História do Paisagismo
10 pág.

História do Paisagismo


DisciplinaHistória e Teoria da Arquitetura154 materiais3.893 seguidores
Pré-visualização2 páginas
ADÉLIA MALHEIROS DE FREITAS 
GIOVANNA ALVES AVOLIO 
 
 
 
 
 
 
 
 
HISTÓRIA DO PAISAGISMO 
Teoria e História: Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Bauru 
2016 
ADÉLIA MALHEIROS DE FREITAS 
GIOVANNA ALVES AVOLIO 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
HISTÓRIA DO PAISAGISMO 
Teoria e História: Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo 
Trabalho sobre a História do Paisagismo para a matéria de 
 Teoria e História: Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
1. Conceito 
A palavra paisagem originou-se do latim pagus (país), com o sentido de lugar, e hoje 
seu conceito possui uma dimensão morfológica, podendo ser histórica - é produto da 
ação do homem ao longo do tempo - ou espacial - ocorre em algum lugar da superfície 
terrestre. Mas além disso, a paisagem é constituída de volumes, formas, cores, 
movimentos, sons e odores. 
Uma paisagem natural é aquela que não sofreu 
esforço humano, apenas o resultado da evolução 
das condições naturais (vento, ondas, chuva, etc.). 
Quando ocorre qualquer interferência antrópica a 
paisagem se 
torna artificial, sendo inteira, ou parcialmente 
produzida pelo homem. 
 O paisagismo corresponde a duas 
interpretações, da arte, que consiste na planificação, 
na concepção e na conservação de parques e 
jardins, e simplesmente no que se dedica a representação de paisagem. Mas o 
paisagismo não corresponde apenas a configuração do homem no entorno aberto, 
isto é, não apenas a vegetação, mas também no mobiliário, equipamentos urbanos, 
em relação à água, passeio, entre outros. Os espaços livres são denominados 
espaços não edificados - praças, largos, parques, ruas, etc - e começaram a tomar 
significado na grécia atraves das ágoras (espaço público aberto da antiguidade 
clássica). Há muitos séculos o paisagismo é utilizado nesses espaços livres, fazendo 
parte de um projeto arquitetônico, mas a profissão de arquiteto paisagista só foi 
reconhecida recentemente (1899) nos EUA, contudo, aqui no Brasil ainda não foi 
institucionalizada. Esta disciplina geralmente se tem na graduação de Arquitetura e 
Urbanismo ou Engenharia Agronômica. Enfim, o paisagismo pode ser entendido 
\u201ccomo um processo consciente de manejo e projeto de lugares, considerados como 
segmentos específicos de uma paisagem total\u201d, MACEDO (1992). O campo de 
atuação do paisagista estende-se aos espaços livres de urbanização e aos espaços 
livres de edificação, da escala do território e da região à da cidade e do lote. 
 
Paisagem Artificial 
Paisagem Natural 
Os Jardins 
Um jardim é caracterizado como um lugar agradável, com harmonia, beleza, e 
que transmite satisfação, onde uma pessoa se sinta segura e confortável. A história 
dos jardins tem sua origem no oriente, com posterior difusão para o ocidente. Fatores 
sociais, econômicos, religiosos, em cada época influenciam na trajetória dos jardins, 
como a sua função, que pode ser preservativo, preservar espécies da fauna e flora, 
atenuante, amenizar os fatores climáticos (calor, ruídos, ventos), decorativo, contribuir 
para um resultado arquitetônico ou urbanístico, estrutural, no caso de taludes e cercas 
vivas (arbustos), recreativo, como lazer, e lucrativo, com o objetivo de valorizar uma 
algo economicamente. Também podem ser públicos, são aqueles cuja manutenção 
fica a dever da prefeitura e destinado a população, os privados, que pertencem a uma 
propriedade privada, ou uma comunidade, já os coletivos com o objetivo de atender 
as necessidades de um grupo social, geralmente institucionais (igrejas, condomínios, 
cemitérios). 
ANTIGUIDADE 
Pré-história 
Na pré-história, as ocupações primitivas já 
alteravam a paisagem natural, tendo em vista 
como algo simbólico. Mas os primeiros jardins 
aparecem com o surgimento da agricultura 
(período neolítico). 
Mesopotâmia 
Posteriormente, na mesopotâmia, 
especificamente na Babilônia, os jardins 
suspensos destacaram-se, sendo caracterizado 
pela hegemonia dos elementos arquitetônicos 
sobre os naturais, utilizavam de espécies 
exóticas e também possuiam um complexo 
sistema de bombeamento de água e irrigação, os 
babilônios ainda acreditavam que o sentimento 
religioso estava presente na arte dos jardins, onde acreditavam que dependiam da 
vontade dos deuses. Os persas seguiam regras básicas de maximizar os efeitos 
emocionais e os resultados que podem ser feitos nos jardins, eram cercados por 
Stonehenge, Inglaterra 
muros altos de tijolos, estritamente formal, 
era um lugar de retiro privado. Preocupações 
estéticas como água, luz e sombra, 
pavilihões e coretos era baseada sempre nos 
estilos determinados por eles, público ou 
privado, ênfase na estética ou na vegetação, 
entre outros aspectos. 
Egito 
As características dos jardins egípcios seguiram os mesmos princípios 
utilizados na arquitetura deste povo. 
De um modo geral, o jardim egípcio desenvolvido de acordo com a topografia do Rio 
Nilo, e inicialmente eram apenas pomares e hortas 
para sustento das famílias. Uma característica 
marcante desse povo é a simetria (imagem ao lado) 
e geometria, ainda que possuíam estilos 
palacianos, recreativos, religiosos e funerários, que 
determinavam como deviam agir dependente de 
sua função. 
O jardim regular era símbolo da fertilidade, 
sintetizava as forças da natureza e era a imagem de 
um sistema racional e arquitetural baseado no 
monoteísmo. 
Grécia Antiga 
O solo da Grécia nunca foi ideal para jardinagem, os jardins gregos, apesar de 
fortemente influenciados pelos jardins egípcios, apresentaram diferenças notáveis em 
razão da topografia, que em vez de ser simétrico, 
possuíam características mais próximas naturais. 
A introdução de colunas e pórticos fazia uma 
transição harmoniosa entre o exterior e interior e 
o jardim era um prolongamento das partes da 
casa, às quais ele se ligava. A sua principal 
característica era a simplicidade. Os jardins 
também ficaram marcados por possuir esculturas humanas e de animais mais 
próximas da realidade. 
Eram garden, Irã 
Jardim do Sennefer 
Templo de Hephaestus, Atenas 
Roma Antiga 
Inicalmente, eram apenas destinados ao 
cultivo, e a partir do século I d.c é que se assume 
como jardim propriamente dito, com função de 
lazer. Foram, em essência, releituras e 
aperfeiçoamentos dos jardins gregos. 
Desenvolviam-se em pequenos pátios e terraços 
com esculturas, fontes centrais, tanques, 
piscinas, termas, etc. Tecnicas como a topiaria (arte de adornar arbustos, árvores por 
meio de podas e cortes) fez com que os arbustos se tornassem mais um elemento 
escultural de grande versatilidade e essencial. 
Na parte externa, já eram bem maiores, e com 
terreno irregular na maioria das vezes, 
compostos por vegetação imponente. Eles 
eram a complementação da casa romana, com 
passeios e pórticos dispostos nos caminhos. 
Os jardins recreativos possui uma harmonia 
entre a natureza ordenada e a silvestre, faz 
uso de estátuas, além de usar a vegetação como formas expressivas. 
China e Japão 
A arte na jardinagem oriental tem sua origem numa 
paisagem de rara beleza e flora riquissima. Consiste em 
concentrar a atenção sobre o essencial, a qual toda a 
vegetação é valorizada em qualquer estação do ano. 
 
IDADE MÉDIA 
Nesta época, grande mudanças acontecem. Os jardins deixam de ser grandes 
atrações luxuosas e acabam ficando em áreas confinadas em claustros (parte da 
arquitectura religiosa de mosteiros, conventos, 
catedrais e abadias) e destinados ao cultivo 
(retorno a economia rural).