Aula 4 - Mutação de Ponto
5 pág.

Aula 4 - Mutação de Ponto


DisciplinaGenética e Biologia Molecular77 materiais622 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Genética \u2013 Aula 4 \u2013 Mutação de Ponto
Uma molécula de DNA é transcrita em uma molécula de RNA e essa molécula de RNA então tem como função a expressão do nosso genoma em forma de proteína. Significa o que? Que um erro no DNA vai também transcrever uma molécula de RNA errada e, consequentemente, terá uma modificação na proteína. Se a proteína é resultado de uma junção de aminoácido referente dessa proteína ta na informação, que chamamos de códon do RNA e esse códon é uma referência do DNA da sequência de nucleotídeos do DNA, então significa que nucleotídeo no DNA errado, vai gerar também um RNA errado e que vai ocasionar então um aminoácido trocado ou stop-códon. Essa é a ideia de mutação.
 A gente não precisa modificar muita coisa no genoma para vermos essa mutação. Na anemia falciforme, por exemplo, a imunoglobulina S tem estrutura instável e acaba se polimerizando dentro da hemácia, essa proteína e nesse terço da polimerização da então essa forma de foice da hemácia. O que houve de alteração? Apenas um único aminoácido, o sexto aminoácido foi trocado, ou seja, para se observar uma mutação não precisa muita coisa acontecer. A gente lá na bioquímica que a sequência de aminoácido é responsável pela estrutura da proteína e a estrutura da proteína é responsável pela função da proteína, então se eu troco um aminoácido e esse aminoácido tem uma característica diferente do que era a original, eu posso modificar totalmente a estrutura da proteína. Modificando a estrutura da proteína, aquele sítio ativo, aquela região que recebe o ligante, pode não ter mais afinidade, então a proteína perde totalmente a sua função. O pensamento mais fácil é a gente pensar em aminoácidos de características hidrofílicas e hidrofóbicas, um aminoácido que tem radical de características hidrofílica, ele obrigatoriamente vai ficar exposto e em contato com superfície líquida, já o aminoácido com característica hidrofóbica ele vai estar internalizada com a proteína, então aquele aminoácido vai para dentro da proteína, ou então vai ser proteína de membrana plasmática, que vai interagir com lipídeos da membrana, formando poros na membrana. Então, a ideia de mutação busca essa bioquímica, estrutura de proteínas, porque se o nosso genoma é expresso no formato de proteína, então o erro acontece e pode ser visto na proteína.
Existem mutações no RNA? Existe uma troca, um erro no RNA, ele não vai fazer diferença, ir para frente, pois aquele RNA errado vai produzir meia dúzia de proteína errada, mas logo vão ser produzidos novos RNA\u2019S e isso vai ser corrigido. Então a mutação obrigatoriamente no DNA, sendo a mais prejudicial. Se houve a troca no nucleotídeo no RNA, só no RNA, na hora da construção do RNA, isso não é importante para nós. O problema é quando essa alteração está no DNA, porque sempre vou construir errado.
MUDANÇAS NO GENOMA
As Mutações de ponto ocorrem em um ponto do genoma, então vai alterar um nucleotídeo ou poucos nucleotídeos, ou seja, é uma modificação bastante restrita, pequena. A mudança de ponto é uma mutação de pequena escala. Olhando no cariótipo não há alteração nenhuma, a alteração só é visível se você sequenciar o genoma, por exemplo, exames em busca de predisposição a tumores.
Para que eu consiga justificar que aquele genoma, que aquela fita tenha realmente uma mutação eu tenho que comparar com a fita correta, então sempre tem que ter uma fita original. Sempre comparar a primeira fita (original) com a mutante. 
 Exemplo: então comparando a fita selvagem (original) com o primeiro mutante, pode-se ver que no terceiro par de bases era guanina \u2013 citosina e passou a ser timina\u2014adenina , então houve uma substituição do pareamento G--C com T- A, ou seja, houve uma mudança, mutação. Se for uma mutação em apenas um par de bases é uma mutação de ponto do tipo Substituição, porque substituiu G--C por T--A. A terceira fita é o nosso segundo mutante observa-se que sumiu um par de base, ou seja, tem um par de bases a menos e chamamos essa mutação do tipo Deleção. Quando isso pode acontecer? Quando você repara o genoma a região que vai ser reparada nunca é retirada apenas aquela base, aquele nucleotídeo que vai ser reparado, sempre retira a mais, dependendo do tipo de reparo, você tem que reparar as duas fitas, fazer translocação para conseguir um outro pareamento. Pode ser colocado um ou poucos pares de bases a menos e ocasiona o que chamamos de deleção de DNA. Então nós temos, por exemplo, as hemofilias principalmente a do tipo B (deficiência do fator 9) como exemplo de substituições, deleções e até mesmo inserções, que ocorreu no DNA. 
Então quando some uma ou poucas bases é chamada de mutação de ponto do tipo deleção. No ser eucarioto reparar uma célula não compensa, você manda a célula para apoptose e fim. Em um ser unicelular ou ele repara ou ele morre. Se ele não reparar o genoma ele não consegue resistir, então ele faz qualquer coisa para reparar seu genoma inclusive colocar bases sem ter nenhuma referência do que ele ta colocando. Um ser pluricelular isso é inviável, é mais fácil mandar para apoptose.
A terceira mutação é o oposto da deleção, é quando é inserido um ou poucos pares de bases a mais, conhecido como Inserção. Está inserido um ou poucos pares de vases a mais
O tipo de mutação mais prejudicial são os tipos de inserção e deleção, pois a partir do momento que eu retiro ou insiro um par a mais ou retiro um par a menos, todos os aminoácidos serão trocados.
Exemplo: eu tenho aqui um códon, dois códons que vai formar o terceiro códon que vai formar o quarto códon. Eu vou inserir um nucleotídeo a mais, o primeiro códon fica OK, dali em diante eu não vou ter mais a sequência de aminoácidos correta, porque eu mudo a matriz, a posição da minha leitura, ou inserido ou deletando. Então, são mutações mais prejudiciais, que a partir do momento que inserir um nucleotídeo a mais, esse nucleotídeo, muda totalmente a base dos aminoácidos. Isso não ocorre na substituição, se substituir um nucleotídeo, talvez esse aminoácido modifique, mas os outros não. A partir do momento que há deleção, todos os aminoácidos serão diferentes. Por mais prejudicial que seja ter um aminoácido a mais ou a menos, é melhor do que morrer (a célula).
Quando ocorre uma substituição nos podemos ainda classificar essa substituição, sendo do tipo transição ou do tipo transversão. Quando é trocado purina por purina (guanina e adenina) ou pirimidina por pirimidina (citosina, uracila e timina) a mutação é do tipo transição.
Se a mutação ocorre em uma base e essa base então, é trocada, por exemplo, uma guanina por uma adenina, eu tenho uma base purina trocada por outra purina, vou ter uma sequência toda correta. Houve uma mutação de ponto do tipo substituição, porque substituiu um nucleotídeo por outro nucleotídeo e foi uma substituição do tipo transição, pois mudou de guanina para uma adenina, de uma purina para outra purina.
Se num segundo caso eu comparo a fita original com a mutante e vejo que foi alterado T--A, foi trocado T para A, foi trocado uma pirimidina para uma purina. Nesse caso chama-se a substituição do tipo transversão. É uma mutação de ponto porque foi alterado um nucleotídeo. É do tipo de substituição porque substituiu T\u2014A e transversão porque a substituição foi de uma pirimidina por uma purina.
Se a troca for feita pelo mesmo grupo das bases púrica por púrica; pirimidina por pirimidina- é uma substituição do tipo transição. Se a troca for feita por grupos químicos de bases diferentes púrica \u2014 pirimídica; pirimídica--- por púrica--- é uma substituição do tipo transversão. 
Há três tipos de mutação de DNA: substituição (substitui uma base por outra) deleção (genoma perde um par de bases ou poucos pares de bases) ou inserção/adição (inserem-se bases).
Os radicais livres (metil, etil) interagem com o genoma, modificando a estrutura química. Quando eu tenho um radical livre que interage com o genoma eu acabo modificando aquela estrutura e isso já desencadeia a reparo do genoma.
A classificação do genoma depende obrigatoriamente