A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
35 pág.
Resumo 2

Pré-visualização | Página 1 de 2

DIREITOS E DEVERES 
INDIVIDUAIS E COLETIVOS 
 
“Todos são iguais perante a lei, sem distinção 
de qualquer natureza, garantindo-se aos 
brasileiros e aos estrangeiros residentes no País 
a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à 
igualdade, à segurança e à propriedade.” 
 O direito à vida é o mais fundamental de 
todos os direitos, já que se constitui em pré-
requisito à existência e exercício de todos os 
demais direitos. 
 
 A Constituição Federal proclama, portanto, o 
direito à vida, cabendo ao Estado assegurá-lo 
em sua dupla acepção, sendo a primeira 
relacionada ao direito de continuar vivo e a 
segunda de se ter vida digna quanto à 
subsistência. 
 
 
O início da mais preciosa garantia individual deverá ser 
dado pelo biólogo, cabendo ao jurista, tão-somente, dar-
lhe o enquadramento legal, pois do ponto de vista 
biológico a vida se inicia com a fecundação do óvulo pelo 
espermatozoide, resultando um ovo ou zigoto. Assim a 
vida viável, portanto, começa com a nidação, quando se 
inicia a gravidez. Conforme adverte o biólogo Botella 
Lluziá, o embrião ou feto representa um ser 
individualizado, com uma carga genética própria, que não 
se confunde nem com a do pai, nem com a da mãe, sendo 
inexato afirmar que a vida do embrião ou do feto está 
englobada pela vida da mãe. A constituição, é importante 
ressaltar, protege a vida de forma geral, inclusive uterina. 
(Informativo STF nº 385) 
 
 
O direito à vida desdobra-se em várias 
esferas: 
 
Direito à existência: consiste no direito de 
estar vivo e lutar para permanecer vivo. 
 Direito à existência digna: aspectos de 
natureza moral e material servem de 
argumento para distinguir equiparação de 
doentes terminais; viciados artificialmente. 
Direito à integridade física: constitui bem 
vital e revela um direito fundamental do 
indivíduo – art 5º XLIX. A Constituição proíbe 
a tortura ou tratamento desumano (art 5º, III). 
Pena de morte: art. 5º, XLVII, a; art. 84, XIX 
(guerra declarada); CPM art. 355 e 356 da 
Traição; Cláusula pétrea (art. 60, §4º, IV) 
Aborto: protege a vida desde a concepção do 
nascituro, conforme definido em lei 
infraconstitucional. 
 
 O STF, em julgamento da ADI 3510, entendeu 
como constitucional a realização de 
pesquisas com células-tronco embrionárias, 
sem que isso significasse violação do direito 
à vida. 
 
 Também, no julgamento da ADPF 54, o STF 
declarou a inconstitucionalidade de qualquer 
interpretação segundo a qual a interrupção 
da gravidez de feto anencéfalo é crime 
tipificado no Código Penal. 
 Liberdade objetiva: liberdade de fazer, liberdade de 
atuar; é objeto do direito positivo. 
 
Desdobramentos da liberdade 
 Da pessoa física: locomoção circulação; de 
pensamento: (de opinião de religião, informação, 
artística, comunicação, do conhecimento). 
 Expressões coletivas: de reunião de associação; ação 
profissional (livre escolha e exercício de trabalho, 
ofício e profissão); de conteúdo econômico e social 
(liberdade econômica, livre iniciativa). 
 
 A manifestação do pensamento é livre e garantida 
em nível constitucional, não aludindo a censura prévia em 
diversões e espetáculos públicos. 
 Entretanto, os abusos porventura ocorridos no 
exercício indevido da manifestação do pensamento são 
passíveis de exame e apreciação pelo Poder Judiciário 
com a consequente responsabilidade civil e penal de seus 
autores, decorrentes inclusive de publicações injuriosas 
na imprensa, que deve exercer vigilância e controle da 
matéria que divulga. 
 Caso haja dano na manifestação de pensamento, 
acarretando dano moral, material ou à imagem, 
assegura-se o direito de resposta e indenização. 
 Exemplos: 
 
 Utilização de denúncia anônima para 
instaurar processo investigatório; 
 
 Livre manifestação de pensamento 
(art.287,CP); 
 
 EC 45 – indenizações JT. 
 
 
 
 
 A CF/88 prevê que ninguém será privado 
de direitos por motivo de crença religiosa ou 
de convicção filosófica ou política, salvo se as 
invocar para eximir-se de obrigação legal a 
todos imposta e recusar-se a cumprir 
prestação alternativa fixada em lei. 
 A abrangência do preceito constitucional é ampla, 
pois sendo a religião o complexo de princípios que 
dirigem os pensamentos, ações e adoração do homem 
para com Deus, acaba por compreender a crença, o 
dogma, a moral, a liturgia e o culto. 
 
OBS: Nem sempre a liberdade de culto foi garantida nas 
CF’s brasileiras, sendo apenas autorizado a plena 
liberdade de crença. Assim, os cultos apenas eram 
permitidos em locais particulares ou casas, sem forma de 
Templo. Somente na CF de 24/02/1891 foi consagrado a 
amplitude de tais direitos, sendo seguida por todas as 
demais Constituições. 
 Ressalte-se que a liberdade de convicção 
religiosa abrange inclusive o direito de não 
acreditar ou professar nenhuma fé, devendo o 
Estado respeito ao ateísmo. 
 
Estado Laico 
Estado Teocrático 
Ambíguo ou sem dados 
 A Constituição Federal assegura o livre exercício do culto 
religioso, enquanto não for contrário à ordem, tranquilidade e 
sossego públicos, bem como compatível com os bons costumes. 
 Dessa forma, a questão das pregações e curas religiosas 
deve ser analisada de modo que não obstaculize a liberdade 
religiosa garantida constitucionalmente, nem tampouco acoberte 
práticas ilícitas. 
 Obviamente, assim como as demais liberdades públicas, 
também a liberdade religiosa não atinge grau absoluto, não 
sendo, pois, permitidos a qualquer religião ou culto atos 
atentatórios à lei, sob pena de responsabilização civil e criminal. 
Exemplo: sacrifício de animais. 
 
 
 Destaca-se uma dupla garantia constitucional. 
Primeiramente, não se poderá instituir nas escolas 
públicas o ensino religioso de uma única religião, nem 
tampouco pretender-se doutrinar os alunos a essa ou 
àquela fé. 
 
 A norma constitucional pretende, implicitamente, 
que o ensino religioso deverá constituir-se de regras 
gerais sobre religião e princípios básicos da fé. Em 
segundo lugar, a Constituição garante a liberdade das 
pessoas em matricularem-se ou não, uma vez que, 
conforme já salientado, a plena liberdade religiosa 
consiste também na liberdade ao ateísmo. 
 A previsão constitucional do inciso VII, do art. 
5.° ("é assegurada, nos termos da lei, a prestação de 
assistência religiosa nas entidades civis e militares de 
internação coletiva"), encerra um direito subjetivo 
daquele que se encontra internado em 
estabelecimento coletivo. 
 Assim, ao Estado cabe, nos termos da lei, a 
materialização das condições para a prestação dessa 
assistência religiosa, que deverá ser multiforme, ou 
seja, de tantos credos quanto aqueles solicitados 
pelos internos. 
 Tem como objetivos: 
 
 fornecer maior amparo espiritual às pessoas que se 
encontram em situações menos favorecidas, 
afastadas do convívio familiar e social; 
 
 a melhor ressocialização daquele que se encontra 
em estabelecimento de internação coletiva em 
virtude de sua natureza pedagógica. 
 
Exemplo: Forças Armadas, instituições prisionais. 
 
 
 É livre a expressão de atividade intelectual, 
artística, científica ou de comunicação, 
independentemente de censura ou licença. 
 
OBS: - veda-se a censura de natureza política, 
ideológica (art. 220, §2º), porém lei federal deverá 
regular. 
 
Exemplo: programas e propagandas de televisão. 
 O texto constitucional repele frontalmente 
a possibilidade de censura prévia. Essa 
previsão, porém, não significa que a liberdade 
de imprensa é absoluta, não encontrando 
restrições nos demais direitos fundamentais, 
pois a responsabilização posterior do autor 
e/ou responsável pelas notícias injuriosas,