A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
15 pág.
Resumo III

Pré-visualização | Página 1 de 6

RESUMO – HISTOLOGIA BUCODENTAL – UNIDADE III
PERIODONTO: estruturas que participam na sustentação e revestem os dentes na maxila e mandíbula e pode ser divido em duas partes:
Periodonto de inserção ou sustentação: responsável pela ancoragem do dente no alvéolo – cemento, ligamento periodontal e osso alveolar;
Periodonto marginal ou livre: gengiva. Recobre a crista do processo alveolar;
PERIODONTO DE INSERÇÃO:
Origem: ectomesenquimal;
Resumidamente: é a unidade funcional entre o dente e o alvéolo;
Formação: fase de raiz. Dependem da formação de dentina radicular e da presença da bainha epitelial de Hertwig;
CEMENTO:
Tecido conjuntivo mineralizado que recobre a dentina radicular;
Função: inserção das fibras do ligamento periodontal na raiz do dente;
Estrutura muito semelhante ao tecido ósseo;
60% de conteúdo mineral;
Matriz orgânica: principalmente colágeno tipo I e proteínas não colágenas;
Normalmente não sofre remodelação;
É um tecido avascular: depende do ligamento periodontal para se nutrir por difusão;
A espessura do cemento varia conforme a região:
No terço cervical: muito fino (30 a 50 µm);
Aumenta gradualmente em direção ao ápice (180 a 200 µm)
CEMENTOGÊNESE:
Início da formação radicular (fase de raiz);
Células ectomenquimais do folículo dentário se diferenciam em cementoblastos;
Após a fragmentação da bainha epitelial de Hertwig, as células ectomesenquimais do folículo dentário entram em contato com a raiz em formação. 
Se diferenciam em cementoblastos e fibroblastos;
CEMENTOBLASTOS: organelas de síntese e secreção muito desenvolvidas 
Cementoblastos e fibroblastos secretam a matriz orgânica do cemento, fibras colágenas e outras moléculas;
MINERALIZAÇÃO DO CEMENTO: 
Ocorre pela deposição de fosfato de cálcio (hidroxiapatita);
Semelhantes ao osso e à dentina (porém sem vesículas de matriz);
A formação do cemento ocorre por aposição;
DESENVOLVIMENTO: 
Formação das primeiras camadas de cemento (terço cervical da raiz):
Os fibroblastos (formam fibras colágenas extrínsecas);
Os cementoblastos recuam após secretam a matriz do cemento;
Quando a formação da dentina radicular alcança a metade da raiz:
Os cementoblastos secretam maior quantidade de matriz orgânica;
A secreção também é mais rápida porque o dente está em erupção;
Cementoblastos: ficam aprisionados na matriz, tornando cementócitos;
Cemento celular: terço médio e apical da raiz;
Matriz contendo fibras mistas;
Fibras extrínsecas originadas dos fibrosblastos;
Fibras intrínsecas formadas pelos cementoblastos; 
TIPOS DE CEMENTO:
Existem duas formas principais de cemento: 
Cemento celular;
Cemento acelular:
CEMENTO ACELULAR (FIBRAS EXTRINSECAS):
Cemento primário;
Terço cervical de todos os dentes;
Matiz constituída por grossos feixes de fibras colágenas – Fibras de Sharpey (produzidas pelos fibroblastos do ligamento periodontal);
Aspecto homogêneo – mineralização uniforme das fibras inseridas no cemento;
CEMENTO CELULAR (FIBRAS MISTAS):
A partir do terço médio da raiz e na área de furca;
Maior espessura que o cemento acelular;
Presença dos cementócitos;
Matriz orgânica: fibras colágenas produzidas pelos cementoblastos e fibroblastos do ligamento periodontal;
Mineralização incompleta das fibras de Sharpey;
CEMENTO CELULAR (FIBRAS INTRÍNSECAS):
Não se forma durante o desenvolvimento do dente;
Tipo de cemento constituído apenas pelo produto dos cementoblastos;
Produzido quando o cemento e o ligamento já estão formados – cemento secundário;
É originado em casos de reparação ou compensação dos desgastes oclusais funcionais;
Na borda do cemento mineralizado existe uma camada semelhante à matriz orgânica não mineralizada – cementóide. 
TIPOS DE CEMENTO:
Mesmo nas regiões onde predomina o cemento celular, forma-se uma camada, geralmente única, de cemento acelular;
O cemento acelular recobre o terço cervical de todos os dentes, porém sua extensão é maior nos incisivos e caninos que nos pré-molares e molares;
O cemento celular pode estar ausente nos incisivos e caninos;
Algumas regiões apresentam camada alternadas de cemento acelular e celular;
CEMENTOBLASTOS:
Células que sintetizam a matriz orgânica intrínseca do cemento (90% de fibras colágenas tipo I);
Forma arredonda ou ovalada;
Muitas organelas de síntese e secreção de proteínas;
No dente formado ficam justapostos ao cementóide;
CEMENTÓCITOS:
Cementoblastos que ficaram aprisionados na matriz do cemento durante sua formação;
Se assemelham aos osteócitos do tecido ósseo;
Possuem numerosos prolongamentos que estabelecem comunicação com os das células vizinhas – canalículos;
Pouca atividade metabólica – poucas organelas.
JUÇÃO AMELOCEMTÁRIA:
Determina a separação entre a coroa e a raiz;
O cemento e o esmalte podem se relacionar de três maneiras;
LIGAMENTO PERIODONTAL:
Tecido conjuntivo não-mineralizado;
Localizado entre o cemento e o osso alveolar;
Estabelece a articulação entre o dente e o alvéolo;
Formado por grossos feixes de fibras colágenas que se inserem no cemento alveolar;
Amortece as forças mastigatórias;
DESENVOLVIMENTO:
Originados do folículo dentário;
Começa seu desenvolvimento imediatamente após o inicio da formação da raiz do dente (fase raiz);
Células da região central do folículo dentário se diferenciam em fibroblastos; 
Fibroblastos: ficam em extremidade voltada para o osso e em voltada para o cemento em formação;
Do lado do cemento: os fibroblastos são responsáveis pela formação das fibras extrínsecas;
Do lado do osso: os fibroblastos formam as fibras que ficarão inseridas no osso alveolar;
Formação do LP: durante a formação da raiz e durante a erupção;
Os feixes de fibras colágenas sofrem mudanças no seu arranjo e disposição à medida que vão sendo formadas;
A estrutura final do ligamento periodontal somente é alcançada após o término da erupção;
CÉLULAS DO LIGAMENTO PERIODONTAL:
Mais abundantes: fibroblastos (tecido conjuntivo);
Fibroblastos do LP: rápida renovação (turnover) e remodelação dos constituintes da matriz;
Outras células:
Células indiferenciadas;
Restos epiteliais de malassez;
Células dos dois tecidos adjacentes (cementoblastos, odontoblastos, osteoblastos e células de revestimento ósseo);
FIBROBLASTOS:
Forma alongada, fusiforme, com núcleo ovoide e vários processos citoplasmáticos;
Formação de colágeno e outras moléculas da matriz;
Formação e destruição das fibras colágenas (turnover do colágeno);
CÉLULAS INDIFERENCIADAS:
Quando necessário, se diferenciam em novas células de natureza conjuntiva;
Células pequenas e fusiformes – aspecto de fibroblastos inativos;
Localizam-se próximas aos vasos sanguíneos;
MATRIZ EXTRACELULAR:
Parte fibrilar: Colágeno tipo I: 
Encontradas de maneira isolada ou agrupada;
Parte não fibrilar – substância fundamental: 
Proteoglicanas e glicosaminoglinas, glicoproteínas, alguns lipídios outras macromoléculas e grande quantidade de água;
Participa do amortecimento das forças mastigatórias aplicadas sobre o dente e o Periodonto;
FIBRAS PRINCIPAIS DO LIGAMENTO:
Fibras principais: feixes colágenos que se inserem do emento ao osso alveolar atravessando o ligamento;
São os componentes mais característicos do ligamento periodontal;
As fibras principais são distinguidas em 5 grupos sendo a orientação e a região da raiz na qual inseridas:
Grupo de fibras da crista alveolar: 
Se inserem no cemento logo após o limite amelocementário;
Dirigem-se obliquamente em sentido apical;
Inserem-se na crista do processo alveolar.
Grupo de fibras horizontais:
Localizado abaixo do grupo de fibras da crista alveolar; 
Após a inserção no cemento, os feixes dirigem-se para o osso alveolar formando um ângulo reto com a superfície radicular;
Grupo de fibras obliquas:
Constituído pelo maior numero de feixes (2/3 do comprimento da raiz);
Apresentam inclinação no sentindo inverso ao grupo da crista alveolar;
Grupo de fibras apicais:
Se inserem no cemento que recobre o ápice do dente;
Dirigem-se radial e divergentemente para o osso alveolar;