRONEGÓCIO 
Custo, Mercado e Transporte
Andrade (2002) destaca que o empresário rural deve estar atento às mudanças e às 
tendências econômicas do setor em que se insere. Daí a importância das cooperativas 
e do associativismo nas empresas rurais.
Ainda de acordo com Andrade (2002), hásete variáveis externas que são relevantes e 
podem afetar os custos de produção e o desempenho do empreendimento agropecuário. 
Acompanhe a descrição de cada uma delas!
Variáveis tecnológicas
Estão relacionadas ao sistema produtivo, ou seja, são os 
métodos ou as tecnologias empregadas. Por exemplo, o 
sistema de irrigação utilizado por um produtor.
Variáveis econômicas
Estão relacionadas aos preços, às quantidades de oferta 
e	demanda	dos	produtos	agropecuários,	à	taxa	de	infla-
ção, à taxa de juros, aos níveis salariais, aos níveis de 
renda da população local, entre outros. 
Variáveis políticas
Estão relacionadas à intervenção governamental no se-
tor agropecuário brasileiro, como é o caso das linhas de 
financiamento	do	crédito	rural.
Variáveis sociais Estão relacionadas às tradições culturais da população. 
Variáveis legais
Estão relacionadas aos aspectos normativos que regu-
lam, controlam, incentivam ou restringem o desempe-
nho do empresário rural. 
Variáveis demográficas
Estão relacionadas às características da população, 
como taxa de crescimento, raça, religião, distribuição 
geográfica,	gênero	e	idade.	
Variáveis ecológicas
Estão relacionadas ao ecossistema no qual a proprieda-
de rural está inserida. Por exemplo, é levado em consi-
deração a espécie de vegetação da propriedade ou das 
regiões próximas a ela, além dos tipos de clima e solo. 
Observe,	a	seguir,	um	resumo	gráfico	das	características	e	das	variáveis	que	influenciam	
o processo de gerenciamento de um negócio agropecuário, com a visão dos ambientes 
externo e interno.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR48
Fonte: Elaborado pelo autor (2021).
Afinal,	tendo	em	vista	essa	grande	quantidade	de	processos	de	gerenciamento	de	
custos, quais os benefícios que surgem com esses custos? Conheça mais sobre essa 
relação a seguir.
Custos x benefícios dos empreendimentos rurais
Para um bom planejamento das atividades a serem realizadas em uma propriedade 
rural, é necessária uma análise de custo x benefício.
Atenção
A análise de custo x benefício representa uma avaliação compa-
rativa entre o valor dos fatores de produção da propriedade, ou 
seja, dos seus custos de produção, e o valor da produção 
gerado pela atividade agropecuária.
Ambiente Interno
Ambiente Externo
Comercialização
Tecnologia
Economia
Políticas
Públicas
Aspectos 
Ecológicos
Aspectos 
Demográficos
Aspectos
Sociais
Aspectos Legais
Marketing
Finanças
Produção
Recursos Humanos
49OPERAÇÃO DAS CADEIAS PRODUTIVAS DO AGRONEGÓCIO 
Custo, Mercado e Transporte
Crepaldi (2012) sugere que a descrição detalhada dos componentes da análise de custo 
x benefício de uma atividade agropecuária (que envolvem: custos, receita, produtivi-
dade, preços e resultado operacional) deverá ser realizada com o uso de programas de 
planilhas e cálculos, como o Microsoft® Office Excel.
Fonte: Getty Images Fonte: Shutterstock.
Custos: neste item, é importante analisar:
1. insumos: para a elaboração deste su-
bitem, o primeiro passo é realizar uma 
pesquisa de preços dos insumos e, em 
seguida, colocar os valores encontrados 
na planilha a ser montada.
2. serviços: este subitem está relaciona-
do a todas as atividades realizadas du-
rante o processo produtivo da empresa.
3. outros: neste subitem, incluem-se os 
demais fatores associados ao sistema 
produtivo, como: seguros, assistência 
técnica e custo do capital empregado.
Receita: são informações importantes para 
o produtor rural utilizar nos processos de 
planejamento e de tomada de decisão das 
atividades a serem exploradas. As princi-
pais variáveis analisadas neste item serão:
1. O preço de mercado.
2. O nível de produtividade do item 
analisado.
3. Produtividade.
Para Crepaldi (2012), a medida de produtividade de um produto agropecuário pode 
ser obtida com base nos valores médios das propriedades rurais localizadas em uma 
determinada região. Essas informações são obtidas com entidades de pesquisa e as-
sistência técnica, como a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), a 
Companhia	Nacional	de	Abastecimento	(Conab),	o	Instituto	Brasileiro	de	Geografia	e	
Estatística (IBGE), entre outras.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR50
Saiba mais
A	internet	é	um	instrumento	efetivo	e	eficiente	para	realizar	esses	
levantamentos,	porém,	lembre-se	de	buscar	fontes	confiáveis	e	
seguras! Se quiser saber mais sobre as entidades de pesquisa 
citadas anteriormente, acesse os sites:
• https://www.embrapa.br/
• https://www.conab.gov.br/
• https://ibge.gov.br/
Formação de preços dos produtos agropecuários
Segundo dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Escola Su-
perior de Agricultura Luiz de Queiroz - Cepea/Esalq, todos os insumos da produção 
rural têm um papel primordial na formação de preços agropecuários.
Variações de preços ao produtor ru-
ral, geralmente, são repassadas aos 
consumidores, dependendo dos cus-
tos de comercialização: como estão 
as condições (qualidade e disponi-
bilidade) do transporte, armazena-
mento e processamento; das cláu-
sulas estabelecidas nos contratos; 
da parcela da produção que é ex-
portada	(influenciados	pelo	câmbio	
e preços em dólares) ou da parcela 
da demanda que é atendida com as 
importações.
A	estrutura	do	mercado	é	muito	importante	para	a	fixação	de	margens	de	lucro	e	para	
igualar o ritmo de ajustes às condições de câmbio de mercado. Em circunstâncias nor-
mais (de estabilidade), sabe-se que as variações de preços – tanto para cima, quanto 
para baixo - são mais intensas para o produtor do que para o consumidor.
Fonte: Getty Images.
https://www.embrapa.br/
https://www.conab.gov.br/
https://ibge.gov.br/
51OPERAÇÃO DAS CADEIAS PRODUTIVAS DO AGRONEGÓCIO 
Custo, Mercado e Transporte
Comentários do autor
Os custos de comercialização são compostos de itens como 
salários, aluguéis, energia etc., cujos preços são mais está-
veis, mas podem ser reajustados anualmente em alguns casos 
( ALVES, 2021).
1.3 Custos da empresa rural
Para melhor entender a formação dos preços, é necessário saber os custos da empresa 
rural, que são todos aqueles necessários para se produzir um determinado produto. 
Além disso, é preciso ter os dados sobre as receitas obtidas a partir de diferentes ce-
nários de produtividade.
Dica
A receita é obtida a partir da comercialização da produção 
do produto.
Observe	os	parâmetros	utilizados	para	definir	os	cenários	de	produtividade:	de	otimista	
a pessimista.
No cenário otimista, será 
adotado o maior valor de 
produtividade esperada, 
isto	é,	a	produtividade	“se	
tudo	der	certo”.
No cenário médio, será 
adotado o valor médio de 
produtividade	verificada	na	
região ou informada pelas 
instituições.
Já o cenário pessimista é 
aquele com o menor valor 
de produtividade, ou seja, 
considera a ocorrência de 
vários problemas no pro-
cesso produtivo.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR52
Classificação dos custos da empresa rural
Os custos do sistema produtivo de uma empresa ou propriedade rural podem ser divididos 
em: custo operacional efetivo (COE), custo operacional total (COT) e custo total (CT).
Informação extra
O custo operacional efetivo (COE) é o somatório de todos 
os gastos do ciclo produtivo que geram desembolso ao produ-
tor. Exemplos:
• mão de obra contratada;
• rações;
• suplementos minerais;
• sementes;
• mudas;
• medicamentos veterinários;
• outras forrageiras não anuais.
A remuneração da mão de obra familiar, que trabalha diretamen-
te	no	processo	produtivo,	deve	ser	definida	pelo	proprietário.	
Para calcular a base da remuneração da mão de obra familiar 
deve-se avaliar a atividade exercida pelos membros da família 
na propriedade, em comparação ao valor que eles receberiam 
se trabalhassem realizando as mesmas funções em outra em-
presa rural.
A análise de custo x benefício contemplando os 
custos totais é fundamental para a tomada de de-
cisão do produtor rural, pois possibilita minimi-
zar os riscos de prejuízo, endividamento e até a 
falência dos empreendimentos rurais.
53OPERAÇÃO DAS CADEIAS PRODUTIVASDO AGRONEGÓCIO 
Custo, Mercado e Transporte
Custos da produção mecanizada
O agronegócio brasileiro, o mercado 
consumidor, as relações de trabalho, 
a cultura e, principalmente, o trato 
com a terra e o manejo com o pro-
duto têm sido transformados com a 
mecanização do campo.
Entretanto, a mecanização também leva o empreendimento a ter novos custos, como: 
os ganhos reais de salários, devido à falta de mão de obra especializada e à concorrência 
com outros setores do agronegócio; os custos de aprendizado; as normas regulamenta-
doras; o aparecimento de novas pragas e doenças; além do aumento do valor da terra.
Comentários do autor
A mecanização reduziu as oportunidades de trabalho que exigiam 
mais mão de obra braçal. Mas, neste processo, a mão de obra 
especializada está longe de atingir o amadurecimento.
Investir no aperfeiçoamento tecnológico de máquinas, equipamentos e mão de obra 
especializada gera aumento dos custos diretos e indiretos. Um custo que incide dire-
tamente é o de depreciação do maquinário, que é calculado pelo equivalente em horas 
da	vida	útil	do	equipamento.	A	redução	dos	custos	de	produção	chegará	quando	os	
ganhos da produtividade, vindos do melhoramento tecnológico, superarem os investi-
mentos iniciais.
Saiba mais
Para buscar preços de produtos agropecuários acesse o site do 
Conab, que realiza sistematicamente a pesquisa de valores de 
mais de 100 produtos. https://www.conab.gov.br/info-
agro/precos
Fonte: Getty Images.
https://www.conab.gov.br/info-agro/precos
https://www.conab.gov.br/info-agro/precos
CURSO TÉCNICO EAD SENAR54
Para	fixar	seus	conhecimentos,	realize	as	atividades	propostas	a	seguir.
Atividades de aprendizagem
1. “Corresponde aos gastos incorridos de forma não eficiente no processo produ-
tivo e administrativo. O não aproveitamento de todos os recursos e atividades 
desenvolvidas que não agregam valor ao produto ou serviço, representam custos 
desnecessários ou despesas adicionais que servirão apenas para reduzir o lucro.”
a) Custo.
b) Gastos.
c) Custos indiretos.
d) Desperdício.
e) Despesa.
2. É essencial que o agropecuarista, ao decidir o que produzir na propriedade rural, 
conheça cada fase do processo e saiba que os custos serão importantes indicadores 
que o ajudarão na tomada de decisão. Leia as afirmativas abaixo:
I. Tomar a decisão sobre o que e quanto se deve produzir.
II. Estabelecer o modo como vai produzir.
III. Controlar os insumos usados nas práticas agropecuárias.
IV. Avaliar se os resultados obtidos com a comercialização dos produtos agrope-
cuários resultam em lucros ou prejuízos.
Das ações descritas, quais são recomendadas ao produtor? Assinale a alternativa correta.
a) Somente I, II estão corretas.
b) Somente I, II, IV.
c) Todas estão erradas.
d) Somente III e V estão corretas.
e) Todas estão corretas.
55OPERAÇÃO DAS CADEIAS PRODUTIVAS DO AGRONEGÓCIO 
Custo, Mercado e Transporte
3. Na análise de custo x benefício de uma atividade agropecuária hipotética, verifica-se 
que estão envolvidos custos, receita, produtividade, preços e resultado operacio-
nal. Assinale a alternativa que apresenta uma variável analisada no item receita:
a) Preço de mercado.
b) Serviços.
c) Custos totais.
d) Insumos.
e) Nível de consumo.
4. Descreva, conforme seu entendimento, quais são os parâmetros utilizados para 
definir os cenários de produtividade e o que significa cada um deles.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
5. Na classificação dos custos da empresa rural podemos dizer que o gasto com rações 
e com mão de obra contratada corresponde ao:
a) Custo operacional total (COT).
b) Custo operacional efetivo (COE).
c) Custo total (CT).
d) Custo	financeiro	efetivo	(CFE).
e) Custo estratégico efetivo (CEE).
CURSO TÉCNICO EAD SENAR56
6. Investir no aperfeiçoamento tecnológico de máquinas, equipamentos e na mão de 
obra especializada possivelmente aumente os custos diretos e indiretos de uma em-
presa. Pode-se dizer que um dos principais custos que incide sobre o maquinário é:
a) Mão	de	obra	desqualificada.
b) O uso da internet.
c) Depreciação.
d) Lubrificação.
e) Mão	de	obra	qualificada.
Tópico 2: A precificação nas principais cadeias produtivas 
do agronegócio
A	precificação	de	produtos	é	uma	das	estratégias	que	compõem	diretamente	ou	in-
diretamente	o	valor	final	do	produto	rural.	Com	ela,	se	atinge	o	objetivo	de	suprir	os	
custos (diretos e indiretos) e garantir lucro nas vendas. Como as condições variam de 
propriedade para propriedade, é comum termos preços diferentes em produtos seme-
lhantes.	Por	isso,	a	precificação	de	produtos	precisa	ser	feita	de	forma	específica	por	
cada empreendedor rural.
Fonte: Getty Images.
A	precificação	engloba	todos	os	valores	relevantes	para	a	definição	do	valor	final	de	
venda. Dessa maneira, é possível garantir competitividade no mercado consumidor, 
satisfação dos clientes e uma margem de lucro adequada para o negócio rural.
57OPERAÇÃO DAS CADEIAS PRODUTIVAS DO AGRONEGÓCIO 
Custo, Mercado e Transporte
Informação extra
A margem de lucro é o valor que sobra da venda de um pro-
duto,	descontadas	as	despesas	(fixas	e	variáveis)	resultantes	
de sua produção ou distribuição.
Para calcular o markup, três componentes (na forma de per-
centual) deverão ser utilizados em uma fórmula:
1. Despesas fixas (DF): todos os custos para manter a 
empresa rural.
2. Despesas variáveis (DV): gastos relacionados direta-
mente com a produção.
3. Margem de lucro desejada (ML): valor que sobra da 
venda de um produto ou serviço.
Esses	valores	devem	ser	cuidadosamente	classificados	para	que	
o	resultado	final	alcance	números	precisos	e	definitivos.
As formas mais conhecidas para a formação de preço são:
• markup;
• lucro-alvo;
• precificação	por	concorrência;	e
• margem de contribuição.
A margem de contribuição (MC) é o valor, em porcentagem, dos gastos que o produto 
rende.	A	precificação	de	produtos	baseada	exclusivamente	na	margem	de	contribuição	
pode ser mais precisa quanto aos gastos da empresa rural. Uma vantagem de usar essa 
margem	é	que	ela	pode	ser	bastante	flexível.	Se	o	empreendimento	quer	se	tornar	mais	
competitivo, por exemplo, pode diminuir essa margem, ao menos temporariamente. 
Por outro lado, se houver possibilidade de lucrar mais, é possível elevá-la. A fórmula 
para calcular o MC é dada por:
MC = valor de venda – custos variáveis + despesas variáveis
Trata-se de um processo similar à estratégia por lucro-alvo. A diferença, porém, será 
que o lucro nesse caso é dado em uma porcentagem do valor de venda do produto.
Em porcentagem, a fórmula é dada por:
CURSO TÉCNICO EAD SENAR58
MC (%) = (valor de venda – custos variáveis + 
despesas variáveis) ፥ valor de venda
Que tal ver um exemplo prático?
Na ponta do lápis
Imagine	que	as	despesas	fixas	e	variáveis	de	um	produto	cor-
respondam a R$ 15,00. Caso o empreendimento deseje uma 
margem	de	contribuição	de	20%,	o	número	final	será	dado	por:
Margem de contribuição = 
valor de venda – custos variáveis + despesas variáveis
MC = 20% × R$ 15,00 = R$ 3,75
R$ 3,75 = valor de venda – R$ 15,00
Valor de venda = R$ 3,75 + R$ 15,00
Valor de venda = R$ 18,00
Dessa forma, para obter a margem de contribuição pretendida, 
que são os 20%, o valor de venda deverá ser igual a R$ 18,00.
Ao analisar a margem de contribuição e aplicar sua fórmula, vemos que é possível 
entender como se forma o preço, por isso essa é a técnica mais recomendada para a 
precificação.	Ela	determina	o	quanto	“sobra”,	dentro	do	custo	de	venda,	após	serem	
descontados custos e despesas variáveis.
Dica
A	precificação	de	produtos	baseada	exclusivamente	na	margem	
de contribuição pode ser mais precisa quanto aos gastos da 
empresa rural.
Leitura complementar
Para	saber	mais	sobre	a	precificação	nas	cadeias	produtivas	do	
agronegócio consulte o seu material complementar.
59OPERAÇÃO DAS CADEIAS PRODUTIVAS DO AGRONEGÓCIO 
Custo, Mercado e Transporte
É fundamental buscar um equilíbrio entre o preço de venda e os gastos de produção, 
fazendo	um	levantamento