EXERCICIOS PARA PROVA PÓS GRADUAÇÃO- DIREITO CONSTITUCIONAL INTERNACIONAL
12 pág.

EXERCICIOS PARA PROVA PÓS GRADUAÇÃO- DIREITO CONSTITUCIONAL INTERNACIONAL


DisciplinaDireito Internacional8.760 materiais49.980 seguidores
Pré-visualização5 páginas
EXERCICIOS PARA PROVA DIREITO INTERNACIONAL 
Atividade proposta
Antes de finalizarmos esta aula, vamos fazer uma atividade!
Em maio de 2012 o Senador boliviano Roger Molina, por força de sua ideologia política, entrou na embaixada brasileira, situada em La Paz, por causa de perseguição realizada pela Bolívia. Posteriormente, o parlamentar fugiu para o Brasil contando com a ajuda da embaixada brasileira em La Paz, fato que gerou um incidente diplomático entre os dois Estados.
Clique aqui para ver uma reportagem na íntegra sobre este fato. Acesso em: 22 fev.2014
A partir desse fato, você vislumbraria algum princípio constitucional presente no caso? Concessão de asilo político - Compreende-se por asilo político a proteção assegurada pelo Estado a pessoas de nacionalidade diversa do Estado concedente, que têm a sua vida ou liberdade ameaçadas por outro Estado, em virtude do cometimento de delitos políticos.
Chave de Resposta: A concessão de asilo político é princípio que rege o Brasil em suas relações exteriores. Trata-se de proteção assegurada pelo Estado a pessoas de nacionalidade diversa do Estado concedente, que tem a sua vida ou liberdade ameaçadas por outro Estado, em virtude do cometimento de delitos políticos. Tal instituto é peculiar da América latina.
Exercícios
Hodiernamente, procura-se elaborar uma construção conceitual do Direito Constitucional Internacional, pautada no fato deste constituir ramo do Direito interno, voltado às relações exteriores. No tocante à definição e objeto do Direito Constitucional Internacional, assinale a afirmativa correta:
d) A perspectiva de internacionalização atual possibilita a ampliação do tratamento constitucional das relações exteriores de um Estado, causando impactos na elaboração das Constituições modernas, que passam a se adequar à nova realidade.
Justificativa- Percebe-se que o Direito Constitucional Internacional acaba influenciado pelo Direito Internacional, já que necessita buscar institutos desse ramo do Direito.
A ideia de estabelecerem-se normas internas voltadas ao desempenho das relações exteriores não é recente e remonta à antiguidade. Tal se deve ao fato de que os Estados relacionam-se externamente e, por conseguinte, necessitam de uma estrutura jurídica que regulamente e limite suas atividades externas. Esta é a razão pela qual se encontram em sistemas jurídicos das civilizações antigas, antecedentes do Direito Constitucional Internacional. Neste contexto, assinale a alternativa INCORRETA:
Na civilização grega, a estrutura política da pólis possibilitou a existência de um constitucionalismo, uma vez que a autonomia das cidades-Estado visa regulamentar assuntos internos e que, em matéria de política externa, constituiu fatores a cooperar com o desenvolvimento de uma intensa vida internacional da civilização grega.
b) Com relação às normas de aspecto internacional, os romanos criaram o denominado jus gentium formado pelas normas de direito romano destinadas aos estrangeiros; o jus civilisquiritum, exclusivamente destinado aos cidadãos romanos; e o jus fetiali caracterizado como um conjunto de normas internas destinadas a reger as relações entre o Império Romano e as nações estrangeiras, podendo ser associado ao conceito de Direito Internacional Público, mas direito interno voltado às relações externas de Roma.
c) No período medieval, ocorreu um retrocesso com relação ao desenvolvimento das relações internacionais, tendo sido concluídos poucos tratados internacionais.
d) No século XVIII, com o absolutismo fundamentado na teoria da soberania de Jean Bodin (poder absoluto de uma República), a formulação e o controle das relações externas são prerrogativas do povo, excluindo-se inteiramente a participação do monarca no processo de tomada de decisões acerca da condução dos negócios externos do Estado.
Justificativa-A alternativa deve ser considerada incorreta, pois no período medieval a Igreja é dotada de supremacia e desenvolve uma rede de intensas relações internacionais, tendo concluído inúmeros tratados.
 3-Assinale a alternativa INCORRETA:
a) No período medieval, há um desenvolvimento das relações internacionais e a guerra passa a ser objeto de normatização, estabelecendo-se regras acerca de direitos dos prisioneiros e das imunidades dos portadores de salvo-condutos.
b) No período renascentista, com a formação e desenvolvimento dos Estados nacionais a partir de Westfália, a política externa passa a adquirir maior relevância.
c) Podemos afirmar a existência de um constitucionalismo internacional em Roma, a exemplo da normatização acerca da conclusão de tratados e de procedimentos necessários para a declaração de guerra, nos quais o Senado desempenhava papel fundamental.
d) Somente após o século XVIII, desenvolve-se a noção de controle político das relações internacionais, que passa a constituir assunto de competência exclusiva do Poder Legislativo, o que acabou por inspirar a edificação da sistemática jurídica atual no que concerne à constitucionalização das relações exteriores dos Estados.
Justificativa-A alternativa deve ser considerada incorreta, pois desde a antiguidade, é possível se falar em um desenvolvimento das relações internacionais e no século XVIII; com o Absolutismo, fundado na teoria da soberania de Jean Bodin, o poder de um Estado é prerrogativa do monarca e não do Poder Legislativo, como sugere o item incorretamente.
4-Sobre o Direito Constitucional Internacional, assinale a alternativa INCORRETA: 
a) Pode-se defini-lo como o conjunto de normas constitucionais que limitam e regulamentam as atividades externas do Estado.
b) O Direito Constitucional Internacional limita-se à organização da gestão da política externa, a partir da delimitação de competências entre os diversos órgãos estatais.
c) O conteúdo de suas normas depende do grau de internacionalização de cada sociedade estatal, podendo, por conseguinte, variar de Estado para Estado, em decorrência de experiências históricas, sociais, econômicas e culturais vivenciadas.
d) A constitucionalização dos princípios regedores das relações exteriores estabelecidos no art. 4º de nossa Constituição estabeleceu referenciais éticos a orientar todos os atos decorrentes da política externa.
jusificativa-A alternativa deve ser considerada incorreta, pois a partir das relações estabelecidas entre os Estados, em face do processo de globalização, há uma forte repercussão no Direito Constitucional de cada Estado.
5-O artigo 4º da Constituição da República colaciona uma sistemática de princípios que baliza as relações exteriores do Brasil, o que constitui uma inovação no constitucionalismo pátrio. Sobre o tema, assinale a alternativa correta:
c) Com o advento da Emenda Constitucional 45/04, o parágrafo terceiro atribuiu status de norma constitucional a todos os tratados internacionais de direitos humanos de que a República Federativa do Brasil fizer parte.
Justificativa-A Emenda Constitucional 45/04, ao acrescentar o parágrafo terceiro ao artigo 5º, da Constituição Federal, possibilitou que o governo brasileiro pudesse atribuir aos tratados internacionais de direitos humanos a mesma hierarquia de uma norma constitucional derivada. Para tanto, basta que o Poder Legislativo aprove o referido tratado observando o mesmo procedimento dispensado à elaboração de uma emenda constitucional.
6-Os princípios colacionados no art. 4º da Constituição possuem a importante função de localizar o Brasil nas relações internacionais. Sobre o tema, assinale a alternativa INCORRETA:
a) A inserção do parágrafo terceiro ao art. 5º teve o condão de conferir materialidade e coerência ao princípio constitucional da prevalência dos direitos humanos, que constituiu o grande fulcro temático da atualidade.
b) Não se fazia menção nas Constituições anteriores, ao compromisso do Brasil com o princípio à autodeterminação dos povos, conquanto este tenha sido mencionado sempre entre os paradigmas tradicionais da política externa brasileira.
c) Pode-se afirmar que o artigo 21, inc.