A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
126 pág.
Apostila de Bioclimatologia I

Pré-visualização | Página 43 de 43

elevado potencial de produção, as pastagens não 
fornecem quantidades e/ou qualidades de nutrientes satisfatórios ao consumo. 
 A alimentação suplementar pode não ser econômica, em virtude da 
baixa remuneração do produtor e particularmente do alto custo dos mesmos e da 
baixa resposta em produção. 
 As erradicações ou o controle das infestações parasitárias (moscas, 
bernes, carrapatos e verminose) devem ser prioritárias no sistema de produção. 
 A estabulação total, semi-estabulação, seguidas de alimentação 
suplementar, são necessárias aqueles que exploram a produção animal com 
animais melhorados e/ou mestiços (europeus-zebu) de variados graus de “sangue”, 
e diferentes condições de clima. 
 
 
 
126
 Acima de um ambiente “termo-neutro” (18ºC, 50% UR do ar e 0,5m/s 
de velocidade de deslocamento do ar) a produção de ruminantes decresce com 
temperaturas altas, umidade e velocidade do ar. A interação entre movimento do ar 
e aspersão de água é benéfica para a produção, enquanto que a interação 
umidade e produção é prejudicial. 
 A temperatura de superfície animal (pelame) é dependente de sua cor 
e da temperatura ambiente, enquanto a da pele depende do ambiente e do 
decréscimo do movimento do ar. 
 A taxa respiratória aumenta com a elevação da temperatura e 
umidade do ar, e diminui com o maior movimento do ar. 
 O consumo de alimentos declina com aumentos na temperatura e 
umidade do ar. 
 Em síntese, pode-se considerar que em qualquer localização 
geográfica do mundo, os problemas a serem contornados pelo produtor animal, são 
basicamente os mesmos. O que varia são as formas ou tipos de correção do meio 
ambiente que precisam ser feitas. O importante a ser enfatizado é que o animal só 
pode expressar o seu potencial genético para produção se não for dado a ele 
condições ideais ambientais, ou seja, alimentação adequada, controle de doenças 
e parasitos, e manejo adequado como por exemplo o não stress térmico (conforto 
térmico). 
 Nos trópicos, a priori, o fator mais limitante para produção animal não 
é o clima e sim a alimentação inadequada, e agravada por períodos de escassez, 
doenças e parasitos são problemas sérios limitantes e, a incapacidade de utilização 
de princípios científicos e falta de infra-estrutura para aplicação de técnicas. 
 Como conseqüência disso, não há possibilidade de se criar animais 
especializados (alto grau de seleção para produção), de aplicação de técnicas 
isoladas e de realizar investimentos que traduzam em aumento da produtividade e 
da lucratividade.