A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
850 pág.
Quadro Comparativo dos Projetos do CPC 1973 e 2015

Pré-visualização | Página 16 de 50

DAS PARTES E DOS 
PROCURADORES 
DAS PARTES E DOS 
PROCURADORES 
CAPÍTULO I CAPÍTULO I CAPÍTULO I CAPÍTULO I 
Quadro comparativo do Código de Processo Civil 
Projeto de Lei do Senado nº 166, de 2010 (nº 8.046, de 2010, na Câmara dos Deputados) 
Obs.: A comparação tem como base a última coluna (Texto Consolidado). 
 
Elaborado pelo Serviço de Redação da Secretaria-Geral da Mesa do Senado Federal. • (Elaboração: 16.12.2014 – 20:39) • (Última atualização: 16.12.2014 – 20:39) 
41
Legislação 
Projeto de Lei do Senado nº 166, de 
2010 
(texto aprovado pelo Senado Federal) 
Substitutivo da Câmara dos 
Deputados 
 (nº 8.046, de 2010, na Câmara dos 
Deputados) 
Texto Consolidado 
com os ajustes promovidos pela 
Comissão Temporária do Código de 
Processo Civil 
DA CAPACIDADE PROCESSUAL DA CAPACIDADE PROCESSUAL DA CAPACIDADE PROCESSUAL DA CAPACIDADE PROCESSUAL 
Art. 7º Toda pessoa que se acha no 
exercício dos seus direitos tem 
capacidade para estar em juízo. 
Art. 70. Toda pessoa que se acha no 
exercício dos seus direitos tem 
capacidade para estar em juízo. 
Art. 70. Toda pessoa que se encontre no 
exercício de seus direitos tem 
capacidade para estar em juízo. 
Art. 70. Toda pessoa que se encontre no 
exercício de seus direitos tem 
capacidade para estar em juízo. 
Art. 8º Os incapazes serão representados 
ou assistidos por seus pais, tutores ou 
curadores, na forma da lei civil. 
Art. 71. Os incapazes serão 
representados ou assistidos por seus 
pais, tutores ou curadores, na forma da 
lei. 
Art. 71. O incapaz será representado ou 
assistido por seus pais, ou por tutor ou 
curador, na forma da lei. 
Art. 71. O incapaz será representado ou 
assistido por seus pais, ou por tutor ou 
curador, na forma da lei. 
Art. 9º O juiz dará curador especial: Art. 72. O juiz nomeará curador 
especial: 
Art. 72. O juiz nomeará curador especial 
ao: 
Art. 72. O juiz nomeará curador especial 
ao: 
I - ao incapaz, se não tiver representante 
legal, ou se os interesses deste colidirem 
com os daquele; 
I – ao incapaz, se não tiver representante 
legal ou se os interesses deste colidirem 
com os daquele; 
I – incapaz, se não tiver representante 
legal ou se os interesses deste colidirem 
com os daquele, enquanto durar a 
incapacidade; 
I – incapaz, se não tiver representante 
legal ou se os interesses deste colidirem 
com os daquele, enquanto durar a 
incapacidade; 
II - ao réu preso, bem como ao revel 
citado por edital ou com hora certa. 
II – ao réu preso, bem como ao revel 
citado por edital ou com hora certa. 
II – réu preso revel, bem como ao réu 
revel citado por edital ou com hora certa, 
enquanto não for constituído advogado. 
II – réu preso revel, bem como ao réu 
revel citado por edital ou com hora certa, 
enquanto não for constituído advogado. 
Parágrafo único. Nas comarcas onde 
houver representante judicial de 
incapazes ou de ausentes, a este 
competirá a função de curador especial. 
Parágrafo único. A função de curador 
especial será exercida pela Defensoria 
Pública, salvo se não houver defensor 
público na comarca ou subseção 
judiciária, hipótese em que o juiz 
nomeará advogado para desempenhar 
aquela função. 
Parágrafo único. A curatela especial será 
exercida pela Defensoria Pública, nos 
termos da lei. 
Parágrafo único. A curatela especial será 
exercida pela Defensoria Pública, nos 
termos da lei. 
Art. 10. O cônjuge somente necessitará 
do consentimento do outro para propor 
ações que versem sobre direitos reais 
Art. 73. O cônjuge necessitará do 
consentimento do outro para propor 
ações que versem sobre direitos reais 
imobiliários, salvo quando o regime for 
Art. 73. O cônjuge necessitará do 
consentimento do outro para propor ação 
que verse sobre direito real imobiliário, 
salvo quando casados sob o regime de 
Art. 73. O cônjuge necessitará do 
consentimento do outro para propor ação 
que verse sobre direito real imobiliário, 
salvo quando casados sob o regime de 
Quadro comparativo do Código de Processo Civil 
Projeto de Lei do Senado nº 166, de 2010 (nº 8.046, de 2010, na Câmara dos Deputados) 
Obs.: A comparação tem como base a última coluna (Texto Consolidado). 
 
Elaborado pelo Serviço de Redação da Secretaria-Geral da Mesa do Senado Federal. • (Elaboração: 16.12.2014 – 20:39) • (Última atualização: 16.12.2014 – 20:39) 
42
Legislação 
Projeto de Lei do Senado nº 166, de 
2010 
(texto aprovado pelo Senado Federal) 
Substitutivo da Câmara dos 
Deputados 
 (nº 8.046, de 2010, na Câmara dos 
Deputados) 
Texto Consolidado 
com os ajustes promovidos pela 
Comissão Temporária do Código de 
Processo Civil 
imobiliários. da separação absoluta de bens. separação absoluta de bens. separação absoluta de bens. 
§ 1º Ambos os cônjuges serão 
necessariamente citados para as ações: 
§ 1º Ambos os cônjuges serão 
necessariamente citados para as ações: 
§ 1º Ambos os cônjuges serão 
necessariamente citados para a ação: 
§ 1º Ambos os cônjuges serão 
necessariamente citados para a ação: 
I - que versem sobre direitos reais 
imobiliários; 
I – que versem sobre direitos reais 
imobiliários, salvo quando casados sob o 
regime de separação absoluta de bens; 
I – que verse sobre direito real 
imobiliário, salvo quando casados sob o 
regime de separação absoluta de bens; 
I – que verse sobre direito real 
imobiliário, salvo quando casados sob o 
regime de separação absoluta de bens; 
II - resultantes de fatos que digam 
respeito a ambos os cônjuges ou de atos 
praticados por eles; 
II – resultantes de fatos que digam 
respeito a ambos os cônjuges ou de atos 
praticados por eles; 
II – resultante de fato que diga respeito a 
ambos os cônjuges ou de ato praticado 
por eles; 
II – resultante de fato que diga respeito a 
ambos os cônjuges ou de ato praticado 
por eles; 
III - fundadas em dívidas contraídas pelo 
marido a bem da família, mas cuja 
execução tenha de recair sobre o produto 
do trabalho da mulher ou os seus bens 
reservados; 
III – fundadas em dívidas contraídas por 
um dos cônjuges a bem da família; 
III – fundada em dívida contraída por 
um dos cônjuges a bem da família; 
III – fundada em dívida contraída por 
um dos cônjuges a bem da família; 
IV - que tenham por objeto o 
reconhecimento, a constituição ou a 
extinção de ônus sobre imóveis de um 
ou de ambos os cônjuges. 
IV – que tenham por objeto o 
reconhecimento, a constituição ou a 
extinção de ônus sobre imóveis de um 
ou de ambos os cônjuges. 
IV – que tenha por objeto o 
reconhecimento, constituição ou 
extinção de ônus sobre imóvel de um ou 
de ambos os cônjuges. 
IV – que tenha por objeto o 
reconhecimento, constituição ou 
extinção de ônus sobre imóvel de um ou 
de ambos os cônjuges. 
§ 2º Nas ações possessórias, a 
participação do cônjuge do autor ou do 
réu somente é indispensável nos casos 
de composse ou de ato por ambos 
praticados. 
§ 2º Nas ações possessórias, a 
participação do cônjuge do autor ou do 
réu somente é indispensável nos casos 
de composse ou de atos por ambos 
praticados. 
§ 2º Nas ações possessórias, a 
participação do cônjuge do autor ou do 
réu somente é indispensável nas 
hipóteses de composse ou de ato por 
ambos praticado. 
§ 2º Nas ações possessórias, a 
participação do cônjuge do autor ou do 
réu somente é indispensável nas 
hipóteses de composse ou de ato por 
ambos praticado. 
 
§ 3º Não provado o consentimento, deve 
o juiz intimar pessoalmente o cônjuge 
supostamente preterido para, querendo, 
manifestar-se sobre a questão no prazo 
de quinze dias. 
 
Quadro comparativo do Código de Processo Civil 
Projeto de Lei do Senado nº 166, de 2010 (nº 8.046, de 2010, na Câmara dos Deputados) 
Obs.: A comparação