A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
24 pág.
MUSEU HERING

Pré-visualização | Página 6 de 7

Lei n. 11.904, de 14 de janeiro de 2009. Institui o Estatuto de Museus e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Lei/L11904.htm. Acesso em: 08 jun. 2015a.
______, Santa Catarina. Decreto n. 5.913, de 21 de novembro de 2002. Homologa Tombamento de Móveis. Disponível em: http://www.leisestaduais.com.br/sc/decreto-n-5913-2002-santa-catarina-homologa-tombamento-de-imoveis. Acesso em: 20 mai. 2015b.
CURY, Marília Xavier (Coord.). Museu Hering: Conquistas e Possibilidades Criativas. Blumenau: Fundação Hermann Hering, 2012.
DAUFENBACH, Karine. Hans Broos, singularidades do pensamento e da obra de um mestre. 2012. Disponível em: http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/12.141/4237. Acesso em 22 mai. 2015. 
FIGUEIRA, Archibaldo. A Hering de Blumenau: um século - 1880-1980. Blumenau: Laborgraf, 1980.
FRESARD, Francisco. Começa restauro de prédio histórico da Cia. Hering. 2014. Disponível em: http://wp.clicrbs.com.br/pancho/2014/02/04/comeca-restauro-de-predio-historico-da-cia-hering/?topo=52,2,18,,159,e159. Acesso em: 25 abr. 2015.
GUIA DE MUSEUS DE SANTA CATARINA/Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte. Fundação Catarinense de Cultura. Florianópolis: FCC, 2014.
KLOCK, Kátia (Coord.). Tempo ao Tempo: nasce um museu. Blumenau: Contraponto, 2011.
LIMA, Tânia. Documentando a memória institucional. In: CURY, Marília Xavier (Coord.). Fronteiras regionais e perspectivas nacionais. Blumenau: Museu Hering, 2014, p. 57-99.
MALHEIROS, Amélia. Um museu, um catálogo. In: KLOCK, Kátia (Coord.). Tempo ao Tempo: nasce um museu. Blumenau: Contraponto, 2011
___________, Amélia. Museu Hering: Trinta e quatro anos depois. In: CURY, Marília Xavier (Coord.). Fronteiras regionais e perspectivas nacionais. Blumenau: Museu Hering, 2014, p. 26-34.
MUSEU HERING. A Fonte Enxaimel Type. Disponível em: http://www.museuhering.com.br/curiosidades. Acesso em: 21 mai. 2015.
NUNES, Paulo de Tarso; SARTORI, Sérgio Gregório. O Museu Hering: um caso de sucesso da Política Nacional de Museus. In: CURY, Marília Xavier (Coord.). Museu Hering: Conquistas e Possibilidades Criativas. Blumenau: Fundação Hermann Hering, 2012, p. 49.
PAES, Gustavo Nascimento. O Museu Hering, a gestão documental de um processo híbrido. In: CURY, Marília Xavier (Coord.). Fronteiras regionais e perspectivas nacionais. Blumenau: Museu Hering, 2014. p. 231-253.
____________, Gustavo Nascimento. Entrevista concedida pelo museólogo do Museu Hering. Blumenau, 24 abr. 2015.
PADILHA, Ênio. Glossário da Construção Civil. 2012. Disponível em: http://www.eniopadilha.com.br/artigo/2704/dicionario-de-termos-da-construcao-civil. Acesso em 19 abr. 2015. 
PETRY, Sueli Maria Vanzuita. Na tessitura das malhas, o fio tece a história. In: CURY, Marília Xavier (Coord.). Fronteiras regionais e perspectivas nacionais. Blumenau: Museu Hering, 2014. p. 50-56.
RUDNIK, Marli. Concluída a reforma que vai abrigar o Museu da Hering. 2010. Disponível em: http://newagecom.com.br/blog/2010/08/26/concluida-reforma-da-casa-que-vai-abrigar-o-museu-da-hering/comment-page-1/#comment-32916. Acesso em: 24 abr. 2015.
SANTANA, Ana Lúcia. Museologia. Disponível em: http://www.infoescola.com/ciencias/museologia/. Acesso em: 07 jun. 2015
SILVA, Mariana Girardi Barbosa. Educação para o patrimônio. Os museus como fonte de conhecimento e educação: A contribuição do Museu Hering. In: SILVA, Mariana Girardi Barbosa et al. Temáticas Educativas. Blumenau: Museu Hering, 2012.
______. O Museu Hering, seu setor educativo e suas experiências com o público. In: CURY, Marília Xavier (Coord.). Fronteiras regionais e perspectivas nacionais. Blumenau: Museu Hering, 2014. p. 254-269. 
STEUCK, Charles. Arquivo Pessoal de fotos. Disponível em: https://www.flickr.com/search/?q=museu%20hering. Acesso em 22 abr. 2015.
APÊNDICE - QUESTIONÁRIO[6: Gustavo Nascimento Paes é museólogo, formado pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP)/ MG e trabalha no Museu Hering em Blumenau/ SC. Entrevista concedida aos autores deste artigo em 24 de abril de 2015.]
NOME: Gustavo Nascimento Paes
FORMAÇÃO PROFISSIONAL: Museólogo
LOCAL DE TRABALHO E FUNÇÃO: Museu Hering / Museólogo
DATA: 24/04/2015
1) Como é feito o trabalho de seleção e catalogação do acervo do Museu?
O Museu Hering não possui até o momento uma Politica de Aquisição institucionalizada, assim todo o processo de aquisição de acervo ocorre por meio de documentos de ‘proposta de doação’, para que conjuntamente os diretores possam aprovar ou não a doação dentro das premissas institucionais. O processo de doação ocorre tanto para o público interno quanto externo.
2) Diante do desafio que é a criação e consolidação de um Museu, principalmente em Blumenau, qual o diferencial, em termos de acervo, que você verifica no Museu Hering, comparado a outros museus?
O Museu Hering trabalha com o patrimônio industrial o que é um diferencial em relação à tipologia das demais instituições museológicas.
3) O museu possui uma quantidade considerável de acervo ainda não catalogado, tanto da família, quanto da indústria. Poderia descrever quantitativamente e qual a perspectiva atual de incorporação final deste acervo?
Em relação ao acervo não catalogado na atual conjuntura não temos com precisar quantitativamente falando. Em contrapartida, estratégias de ações estão sendo iniciadas para mapear esse acervo.
4) Segundo o Guia de Museus de Santa Catarina (edição 2014), publicado pelo Sistema Estadual de Museus, das cidades catalogadas, Blumenau ocupa a segunda colocação (depois da capital) em quantidade de Museus com doze, segundo esse registro. Como você vê essa quantidade e o desconhecimento, além da falta de visitação por parte da população da cidade?
A representatividade das instituições museológicas em Blumenau pode ser considerada latente tendo em vista a importância patrimonial atribuída ao seu contexto histórico e social efetivando assim a atuação mais incisiva para a cidade. Vale salientar que temos outros fatores que fazem com que Florianópolis ganhe notoriedade, uma vez que a ênfase turística é mais presente e também ao grande atrativo social e cultural ofertado. Quanto ao item “desconhecimento”, não o vejo por esse ângulo, até mesmo pela falta de estudos empírico referente à cidade de Blumenau, no que diz respeito à pesquisa de público para museus. As instituições museológicas tentam de diferentes formas realizarem a comunicação museológica pelos diferentes meios comunicacionais (impresso, digital, etc.), porém esse assunto é mais amplo, uma vez que os museus são fontes de extensão para diferentes atividades da cidade conforme demanda diretiva e/ ou cultural.
5) O Museu possui os projetos “A Escola visita o Museu”, “O Museu vai à Escola” e “Professor no Museu”, desenvolvidos para que a comunidade educacional tenha acesso a essa cultura. Diante dos dados de participação da sociedade em 2014, esses projetos serão mantidos? Há novos projetos a serem implantados em 2015? Em caso positivo, poderia citar?
Todos os projetos ofertados pelo Setor Educativo do Museu Hering serão mantidos para 2015, sendo que alguns sofrem ajustes de viabilidade. Para esse ano alguns projetos ganharam mais projeção devido às avaliações do ano de 2014, tais como o “Engatinhando no Museu” e o piloto “Caminhada Cultural” em estudo de viabilização para esse ano. Esse último tem por objetivo apresentar o patrimônio arquitetônico da Rua Hermann Hering em diálogo com o patrimônio industrial da Cia. Hering.
6) De que maneira você acredita que um Museu pode contribuir com a educação formal, seja no ensino fundamental e médio ou ensino superior?
As instituições museológicas são fontes de estudo e pesquisa tendo como foco principal o acervo sobre a tua guarda. Cabe a essas instituições ofertarem temáticas transversais a da sua exposição para ofertar o ensino e aprendizagem. Ou seja, os museus são extensões do ensino formal, pelo qual o visitante tem