PROJETO-DE-ESTRUTURAS-VIARIAS
37 pág.

PROJETO-DE-ESTRUTURAS-VIARIAS


DisciplinaProjeto de Estruturas Viárias18 materiais56 seguidores
Pré-visualização3 páginas
PROJETO DE ESTRUTURAS 
VIÁRIAS 
2014 
NOTAS DE AULA 
FACULDADE SANTO AGOSTINHO 
CURSO: ENGENHARIA CIVIL 
PROF.: ACILAYNE FREITAS DE AQUINO 
CAPÍTULO 01 
Continuação 
 
CAPÍTULO 01 
 
Fatores que interferem na definição do traçado de 
uma estrada. 
1- A topografia da região; 
2- As condições geológicas e geotécnicas do terreno; 
 são grandes os custos necessários para estabilização de cortes e 
aterros a serem executados em terrenos desfavoráveis 
 
3- A hidrologia e a hidrografia da região; 
 os custos das obras de arte e de drenagem geralmente são 
elevados. 
4- A presença de benfeitorias ao longo da faixa de 
domínio da estrada. 
 os custos de desapropriação são muito elevado 
 
 
 
Profª: Acilayne Freitas 
5- FATORES QUE INFLUENCIAM NA ESCOLHA DO TRAÇADO. 
CAPÍTULO 01 
 
\u2022 Montanha: É uma elevação considerável da crosta terrestre. 
\u2022 Linha de Cumeada: É a linha formada pelos pontos mais altos da 
montanha ou cordilheira, no sentido longitudinal. 
\u2022Serra: É a denominação genérica de todo terreno acidentado, quer se trate 
de montanha ou seus contrafortes acidentados. 
\u2022Garganta ou Colo: É uma depressão acentuada da linha de cumeada de 
uma montanha. Numa garganta, conforme indica a Figura, tomando-se seu 
meio, que é o ponto A, sobe-se de A para B e de A para C, e desce-se de A 
para D e de A para E. 
 
Profª: Acilayne Freitas 
 
 
6- PRINCIPAIS ACIDENTES GEOGRÁFICOS E TOPOGRÁFICOS 
QUE INTERESSAM A UM TRAÇADO DE ESTRADA 
 
CAPÍTULO 01 
 
Contraforte- É uma ramificação mais ou menos elevada de uma montanha 
ou cordilheira, em direção transversal à mesma. É um acidente importante 
num traçado de estrada, pois muitas vezes é por ele que o traçado galga a 
montanha. 
 
 
Profª: Acilayne Freitas 
 
 
6- PRINCIPAIS ACIDENTES GEOGRÁFICOS E TOPOGRÁFICOS 
QUE INTERESSAM A UM TRAÇADO DE ESTRADA 
 
CAPÍTULO 01 
 
\u2022Assentada: É uma área quase plana em zona montanhosa, muitas vezes 
as assentadas existentes em um contraforte ou no fundo de um vale. 
Utilizadas para se fazer a mudança de sentido nos traçados das estradas, 
formando as reversões, como indica a Figura abaixo. 
 
Profª: Acilayne Freitas 
 
 
6- PRINCIPAIS ACIDENTES GEOGRÁFICOS E TOPOGRÁFICOS 
QUE INTERESSAM A UM TRAÇADO DE ESTRADA 
 
Reversões 
CAPÍTULO 01 
 
\u2022 Encostas, flancos ou vertentes de uma montanha: 
São as rampas que vão da linha de cumeada até a base da montanha. 
São as superfícies laterais inclinadas das montanhas. 
A denominação mais usada nos estudos rodoviários é a palavra encosta. 
A uma encosta escarpada dá-se o nome de despenhadeiro ou ribanceira. 
 
\u2022 \u201cCanyon\u201d: É uma garganta sinuosa e profunda, cavada por um curso 
d'água. 
 
Profª: Acilayne Freitas 
 
 
6- PRINCIPAIS ACIDENTES GEOGRÁFICOS E TOPOGRÁFICOS 
QUE INTERESSAM A UM TRAÇADO DE ESTRADA 
 
CAPÍTULO 01 
 
 
\u2022 Vale: É uma superfície côncava, formada por duas vertentes. Grota é um 
vale apertado, profundo e pouco extenso. 
 
\u2022Talvegue: É a linha formada pelos pontos mais profundos de um curso 
d´água. Num vale seco o talvegue é a linha do fundo do vale. 
Profª: Acilayne Freitas 
 
 
6- PRINCIPAIS ACIDENTES GEOGRÁFICOS E TOPOGRÁFICOS 
QUE INTERESSAM A UM TRAÇADO DE ESTRADA 
 
CAPÍTULO 01 
 
6.1 \u2013 DESENVOLVIMENTO DE TRAÇADOS 
 
Aparentemente, a melhor solução para a ligação de dois pontos 
por meio de uma estrada consiste em seguir a diretriz geral. 
Isto seria possível caso não houvesse entre estes dois pontos 
nenhum obstáculo ou ponto de interesse que forçasse a desviar a 
estrada de seu traçado ideal. 
 
Quando a declividade de uma região for íngreme, de modo 
que não seja possível lançar o eixo da estrada com declividade 
inferior a valores admissíveis, deve-se desenvolver traçado. 
 
 
Profª: Acilayne Freitas 
 
 
6- PRINCIPAIS ACIDENTES GEOGRÁFICOS E TOPOGRÁFICOS 
QUE INTERESSAM A UM TRAÇADO DE ESTRADA 
 
CAPÍTULO 01 
 
6.2\u2013 EXEMPLOS DESENVOLVIMENTO DE TRAÇADOS 
 
a) Traçado em ziguezague 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 (Fonte: PONTES FILHO, 1998) 
 
 
 
 
 
 
 
Profª: Acilayne Freitas 
 
 
6- PRINCIPAIS ACIDENTES GEOGRÁFICOS E TOPOGRÁFICOS 
QUE INTERESSAM A UM TRAÇADO DE ESTRADA 
 
CAPÍTULO 01 
 
6.2\u2013 EXEMPLOS DESENVOLVIMENTO DE TRAÇADOS 
 
b) Traçado acompanhando o talvegue 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 (Fonte: PONTES FILHO, 1998) 
 
 
 
 
 
 
Profª: Acilayne Freitas 
 
 
6- PRINCIPAIS ACIDENTES GEOGRÁFICOS E TOPOGRÁFICOS 
QUE INTERESSAM A UM TRAÇADO DE ESTRADA 
 
\uf0fcDiretriz é o próprio curso d\u2019água 
\uf0fcEstradas em vales são as mais 
naturais e indicadas (devido aos 
povoados) 
\uf0fcRampas serão mais fracas e 
acompanharão o declive natural; 
\uf0fcAs obras de artes são frequentes; 
\uf0fcConstrução são mais caras quando 
tem-se a obrigação de passar de uma 
margem para outra. 
CAPÍTULO 01 
 
6.2\u2013 EXEMPLOS DESENVOLVIMENTO DE TRAÇADOS 
 
c) Traçado acompanhando as curvas de nível 
 
 
 
 
 
 
 
 
Profª: Acilayne Freitas 
 
 
6- PRINCIPAIS ACIDENTES GEOGRÁFICOS E TOPOGRÁFICOS 
QUE INTERESSAM A UM TRAÇADO DE ESTRADA 
 
\uf0fcQuando o eixo da estrada acompanha 
as curvas de nível há uma redução do 
volume de material escavado. 
 
\uf0fcEsta redução ocorre porque, ao se 
acompanhar as curvas de nível, a 
plataforma da estrada cruzará menos 
com as mesmas. 
CAPÍTULO 01 
 
6.2\u2013 EXEMPLOS DESENVOLVIMENTO DE TRAÇADOS 
 
d) Traçado cruzando espigão pela garganta 
 
 
 
 
 
 
 
 
Profª: Acilayne Freitas 
 
 
6- PRINCIPAIS ACIDENTES GEOGRÁFICOS E TOPOGRÁFICOS 
QUE INTERESSAM A UM TRAÇADO DE ESTRADA 
 
\uf0fcSe eixo da estrada tiver que cruzar 
um espigão, deve fazê-lo nos seus 
pontos mais baixos, ou seja, nas 
gargantas. (declividade menor, 
diminuindo o movimento de terra); 
 
\uf0fcEm regra, a garganta é transposta em 
corte, a fim de diminuir a declividade 
média e o desenvolvimento do traçado. 
CAPÍTULO 01 
 
7.1 \u2013 Infraestrutura 
 
A infraestrutura rodoviária é definida como \u2015parte da 
construção de uma rodovia constituída pelo terrapleno e todas 
as obras situadas abaixo do greide do terrapleno. 
 
\u2022Terrapleno \u2013 Terreno resultante de terraplenagem, a saber: Parte 
da faixa de domínio compreendida entre a crista do corte e pé do 
aterro. 
\u2022 Terraplenagem \u2013 Conjunto de operações de escavação, carga, 
transporte, descarga e compactação dos solos, aplicadas na 
construção de aterros e cortes, dando à superfície do terreno a 
forma projetada para construção de rodovias. 
 
 
 
 
7- A INFRAESTRUTURA E A SUPERESTRUTURA 
RODOVIÁRIA 
Profª: Acilayne Freitas 
CAPÍTULO 01 
 
7.2 \u2013 Superestrutura 
A Superestrutura da Rodovia é constituída pelo pavimento, que se 
define como um sistema de camadas de espessuras finitas assentes 
sobre a infraestrutura ou terreno de fundação, o qual é designado de 
subleito. 
 
 
 
 
7- A INFRAESTRUTURA E A SUPERESTRUTURA 
RODOVIÁRIA 
CAPÍTULO 01 
7.2 \u2013 Os elementos constituintes da plataforma 
 
 
 
 
 
 
7- A INFRAESTRUTURA E A SUPERESTRUTURA 
RODOVIÁRIA 
CAPÍTULO 01 
7.2 \u2013 Os elementos constituintes da plataforma 
 
\u2022Faixa de domínio\u2013 é a faixa que se desapropria para a 
construção da estrada, prevendo uma largura suficiente que permita, 
no futuro, sua expansão, facilitando também a execução de serviços 
de manutenção e a proteção das obras. 
 
\u2022Valeta de proteção dos cortes \u2013 é a valeta que se constrói