A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
52 pág.
Livro   A Manual Prático Legislação Segurança E Medicina No Trabalho   Lido

Pré-visualização | Página 5 de 15

trabalho temporário, por segurado empregado, cuja atividade permita a concessão
de aposentadoria especial após 15, 20 ou 25 anos de contribuição. A MP também criou, em seu art. 4º,
para as empresas a obrigação de arrecadar a contribuição do segurado contribuinte individual a seu
serviço, descontando-a da respectiva remuneração, e recolher o valor arrecadado juntamente com a
contribuição a seu cargo até o dia 02 do mês seguinte ao da competência. No caso do contratado não ser
inscrito no INSS, a empresa deverá inscrevê-lo no INSS como contribuinte individual.
Em seu art. 10, a MP disciplinou que a alíquota de um, dois ou três por cento, destinada ao financiamento
do benefício de aposentadoria especial ou daqueles concedidos em razão do grau de incidência de
incapacidade laborativa decorrente dos riscos ambientais do trabalho, poderá ser reduzida, em até
cinqüenta por cento, ou aumentada, em até cem por cento, conforme dispuser o regulamento, em razão
do desempenho da empresa em relação à respectiva atividade econômica, apurado em conformidade
com os resultados obtidos a partir dos índices de freqüência, gravidade e custo, calculados segundo a
metodologia aprovada pelo Conselho Nacional de Previdência Social.
A Medida Provisória entra em vigor na data de sua publicação, ou seja 13.12.02, produzindo seus efeitos,
quanto aos §§ 1º e 2º do art. 1º e aos arts. 4º a 6 e 9º, a partir do dia primeiro ao nonagésimo dia da sua
publicação.
Atualizado até janeiro/2003
17
APOSENTADORIA ESPECIAL
A aposentadoria especial, uma vez cumprida a carência exigida pela Previdência Social, será devida ao
segurado que tenha trabalhado durante 15 (quinze), 20 (vinte) ou 25 (vinte e cinco) anos, conforme o
caso, sujeito a condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física. A concessão da
aposentadoria especial dependerá de comprovação pelo segurado, perante o Instituto Nacional do Seguro
Social - INSS, do tempo de trabalho permanente, não ocasional nem intermitente, em condições especiais
que prejudiquem a saúde ou a integridade física, durante o período mínimo fixado.
Considera-se para esse fim:
I - trabalho permanente aquele em que o segurado, no exercício de todas as suas funções, esteve
efetivamente exposto à agentes nocivos físicos, químicos, biológicos ou associação de agentes;
II - trabalho não ocasional nem intermitente aquele em que, na jornada de trabalho, não houve interrupção
ou suspensão do exercício de atividade de exposição aos agentes nocivos, ou seja, não foi exercida de
forma alternada, atividade comum e especial.
Entende-se por agentes nocivos aqueles que possam trazer ou ocasionar danos à saúde ou à integridade
física do trabalhador nos ambientes de trabalho, em função de natureza, concentração, intensidade e
fator de exposição, considerando-se:
a) físicos: os ruídos, as vibrações, o calor, as pressões anormais, as radiações ionizantes, etc.;
b) químicos: os manifestados por névoas, neblinas, poeiras, fumos, gazes, vapores de substâncias nocivas
presentes no ambiente de trabalho, aborvidos pela via respiratória, bem como aqueles que forem passíveis
de absorção por meio de outras vias;
c) biológicos: os microorganismos como bactérias, fungos, parasitas, bacilos, vírus e ricketesias dentre
outros.
O segurado deverá comprovar, além do tempo de trabalho, exposição aos agentes nocivos químicos,
físicos, biológicos ou associação de agentes prejudiciais à saúde ou à integridade física, pelo período
equivalente ao exigido para a concessão do benefício.
O tempo de trabalho exercido sob condições especiais que sejam ou venham a ser consideradas prejudiciais
à saúde ou à integridade física será somado, após a respectiva conversão ao tempo de trabalho exercido
em atividade comum, segundo critérios estabelecidos pelo Ministério da Previdência e Assistência Social,
para efeito de concessão de qualquer benefício.
Segundo a Instrução Normativa nº 84, da Diretoria Colegiada do Instituto Nacional do Seguro Social -
INSS, de 17.12.02, publicada no DOU de 23.12.02, em sua subseção IV, que trata “Das Condições para a
Concessão da Aposentadoria Especial”, art. 146, § 3º, determina: “Qualquer que seja a data do
requerimento dos benefícios do RGPS - Regime Geral da Previdência Social, as atividades exercidas deverão
ser analisadas da seguinte forma:
 Período Trabalhado Enquadramento
Até 28/04/1995 Quadro Anexo ao Decreto nº 53.831, de 1964.
 Anexos I e II do RBPS, aprovado pelo Decreto nº 83.080, de 1979.
 Sem apresentação de laudo técnico, exceto para o ruído
 (Nível de Pressão Sonora Elevado).
De 29/04/1995 a 05/03/1997 Anexo I do Decreto nº 83.080, de 1979.
 Código 1.0.0 do Anexo ao Decreto nº 53.831, de 1964.
 Com apresentação de Laudo Técnico.
A partir de 06/03/1997 Anexo IV do Decreto nº 2.172, de 1997, substituído pelo
 Decreto nº 3.048, de 1999.
 Com apresentação de Laudo Técnico.
18
Note-se que o benefício da aposentadoria especial além das previsões acima citadas para a sua concessão,
será financiado com os recursos provenientes da contribuição de que trata o inciso II do artigo 22 da Lei
8.212/91, ou seja, recolhimento de 1%, 2% ou 3% decorrentes do grau de incidência dos riscos ambientais
do trabalho, sobre o total das remunerações pagas ou creditadas no decorrer do mês, cujas alíquotas
serão acrescidas de 12 (doze), 9 (nove) ou 6% (seis pontos percentuais), conforme a atividade exercida
pelo segurado a serviço da empresa que permita a concessão da aposentadoria especial de 15 (quinze),
20 (vinte) ou 25 (vinte e cinco) anos de contribuição, respectivamente.
Destaque-se que o acréscimo de 15, 20 ou 25%, acima citado, incide exclusivamente sobre a remuneração
do segurado sujeito às condições especiais para a concessão da aposentadoria especial.
Para fins de Comprovação do exercício de Atividade Especial, a empresa deve fornecer ao trabalhador o
Perfil Profissiográfico Previdenciário - PPP, vide modelo abaixo, emitido com base em Laudo Técnico de
Condições Ambientais de Trabalho - LTCAT, expedido por médico do trabalho ou engenheiro de segurança.
Alternativamente, até 30 de junho de 2003, poderá ser fornecido, para comprovação o formulário, antigo
SB-40, DISES BE 5235, DSS-8030, DIRBEN 8030. O LTCAT deverá ser exigido para os períodos de atividade
exercida sob condições especiais apenas a partir de 29 de abril de 1995, exceto no caso do agente nocivo
ruído ou outro não arrolado nos decretos regulamentares, os quais exigem apresentação de laudo para
todos os períodos declarados.
A exigência da apresentação do LTCAT, acima citada, será dispensada a partir de 01/07/2003, data da
vigência do PPP, devendo, entretanto, permanecer na empresa à disposição da Previdência Social, se
solicitado.
Os laudos técnico-periciais de datas anteriores ao exercício das atividades que atendam aos requisitos das
normas da época em que foram realizados servirão de base para o enquadramento da atividade com
exposição a agentes nocivos, desde que a empresa confirme, no formulário DIRBEN-8030 ou no PPP, que
as condições atuais de trabalho (ambiente, agente nocivo e outras) permaneceram inalteradas desde que
foram elaborados.
Os laudos técnicos elaborados com base em levantamento ambiental, emitidos em datas posteriores ao
exercício da atividade do segurado, deverão retratar fielmente as condições ambientais do local de trabalho,
detalhando,