Determinação do PH
12 pág.

Determinação do PH


DisciplinaQuímica Experimental1.464 materiais7.937 seguidores
Pré-visualização2 páginas
11
UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC
CURSO DE FARMÁCIA
ANA CLAUDIA PEREIRA MELOS
JOICE OLIVEIRA BORGES
MAIARA DA SILVEIRA RAMOS
DETERMINAÇÃO pH 
(POTENCIAL HIDROGÊNIONICO)
CRICIÚMA
2015
ANA CLAUDIA PEREIRA MELOS
JOICE OLIVERIA BORGES
MAIARA DA SILVEIRA RAMOS
DETERMINAÇÃO DO pH
(POTENCIAL HIDROGÊNIONICO) 
Relatório apresentado à disciplina Química Experimental do curso de Farmácia - Unesc
Professor: Marília Schutz Borges
CRICIÚMA
2015
SUMÁRIO
1	INTRODUÇÃO	3
2	OBJETIVO	4
3	REFERENCIAL TEÓRICO	5
4	MATERIAIS E MÉTODOS	6
4.1	MATERIAIS E REAGENTES	6
4.2	PROCEDIMENTO	6
4.2.1	Potenciométrico (pHmetro)	6
4.2.2	Colorimétrica	6
5	RESULTADOS E DISCUSSÃO	7
5.1	Método do pHmetro	7
5.2	Método Colorimétrico	8
6	CONCLUSÃO	10
REFERÊNCIAS	11
INTRODUÇÃO
Neste trabalho será apresentado os experimentos de determinação do pH (potencial hidrogeniônico), que consiste num índice para indicar a acidez, neutralidade ou alcalinidade de um meio qualquer. 
A escala do pH pode variar de 0 a 14, sendo que quanto menor o índice do pH de uma substância, mais ácida esta será. Um pH menor que 7 indica que a substância é ácida, já um pH maior que 7 significa que é básica e quando se obtêm um pH igual a 7, a substância resulta por ser neutra.
O valor do potencial hidrogeniônico está relacionado com a quantidade de íons de hidrogênio de uma solução e por ser obtido com o uso de indicadores, como veremos neste trabalho usando o pHmetro e a fita colorimétrica. 
OBJETIVO
Analisar o pH de diferentes soluções usando o método do pHmetro e o método colorimétrico com as fitas de pH.
REFERENCIAL TEÓRICO
A escala de pH foi introduzida pelo químico dinamarquês Soren Sorensen, em 1909, em seu trabalho de controle de qualidade da fabricação de cervejas, e é agora usada na ciência, medicina e engenharia.
De acordo com Michelle da Silva Gama et al (2006, p.235), os métodos disponíveis para a determinação do pH são fundamentalmente colorimétricos e eletrométricos. Apesar de estes últimos serem usados quase que exclusivamente hoje em dia, os métodos colorimétricos foram favorecidos por muitos anos devido à falta de conhecimentos técnicos que pudessem fazer dos métodos eletrométricos algo rotineiro.
A determinação do pH por método colorimétrico consiste no uso da fita pH (Indicador Universal), que é uma mistura de vários indicadores. Quando o pH é determinado pelo meio eletrométrico, é feito o uso de um equipamento chamado pHmetro, que consiste em um eletrodo acoplado a um potenciômetro. 
A importância do pH no contexto farmacêutico está relacionada a diversas situações de relevância. O pH exerce uma influência na solubilidade das substâncias, na estabilidade química, na compatibilidade fisiológica com os tecidos orgânicos onde a forma farmacêutica será aplicada de forma a minimizar a irritação e o desconforto na aplicação e finalmente na garantia do efeito terapêutico esperado para o medicamento. 
Na prática farmacêutica, ajustar o pH pode significar abaixa-lo ou elevá-lo a valores desejáveis e apropriados para solubilizar uma determinada substância ou então para garantir estabilidade, a absorção do fármaco e eficácia da formulação. Em diversas situações há também a necessidade de manter inalterado o pH da formulação ao longo do tempo de armazenamento e uso do produto. Nestes casos, normalmente é acrescentado um sistema tampão apropriado e capaz de manter o pH relativamente estável e próximo ao valor desejado. Tampões são definidos como soluções aquosas geralmente constituídas por um ácido fraco e um sal desse ácido, ou então, por uma base fraca e um sal dessa base. 
MATERIAIS E MÉTODOS
MATERIAIS E REAGENTES
Béquer
pHmetro
Água deionizada 
Água de torneira
Detergente
Ácido Clorídrico (HCl)
Hidróxido de Sódio (NaOH)
Efluente (água de rios da região de Santa Catarina)
Solução Tampão pH 4,0 e pH 7,0
Fita Colorimétrica
Papel absorvente
PROCEDIMENTO
Potenciométrico (pHmetro)
Iniciou-se o procedimento calibrando o pHmetro com tampão pH 7,0 até o aparelho apresentar o OK, em seguida foi feito o mesmo com o tampão pH 4,0. 
Com o aparelho calibrado, foram feitos medições do pH de cinco substâncias distintas, sendo elas detergente, água de torneira, efluente, hidróxido de sódio e ácido clorídrico. Após cada medição foi realizada a higienização do eletrodo com água deionizada e papel absorvente, para não ocorrer alteração nas medidas das outras amostras. Todos os resultados foram anotados na Tabela 1.
Colorimétrica
Neste experimento foi medido o pH das amostras com o auxilio da fita colorimétrica. Em cada amostra foi introduzida uma fita, após alguns segundos comparou-se sua cor resultante com a tabela de cores apresentada na caixa das fitas, chegando assim ao pH de cada uma delas. Os dados foram anotados na Tabela 2.
RESULTADOS E DISCUSSÃO
Método do pHmetro
Após a calibragem do aparelho, imergiu-se o eletrodo na amostra de água de torneira e obteve-se um pH de aproximadamente 6,48 o que a classificou, conforme a escala, como ácida. O mesmo foi feito às outras amostras, obtendo-se assim para a amostra de detergente um pH de 7,39, para amostra de efluente pH 3,68, para o ácido clorídrico pH 0,74 e para o hidróxido de sódio um pH de 10,82. Assim, segundo a escala de ácidos e bases, classificaram-se como bases as amostras de detergente e hidróxido de sódio, e como ácidos as amostras de água de torneira, efluente e ácido clorídrico. Esta relação pode ser observada abaixo, na tabela 1. 
Tabela 1: Apresentação de relação dos resultados obtidos através do método do pHmetro e valores da literatura.
	Substâncias
	Valor
Encontrado
	Classificação
	Valor
Esperado
	Água de torneira
	pH 6,48
	Ácido
	pH 7,00
	Detergente
	pH 7,39
	Básico
	pH 7,00
	Efluente
	pH 3,68
	Ácido
	(desconhecido)
	Ácido clorídrico (HCL)
	pH 0,74
	Ácido
	pH 0,00
	Hidróxido de Sódio (NaOH)
	pH 10,82
	Base
	pH 13,50
Método Colorimétrico
Este é um método mais simples e pode ser feito de maneira rápida. É indicado, muita vezes, quando não necessita-se de uma leitura de pH tão precisa.
Após imergirem-se as fitas nas amostras e compará-las com o padrão da embalagem, obtiveram-se números arredondados e inteiros. Para as amostras de água de torneira e detergente, obteve-se um pH igual a 7,00; Para a amostra de efluente um pH igual a 5,00; Para o ácido clorídrico obteve-se pH 0 e para o hidróxido de sódio um pH 11,00. 
Segundo a escala de ácidos e bases, as amostras de água de torneira e detergente foram classificadas como neutras; Efluente e ácido clorídrico como ácidos, e hidróxido de sódio foi classificado como base, conforme se pode observar abaixo, na Tabela 2.
Tabela 2: Apresentação de resultados segundo o método colorimétrico e comparação com a literatura.
	Substâncias
	Valor
Encontrado
	Classificação
	Valor esperado
	Água de torneira
	pH 7,00
	Neutro
	pH 7,00
	Detergente
	pH 7,00
	Neutro
	pH 7,00
	Efluente
	pH 5,00
	Ácido
	(desconhecido)
	Ácido Clorídrico (HCL)
	pH 0
	Ácido
	pH 0
	Hidróxido de Sódio (NaOH)
	pH 11,00
	Base
	pH 13,50
A partir desses resultados, observa-se uma notável diferença entre os métodos e como essas pequenas diferenças nos valores podem classificar de forma variada as amostras, como por exemplo, a água de torneira e o detergente. 
Na amostra de água de torneira teve-se uma diferença de 0,52 no valor medido de pH pelos dois métodos, o que a classificou como ácida no método do pHmetro e como neutra no método colorimétrico, assim também como o detergente que obteve uma diferença de 0,39 nos valores medidos, classificando-o como base pelo pHmetro e neutro pelo colorimétrico. As outras amostras também tiveram diferenças nas medidas pelos dois métodos, porém isso não afetou