A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
12 pág.
Como Montar Um Poster ou Banner

Pré-visualização | Página 2 de 3

cromossômica.Assim, qualquer uma dessas alterações genéticas
pode levar uma célula a ter o seu controle de crescimento
afetado, tornando-a maligna.
GENES SUPRESSORES DE TUMORES (GST)
Os GST atuam como freios de células, ou seja, codificam
proteínas que restringem o crescimento de células e as previne
de se tornarem malignas.
Os GST são altamente heterogêneos.Existem os supressores
tumorais que são chamados de genes protetores, pois regulam
diretamente o crescimento células; e já tem outros genes que
são conhecidos como genes de manutenção, que estão
envolvidos em reparar danos ao DNA e manter a integridade
genômica.
Quando o gene está afetado por um distúrbio esporádico fala-
se em hipótese dos dois eventos, que para Thompson 2002, é a
base tanto do câncer hereditário como do esporádico que
surgem de mutações que causam perda de função de ambas as
cópias de GST dentro de uma célula, enfim ocorre duas
mutações somáticas na mesma célula.
importante considerar das células normais, as células malignas
não respondem aos sinais de regulação para cessar o
crescimento e a divisão celular e, assim, se acumulam e
transformam-se em tumores.
Essas células normais podem ser convertidas em células
cancerosas por meio de radiação, substâncias químicas ou
vírus, que são agentes capazes de produzir mutações
somáticas, as quais fazem com que as células escapem do
controle normal da divisão celular.
Muitas formas de câncer têm uma incidência mais alta em
parentes de pacientes do que na população em geral.Mais
proeminente entre estas formas familiares do câncer são os
quase 50 distúrbios mendelianos nos quais o risco de câncer
em um único gene podem ser fatores que contribuem de modo
predominante para a causa da doença.
Determinados tipos de vírus podem infectar células
transformando-as em células cancerosas.Os vírus tumorais
(RNA e DNA) podem transformar as células infectadas em
células cancerosas devido a liberação de proteínas virais que
interferem nas atividades de regulação celular relacionadas ao
crescimento das células.
A figura a seguir mostra o esquema geral para mecanismos
de oncogenese pela ativação de proto-oncogene,mutação ou
perdade genes supressores tumorais.O efeito dos genes que
acentuam um proceso é indicado pelo sinal +,enquanto o efeito
dos genes que suprimem um processo está indicado pelo sinal -
.
BIBLIOGRAFIA
NAOUM, Paulo César.Disponível em http://www.ciencianews.com.br/biologiadocancer.htm. Acesso em 11 de
março do ano de 2006.
NUSSBAUM, Robert L; MCINNES, Roderick R; WILLARD, Huntington F. Genética Médica 6 ed.Rio de
Janeiro:Guanabara.2002.
THOMPSON, James.S; THOMPSON, Margaret.W.Genética Médica 3 ed.Rio de Janeiro:Guanabara,1992.
______. Genética Médica 5 ed.Rio de Janeiro:Guanabara,1998
Figura 1. Célula neoplásica.
Figura 2. Alguns genes do câncer.
Gene Tipo de tumor 
c-myc Carcinoma pulmonar de células pequenas, Carcinoma mamário 
N-myc Neuroblastoma, Carcinoma pulmonar de células pequenas 
L-myc Carcinoma pulmonar de células pequenas 
c-erbB Carcinoma pulmonar de células pequenas 
neu/erb-B2 Carcinoma mamário 
 
Genes Supressores de 
tumores 
Localização 
Cromossômica 
Doença 
APC 5q21 Polipose Familiar 
WT-1 11p13 Tumor de Wilms 
Rb 13q14 Retinoblastoma, Osteossarcoma 
p53 17p12-13 Sindrome de Li-Fraumeni, vários 
tumores 
NF-1 17q11 Neurofibromatose de Von 
Recklinghausen 
DCC 18q21 Carcinoma do cólon 
 
CONCLUSÃO
O câncer é uma das causas mais comuns de morte em países ocidentais, afetando
aproximadamente um entre cada três indivíduos.Conclui-se, portanto, que o câncer é
uma doença muito comum.Porém, no nível celular, o desenvolvimento do câncer é
um evento raro.Sempre que as células de um tumor canceroso são examinadas
geneticamente, invariavelmente mostram-se, originadas de uma simples
célula.Assim, diferentemente de outras doenças que requerem um grande número de
células modificadas, o câncer é resultante de proliferação descontrolada de uma
simples linhagem celular.
As células normais crescem e se espalham dispostas numa simples camada de
células.As células tumorais crescem desordenadamente em agrupamentos. É
portanto , na disposição do crescimento celular que se fundamenta a principal
diferença entre às células normais e cancerosas.Por outro lado, a capacidade de
crescimento e divisão entre essas células não é muito diferente. Apesar disso, é
importante. do câncer
Tabela 1. Alguns genes supressores de tumor relacionados a 
algumas doenças e localização cromossômica.
Tabela 2. Alguns genes e o tipo de tumor 
relacionados.
BASES GENÉTICAS DO CÂNCER
DENNISY MENDONÇA1, DOUGLAS RIBEIRO1, EDELA KAROLLYNE1, FABIANA LEITE1, LUDIMILA CRISTINA1, WAGNER 
SILVEIRA1, FLÁVIA MELO RODRIGUES2
1- ACADÊMICOS DO CURSO de Biologia UEG- Anápolis
2- DOCENTES DO CURSO de Biologia UEG- Anápolis.
INTRODUÇÃO
O câncer é uma doença genética porque as alterações ocorrem
dentro de genes específicos, mas na maioria dos casos não se
trata de doença herdada.
As alterações genéticas que causam a maioria dos cânceres
originam no DNA das células somáticas durante a vida da pessoa
afetada, as células cancerosas se proliferam incontrolavelmente,
produzindo tumores malignos que invadem os tecidos saudáveis
próximos às células tumorais.
A proliferação celular resulta numa massa (neoplasia ou tumor)
que invade os tecidos vizinhos (daí o nome câncer, que significa
caranguejo) e também pode levar os tumores malignos a se
disseminarem, cujo processo é conhecido por metástase, onde
grupos de células cancerosas “escapam” da massa tumoral e
atingem a circulação sangüínea ou linfática, e se espalham para
outros tecidos e órgãos, criando tumores secundários.
A compreensão da base genética do câncer, foi possível
graças à aplicação da genética molecular à analise de várias
formas de doenças malignas.È importante considerar que ao
contrário das células normais, as células malignas não
respondem aos sinais de regulação para cessar o crescimento e
a divisão celular, e assim, se acumulam e transformam-se em
tumores.
O tumor é o clone de células provenientes de uma única célula
ancestral na qual ocorre o evento desencadeante (uma mutação
somática).
Os genes que causam câncer são de dois tipos distintos:
oncogenes e genes de supressão tumoral.
GENÉTICA E CÂNCER
O câncer é o nome usado para descrever as formas mais
virulentas de neoplasia, um processo de doença caracterizado
por uma proliferação celular descontrolada que leva a uma
massa ou tumor.quando o tumor pode ser controlado ele é
chamado de benigno, mas para o tumor ser um câncer ele tem
que ser maligno, ou seja, seu crescimento não pode mais ser
controlado, além de ser capaz de invadir tecidos e órgão
vizinhos.
O câncer é fundamentalmente uma doença genética, pois as
alterações ocorrem dentro de genes específicos.Para entender o
câncer em conjunto com a genética é preciso destacar as bases
genéticas da doença, e os tipos de genes que estão envolvidos
nessa malignidade.
Pode-se dizer que a causa subjacente do câncer é uma
mutação gênica e que quando agentes carcinogênicos estão
envolvidos, eles atuam causando mutação.As mutações que
acarretam câncer afetam os genes responsáveis pela
proliferação e desenvolvimento celular e outras atividades
fundamentais das células
BASE GENÉTICA DO CÂNCER
Para que a base genética do câncer seja compreendida é
necessário o uso da genética molecular, pois segundo Thompson
2002, o anormal permite descobertas sobre o normal, ou seja, o
reconhecimento daquilo que ocorre de errado no câncer também
ajudou a esclarecer o controle genético de muitos aspectos do
crescimento celular normal.As mutações ocorrem