Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1_conceito_regiao

Pré-visualização | Página 1 de 2

DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS
Disciplina Análise Regional
Prof. Heitor Soares de Farias
Não pensamos que a região haja desaparecido. O que esmaeceu foi a nossa capacidade de reinterpretar e de reconhecer o espaço em suas divisões e recortes atuais, desafiando-nos a exercer plenamente aquela tarefa permanente dos intelectuais, isto é, a atualização dos conceitos. 
Milton Santos (1994)
O conceito REGIÃO
Região deriva do latim regere (radical reg) que deu origem a palavras como regra e regência.
Assim, Regione era utilizado nos tempos do Império Romano para designar áreas que, ainda que tivessem administração local, estavam subordinadas às regras gerais e hegemônicas de Roma.
Os mapas que representam o Império Romano são preenchidos com as regiões que representam a extensão espacial do poder hegemônico centrado em Roma.
Região – relações de poder – esfera do político
Atualmente 	poder = território
Regionalizar ainda é um ato de poder (poder decisório)
Região – senso comum 
		- parte do todo;
		- recorte espacial.
Ambos em múltiplas escalas
		- desde o corpo humano;
		- até o globo terrestre;
		- ou mesmo o universo.
	
Saber popular, região = localização e extensão.
	(região pobre, região montanhosa, região...)
Sentido administrativo permanece
	(regiões administrativas, divisão regional...)
Utilizada nas ciências – biogeografia, ecologia, climatologia
	(região polar, região australiana... Área definida pela extensão das propriedades que a definem)
Na Geografia tornou-se um conceito bastante complexo - muitas indefinições associadas ao uso comum.
	
A “construção” da região (regionalização) é um reflexo do seu tempo.
Seja o modo de interpretar região;
Seja reflexo das mudanças espaciais.
Espaço e tempo - indissociáveis..
Geografia e História
Regionalização e periodização.
Geografia - diferenciação de áreas - Corologia (distribuição geográfica).
Heródoto (485-420 a.C.), Estrabão (64-24 d.C.) e Ptolomeu (90-168 d.C.) 
Geographia – descrição das diferentes áreas do planeta.
Para Ptolomeu existem duas Geografias:
Geographia – Terra (nomotética);
Chorographia – paisagens (Idiográfica).
Nomotética – abstrata, geral, científica, leis gerais, universal.
Idiográfica – concreta, singularidades, descritiva, particular.
 Alexander Von Humboldt (1769 - 1859) - considerado como um dos fundadores da Geografia - era naturalista e grande viajante. Fez relatos de suas viagens, estabelecendo comparações entre as diferentes paisagens e aspectos físicos e biológicos. 
Através de seu método de observação, estabeleceu a existência de uma interação entre os mais diversos elementos constituintes da Terra, sendo que ocorre uma relação de causa e consequência entre eles, o principio da causalidade – lugares similares podem sofrer os mesmo fenômenos naturais. 
Karl Ritter (1779-1859) foi outro grande pensador importante na formação e sistematização da geografia. Foi o precursor do método comparativo.
Realizando estudos dos lugares e da individualidade dos mesmos, estabeleceu comparações entre diferentes povos, culturas, instituições e sistemas de utilização de recursos, usando para isso, o empirismo como método de observação.
Alguns debates:
No séc. XIX, a Geologia alcança prestígio (antes da Geografia) já usando o conceito de região.
Vidal de La Blache (1903) - Quadro da Geografia da França - utiliza uma divisão regional onde se percebe a influência dos geólogos.
O conceito de região inicialmente proposto como parte de uma geografia física – região natural como extensão dos elementos naturais (determinista). Essa apropriação do termo também era feita pela Geografia no séc. XVIII.
A utilização do termo pela geografia humana parte deste mesmo entendimento – a região natural é decisiva na configuração de uma sociedade, além de outras igualmente necessárias (possibilista).
Determinismo x Possibilismo - a natureza pode influenciar e moldar certos gêneros de vida, mas é sempre a sociedade, sua cultura, educação, que tem a responsabilidade da escolha.
Segundo esta perspectiva as regiões não são como unidades morfológicas pré-construídas, mas o resultado do trabalho humano em determinado ambiente.
Para entendermos a região devemos observar a civilização, a ação humana, os gêneros de vida. São eles que dão a unidade cultural a certas porções do território.
Nasce daí a noção de região geográfica – região paisagem na cultura alemã e anglo-saxônica – sintetiza a ação transformadora do homem sobre o ambiente.
A partir de então muitas monografias regionais são produzidas a partir da descrição das características físicas seguida da descrição das características da estrutura populacional e das atividades econômicas.
O objetivo desses trabalhos é encontrar uma “personalidade” para cada região, uma forma de ser diferente e particular.
Assim, a(s) característica(s) que dão unidade a cada região são “infinitas” – clima, relevo ou mesmo o quadro histórico. O fundamental é que cada região é um produto único da interrelação dos fatores combinados.
Ao geógrafo cabe desvendar a combinação de fatores responsáveis por sua configuração. O método recomendado é a descrição para penetrar na complexa dinâmica que estrutura este espaço (Vidal de La Blache – 1921)
Daí a enorme importância do trabalho de campo, momento em que o geógrafo se aproxima das manifestações únicas da individualidade de cada região – Escola Francesa de Geografia, com grande repercussão no Brasil.
Apesar de ficar conhecido como Escola Francesa, essa forma de pensar a atividade geográfica se desenvolveu em diversas escolas nacionais – a geografia regional como síntese do trabalho geográfico.
A compreensão exige a proximidade entre o sujeito e o objeto posto que a Geografia é uma ciência idiográfica (Hettner). Estuda o espaço terrestre e este é diferenciado, não regular e único em cada paisagem.
Sendo assim, através da região a Geografia garantiria um objeto próprio, um método específico e uma interface particular (estudo dos fenômenos físicos e humanos combinados, considerando suas diferenças locais). 
Além disso, segundo Hartshorne, há outro ponto que distingue a Geografia das outras ciências, principalmente as naturais. O método regional de identificar a localização e a distribuição espacial dos fenômenos que caracterizam as unidades regionais.
Segundo Hartshorne, só a Geografia tem a preocupação primordial com a localização e a distribuição espacial dos fenômenos.
Esse período da Geografia clássica se encerra com um debate que recoloca em dúvida a validade de uma ciência idiográfica. Se compromete com os fatos únicos e ao mesmo tempo renuncia às leis gerais, à teoria e à explicação – Morte do conceito região.
Geografia clássica - descreve áreas
Geografia quantitativa - classifica áreas.
É importante reconhecer que o conceito de região, nesta forma clássica, foi fundamental para manter a unidade da Geografia.
É no conceito de região que há o pleno encontro do homem com a natureza, das ciências naturais com as ciências sociais – uma reflexão verdadeiramente geográfica.
Mas para os críticos, em um mundo sem teoria e sem modelos cada lugar será sempre único. A perspectiva regional-descritiva jamais transformaria a Geografia em ciência – Geografia Moderna ou Teorética-quantitativa. 
É preciso estabelecer relações, análises e correlações entre os fatos. A região não será mais vista como uma evidência do mundo real. Para entrar no mundo científico tem que estar submetida a critérios explícitos, uniformes e gerais – ruptura com o senso comum.
O estabelecimento de regiões passa ser uma técnica e não mais um produto. É um meio para demonstração de uma hipótese e não mais o final de uma pesquisa – o conceito região ressuscita – classificar é buscar leis.
Regionalizar passa a ser a tarefa de dividir o espaço segundo diferentes critérios que devem ser explicitados, e que podem variar segundo a intenção de cada trabalho.
As divisões não são definitivas, mas somente devem contribuir para o entendimento de um problema e colaborar para uma explicação.
Página12