Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
97 pág.
MANUAL DE AUDITORIA EM SANEAMENTO

Pré-visualização | Página 1 de 35

Manual de Procedimentos para Auditoria no 
Setor Saneamento Básico 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Ministério do Trabalho e Emprego 
Secretaria de Inspeção do Trabalho 
Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho 
G
 
 
 
 
rupo Especial de Apoio à Fiscalização no Setor Saneamento e 
Urbanismo 
Novembro de 2002 
 2
 
Manual de Procedimentos para Auditoria no Setor Saneamento Básico 
 
 
 
Grupo Especial de Apoio à Fiscalização no Setor Saneamento e Urbanismo 
 
Equipe do GEAF – Saneamento e Urbanismo: 
 
Marly Cerqueira de Vasconcellos AFT Cuiabá (Coordenadora) 
Dorelland Ponte Lima AFT Fortaleza (Subcoordenador) 
June Maria Passos Rezende AFT Curitiba (Relatora) 
Beatriz Emília Gomes AFT Belo Horizonte (Relatora) 
Sérgio Antonio AFT São Paulo 
Edenilza Campos de Assis Mendes AFT São Paulo 
Eliane Regina de Araújo Rei AFT Rio de Janeiro 
 
 
 
Auditoria em empresas: 
Beatriz Emília Gomes 
Edenilza Campos de Assis Mendes 
June Maria Passos Rezende 
Marly Cerqueira 
Sérgio Antonio 
 
 
Fiscalização da Macrometa Saneamento ( Rio de Janeiro ): 
 
Maurício Elias Callil 
Regina Lázzaro 
 
Redação do Manual de Procedimentos: 
 
Beatriz Emília Gomes 
June Maria Passos Rezende 
Marly Cerqueira 
 
 
 
Ministério do Trabalho e Emprego 
Secretaria de Inspeção do Trabalho 
Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho 
 
 
 
 
 
 3
 
 
Índice 
 
APRESENTAÇÃO 4 
1° CAPÍTULO CENÁRIO E DIAGNÓSTICO DO SETOR SANEAMENTO BÁSICO 5 
2° CAPÍTULO: RISCOS NO SETOR SANEAMENTO E SUA PREVENÇÃO 18 
3° CAPÍTULO: A TERCEIRIZAÇÃO E OS RISCOS NO TRABALHO. 45 
4° CAPÍTULO: RECOMENDAÇÕES: 50 
GLOSSÁRIO 54 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 61 
ANEXOS 64 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 4
 
APRESENTAÇÃO 
 
Considerando o pouco acúmulo de informações em relação ao setor de 
saneamento básico no que se refere às condições de trabalho, aos impactos sobre a 
saúde, à exposição aos riscos, às políticas e gestão de segurança e saúde no 
trabalho, à magnitude dos problemas a serem enfrentados, como também a escassa 
experiência de fiscalização do setor, foi um Grupo Especial de Apoio à Fiscalização – 
GEAF, com ênfase em saneamento e urbanismo, incumbido de realizar o diagnóstico 
das condições de segurança e saúde no trabalho e elaborar Manual de Procedimentos 
para orientação dos Auditores Fiscais do Trabalho - AFT em suas ações de auditoria. 
O presente Manual de Procedimentos - MP objetiva orientar e subsidiar o AFT 
na realização de auditoria no setor de saneamento básico para otimizar os resultados 
pretendidos. Propõe uma metodologia de auditoria fiscal para o setor que seja ao 
mesmo tempo uma intervenção fiscal efetiva e eficaz e que contribua para o 
aprimoramento das condições de segurança e saúde no trabalho. 
Para a leitura e utilização deste Manual de Procedimentos é pré-requisito 
conhecer a discussão já acumulada pelo Ministério do Trabalho e Emprego – MTE 
sobre auditoria estratégica, constante no documento “Proposta de Protocolo de 
Auditoria-Fiscal do Trabalho em Empresas de Grande Porte”. 
Nos trabalhos preliminares do desenvolvimento deste manual pudemos 
verificar que no setor saneamento não caberá outra metodologia de abordagem das 
empresas senão aquela cunhada com aspectos de auditoria estratégica. 
Vinculados a este Manual de Procedimentos devem estar a garantia de 
condições materiais para a realização de auditoria e a inclusão desse ramo de 
atividade no planejamento do Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho – 
DSST 
 
Para melhor aproveitamento, o documento foi dividido em capítulos: 
 
1° capítulo - Cenário e diagnóstico do Setor Saneamento Básico – Neste 
módulo foram incluídos a caracterização do setor saneamento (água e resíduos 
sólidos), as políticas públicas envolvidas, os dados do IBGE de 2000, experiências 
relevantes identificadas nas empresas e diagnóstico das condições de segurança e 
saúde, visando situar o setor no contexto econômico nacional e instrumentalizar e 
justificar as ações de auditoria. 
 
2º capítulo – Riscos no Setor Saneamento Básico e sua Prevenção – este 
capítulo relaciona os riscos ambientais identificados nas diversas 
etapas/atividades/serviços do setor bem como recomenda as principais medidas de 
prevenção. 
 
3º capítulo: A Terceirização e os Riscos no Trabalho. 
 
4° capítulo – Recomendações – Finalizando o documento, apresenta-se 
modelos de check list de orientação para coleta de dados em empresas de 
saneamento, Notificação para apresentação de Documentos –NAD e Termo de 
Notificação para cumprimento das Normas Regulamentadoras da Portaria 3214/78. 
Formula-se diversas proposições capazes de contribuir para o aprimoramento das 
condições de saúde e segurança no trabalho nesse ramo de atividade. 
 
 
 5
1° CAPÍTULO CENÁRIO E DIAGNÓSTICO DO SETOR SANEAMENTO 
BÁSICO 
 
O saneamento ambiental é o conjunto de ações socioeconômicas que têm 
como objetivo alcançar números crescentes de salubridade ambiental, por intermédio 
de abastecimento de água potável; coleta e disposição sanitária de resíduos líquidos, 
sólidos e gasosos; promoção da disciplina sanitária no uso e ocupação do solo; 
drenagem; controle de vetores e reservatórios de doenças transmissíveis; melhorias 
sanitárias domiciliares; educação sanitária e ambiental e demais serviços 
especializados, com a finalidade de proteger e melhorar a condição de vida tanto nos 
centros urbanos como nas comunidades rurais. 
O campo saneamento básico contempla as ações no âmbito do abastecimento 
de água potável; coleta disposição e tratamento de resíduos sólidos, esgotamento 
sanitário, . 
controle de vetores e drenagem urbana (águas pluviais). 
Enquanto ramo de atividade, matéria deste trabalho, o setor saneamento 
básico foi entendido aqui como o grupo abrangendo as CNAE 41.00-9 – Captação, 
Tratamento e 
Distribuição de Água e CNAE 90.00-0 – Limpeza Urbana e Esgoto. A CNAE 45.34-9 – 
Construção de Obras e Reparação do Meio Ambiente foi contemplado na medida em 
que enfatizar-se-á o processo de terceirização e a gestão de saúde e segurança das 
empresas contratantes (companhias estaduais e municipais de saneamento) sobre as 
contratadas (empreiteiras de construção civil e obras de construção, manutenção e 
extensão de redes e sistemas de abastecimento de água e esgotamento sanitário). 
Cabe ressaltar que a captação, tratamento e distribuição de água e coleta e 
tratamento de esgoto (esgotamento sanitário) constituem etapas do saneamento 
freqüentemente executados por uma mesma empresa, a qual geralmente está 
codificada na CNAE 41.00-9. 
Quanto à CNAE 90.00-0 – Limpeza Urbana e Esgoto, além das empresas 
responsáveis pela limpeza urbana e gerenciamento dos resíduos sólidos, estão 
cadastradas neste código empresas que desenvolvem atividades diversas tais como 
dedetização, conservação e limpeza, desentupimento de encanamentos, limpeza de 
piscinas, administração de condomínios, lava-jatos, dentre outras. 
Foram objeto deste trabalho as empresas responsáveis pelo saneamento 
(captação, tratamento e distribuição de água e esgotamento sanitário) e as empresas 
responsáveis pela limpeza urbana, em geral empresas de maior porte, da âmbito 
municipal ou estadual, as quais têm concentrado maior número de acidentes de 
trabalho fatais e graves, portanto de maior prioridade para o desenvolvimento de 
ações de auditoria fiscal. 
Os dados
Página123456789...35