A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
414 pág.
Manual de Sinalizacao de Rodoviaria - DNIT

Pré-visualização | Página 39 de 50

quais não se deseja permitir a circulação de 
veículos, conforme ilustrado na Figura 243 a seguir. 
Exemplo de Aplicação: Interrupção de acostamentos em pista simples, nas aproximações de ponte 
estreita. 
Manual de Sinalização Rodoviária 
 
 
251 
MT/DNIT/IPR 
Figura 243 – Marcas de áreas de pavimento não utilizável (MAN) 
 
A Tabela 25, a seguir, ilustra os comprimentos mínimos de transição recomendáveis para as MAN, 
em função da velocidade. 
Tabela 25 – Comprimentos mínimos de transição recomendáveis 
VELOCIDADE REGULAMENTADA 
NA RODOVIA 
v 
(km/h) 
TRANSIÇÃO NO ACOSTAMENTO 
ta 
(m) 
V < 60 30 
60 ≤ V < 80 40 
V ≥ 80 50 
 
Exemplo de Aplicação: Canteiro central fictício, conforme ilustrado na Figura 244 a seguir: 
Figura 244 – Canteiro central fictício 
 
Manual de Sinalização Rodoviária 
 
 
252 
MT/DNIT/IPR 
3.5.3. Marca de transição de largura de pista (MTL) 
É a marca utilizada para orientar o fluxo de veículos, em casos de aumento ou diminuição do número 
de faixas de rolamento, conforme Figura 245 a seguir: 
Figura 245 – Marca de transição de largura de pista (MTL) 
 
Exemplo de aplicação: final de faixa adicional, com deslocamento do fluxo da esquerda para a direita, 
conforme Figura 246 a seguir: 
Figura 246 – Alternância no número de faixas de trânsito destinadas 
a cada sentido de circulação 
 
 
Método para calcular o comprimento do trecho de transição 
l = ½ x v x d 
Onde: 
l = comprimento do trecho de transição (m) 
v = velocidade regulamentada no trecho (km/h) 
d = variação na largura da pista 
Manual de Sinalização Rodoviária 
 
 
253 
MT/DNIT/IPR 
Comprimentos dos trechos de transição diferentes dos obtidos pelo método apresentado cabem ser 
justificados em projeto específico. 
3.5.4. Outras marcas de canalização 
O Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito (CONTRAN, 2007) apresenta ainda 3 (três) outros 
tipos de marcas de canalização, são eles: 
Marca de aproximação de obstáculos permanentes (MAO); 
Marca de acostamento pavimentado e de canteiro central fictício (MAC); 
Marca de interseção em rotatória (MIR). 
3.6. MARCAS DE DELIMITAÇÃO E CONTROLE DE ESTACIONAMENTO E 
DE PARADA 
São as marcas que delimitam e controlam o estacionamento e a parada de veículos e podem 
acompanhar a sinalização vertical de regulamentação. 
3.6.1. Marca delimitadora de parada de veículos específicos (MVE) 
A MVE delimita a área da pista destinada à operação exclusiva de parada. Deve ser acompanhada do 
sinal de regulamentação correspondente, exceto nos pontos de parada de transporte coletivo, para o 
embarque e desembarque dos passageiros. 
A MVE é uma linha contínua, tem a cor amarela, largura mínima de 10 cm e é a marca delimitadora 
de parada de veículos específicos mais comumente encontrada nas rodovias. 
Idealmente, a parada de ônibus deve ser localizada fora da pista de rolamento, além do acostamento, e 
jamais deve ser aplicada na faixa de rolamento. Quando a parada de ônibus for localizada no 
acostamento, deve vir acompanhada de marcas de área não trafegável, conforme a Figura 247, a 
seguir. 
Manual de Sinalização Rodoviária 
 
 
254 
MT/DNIT/IPR 
Figura 247 – Modelo de MVE em acostamento de rodovias 
 
 
 
3.6.2. Outras marcas delimitadoras 
O Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito (CONTRAN, 2007) prevê ainda as seguintes marcas 
de delimitação e controle de estacionamento e/ou parada: 
Marca delimitadora de estacionamento regulamentado (MER); 
Linha de indicação de proibição de estacionamento e/ou parada (LPP). 
3.7. INSCRIÇÕES NO PAVIMENTO 
As inscrições no pavimento se apresentam como setas, símbolos ou legendas, aplicados sobre as 
faixas ou sobre a pista de rolamento, com o objetivo de advertir, orientar e complementar a 
regulamentação do tráfego, ampliando a percepção do condutor quanto às condições de operação da 
via e permitindo tomar a decisão adequada na condução do veículo. 
3.7.1. Setas direcionais 
As setas direcionais são sempre aplicadas na cor branca e podem ser classificadas de acordo com as 
suas funções e características, em duas categorias distintas: 
− Setas indicativas de posicionamento na pista para execução de movimentos (PEM); 
− Seta indicativa de mudança obrigatória de faixa (MOF). 
3.7.1.1. Setas indicativas de posicionamento na pista para execução de movimentos (PEM) 
As setas PEM são empregadas nas aproximações de interseções e retornos, com a finalidade de 
orientar o motorista quanto ao seu posicionamento para a realização dos movimentos de conversão e 
retorno, ou para a manutenção da trajetória. 
Borda de pista Borda de pista 
Manual de Sinalização Rodoviária 
 
 
255 
MT/DNIT/IPR 
Portanto, poderão ser Setas de Conversão à Direita (ou à Esquerda), Retorno à Direita (ou à 
Esquerda), Siga em Frente, e Siga em Frente ou à Direita (ou à Esquerda), com dimensões conforme 
as Figuras 248 a 250 a seguir: 
Figura 248 – Setas “vire à direita” e “vire à esquerda” 
 
Manual de Sinalização Rodoviária 
 
 
256 
MT/DNIT/IPR 
Figura 249 – Setas “siga em frente ou vire à direita” e “siga em frente ou 
vire à esquerda” 
 
Manual de Sinalização Rodoviária 
 
 
257 
MT/DNIT/IPR 
Figura 250 – Setas “retorno à direita” e “retorno à esquerda” 
 
 
Deve haver uma seta para cada faixa de rolamento, disposta segundo o sentido do fluxo ao qual é 
dirigida sua mensagem e aplicada no centro da faixa, formando-se, assim, fileiras de tantas setas, 
paralelas, quantas forem às faixas de rolamento. Idealmente, recomenda-se implantar uma sequência 
Manual de Sinalização Rodoviária 
 
 
258 
MT/DNIT/IPR 
de 3 (três) setas para cada faixa. No entanto, admite-se, em função de restrições de espaço físico, por 
exemplo, o emprego de sequências com apenas duas setas. 
O espaçamento entre as fileiras e o comprimento das setas recomendado varia conforme a velocidade, 
de acordo com a Tabela 26, a seguir: 
Tabela 26 – Dimensões das setas e espaçamentos recomendáveis entre as fileiras 
VELOCIDADE 
REGULAMENTADA 
v (km/h) 
DISTÂNCIA (m) COMPRIMENTO 
DA SETA 
(m) 
d = d1 d2 
v< 60 30 45 5,00 
60 ≤ v ≤ 80 40 60 7,50 
v> 80 50 75 7,50 
d = distância entre a primeira fileira e o ponto de saída da faixa de trânsito (início da linha simples 
contínua da aproximação): 
d1 = distância entre a primeira e a segunda fileira 
d2 = distância entre a segunda e a terceira fileira 
 
Figura 251 – Exemplos de uso de setas PEM 
 
 
Manual de Sinalização Rodoviária 
 
 
259 
MT/DNIT/IPR 
3.7.1.2. Seta indicativa de mudança obrigatória de faixa (MOF) 
A seta indicativa de mudança obrigatória de faixa é utilizada sempre que houver uma redução na 
largura da pista. Ela é aplicada nas faixas de trânsito a serem suprimidas, indicando o movimento a ser 
efetuado em direção às faixas remanescentes, tendo em vista o término de faixa a ocorrer adiante. 
As setas indicativas de mudança obrigatória de faixa devem ser estabelecidas em função da 
velocidade regulamentada na via, com dimensões de acordo com a Figura 252, a seguir: 
Figura 252 - Seta de mudança obrigatória de faixa (MOF) 
 
 
Quando se tratar de supressão de faixa do tráfego direto e não apenas de término de faixa de 
aceleração, como por exemplo, nas passagens de pista dupla para pista simples, as Setas Indicativas 
de Mudança Obrigatória de Faixa devem ser pintadas num total de 3 (três), tal como na Figura 253 a 
seguir. A seta do meio deve acompanhar o sinal de advertência relativo ao estreitamento da pista: 
A-21b – estreitamento de pista à esquerda ou A-21c – estreitamento de pista à direita. 
Manual de Sinalização Rodoviária 
 
 
260 
MT/DNIT/IPR 
Figura 253 – Exemplo