RELATÓRIO QG II - ESTEQUIOMETRIA
8 pág.

RELATÓRIO QG II - ESTEQUIOMETRIA


DisciplinaQuímica Geral II892 materiais8.913 seguidores
Pré-visualização3 páginas
UECE - Universidade Estadual do Ceará 
FACEDI \u2013 Faculdade de Educação de Itapipoca \u2013 Química Geral II \u2013 2016.2 
1 
 
Evidências Experimentais de Sistemas Estequiométricos 
Beatriz Praciano de CASTRO 
João Pedro de Souza BRAGA 
Universidade Estadual do Ceará/Faculdade de Educação de Itapipoca 
Relatório de Trabalho para Química Geral II 
Prof. Dr. Antonio Sávio Gomes Magalhães 
 
 
 
RESUMO 
O presente trabalho aborda a segunda prática da turma de Química Geral II sobre sistemas estequiométricos. Os 
objetivos dessa experiência no primeiro procedimento era desenvolver uma reação de precipitação, determinar o 
reagente limitante, obter o rendimento experimental e calcular o rendimento percentual. Ainda em um segundo 
procedimento, observar reações de desprendimento de gás, determinar reagente limitante e em excesso a partir 
das relações molares. A razão estequiométrica consiste de um fator que correlaciona os mols de reagentes ou 
produtos em uma equação química balanceada e é, através das razões estequiométricas, que se reconhece o 
reagente limitante de uma reação química. Como durante uma reação química podem ocorrer perdas é possível 
determinar o rendimento percentual utilizando os dados do rendimento experimental e teórico. 
 
PALAVRAS-CHAVE: Estequiometria; Reagente limitante; Rendimento percentual. 
 
INTRODUÇÃO 
 
 A estequiometria consolida-se como o estudo das reações que ocorrem ao misturar-se 
uma substância ou mais, os reagentes, transformada(s) em uma ou mais substâncias 
diferentes, os produtos. Ao exemplo, quanto de cada reagente deve ser usada para se obter a 
quantidade de produto desejado. De acordo com FELTRE (2004), a estequiometria é o cálculo 
das quantidades de reagentes e\u2215ou produtos das reações químicas feito com base nas leis das 
reações, e executado, em geral, com o auxílio das equações químicas correspondentes. 
 Nos cálculos estequiométricos os valores das massas atômicas utilizados são 
comumente arredondados, sendo a unidade \u201cu\u201d. A massa atômica de um elemento é a média 
ponderada da massa de seus isótopos, essa média leva em conta a quantidade de cada isótopo 
encontrado na natureza. Já a constante de Avogadro (6,022.1023 mol-1) corresponde 
numericamente ao número de átomos da massa atômica de uma substância. 
 Os cálculos estequiométricos obedecem leis ponderais, bem como a Lei de Lavoisier, 
diz-se que na reação química em um sistema fechado, a soma das massas dos reagentes é 
igual à soma das massas dos produtos. A partir torna-se célebre a frase de Lavoisier: \u201cNa 
natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma\u201d. Também a Lei de Proust, diz-se que 
uma mesma substância apresenta sempre a mesma proporção dos elementos que a compõem. 
UECE - Universidade Estadual do Ceará 
FACEDI \u2013 Faculdade de Educação de Itapipoca \u2013 Química Geral II \u2013 2016.2 
2 
 
 Em termos práticos, quando um químico executa uma reação, normalmente visa 
produzir uma maior quantidade possível de um composto. Geralmente, para garantir que um 
dos reagentes seja completamente consumido, é necessário que um dos reagentes esteja em 
excesso em relação às quantidades estequiométricas. 
 Nas reações químicas que envolvem reagente em excesso, a quantidade de produto é 
limitada pelo reagente limitante. Segundo KOTZ (2005), a quantidade máxima de produtos 
obtida oriunda de uma reação é o que definimos como rendimento teórico. No entanto, o 
rendimento experimental de um determinado composto é menor que o rendimento teórico. 
 Durante os processos reacionais realizados em laboratório ou na indústria, sempre 
ocorre perda de produto durante a purificação. Em alguns casos, as reações não ocorrem 
completamente, ou até mesmo as reações tornam-se complicadas devido à formação de 
subprodutos indesejados. 
 
OBJETIVOS 
 
 O presente trabalho caracteriza a aula prática no laboratório da instituição sobre 
sistemas estequiométricos por meio de evidências experimentais. Cujos objetivos eram 
desenvolver uma reação de precipitação entre dois sais, determinar o reagente limitante de 
uma mistura reacional, obter o rendimento experimental de uma reação de precipitação e 
calcular o rendimento percentual. Ainda, observar reações de desprendimento de gás e 
verificar a lei de conservação da massa, e determinar reagente limitante e em excesso a partir 
das relações molares. 
 
MATERIAIS E REAGENTES 
 
 Os reagentes utilizados na prática experimental foram cloreto de bário (BaCl2 0,2 
mol\u2215L), fosfato de sódio (Na3PO4 0,2 mol\u2215L), bicarbonato de sódio (NaHCO3), vinagre 
(solução aquosa de ácido acético [CH3COOH] grau de acidez 4%) e água destilada (H2O). Os 
materiais utilizados foram, béquer, placa de Petri, tubos de ensaio, proveta, funil de haste 
longa, estante para tubo de ensaio, pisseta, conta-gotas, papel filtro, bexigas, balança comum, 
estufa, suporte universal e garrafas de vidro com capacidade de aproximadamente 150 mL. 
 
PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 
UECE - Universidade Estadual do Ceará 
FACEDI \u2013 Faculdade de Educação de Itapipoca \u2013 Química Geral II \u2013 2016.2 
3 
 
1. OBTENÇÃO DO FOSFATO DE BÁRIO - Ba3(PO4)2 
 Misturou-se em um béquer 25 mL da solução de Na3PO4 e 15 mL da solução de BaCl2, 
ambas incolores. Colocou-se a solução (Figura 1), resultante das substâncias misturadas, em 
um funil com papel filtro (Figura 2), previamente preparado. Recolheu-se o material extraído 
por meio da filtração, e levou-se o papel filtro com o precipitado ainda umedecido para estufa. 
Após um período de tempo, retirou-se o papel filtro com o precipitado da estufa, e levou-o 
para a balança. O procedimento de pesagem foi repetido até ser identificado nenhuma 
variação da massa do papel filtro com o precipitado Ba3(PO4)2 (Figura 3). 
 
 Figura 1: Solução resultante. Figura 2: Filtração. Figura 3: Precipitado Ba3(PO4)2. 
 
 
 
 
 
 
 
 Fonte: Próprio autor. Fonte: Próprio autor. Fonte: Próprio autor. 
 
2. DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DO REAGENTE LIMITANTE 
 Adicionou-se aproximadamente 2 mL da solução extraída do funil de haste longa em 
dois tubos de ensaio. Dos quais adicionou-se 3 gotas de Na3PO4 em um tubo de ensaio, nada 
aconteceu. De mesmo modo, adicionou-se 3 gotas de BaCl2 no outro tubo de ensaio, a solução 
precipitou. 
 
1. PROCEDIMENTO REPETIDO COM QUANTIDADES DIFERENTES 
 Misturou-se em um béquer 10 mL da solução de Na3PO4 e 25 mL da solução de 
BaCl2, ambas incolores. 
 
2. DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DO REAGENTE LIMITANTE 
 Seguindo de mesmo modo o procedimento acima, adicionou-se 3 gotas de Na3PO4 
em um tubo de ensaio, onde precipitou (Figura 4). De mesmo modo adicionou-se 3 gotas de 
BaCl2, entretanto não houve alteração (Figura 5). 
 
UECE - Universidade Estadual do Ceará 
FACEDI \u2013 Faculdade de Educação de Itapipoca \u2013 Química Geral II \u2013 2016.2 
4 
 
 Figura 4: Reagente em excesso. Figura 5: Reagente limitante. 
 
 
 
 
 
 
 
 Fonte: Próprio autor. Fonte: Próprio autor. 
 
REAÇÃO DE NaHCO3 COM CH3COOH 
 Colocou-se 8,0 g da solução de NaHCO3 em três bexigas, que foram identificadas 
respectivamente com as letras A, B e C. As bexigas foram ajustadas em 3 garrafas de vidro 
com capacidade aproximada de 150 mL. A primeira garrafa contendo 7 mL, a segunda 
contendo 50 mL e a terceira contendo 95 ml de vinagre (4% de ácido acético [CH3COOH]). 
 
RESULTADOS E DISCUSSÕES 
 
 Os dados obtidos nos procedimentos foram tabelados, e a partir de cálculos