A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
AULA 3  Princípios Gerais dos Preparos Cavitários Dentística I   completo

Pré-visualização | Página 1 de 2

21/02/2016 
1 
FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU 
 
UNINASSAU 
CENTRO UNIVERSITÁRIO MAURÍCIO DE NASSAU 
PROFa. MÁRCIA DURÃO 
 DISCIPLINA: DENTÍSTICA I 1 
Profa. Márcia Durão 
2 
Profa. Márcia Durão 
3 
 
Tratamento biomecânico da cárie e de 
outras lesões do tecido duro dos dentes, 
a fim de que as estruturas 
remanescentes possam receber uma 
restauração que as protejam, que seja 
resistente e que previna a reincidência 
da cárie, devolvendo a forma, a função e 
a estética. 
 Mondelli et al.,1997 / 2010 
PREPARO CAVITÁRIO Preparação Cavitária 
Profa. Márcia Durão 
Profa. Márcia Durão 
5 
FINALIDADES DO PREPARO: 
1. Eliminar tecido patológico; 
2. Extender margens da cavidade à 
locais de relativa imunidade à cárie; 
3. Dar à cavidade formas que permitam 
reter o material restaurador; 
4. Preservar a vitalidade pulpar. 
GBPD, 2005 
Profa. Márcia Durão 
6 
REGRAS DO PREPARO: 
1. Remover totalmente tecido cariado infectado; 
2. Paredes da cavidade devem ficar suportadas por 
dentina sadia ou por material de igual função; 
3. Conservar maior quantidade de tecido dental sadio; 
4. Paredes cavitárias lisas e planas; 
5. Preparo cavitário limpo e seco. 
GBPD, 2005 
21/02/2016 
2 
PRINCÍPIOS DE BLACK 
Filosofia de extensão para prevenção. 
Princípios preconizados por Black numa 
época onde o amálgama era o único 
bom material restaurador direto disponível. 
 
Embora sua essência ainda seja relevante, 
devemos ter bom senso, adaptando-os 
à realidade atual: 
 Odontologia adesiva 
 Maior preservação da estrutura dental 
Profa. Márcia Durão 
7 
Filosofia da Extensão Preventiva 
Máxima Conservação 
 + 
Bom Senso 
Profa. Márcia Durão 
10 
 “Em essência, nas restaurações 
adesivas o material restaurador 
adapta-se ao preparo, enquanto nas 
restaurações com amálgama a 
cavidade precisa ser adaptada, com 
o intuito de atender às deficiências 
do material restaurador. 
 Baratieri et al., 2010 
Profa. Márcia Durão 11 
AMÁLGAMA: 
 
• Propriedades mecânicas insatisfatórias; 
• Falta de adesão à estrutura dental; 
 
• Não reforça estrutura dental fragilizada, nem 
esmalte sem suporte dentinário; 
 
• Para compensar essas limitações do material, 
Black formulou tais princípios, gerando preparos 
padronizados, 
• independente do tamanho e localização da lesão 
cariosa. 
• Baratieri et al., 2010 
PRINCÍPIOS DE BLACK 
1. Forma de contorno; 
2. Forma de resistência; 
3. Forma de retenção; 
4. Forma de conveniência; 
5. Remoção da dentina cariada remanescente; 
6. Acabamento das paredes e margens de esmalte; 
7. Limpeza da cavidade 
Profa. Márcia Durão 
12 
21/02/2016 
3 
Profa. Márcia Durão 
13 
• A sequência proposta por Black não é 
rígida, ou seja, se necessário podem 
haver inversões de acordo com as 
variações apresentadas pelo caso clínico. 
 
• Ela foi idealizada com o objetivo de 
organizar as etapas dos preparos 
cavitários de maneira didática e racional 
1. Abertura da Cavidade 
2. Forma de Contorno 
3. Remoção Dentina Cariada 
4. Forma de Resistência 
5. Forma de Retenção 
6. Forma de Conveniência 
7. Forma de Acabamento das paredes de esmalte 
8. Limpeza da Cavidade 
Profa. Márcia Durão 
14 
TEMPOS OPERATÓRIOS: 
Profa. Márcia Durão 
15 
 
Visa a remoção do esmalte sem apoio 
dentinário, com a finalidade de expor 
a lesão de cárie, facilitando sua 
visualização e, desta forma, permitir a 
instrumentação subsequentes do 
preparo 
TEMPOS OPERATÓRIOS: 
1- ABERTURA DA CAVIDADE 
Profa. Márcia Durão 
16 
ABERTURA DA CAVIDADE 
 
• Existem situações em que a cavidade já se 
encontra totalmente aberta, restando apenas 
executar as demais etapas dos preparos 
cavitários. 
 
• A execução da abertura é feita com instrumentos 
rotatórios em alta velocidade, com diferentes 
formatos e tamanhos que irão variar de acordo 
com vários fatores, tais como: o dente em 
questão, tamanho da lesão e material 
restaurador selecionado. 
Profa. Márcia Durão 
17 
Profa. Márcia Durão 
18 
21/02/2016 
4 
2- FORMA DE CONTORNO 
 
• Visa delimitar a área da superfície dental que 
deverá ser incluída no preparo cavitário. 
Profa. Márcia Durão 
19 
FORMA DE CONTORNO 
Quando duas ou mais cavidades distintas 
encontrarem-se separadas por uma estrutura dental 
sadia menor 1 mm, elas devem ser unidas em um 
único preparo a fim de eliminar essa estrutura dental 
enfraquecida, caso contrário, essa estrutura poderá 
ser mantida, preparando-se duas ou mais cavidades 
distintas e isoladas. 
20 
Atualmente, limita-se a englobar os 
tecidos comprometidos, sem a 
necessidade de extensão preventiva, 
devendo-se respeitar as estruturas 
de reforço dos dentes tais como: 
pontes de esmalte, vertentes e 
cúspides. 
Profa. Márcia Durão 
21 
FORMA DE CONTORNO, DEVE-SE 
CONSIDERAR: 
• Consiste na remoção de toda dentina 
desmineralizada e infectada pela lesão 
cariosa de modo irreversível. 
Profa. Márcia Durão 
22 
3- REMOÇÃO DA DENTINA CARIADA 
 
REMOÇÃO DA DENTINA CARIADA 
A dentina cariada é um tecido multicomposicional, no qual 
encontramos além de cálcio e colágeno desorganizados, uma 
grande quantidade de microorganismos. Histologicamente uma 
cavidade cariada pode ser dividida em 3 zonas distintas : 
 
 1 - Zona altamente desorganizada e infectada, rica em 
microorganismos e desorganizada de modo irreversível. 
 
2 - Zona intermediária, pode apresentar as mesmas 
características da zona 1, porém,na sua porção mais profunda 
pode estar pouco afetada e ser possível sua manutenção. 
 
3 – Zona afetada, quase sempre somente desmineralizada pela 
ação dos ácidos produzidos por microorganismos das camadas 
anteriores. Esta dentina é passível de remineralização quando 
tratada adequadamente. 
23 
 Evidenciador de cárie - em 1979, Fusayama e 
Therashima introduziram um corante orgânico capaz de 
identificar camadas de dentina. 
 
Corante: 0,5 ml de fucsina básica em 100ml de 
propileno glicol, aplicado na dentina cariada por 8 -10 
seg., lavando-a posteriormente. 
 
O local corado em vermelho = dentina desmineralizada 
e infectada. Deve ser removido por instrumento 
rotatório ou manual, mantendo na cavidade somente a 
dentina desmineralizada reversível . 
 
Profa. Márcia Durão 
24 
REMOÇÃO DA DENTINA CARIADA 
21/02/2016 
5 
Profa. Márcia Durão 
25 
Método Químico-Mecânico 
• Amolecimento do tecido cariado; 
 
• Remoção mecânica. 
 
– Carisolv®; 
 
– Papacárie®. 
 
Profa. Márcia Durão 
26 
REMOÇÃO DA DENTINA CARIADA 
Carisolv 
• Hipoclorito de sódio 0,5%; 
 
• Cloreto de sódio; 
 
• Aminoácidos naturais (ácido 
glutâmico, leucina e lisina); 
 
• Eritrosina; 
 
• Carboxi-metil-celulose (CMC); 
 
• Água destilada. 
 
Profa. Márcia Durão 27 
Papacárie 
• Sandra Kalil Bussadori (2003); 
 
• Papaína; 
 
• Cloramina; 
 
• Azul de toluidina; 
 
• Espessante; 
 
• Sais. 
Profa. Márcia Durão 28 
4 - FORMA DE RESISTÊNCIA 
 
Consiste em dar forma à cavidade de modo 
que e estrutura dental e o material 
restaurador possam resistir: 
 
 Aos esforços mastigatórios; 
 Às alterações volumétricas frente às variações 
térmicas; 
 As diferenças do coeficiente de expansão 
térmica do dente e material restaurador. 
Profa. Márcia Durão 29 Profa.