A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
10 pág.
Teoria da Gestalt

Pré-visualização | Página 1 de 2

Índice 
Introdução	1
Teoria de aprendizagem da gestalt e teoria de campo	2
Definição	2
Representantes da teoria da gestalt	2
Max Wertheimer (1880-1943)	3
Wolfgang Kõhler (1887-1967)	3
Kurt Koffka (1886-1941)	3
Leis da gestalt	3
Teoria de campo de Kurt Lewin	3
Aplicação da teoria da gestalt na aprendizagem	4
Papel do professor e do aluno	6
Papel do professor	6
Papel do aluno	6
Conclusão	7
Bibliografia	8
Introdução 
Aprendizagem é uma reestruturação de percepções e pensamentos que ocorrem no organismo.  Para esta reestruturação acontecer um indivíduo deverá confrontar as suas percepções com novos pontos de vista, para assim, descobrir novas relações e reorganizar as suas percepções integrando nas mesmas nova informação.  
A Gestalt é uma organização de elementos constitutivos, com a finalidade de estimular, criando uma percepção global estruturada. De acordo com a Gestalt o psiquismo humano não tem condições de ser analisado de forma isolada, e sim, sempre em conjunto, tendo como ponto de partida a percepção. Para os “gestaltistas” existe uma relação estimulo-resposta, no qual o estímulo que o meio fornece a resposta, está directamente ligado ao processo de percepção. O que e como o individuo percebe é extremamente importante para entender o comportamento humano. Psicologia da forma, Psicologia da Gestalt, Gestaltismo ou simplesmente Gestalt é uma teoria da psicologia iniciada no final do século XIX na Áustria e Alemanha que possibilitou o estudo da percepção. 
Este trabalho conta com o seguinte tema: Teoria de aprendizagem da gestalt e teoria de campo. Neste trabalho o grupo pretende apresentar de forma objectiva as informações que giram em torno da gestalt, seus representantes juntamente com suas ideias centrais e também da aplicação desta teoria no processo de ensino aprendizagem. 
Foi possível realizar este trabalho utilizando-se do método bibliográfico, que consiste na consulta de material que versam sobre o tema em epígrafe e após esta leitura fez-se síntese e realizou-se este presente trabalho. 
Teoria de aprendizagem da gestalt e teoria de campo 
Gestalt 
Definição
A gestalt ou também psicologia da forma é uma teoria que parte do princípio de que todos os fenómenos psicológicos devem ser explicados na sua totalidade ou configuração, sem dissociar os elementos do conjunto onde se integram e, fora do qual, não têm significado (Mesquita e Duarte: 1996). 
Um dos temas centrais dessa teoria é a percepção. Os experimentos com a percepção levaram os teóricos da gestalt ao questionamento de um princípio implícito na teoria behaviorista — que há relação de causa e efeito entre o estímulo e a resposta — porque, para os gestaltistas, entre o estímulo que o meio fornece e a resposta do indivíduo, encontra-se o processo de percepção. Sendo assim, o que o indivíduo percebe e como percebe são dados importantes para a compreensão do comportamento humano.
De acordo com os gestaltistas, o comportamento do homem deveria ser estudado nos seus aspectos mais globais, levando em consideração as condições que alteram a percepção do estímulo.
Representantes da teoria da gestalt 
A Psicologia da Gestalt é uma das tendências teóricas mais coerentes e coesas da história da Psicologia. Seus articuladores preocuparam-se em construir não só uma teoria consistente, mas também uma base metodológica forte, que garantisse a consistência teórica (Bock et all: 1999).
Max Wertheimer (1880-1943), Wolfgang Kõhler (1887-1967) e Kurt Koffka (1886-1941), baseados nos estudos psicofísicos que relacionaram a forma e sua percepção, construíram a base de uma teoria eminentemente psicológica. Eles iniciaram seus estudos pela percepção e sensação do movimento. Os gestaltistas estavam preocupados em compreender quais os processos psicológicos envolvidos na ilusão de óptica, quando o estímulo físico é percebido pelo sujeito como uma forma diferente da que ele tem na realidade (Bock et all: 1999). 
Max Wertheimer (1880-1943)
Segundo Cabral (2006), para Max Wertheimer o fenómeno phi ocorre quando a apresentação sucessiva de dois estímulos espacialmente separados, por exemplo, duas luzes que se acendem alternadamente em rápida sucessão a pouca distância uma da outra gera a impressão de que se trata de uma só luz, movendo-se de um lado para outro (Wertheimer, 1971). 
Wolfgang Kõhler (1887-1967)
 Kholer foi professor de Filosofia na Universidade de Berlim, tendo levado a cabo um conjunto de experiências que lhe permitiriam mais tarde conceber as bases da Psicologia da Forma, conhecida como Teoria da Gestalt.
Enfatiza de forma geral na sua teoria a aprendizagem por “insight”, que equivale dizer que a percepção de relações que levam a uma solução de um determinado problema de forma súbita ou repentina. 
Essa a aprendizagem apresenta vantagens sobre os outros tipos de aprendizagem, pois estabeleceu-se experimentalmente que, a rapidez na aprendizagem é inversamente proporcional ao grau de esquecimento – quem aprende depressa, esquece devagar. Nesse diapasão, sendo o “insight” uma aprendizagem repentina, proporciona uma melhor retenção de informações.
Kurt Koffka (1886-1941)
Dos três primeiros gestaltistas, Koffka foi o maior responsável pela introdução do movimento nos Estados Unidos. Em 1935, Koffka escreveu seu mais importante livro, Principles of Gestalt Psychology/ Princípios da Psicologia da Gestalt (1935) (Goodwin: 2005). 
Segundo (Ostermann e Cavalcanti:2010) por meio das leis de percepção/aprendizagem, na teoria da Gestalt, vêem-se outras contribuições para o ensino-aprendizagem. Por exemplo, a Lei da Pregnância (do alemão Prägnanz): nossa mente tende a organizar nossas percepções de forma a capturar as sensações da forma mais simples, simétrica e ordenada possível. Subordinados a essa lei estão, entre outras:
O princípio da similaridade (itens semelhantes tendem a formar grupos na percepção), na proximidade (grupos perceptuais são favorecidos de acordo com a proximidade das partes); 
O princípio do fechamento (áreas fechadas formam mais rapidamente figuras na percepção); 
O princípio da continuidade (fenómenos perceptuais tendem a ser percebidos como contínuos). 
Teoria de campo de Kurt Lewin 
A teoria de Kurt Lewin, um dos primeiros psicólogos a estudarem as organizações, explica que os padrões de comportamento são decorrentes das interacções e das influências que o indivíduo estabelece com o meio. Essa teoria explica como cada indivíduo sintetiza de forma diferente as vivências com o meio ao longo de sua vida; assim, cada pessoa, cada ser humano, possui uma dinâmica interna própria, portanto, interpreta e percebe as coisas, as pessoas, as situações de forma particular. O comportamento é resultado de uma totalidade de fatos e eventos coexistentes em uma determinada situação. A inter-relação entre os fatos e eventos cria um campo dinâmico. Este campo dinâmico, ou ambiente psicológico, corresponde aos padrões organizados de comportamentos e percepções do indivíduo em relação a si e ao seu ambiente. (Chiavenato, 1998).
Segundo Bock (1999) o principal conceito de Lewin é o do espaço vital, que ele define como "a totalidade dos factos que determinam o comportamento do indivíduo num certo momento".
Aplicação da teoria da gestalt na aprendizagem 
A aprendizagem não foi o foco dos psicólogos da Gestalt  como a percepção, a qual se dedicavam extensivamente, porém os princípios sobre a percepção auxiliaram a compreensão do fenómeno da aprendizagem. A aprendizagem, do ponto de vista Gestaltista, está relacionada com a resolução de problemas de forma análoga. Kohler, um dos co- fundador desta escola se dedicou a este princípio; para ele a resolução de problemas é a reestruturação do campo perceptual.
Assim que um problema surge, falta algo que proporcione uma solução adequada, quando ocorre a solução, o campo perceptual é instantaneamente reestruturado; daí a relação da aprendizagem com a percepção.
Como já dito, a aprendizagem está relacionada com a resolução de problemas, porém essas duas