abieps boletim tecnico csao
4 pág.

abieps boletim tecnico csao


DisciplinaHidrologia5.426 materiais32.203 seguidores
Pré-visualização1 página
Caixa Separadora de Água e Óleo - CSAO
Boletim Técnico
Revisão A
04/05/2015
001
Boletim Técnico 001 1
O que é CSAO e Como Funciona
Filtro Coalescente
A Caixa Separadora de Água e Óleo - CSAO é o principal componente do Sistema de Drenagem Oleosa (SDO)
que tem por objetivo retirar partículas de óleo, gasolina e também sólidas da água proveniente da área do posto
sujeita à contaminação por esse tipo de resíduo, também chamada de Área de Contribuição. Essa água com óleo
e detritos é encaminhada ao Sistema de Separação de Água e Óleo por uma canaleta que circunda a área de
contribuição.
Essa água passa primeiramente numa caixa de grade que impede a passagem de sólidos grandes. Em seguida
passa na caixa separadora de areia que permite a decantação da areia, sendo que só a água com óleo passa para
a CSAO. Nessa caixa, com a velocidade da água bem reduzida, as partículas de óleo vão aderindo ao filtro
coalescente, aumentando de tamanho e por fim flutuam na água, podendo ser então removidas mecanicamente
do sistema. A água sem areia nem óleo passa pela caixa coletora de amostra e é descartada no sistema de esgoto,
ou caso não exista, na rede de águas pluviais. A importância desse tratamento é muito grande. Por exemplo,
tratando-se de água reaproveitável, 1 colher de chá de óleo mineral contamina 100 litros de água (28 ppm).
O SDO segue também a resolução CONAMA 430 de
2011, que limita em 20mg/litro (28 ppm) a
concentração máxima de óleo mineral na saída do
sistema.
A CSAO tem seu dimensionamento previsto no Anexo A
da Norma \u201cNBR 14605 \u2013 Armazenamento de Líquidos
Inflamáveis e Combustíveis \u2013 Sistema de Drenagem
Oleosa\u201d, que também estabelece o projeto, instalação,
operação e manutenção do SDO. Sua eficiência é
avaliada conforme a parte 7 da mesma norma.
SDO
Obs.: Os itens em vermelho são os 
componentes principais do sistema. 
Caixa Separadora de Água e Óleo - CSAO
Boletim Técnico
Revisão A
04/05/2015001
Dimensionamento da CSAO
Boletim Técnico 001 2
No entanto, para os casos em que se decida por construir \u201cin loco\u201d, é 
importante atentar às seguintes exigências: 
\uf0a7 Seguir instruções da norma ABNT NBR 14605-2
\uf0a7 Avaliar sua eficiência de acordo com ABNT NBR 14605-7;
\uf0a7 Ter profissional habilitado responsável pelo projeto, execução e 
instalação;
\uf0a7 Utilizar na fabricação, material estanque impermeável e resistente 
aos resíduos oleosos presentes;
\uf0a7 Ter acessibilidade para manutenção e limpeza;
\uf0a7 Possuir tampa de acesso que resista ao tráfego do local (ABNT 
NBR 15118-2004-Anexo F);
\uf0a7 Possuir tampa cega que evite a entrada de águas pluviais;
\uf0a7 Ser estruturada para suportar os esforços provenientes do tráfego 
de veículo e solicitação do solo do entorno.
É importante que o posto mantenha um programa constante de 
manutenção da CSAO. Além da limpeza periódica que deve ser calculada 
com base no montante dos resíduos produzidos, é prudente saber se as 
placas coalescentes estão funcionando corretamente. Para isso é 
recomendável realizar o exame laboratorial a casa 6 meses. Esse exame 
não deve ser feito antes de 7 dias após a limpeza. Além disso, deve-se 
atender determinações do fabricante da caixa e da ABNT NBR 15504-3.
A Importância da Manutenção da CSAO: 
ATENÇÃO: Um ponto importante é a destinação do óleo retirado, que deve ser executada por uma empresa 
especializada e que seja cadastrada no Órgão ambiental do estado. 
Os parâmetros de dimensionamento de uma caixa separadora 
são a vazão e as concentrações de resíduos oleosos. Para um 
melhor desempenho da SAO, ao invés de construí-la no local, o 
melhor é adquiri-la no mercado, que disponibiliza CSAOs de 
vários fabricantes, projetadas e dimensionadas de acordo com 
as determinações da Resolução CONAMA 430. 
Caixa Separadora de Água e Óleo - CSAO
Boletim Técnico
Revisão A
04/05/2015001
Boletim Técnico 001 3
A Caixa Separadora de Água e Óleo deve ficar instalada em local
que garanta a coleta dos efluentes oleosos provenientes das áreas
onde existam equipamentos/atividades com possibilidades de
geração desse tipo de resíduo.
Deverá estar distante de locais de tráfego intenso e de escoamento
de águas pluviais. O local deve permitir desníveis de modo a
aproveitar a ação da gravidade para escoamento.
Local da Instalação e Cuidados Básicos
Modo de Instalação
\u2022 Abrir a cavidade necessária para a instalação da caixa (CSAO);
\u2022 Evolver a caixa com aterro compactado em sua volta. É importante 
utilizar material adequado para o preenchimento da cava ao redor da 
caixa. O solo local deve ser descartado e não utilizado para essa 
finalidade; 
\u2022 A carcaça da caixa deve estar sempre nivelada. Inclinações para 
qualquer extremidades causarão mau funcionamento ao sistema;
\u2022 Providenciar a ancoragem da caixa, quando instalada em área de 
trânsito, ou em local com nível de água atípico; (lençol freático alto)
\u2022 Após o término da fase de instalação, faça uma limpeza geral de todo 
o sistema retirando qualquer detrito pós obra;
\u2022 Manter as tampas das caixa sempre encaixadas à carcaça, evitando 
que águas provenientes de fora do sistema invadam o interior da 
caixa, causando transbordamento e possível contaminação do solo;
\u2022 Religar a saída da caixa na rede de esgoto. Caso não exista, fazer a 
ligação em reservatório próprio , coletar e proceder a destinação 
correta dos resíduos; 
Outros pontos importantes!
1. Os Postos com lavagem de
veículos devem possuir SDO
independentes das demais áreas. 
3. As canaletas que circundam a área de 
abastecimento, construídas internamente à 
projeção da cobertura (0,5m) devem ter 
dimensionamento conforme NBR 14605-2. 
A pavimentação dessa área deve garantir 
caimento para essas canaletas.
2. As áreas de troca de óleo, oficinas e 
outros serviços automotivos, com 
contribuição de resíduos oleosos, 
devem também serem dotados de 
canaletas para captação desses 
efluentes. 
Caixa Separadora de Água e Óleo - CSAO
Boletim Técnico
Revisão A
04/05/2015001
Créditos:
Boletim Técnico 001 4
ABIEPS
Arxo
Eco Ambiental
Grupo Zeppini
Nupi
Oleofil
OPW
Petrobras
Internet 
Fontes de Referência e Imagens:
Diretoria Técnica:
Fábio Regiani
Diretoria Regional - Dir1: Rio de Janeiro
Tânia Assis Andrade
Consultoria Técnica:
Fernando Aroca 
Realização:
Secretaria Executiva:
Eduardo C. Hiluey
Supervisão:
Legislação:
NBR 14605 / 2 \u2013 Projeto, dimensionamento, instalação, operação e manutenção
NBR 14605 / 7 \u2013 Avaliação da eficiência
NBR 15594 / 3 - Manutenção do SDO
NBR 9898 \u2013 Análise de efluentes 
NBR 15118 \u2013 Fabricação
NBR 13786 \u2013 Seleção de Equipamentos
CONAMA 430 \u2013 Complementa e Altera a Resolução 357
CONAMA 357 - Classificação dos corpos de água e padrões de lançamento dos efluentes
CONAMA 362 \u2013 Recolhimento, coleta e destinação de óleo lubrificante usado
Presidente:
Antônio Augusto Franco Ferreira
Gestão 2015: