Aula 21 - Micoses Subcutâneas I
29 pág.

Aula 21 - Micoses Subcutâneas I

Disciplina:Microbiologia e Imunologia698 materiais6.690 seguidores
Pré-visualização1 página
MICOSES SUBCUTÂNEAS

Universidade Federal de Pelotas

Instituto de Biologia

Departamento de Microbiologia e Parasitologia

Disciplina de Microbiologia e Imunologia

Profa. Luiza da Gama Osório

Superficiais

Micoses

Cutâneas

Subcutâneas

Profundas ou
Sistêmicas

Oportunistas

Necessitam ser inoculadas

na pele ou tecido subcutâneo

Micoses com formação de nódulos,

pápulas ou úlceras

FUNGOS CAUSADORES DE MICOSES SUBCUTÂNEAS

Micoses subcutâneas

Micoses subcutâneas

Por serem doenças que necessitam de inoculação
traumática, causadas por fungos presentes em materi
orgânica. O gênero mais acometido é o sexo masculino,

pelo fato de os homens serem maioria entre os
trabalhadores rurais.

A única exceção é a esporotricose em zonas endêmicas. Porque por ser
uma zoonose, nessas regiões a doença é mais transmitida pela

arranhadura de animais do que pelas farpas de madeira e espinhos de
plantas.

E nessas regiões as mulheres entre 40 e 59 anos são mais acometidas,
por serem a maioria entre os responsáveis pelas “lidas domésticas”,

entre as quais estão os cuidados com os animais domésticos

Micoses subcutâneas

Cromomicose Micetoma

Feohifomicose Lobomicose

Zigomicose

Esporotricose

Micoses subcutâneas

MICOSE

SUBCUTÂNEA

AGENTE ETIOLÓGICO LESÕES

Cromomicose Fonsecaea pedrosoi
Fonsecaea compacta

Phialophora verrucosa

Cladosporium carrioni

Rhinocladiella aquaspersa

Nódulos

verrucosos,

crostosos,

microabcessos

Micetoma Pseudallescheria boydii
Exophiala jeanselmei

Acremonium falciforme

Scedosporium apiospermum

Tumefação,

fístulas, exsudato

purulento, grãos

Feohifomicose Exophiala spinifera
Cladosporium trichoides

Bipolaris oregonensis

Nódulos, pápulas,

cistos

Zigomicose Mucor sp, Rhizpus sp
Absidia sp

Morinella wolfi

Nódulos, pápulas,

cistos

Doença de Jorge

Lobo

Paracoccidioides loboi (Loboa

loboi)

Quelóides,

nódulos, úlceras,

crostas

Esporotricose Sporothrix schenckii Úlceras e
nódulos,

linfangite

Micoses subcutâneas

Cromomicose

Micoses subcutâneas

 Fonsecaea pedrosoi

 Fonsecaea compacta

 Phialophora verrucosa

 Cladosporium carrioni

 Rhinocladiella aquaspersa

AGENTES ETIOLÓGICOS

Micoses subcutâneas

Cromomicose

Características comuns às 5 espécies

Fungos demáceos F. pedrosoi

P. verrucosa

F. compacta

C. carrionii

R. aquaspersa

Características comuns às 5 espécies

Saprófitas de matéria orgânica, vegetais em decomposição e solo

Infecção

Inoculação traumática

(espinhos, farpas de madeira...)

MICOSE OCUPACIONAL

Micoses subcutâneas

Cromomicose

 Pele e tecido subcutâneo

 Membros inferiores

 Sexo masculino

 Formação de nódulos, lesões
papulosas, eritêmato-

descamativas, verrucosa, com

ou sem ulceração

 Curso crônico e evolução lenta

 Países tropicais

Micoses subcutâneas

Cromomicose

Brasil possui 1/3 do total de casos mundiais de cromomicose

Micoses subcutâneas

Cromomicose

Nodulares Placas

Micoses subcutâneas

Cromomicose

Micetoma
Micoses subcutâneas

Fístulas que
drenam exsudato

Grãos

Tumefação

TODA SÍNDROME COM A TRÍADE:

Micoses subcutâneas

Micetoma

Síndrome de evolução crônica que apresenta:

 Tumefação (aumento de volume) de uma região ou órgão

 Fístulas que drenam exsudato seroso ou seropurulento

 Grãos (aglomerados de microrganismos) no interior das lesões

Eumicetoma

Micoses subcutâneas

Eumicetoma

Pele e tecido subcutâneo (sistêmica: músculos e ossos)

Lesões nodulares, secreção seropurulenta

Idade: 20 e 50 anos (homem do campo)

Não contagioso

Eumicetoma: tropicais e subtropicais

Micoses subcutâneas

Eumicetoma

AGENTES ETIOLÓGICOS

Micoses subcutâneas

Eumicetoma

 Pseudallescheria boydii

 Exophiala jeanselmei

 Acremonium falciforme

 Scedosporium apiospermum

Acremonium falciforme

Exophiala jeanselmei Pseudallescheria boydii

Scedosporium apiospermum

Micoses subcutâneas

Eumicetoma Fungos filamentosos
Hifas hialinas
Reprodução assexuada (anamórfica) por conídios

Pseudallescheria boydii

Micoses subcutâneas

Eumicetoma

Fase telemórfica conhecida

Lobomicose

Micoses subcutâneas

AGENTE ETIOLÓGICO

Paracoccidioides loboi (Loboa loboi)

 Doença rara, de ocorrência na América Central e do Sul
 Maior número de casos no Brasil
 Não existe cultura laboratorial do agente
 Não existem estudos experimentais em animais
 Patogenia desconhecida
 Acredita-se que o agente esteja presente em vegetais, solo e água
 Acredita-se que a doença ocorra por inoculação

Rara

Micoses subcutâneas

Lobomicose

Lobomicose

(Doença de

Jorge Lobo;

Lacaziose)

Quelóides (tumoral),

multilobuladas,

ulceradas,

endurecidas,

localizadas ou

disseminadas;

Micoses subcutâneas

Lobomicose

Micoses subcutâneas

Lobomicose

Feohifomicose

Micoses subcutâneas

 Exophiala spinifera

 Cladosporium trichoides

 Bipolaris oregonensis

PRINCIPAIS AGENTES ETIOLÓGICOS

Características em comum: fungos demáceos

Micoses subcutâneas

Feohifomicose

Micoses subcutâneas

Feohifomicose

Micoses subcutâneas

Feohifomicose

Micoses subcutâneas

Feohifomicose

A designação feohifomicose denomina infecções cutâneas,

subcutâneas e profundas, agudas ou crônicas, causadas por uma

grande variedade de fungos escuros com exceção dos agentes da

cromoblastomicose.
Marina Teixeira fez um comentário
  • Tem o resto não :(
    0 aprovações
    Carregar mais