A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
135 pág.
Diagnostico por imagem

Pré-visualização | Página 13 de 29

Granulomas por fio de sutura: decorrem da reação ao fio. Normalmente são 
heterogêneos, com contornos irregulares ou pouco definidos. 
 Hidronefrose ou pionefrose: alterações renais consequentes a falhas no 
procedimento cirúrgico, como inclusão acidental do ureter no momento de ligar o pedículo 
ovariano durante a operação. 
 
 63 
 
Figura 8.9 - Ovário normal, hipoecogênico em relação aos tecidos adjacentes (A) e com aspecto 
multicavitário (B). 
 
 ÚTERO 
 A ultrassonografia tem importante papel na avaliação uterina principalmente em 
doenças de grande ocorrência como a piometra. Na gestação contribui para o diagnóstico 
precoce, constatação da viabilidade fetal e estimativa aproximada da idade gestacional. 
 
 ANATOMIA ULTRASSONOGRÁFICA NORMAL DO ÚTERO 
 O corpo uterino mede de 2-3 cm e está localizado parcialmente no interior da pelve. 
Os cornos variam de 12-15cm de comprimento, localizados no abdome, estendendo-se na 
direção de cada rim, com diâmetro menor que 1cm. A bexiga distendida serve de janela 
acústica para localizar e avaliar o corpo uterino. 
 Muitas vezes a visibilização do útero normal, não gravídico, não é possível em 
fêmeas jovens em anestro ou pré-púberes, porque os cornos uterinos não possuem conteúdo 
em seu lúmen e podem ficar encobertos por gás das alças intestinais. Quando visibilizado 
se apresenta como estrutura homogênea hipoecogênica. A ausência de peristaltismo pode 
diferenciar os cornos uterinos das alças intestinais. 
 
 ALTERAÇÕES UTERINAS 
As alterações mais frequentes são piometra, hiperplasia endometrial cística (HEC) e 
endometrite. Outras afecções como neoplasia, granuloma e piometra de coto secundários a 
ovário-histerectomia também ocorrem. 
 Piometra: o útero é identificado como estrutura tubular, no plano sagital, ou circular 
quando a imagem é obtida com cortes transversais. O conteúdo luminal, em geral, é 
anecogênico, podendo apresentar quantidade variável de pontos ecogênicos. Nesta 
condição a parede uterina possuirá espessura variável. O exame ecográfico não permite 
diferenciar piometra (fig. 8.10) de hemometra, mucometra e hidrometra. Na piometra 
de colo aberto, o útero poderá não apresentar conteúdo significativo. 
 Endometrite: é caracterizada pelo aumento da parede uterina e mucosa irregular. A 
quantidade de conteúdo luminal geralmente é pequena. 
 HEC: ultrassonograficamente se apresenta com múltiplos cistos irregulares na parede 
uterina aumentando seu diâmetro. 
 
A B 
 64 
 
Figura 8.10 – Imagem de ultrassom de útero com 
conteúdo anecogênico. Piometra. 
 
 GESTAÇÃO 
 Diagnóstico precoce de gestação, monitoração da fêmea prenhe, idade gestacional 
aproximada e viabilidade fetal são informações que o exame ultrassonográfico fornece. 
 A gestação das cadelas dura em média 64 dias ± 1, enquanto a gestação de gatas 
varia de 64-68 dias. Em gatas, devido à ovulação ser induzida pela cobertura, a data do 
início da gestação é mais precisa. 
 
 ANATOMIA ULTRASSONOGRÁFICA GESTACIONAL 
As vesículas gestacionais correspondem a formações arredondadas anecogênicas. 
Em cães podem ser detectadas após 17 dias do pico de LH. Nas gatas as vesículas 
gestacionais podem ser detectadas 11-14 dias após a cobertura. 
 O embrião só é visibilizado a partir do 22-25
o
 dia (período indicado para a 
realização do exame) e se apresenta como uma estrutura ecogênica homogênea projetada 
para o interior da vesícula. 
 
 IDENTIFICAÇÃO DE ESTRUTURAS FETAIS APÓS PICO DE LH: 
21-29 dias - batimentos cardíacos (15-17 dias em gatas) 
28-30 dias – movimentos fetais 
30-35 dias – início da mineralização óssea 
38-42 dias – diferenciação entre pulmões hiperecogênicos e fígado hipoecogênico. 
44-45 dias – Rins deixam de ser anecóicos e apresentam córtex e medular distintas. 
58-63 dias – Movimento intestinal. 
 
Na espécie canina, a frequência cardíaca média inicial do feto é de 214 bat/min. Aos 
40 dias, 238 bat/min., reduzindo próximo ao parto. Na espécie felina a frequência cardíaca 
dos fetos se mantém quase constante durante toda a gestação (aproximadamente 228 
bat/min.). 
O sofrimento fetal é caracterizado pela frequência cardíaca diminuída em relação às 
medidas citadas ou quando comparada aos outros fetos. 
A morte fetal é caracterizada pela ausência de batimentos cardíacos e perda da 
movimentação fetal, podendo ocorrer acúmulo de gás no feto e ao redor do mesmo em caso 
de contaminação. 
 65 
CÁLCULOS PARA ESTIMAR A IDADE GESTACIONAL 
 
Cadelas com menos de 40 dias de gestação: (Fig. 8.11 A e B) 
IG = (6 x DSG) + 20 
Onde: IG = Idade Gestacional 
 DSG = Diâmetro do saco gestacional 
 
 
Figura 8.11 – A- Vesícula gestacional. Aproximadamente 24 dias de gestação. B- Medida do 
diâmetro do saco gestacional (DSG). 
 
 Cadelas com mais de 40 dias de gestação (variação de  3 dias): (Fig. 8.12 A e B) 
 IG = (15 x DBP) + 20 
 IG = (7 x DTA) + 29 
 IG = (6 x DBP) + (3 x DTA) + 30 
 
 
 Gatas com mais de 40 dias de gestação (variação de  2 dias) 
 IG = (25 x DBP) + 3 
 IG = (11 x DTA) + 21 
 
 Onde: IG = Idade Gestacional 
 DBP = Diâmetro Biparietal 
 DTA = Diâmetro Tóraco-abdominal 
 
 
 
 Figura 8.12 – A- Diâmetro biparietal (DBP). B- Diâmetro tóraco-abdominal (DTA). 
A B 
A B 
 66 
 SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO 
Alterações como testículo ectópico, orquites, prostatites, epididimites, neoplasias 
prostáticas e cistos paraprostáticos podem ser identificados. 
 
 TESTÍCULOS 
 
 ANATOMIA ULTRASSONOGRÁFICA NORMAL DOS TESTÍCULOS E 
EPIDÍDIMO 
 Os testículos estão localizados no interior da bolsa escrotal, têm contorno ovalado e 
medem aproximadamente 3,6cm. Os epidídimos se situam sobre os testículos, sendo que a 
cabeça do epidídimo fica na porção cranial do mesmo. As túnicas: vaginal visceral e 
albugínea recobrem os testículos formando uma cápsula fibrosa. 
 Ultrassonograficamente possuem textura homogênea hipo ou isoecogênica em 
relação à próstata. A linha do mediastino formada pela invaginação da túnica albugínea é 
hiperecogênica (fig. 8.13). 
 
 
 Figura 8.13 – Imagem do testículo com o mediastino 
evidente (seta) e o epidídimo (+). 
 
 ALTERAÇÕES DOS TESTÍCULOS E EPIDÍDIMOS 
 Hidrocele: os achados sonográficos incluem uma imagem hipoecogênica ao redor do 
testículo, determinada pelo líquido que se acumula na bolsa escrotal (fig. 8.14). 
 Testículos ectópicos: os testículos podem ficar retidos no tecido subcutâneo pré-
escrotal, na área inguinal ou no abdome. Sonograficamente podem ter aparência 
normal, atrofiada ou alterada. Testículos atrofiados se caracterizam pela diminuição de 
tamanho, ecogenicidade normal a diminuída e preservação das características da 
arquitetura interna. A neoplasia se apresenta com aumento testicular e formação de 
massa abdominal complexa. 
 Orquite e epididimite: é a inflamação do testículo e epidídimo, respectivamente. O 
testículo inflamado apresenta-se hipoecogênico, em geral em focos e com contorno 
irregular. O epidídimo se apresenta hipoecogênico ou hiperecogênico, com ou sem 
mineralizações, podendo a alteração ser focal ou difusa em toda a extensão da 
estrutura, o que é mais comum. 
 67 
 Neoplasias testiculares representam o segundo tipo mais comum de tumor em cães 
idosos. A aparência sonográfica é variável, observando-se heterogeneidade do 
parênquima, nódulos ecogênicos ou hipoecogênicos, solitários ou múltiplos. 
 
 
 Figura 8.14 – Hidrocele. Área hipoecogênica ao redor 
do testículo (setas). 
 
 PRÓSTATA 
 
 ANATOMIA ULTRASSONOGRÁFICA NORMAL DA PRÓSTATA 
A próstata se