A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
49 pág.
Trabalho de Conclusão de Curso (1)

Pré-visualização | Página 8 de 9

de novas moradias para atendimento as necessidades apresentadas pelo mercado imobiliário de cada região, o que nos traz a preocupação do impacto dos resíduos sólidos gerados pelas construções no meio ambiente, com consequências para a sociedade e poder público.
Conforme estudo de caso, constatou-se que a Construção A gerencia os resíduos de classe A fazendo uso de práticas não observadas na Construção B.
Não foi evidenciado na Construção B um plano de gerenciamento de resíduos sólidos, conforme determina a Resolução Conama nº 307, o que deve ter dificultado a implantação de procedimentos relativos a gestão de resíduos Classe A.
Na Construção B, observou-se somente um projeto implantado, que tinha como seguimento a não geração e redução de resíduos, pois assim, a mesma conseguiria diminuir o orçamento da obra reduzindo o número de materiais desperdiçados, mas da parte de segregação dos resíduos gerados, a construção também só teve a preocupação em separar os que podem ser vendidos facilmente (madeira, papelão, vidro e etc), porém, em relação aos resíduos de classe A, eram contaminados com outras classes de resíduos, impossibilitando a disposição ideal e a utilização futura.
A Construção B não se planejou para ser ambientalmente correta, no entanto, a própria empresa construtora não adicionou o orçamento necessário para a gestão de resíduos, o que dificulta a construção seguir os padrões estabelecidos.
Construção A, tem desde seu projeto inicial a parte ambiental planejada, com profissionais capacitados para orientar e corrigir o que houver necessidade, isto se deu por conta da construção estar localizada em um bairro planejado para ser ecologicamente correto.
A Construção A, executa a triagem de acordo coma estabelece a Resolução 307 do CONAMA, e com a triagem correta, possibilita a destinação dos resíduos de classe A para locais corretos, como a Usina de reciclagem ou terreno da própria empresa construtora para a reutilização futura, como também já é estabelecido pela Resolução.
Portanto, a Construção A buscou alcançar os padrões verde estabelecidos pela TERRACAP desde o início de projeto, tomando todas as atitudes possíveis para favorecer o meio ambiente, diminuir o prejuízo dos cofres públicos e reduzir o desperdício na própria construção. 
Através do gerenciamento de resíduos sólidos de classe A correto, pode-se concluir que mesmo na etapa construtiva de Estrutura/Alvenaria, que são etapas em que o resíduo de classe A tem um desperdício elevado, pode-se reduzir satisfatoriamente o volume desperdiçado. As práticas adotadas pela Construção A, proporcionou grande diferença referente aos resíduos de classe A desperdiçados pela Construção B.
A organização da Construção A na gestão de resíduos, a segregação correta e os cuidados tomados, permite que a construção identifique em qual etapa se desperdiça mais resíduos, e assim, tomar ações preventivas. Esta organização na gestão de resíduos irá se refletir em seu orçamento final, onde a cada etapa construtiva procura melhorar sua gestão e diminuir os gastos com materiais para cobrir as perdas. 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ABRAMAT; FGV PROJETOS. Perfil da cadeia produtiva da construção e o da industria de materiais e equipamentos. 2014. 60p
ABRECON. História do entulho. 2015. Disponível em: <http://www.abrecon.org.br/index.php/historia-do-entulho/>. Acesso em: 3 out. 2015.
______. O que é entulho?. 2016. Disponível em: <http://www.abrecon.org.br/
Conteudo/5/O-que-e.aspx>. Acesso em: 9 jan. 2016.
ADDIS, Bill. Reuso de materiais e elementos de construção. Tradução: Christina Del Posso. São Paulo: Oficina de Textos, 2010.
AGOPYAN, Vahan; JOHN, Vanderlei M.; GOLDEMBERG, José. (Coord.). O desafio da sustentabilidade na construção civil. v. 5. São Paulo: Blucher, 2011.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 10.004/2004: resíduos sólidos: classificação. Rio de Janeiro, 2004a. Disponível em: <http://www.abetre.org.br/biblioteca/publicacoes/publicacoes-abetre/classificacao-de-residuos>. Acesso em: 23 out. 2015.
BLUMENSCHEIN, Raquel Naves. A sustentabilidade na cadeia produtiva da indústria da construção. Brasília, 2004, 249 p. Tese (Doutorado). Centro de Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília.
______. NBR 15.112/2004: resíduos da construção civil e resíduos volumosos: áreas de transbordo e triagem. Rio de Janeiro, 2004b.
______. NBR 15.113/2004: resíduos sólidos da construção civil e resíduos inertes: aterros. Rio de Janeiro, 2004c.
______. NBR 15.114/2004: resíduos sólidos da construção civil: áreas de reciclagem. Rio de Janeiro, 2004d.
______. NBR 15.115/2004: agregados reciclados de resíduos sólidos da construção civil: execução de camadas de pavimentação. Rio de Janeiro, 2004e.
______. NBR 15.116/2004: agregados reciclados de resíduos sólidos da construção civil: utilização em pavimentação e preparo de concreto sem função estrutural. Rio de Janeiro, 2004f.
BRASIL. Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, 2010. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm>. Acesso em: 23 set. 2015.
______. Resolução nº 307, de julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. CONAMA: DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96, 2002. Disponível em: <http://www.mma.gov.
br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=307>. Acesso em: 23 set. 2015.
______. MINISTÉRIO DAS CIDADES. Propostas iniciais para diretrizes de licenciamento de áreas de manejo: resíduos da construção civil, volumosos e inertes. [s.d]. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/estruturas/sqa_pnla/_
arquivos/46_10112008103231.pdf>. Acesso em: 27 de Out de 2015.
______. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Planos de gestão de resíduos sólidos: manual de orientação Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2012. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/estruturas/182/_arquivos/manual_de_
residuos_solidos3003_182.pdf>. Acesso em: 30 out. 2015.
CABRAL, Antônio Eduardo Bezerra.; MOREIRA, Kelvya Maria de Vasconcelos. Manual sobre os resíduos sólidos da construção civil. Fortaleza-CE: Sinduscon, 2011. Disponível em: <http://www.sinduscon-ce.org/ce/downloads/pqvc/Manual-de-Gestao-de-Residuos-Solidos.pdf>. Acesso em: 29 out. 2015.
CARELI, Elcio Duduchi. Gestão online de resíduos da construção civil: inovação a partir de Santo/SP. 1f. São Paulo, 2015. Disponível em: <http://www.obralimpa.
com.br/index.php/category/artigos-gestao-residuos/>. Acesso em: 3 out. 2015. 
CBIC. Resumo contas Nacionais: PIB e VAB Total Brasil, VAB Industria e VAB Construção civil. 2016. Disponível em: <http://www.cbicdados.com.br/media/ anexos/Boletim_Ano12n03.pdf>. Acesso em: 01 maio 2016.
CONCEITO DE. Significado de resíduos sólidos. 2015. Disponível em: <http://www.significados.com.br/residuos-solidos/>. Acesso em: 3 out. 2015.
CBCS. Aspectos da construção sustentável no Brasil e promoção de políticas públicas. São Paulo: Ministério do Meio Ambiente, 2014. Disponível em: <http://
www.cbcs.org.br/_5dotSystem/userFiles/MMA-Pnuma/Aspectos%20da%20Constru
cao%20Sustentavel%20no%20Brasil%20e%20Promocao%20de%20Politicas%20Publicas.pdf>. Acesso em: 5 out. 2015.
COLOMBO, Ciliana Regina; BAZZO, Walter Antonio. Desperdício na construção civil e a questão habitacional: um enfoque CTS. 2000. Disponível em: <http://www.oei.es/salactsi/colombobazzo.htm>. Acesso em: 30 out. 2015.
CONSTRUCLUBE. Sobre. 2013. Disponível em: <http://www.construclube.com.br/
#!sobre/c1x1t>. Acesso em: 5 out. 2015.
CONSTRUSAID. Construção civil: reduzir o consumo de água e energia é o maior desafio. 2016. Disponível em: <http://www.construsaid.com.br/informativo/saiba_
texto_imprimir.asp?cadastroid=9083>. Acesso em: 3 out. 2015.
FGV. A construção de Brasília, 2015. Disponível em: <https://cpdoc.fgv.br/
producao/dossies/JK/artigos/Brasilia/Construcao>.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.